25,000 Famílias Filipinas Recebem Ajuda Humanitária

  Teresa Pangilinan e Arvin James Despuig

  • 28 Outubro 2011

Desde os tufões de setembro, os membros nas Filipinas mobilizaram-se para fornecer socorro em forma de alimentos, água e cobertores aos necessitados.

"Estamos gratos por [a Igreja Mórmon] ter escolhido nossa humilde barangay (vila)." — Pepito Reyes, capitão da vila de Daldalayap, localizada na província de Tarlac

Reagindo a dois tufões que atingiram as Filipinas no último mês de setembro, causando inundações maciças, o Departamento de Bem-Estar da Igreja juntou-se a outras organizações não governamentais, como o Rotary Club e a Organização Soroptimista, assim como o Exército Filipino, a fim de distribuir mercadorias e kits de higiene nas cidades e vilas atingidas.

A Igreja forneceu arroz, água potável purificada, alimentos enlatados, macarrão, redes contra mosquitos, colchonetes e cobertores para aproximadamente 25.000 famílias.

Alguns dias depois dos tufões, membros das estacas filipinas de Camiling Leste, Santa Cruz, Cabanatuan, Angeles e Malolos passaram horas empacotando suprimentos de socorro aos afligidos pela calamidade. Depois, vestindo jalecos amarelos do Mãos Que Ajudam, auxiliaram na distribuição das mercadorias de socorro.

Pepito Reyes, capitão da vila de Daldalayap, localizada na província de Tarlac.

“Estamos gratos por [a Igreja Mórmon] ter escolhido nossa humilde barangay (vila)”, disse ele. “Isso realmente veio do céu.”

Os portadores do sacerdócio da estaca de Malolos juntaram-se aos membros das estacas próximas para ajudar a resgatar as pessoas dos locais inundados. O bispo Ruperto Dela Cruz, da estaca Venezuela, forneceu seu jet ski para ajudar no processo de resgate.

Em Hagonoy, Bulacan, a casa do presidente do ramo Leo Antonio Gatacilo ficou submersa. Juntamente com muitos outros membros de sua unidade, ele e a família foram forçados a se refugiar na capela.

Compreendendo que os alimentos e a água não estavam à disposição para eles, o presidente Gatacilo, que não sabe nadar, e três outros portadores do sacerdócio andaram durante mais de três horas— uma distância de vários quilômetros,— com água à altura do peito, a fim de chegar à capital da Província de Bulacan, Malolos, onde puderam obter recursos.

“Eu pensava apenas em minha família e nos membros do ramo e todos aqueles que precisavam de ajuda”, disse ele. “Tinha confiança em que os que vieram comigo me salvariam, acontecesse o que acontecesse.”

Tirso Jagonoy e sua esposa, Lea, de Calumpit, Bulacan, têm auxiliado nesse processo, embora sua própria casa tenha sido devastada pela enchente.

“Perdemos tudo”, disse a irmã Jagonoy. “Minha família e minhas escrituras foram as únicas coisas que me foram deixadas.”

Quando ouviram que os líderes da estaca estavam planejando distribuir suprimentos aos outros, decidiram que deveriam ajudar. “Somos muito necessários aqui”, disse o irmão Jagonoy.

Lucita Magguodatu foi uma das recebedoras das distribuições feitas pelos membros. “Sentimo-nos felizes com a ajuda, porque somos pobres e nossos recursos se foram”, disse ela.

Estacas, distritos e comunidades em Tarlac, Paniquiu, Cabanatuan, Angeles, Camiling, Rosales, Bayambang, Ilagan, Hagonoy, Calumpit, Angeles, La Paz, Santa Cruz, Laguna, Pampanga e Camiling estavam entre as beneficiárias dos empenhos de ajuda.