Os Líderes da Igreja Discutem sobre “Acelerar o Trabalho”

  Sarah Jane Weaver, redatora assistente do jornal Church News

  • 8 January 2013

Destaques do Artigo

  • Autoridades Gerais e líderes participaram de uma mesa-redonda do Church News que discutiu mudanças recentes que vão afetar os jovens em muitas áreas.
  • As mudanças recentes que exigem que os adolescentes da Igreja tenham um papel de maior destaque na preparação missionária, na história da família e no trabalho do templo, e na instrução dominical significam que os jovens da Igreja foram “chamados para a ação” e que deveriam “[Erguer-se e brilhar].”
  • Os jovens da Igreja são fortes, puros e preparados para responder ao chamado para ajudar a edificar o reino.

“Não acredito que já tenha existido uma geração de jovens que foi tão preparada para o currículo como a de hoje. Não acho que já houve um grupo de jovens que tenha realizado tantos batismos ou mais ordenanças pelos mortos.” — Élder W. Craig Zwick, dos Setenta

Em meio a mudanças que exigem que os adolescentes da Igreja tenham um papel maior na preparação missionária, na história da família e no trabalho do templo, e nas aulas dominicais, os líderes dizem que os jovens da Igreja foram “Chamados para a Ação” e que deveriam “Erguer-se e brilhar” (ver D&C 115:5).

As mudanças, anunciadas durante a 182ª Conferência Geral Semestral de outubro, tornam uma coisa óbvia: “O Senhor tem alguma coisa que Ele quer fazer”, disse o Élder Paul B. Pieper, dos setenta.

O Élder Pieper, Diretor Executivo do Departamento do Sacerdócio, participou recentemente de uma mesa redonda Church News com outras Autoridades Gerais e líderes para discutir as mudanças que afetarão os jovens em muitas áreas. Também participaram na discussão da mesa redonda o Élder Allan F. Packer, dos Setenta e Diretor Executivo do Departamento de História da Família; o Élder William R. Walker, dos Setenta e Diretor Executivo do Departamento de Templos; o Élder W. Craig Zwick dos Setenta e Diretor Executivo Assistente do Departamento Missionário; o Élder Paul V. Johnson, dos Setenta e Comissário de Educação da Igreja; Dennis C. Brimhall, Setenta de Área e Diretor Executivo do Departamento de História da Família e a irmã Linda K. Burton, Presidente Geral da Sociedade de Socorro.

Fazendo referência a um anúncio feito pelo Presidente Thomas S. Monson de diminuir a idade para os rapazes e Moças começarem o serviço missionário, do novo currículo para os jovens e de uma carta da Primeira Presidência pedindo que os jovens se envolvam na pesquisa de história da família e levem nomes de familiares ao templo, disse o Élder Pieper que não notou os “três assuntos se conectarem” antes da conferência. ”Lembro-me ir para a conferência (…) e de perguntar a mim mesmo: ‘como tudo isso se relaciona?’ Claramente era a mão do Senhor”.

O Senhor estava dizendo: “Vamos ao trabalho e vamos edificar reino. É hora de dar um passo adiante e começar realmente a fazer as coisas”, acrescentou o Élder Pieper.

O Élder Packer concordou, observando que: “Há esse sentimento subentendido de acelerar o trabalho que vem de todas essas coisas que estão no coração e na mente das pessoas.”

Fazendo referência a uma revelação que o Profeta Joseph recebeu em 1832, o Élder Zwick disse que as palavras do Senhor são claras: “Vou acelerar minha obra a seu tempo.”

“O próprio Senhor está tomando as rédeas aqui”, disse o Élder Zwick. “Quando se pensa na devida época, não acredito que já tenha existido uma geração de jovens que foi preparada para o currículo, como a de hoje. Não acho que já houve um grupo de jovens que tenha realizado tantos batismos ou mais ordenanças pelos mortos do que esse grupo. Não acho que já houve um grupo que estivesse tão perto do trabalho do templo e de todos os aspectos como esse grupo. E certamente tudo isso chegou a um nível que os prepara para o serviço missionário e edifica um alicerce seguro para responsabilidades adicionais nos anos que se seguem à missão”.

É uma mensagem muito poderosa a de que Deus confia em Seus jovens, disse o Élder Brimhall.

“É bem assim quando o Senhor faz qualquer coisa — todas as coisas se encaixam no momento certo, e é o que está acontecendo com isso”, disse o Élder Johnson, observando que aqueles que trabalham no novo currículo dos jovens não sabiam que haveria uma mudança na idade em que os missionários podem começar a servir. “Não acho que seja coincidência. Essa é a maneira como o Senhor age, e acredito que os jovens estejam preparados. Eles estão prontos para isso.”

Isso também fala da preparação que os pais lhes deram, que prepararam e continuarão a preparar bem os filhos, disse a irmã Burton.

O Élder Packer disse que se alguém parar e examinar as mudanças, elas indicarão um “foco [renovado] nos princípios básicos”.

“Vejo outras coisas boas que são realizadas passando um pouco para segundo plano e uma ênfase real dada ao que é importante e necessário”, explicou ele.

O Élder Walker disse que uma das coisas mais maravilhosas que aconteceram recentemente foi a carta da Primeira Presidência incentivando os membros da Igreja a completar a história da família e levar os nomes para o templo. “Tivemos um fenômeno cultural nos últimos anos em que os jovens da Igreja têm ido ao templo para fazer batismos pelos mortos como nunca antes. E a Primeira Presidência autorizou os jovens a receberem sua própria recomendação de uso limitado, o que foi realmente maravilhoso. … Mas muitos deles estavam apenas envolvidos em ir ao templo e fazer batismos.“

A carta, prosseguiu, promete aos jovens que sua experiência no templo será enriquecida grandemente por realizarem o trabalho de história da família. “Quando você pensa sobre jovens zelosamente envolvidos em fazer o trabalho no templo e que entendem a doutrina e a razão de ser, sabemos que eles não estão apenas zelosamente envolvidos em uma atividade. Isso realmente ajuda a prepará-los espiritualmente para todas essas coisas maravilhosas que estão reservadas para eles”.

O Élder Packer disse que ouviu, recentemente o seguinte, a respeito de uma jovem que se levantou e prestou testemunho do trabalho de história da família: “Isso é muito mais divertido do que as pessoas mais velhas diziam que seria”, disse ela.

O Élder Brimhall disse que o trabalho de história da família dá perspectiva aos jovens hoje.

“Esse é o Espírito de Elias”, disse o Élder Walker. “Isso é voltar o coração dos filhos aos pais e dos pais aos filhos. Quando o coração dos filhos se volta para seus pais e avós, eles têm a perspectiva de que você está falando.”

O trabalho de história da família, acrescentou o Élder Packer, ajudará na forma como os jovens tomam decisões. Isso vai mudar como se sentem sobre os desafios que surgirem. “Se o vovô fez isso, eu posso fazer também.”

Ele disse que um presidete de templo relatou que quando os jovens agem como procuradores no batismo por um nome, eles saem de lá sorrindo. “Quando o fazem por um antepassado saem com lágrimas nos olhos. Eles sentem mais profundamente; sentem algo mais.”

Ajudar os jovens a ganhar perspectiva é também uma meta do novo currículo dos jovens — onde os recursos de aprendizado substituem os manuais de lição, disse o Élder Pieper. O currículo vai permitir que os instrutores dos jovens determinem o que precisam para edificar cada experiência no domingo para preparar os jovens para o trabalho do templo e de história da família e para o serviço missionário.

“O novo CTM é o lar”, disse o Élder Packer. “O novo centro de história da família é o lar. Esse modelo de ensino [o novo currículo] vai ajudar tanto os jovens e os pais, nesse papel.”

O Élder Pieper disse que as mudanças trazem uma “urgência real” para os pais, que estão sentindo essa urgência.

A mensagem para os pais é que “os líderes da Igreja confiam em vocês como pais e confiam nesses rapazes e moças que estão sendo criados em seu lar”, disse o Élder Zwick. “Você pode confiar neles também. Eles vão sair de casa com os dons inspirados que vocês demonstraram e que viviam em seu lar. Eles simplesmente vão sair um pouco antes de casa.”

É interessante ver que há um ano, a Igreja começou a usar o treinamento no campo para novos missionários que saem do CTM, disse o Élder Johnson. “Isso não foi feito devido à mudança da idade dos missionário, mas é necessário agora”, comentou ele. “Às vezes, o Senhor faz isso — Ele prepara alguma coisa boa e útil, e se pudéssemos ver um pouco à frente, saberíamos que não era apenas boa e útil, mas sim necessária. É assim que Ele trabalha.”

O Élder Zwick disse que depois de o anúncio sobre os missionários ser feito, muitos jovens trocaram ideias em todo o mundo. Alguns falaram sobre a conveniência da mudança. “Outros, por outro lado, disseram: ‘Isso não é sobre nós. Trata-se do Senhor acelerando o Seu trabalho.’ (...) É a respeito do Espírito do Senhor que está preparando esses jovens. Ele está acelerando Sua obra, e eles estão atendendo ao convite do profeta para servir”.

A irmã Burton conheceu um presidente de estaca recentemente, que chamou o agora crescente número de moças preparando-se para o serviço missionário, de “poderosamente puro”.

“Lembro-me de estar com o Presidente [Thomas S.] Monson em uma ida ao templo”, disse o Élder Walker. “O Presidente Monson disse: ‘Acho que os jovens de hoje são mais fortes do que nunca antes na história da Igreja.’ Acredito que a decisão de fazer isso é parcialmente uma indicação de como se sente sobre os jovens da Igreja.”

Todas as mudanças levam a “Igreja para onde ela precisa estar, onde foi profetizado”, disse o Élder Johnson. “O Senhor sabe qual é o futuro e (…) essa é apenas uma das muitas coisas que Ele está fazendo para levar adiante esse reino, para ajudá-lo a crescer.”

O Élder Pieper disse que, ao contemplar tudo o que aconteceu durante a Conferência Geral de outubro, viu “um profeta com as chaves, abrindo as portas e dizendo: ‘Pronto. Aí está!’ Convidamos você a vir e se envolver nesse trabalho”, disse ele. “Agora é o tempo do Senhor. Todos nós sabemos disso. Todos sentimos isso. A Igreja está sentindo. Naturalmente vai funcionar.”