Apóstolos Dizem que o Legado de Fé Perdura na Área Pacífico

Contribuição de Jason Swensen, redator da equipe do Church News

  • 11 Março 2014

A Irmã Kathy Andersen e o Élder Neil L. Andersen cumprimentam os membros durante sua recente visita a Tonga.  Fotografia: cortesia da Área Pacífico.

Destaques de Artigos

  • Os Élderes Nelson, Andersen, Callister e outras Autoridades Gerais fizeram uma análise da Área do Pacífico e visitaram os membros em uma grande quantidade de países e territórios.
  • Os membros foram ensinados sobre a importância de compartilhar o evangelho, trabalhar em conjunto com os missionários e preparar sua família para o templo.

O passado da Igreja nas Ilhas do Pacífico pode surpreender a todos, menos aos alunos mais conhecedores da história mórmon.

Os primeiros missionários chegaram à Polinésia Francesa em 1844, com uma designação do próprio Profeta Joseph Smith. Lá eles compartilharam a mensagem do evangelho, três anos antes de os pioneiros mórmons começarem a se estabelecer no Vale do Lago Salgado.

A Área do Pacífico tornou-se um verdadeiro poder na Igreja, nos 170 anos desde a chegada daqueles primeiros missionários. Quase um milhão de membros moram na região, pertencentes a mais de 100 estacas. Dez templos pontilham o mapa da área, estendendo-se de Perth, Austrália, a Papeete, Taiti.

Os homens, mulheres e crianças que vivem nas ilhas do Pacífico “têm uma afinidade natural com as coisas de valor espiritual”, disse o Élder Russell M. Nelson do Quórum dos Doze Apóstolos. “Eles amam as escrituras e deleitam-se em cantar — e adoram por meio da música. Eles amam o templo e são um povo de convênio”.

O Élder Nelson retornou recentemente de uma longa visita (12–24 de fevereiro) à Área Pacífico. Sua esposa, Irmã Wendy Nelson, acompanhou-o em suas viagens. Também participando na visita à área esteve seu colega, o Apóstolo Élder Neil L. Andersen e sua esposa, Irmã Kathy Andersen. O Élder Tad R. Callister da Presidência dos Setenta, e sua esposa, Irmã Kathryn Callister, também fizeram paradas em várias nações na área.

Eles foram auxiliados em suas várias designações pela Presidência da Área Pacífico: Élder James J. Hamula, Élder Kevin W. Pearson e Élder O. Vincent Haleck, juntamente com suas respectivas esposas, Irmã Joyce Hamula, Irmã June Pearson e Irmã Peggy Haleck. Vários Setentas de Área também participaram das muitas reuniões da visita.

Ao todo, dezenas de milhares de membros do Pacífico Sul receberam conselhos e orientações dos Apóstolos e outras Autoridades Gerais e respectivas esposas, durante um “momento crucial de acelerar” que era sentido em todo o mundo. Foi ensinado aos membros a importância de compartilhar o evangelho, trabalhar em conjunto com os missionários e preparar sua família para o templo.

É comum aos membros do Quórum dos Doze Apóstolos visitar os líderes nacionais durante suas diversas designações em todo o mundo. Durante a recente visita à Área Pacífico, os líderes do governo frequentemente os procuravam — um indicador do carinho e respeito sentidos em relação à Igreja no Pacífico.

No dia 23 de fevereiro, o Élder Nelson presidiu a conferência da Estaca Papeete Taiti. Contados entre os mais de 1.100 presentes, estavam o presidente polinésio francês, Gaston Flosse, e o prefeito de Papeete, Michel Buillard.

“Com o presidente e o prefeito, estavam quatro fileiras de líderes do governo e suas companheiras — era um incrível sinal de apoio e gratidão à Igreja”, disse o Élder Nelson.

O Élder e Irmã Nelson cumprimentam os membros, durante sua recente visita à Área Pacífico.

“O presidente disse:“Nossos jovens precisam dos ensinamentos de sua Igreja, e somos gratos pelo que estão fazendo para o nosso país”, relembra o Élder Nelson.

O Élder Andersen apreciou a companhia do primeiro-ministro tonganês, Siale’ataongo Tu’ivakano, durante sua visita a essa ilha-nação. O líder tonganês falou em um evento cultural de jovens, patrocinado pela Igreja, onde salientou o papel da cultura e da religião na formação dos jovens de Tonga.

“Estou ciente de que a Igreja tem seus próprios programas organizacionais para rapazes e moças que os preparam para o futuro papel como membros da Igreja e como membros atuantes na sociedade”, disse ele. “Gostaria de aplaudir a Igreja por sua presciência visionária em nutrir e cultivar as sementes da fé, por meio do desenvolvimento dos jovens”.

O Élder Andersen disse que os líderes do governo tonganês também aplaudiram a generosidade dos santos dos últimos dias locais, imediatamente após um ciclone de 11 de janeiro, que causou danos significativos para as ilhas do norte do país.

“Eles me agradeceram profusamente por tudo o que os membros tinham feito”, acrescentou. “Os membros enviaram imediatamente materiais de [ajuda], de sua própria vontade, e isso fez uma diferença real”.

Em cada reunião, as Autoridades Gerais visitantes foram recebidas por grandes congregações de membros sorridentes que estavam ansiosos para aprender. Sempre que possível, os líderes da Igreja apertavam a mão de todos os que desejassem.

Em uma conversa particular, o Presidente Flosse disse ao Élder Nelson que a Polinésia Francesa precisa de mais santos dos últimos dias.

O Élder Andersen disse que nunca esqueceria as “vozes angelicais” dos membros fijiano, ou a fé florescente dos santos dos últimos dias na Nova Caledônia.

Um território francês, a Nova Caledônia é “um oásis no Pacífico”. Os membros de lá ganharam fama por sua dedicação ao templo. Eles são “um povo que frequenta o templo” — ainda que não tenham um edifício assim em sua própria terra.

“Os membros da Nova Caledonia jejuam, assam pães e doces para vender e trabalham durante o ano inteiro, e então vão ao templo por três ou quatro semanas de cada vez, à Nova Zelândia ou Taiti”, disse o Élder Andersen.

Enquanto presidia a várias reuniões em Papua-Nova Guiné, o Élder Callister testemunhou a fé em uma nação que escreve seus capítulos iniciais da história da Igreja.

“A Igreja é muito jovem em Papua Nova Guiné, mas há ali muitos membros que são completamente dedicados ao evangelho”, disse ele.

O Élder Callister acrescentou que não é incomum que membros de Papua Nova Guiné, que moram em regiões distantes, remem em canoas por mais de quatro dias, a fim de viajar para conferências de distrito.

Os membros e missionários que se reuniram para as conferências de 15–16 de fevereiro, em Hamilton, Nova Zelândia, apreciaram um deleite adicional durante a visita de Élder e Irmã Nelson. O Élder Glen L. Rudd, que serviu como Setenta, assistiu a vários eventos. Ele compartilhou um discurso em um devocional missionário e na Conferência da Estaca de Hamilton, Nova Zelândia Glenview.

Agora com 95 anos de idade, o Élder Rudd serviu como missionário quando jovem na Nova Zelândia, sob a direção do Élder Matthew Cowley, um Apóstolo. Ele voltaria depois para o país como presidente de missão e para presidir o Templo de Hamilton Nova Zelândia. Ele continua sendo um símbolo vivo da rica história da Igreja, de serviço e devoção na Nova Zelândia e por todo o Pacífico.

“Chamei o Élder Rudd para falar em cada uma dessas reuniões”, disse o Élder Nelson. “Ele foi inspirador, relevante e perspicaz.”