Historiador da Igreja Conta Sobre a História e o Propósito do Chamado

  Por R. Scott Lloyd, redator do Jornal Church News

  • 2 July 2012

O Élder Marlin K. Jensen fala no Museu de História da Igreja sobre o papel do Historiador da Igreja e as realizações do Escritório do Historiador da Igreja enquanto ocupou o cargo.

“Acho que nossa história edifica a fé e é muito otimista; é uma coisa maravilhosa de se estudar, da qual podemos fazer parte e tirar lições.”  Élder Marlin K. Jensen, dos Setenta, Registrador e Historiador da Igreja

Quando o Élder Marlin K. Jensen, dos Setenta foi chamado como Historiador e Registrador Igreja em 2005, ele ocupou um cargo que surgiu nos primeiros dias da Igreja, mas que estava vago desde 1997 e essencialmente inativo desde 1989.

Agora, com sua desobrigação programada para outubro, quando se tornará uma Autoridade Geral Emérita, o Élder Jensen olha para uma extraordinária sequência de realizações pelo Departamento de História da Igreja durante seu período de sete anos no chamado. Ele detalhou algumas delas em um discurso em 21 de junho no Museu de História da Igreja.

Antes de fazê-lo, no entanto, traçou a história do cargo de Historiador da Igreja, observando que a primeira pessoa chamado para esse chamado foi Oliver Cowdery, substituído cerca de um ano depois por John Whitmer.

Após um período de turbulência na Igreja, Willard Richards foi chamado em 1842, em Nauvoo, Illinois, para ser o Historiador da Igreja. Quando os santos foram expulsos da cidade, ele certificou-se de que os registros históricos da Igreja fossem levados para o novo local de residência no Vale do Lago Salgado.

O Apóstolo George A. Smith, um homem com uma memória aguçada, serviu posteriormente, ajudando a terminar a história de Joseph Smith (que era seu primo) e a começar a história de Brigham Young.

Albert Carrington e Orson Pratt foram seus sucessores, seguidos por Wilford Woodruff, cujos meticulosos diários têm sido um recurso inestimável sobre a história da Igreja.

Ele foi sucedido por Franklin D. Richards e Anthony H. Lund.

Joseph Fielding Smith serviu de 1921 até tornar-se Presidente da Igreja em 1970. Ele designou o Élder Howard W. Hunter para o chamado, que serviu por dois anos, seguido por Leonard Arrington, economista da Universidade Estadual de Utah. O Élder G. Homer Durham, dos Setenta, serviu logo após, seguido pelo Élder Dean L. Larsen, que foi desobrigado em 1997.

Após a desobrigação do Élder Jensen em outubro, seu sucessor será o Élder Steven E. Snow, dos Setenta.

O Élder Jensen disse que quando o Presidente Gordon B. Hinckley o chamou para o cargo de historiador e registrador em 2005, ele perguntou ao Presidente da Igreja o que ele esperava do Élder Jensen. A resposta foi: “Leia as escrituras e cumpra seu dever.” Quando o Élder Jensen perguntou sobre a parte de registrador do seu chamado, o Presidente Hinckley disse: “Nunca parei para pensar sobre isso. Mas é melhor você pensar”.

Ele seguiu os conselhos do Presidente Hinckley, e as realizações do Departamento de História da Igreja são os resultados que ele detalhou em sua apresentação.

Entre as realizações que o Élder Jensen citou encontram-se as seguintes:

Em 2008, os departamentos de História da Igreja e de História da Família foram separados, após terem sido combinados oito anos antes. Isso libertou o chefe do departamento Richard E. Turley Jr. de muitas de suas funções administrativas, permitindo que ele fosse designado como Historiador Assistente da Igreja, tendo como seus principais deveres escrever e supervisionar o registro escrito da história da Igreja.

Uma nova Biblioteca de História da Igreja foi dedicada em 2009, um moderno edifício de 23.200 metros quadrados que utiliza tecnologia de ponta. Em sua sede anterior, no Edifício dos Escritórios da Igreja, a biblioteca recebia cerca de 500 visitantes por mês; o novo edifício tem recebido mais de dez vezes esse número de visitantes.

Há quatro anos, o departamento realizou um estudo com base nas escrituras para identificar o objetivo dele. Esta declaração foi destilada a partir desse estudo: O propósito do Departamento de História da Igreja é ajudar os filhos de Deus a fazer e guardar convênios sagrados, por meio de manter e compartilhar um registro de Sua Igreja e de seu povo, assegurando a lembrança da mão de Deus na vida de Seus filhos, testemunhando e defendendo as verdades da restauração do evangelho de Jesus Cristo.

O Élder Jensen disse: “Há quatro anos (…) não era tão evidente para nós que essa função de testemunhar e defender seria tão importante como acabou se tornando nesta era da Internet, devido a informações erradas e negativas e muitas vezes anti-Mórmons que estão sendo publicadas em vários sites do mundo da Internet.”

O departamento, portanto, pode ajudar “a dar às pessoas a razão da esperança que há nelas”, comentou ele.

A partir da declaração de propósito, o trabalho principal do departamento foi definido como coletar, preservar e compartilhar a história da Igreja.

O departamento tem descentralizado a história da Igreja em áreas internacionais.

“Começamos, de maneira modesta, a recolher histórias da Igreja no mundo inteiro agora”, disse o Élder Jensen.

Por exemplo, presidentes de missão e presidentes de área, ao serem desobrigados, são agora entrevistados com a finalidade de registrar a história que testemunharam enquanto serviam.

 “Nos próximos anos, essa globalização da história da Igreja irá destacar-se como uma das realizações significativas deste período de tempo”, acrescentou ele.

O departamento revitalizou o programa de administração dos registros da Igreja. Cada departamento da Igreja agora tem um coordenador de registros e um plano de gerenciamento de registros. A Igreja está também buscando enfaticamente uma solução para suas necessidades de preservação de registros digitais.

O Projeto Documentos de Joseph Smith recebeu um impulso muito grande, há alguns anos, com a transferência de cerca de 25 estudiosos do Instituto Joseph Fielding Smith para a História da Igreja da BYU para a sede da Igreja. O projeto já publicou 5 volumes com cerca de 18 previstos para a próxima década. Os volumes publicados são aumentados por um site que, no final das contas, pode ser considerado ainda mais valioso do que o material impresso.

A publicação de um livro do irmão Turley, Ronald W. Walker e Glen M. Leonard, Massacre at Mountain Meadows [O Massacre de Mountain Meadows], ajudou a curar um relacionamento de inimizade com os descendentes dos sobreviventes daquele acontecimento. “Não acho que isso poderia ter acontecido sem este livro tão direto e aberto, que fomos autorizados a escrever”, disse o Élder Jensen.

Houve progresso no que diz respeito ao estabelecimento do chamado de Historiador e Registrador da Igreja como uma voz oficial e uma autoridade para a Igreja nos assuntos da história da Igreja.

O departamento ajudou a construir bons relacionamentos e a curar sentimentos de inimizade em toda a comunidade da história Mórmon, entre historiadores que escrevem a partir de diferentes pontos de vista, mas agora têm respeito mútuo uns pelo outros.

O Élder Jensen enfatizou que o departamento faz o seu trabalho sob a supervisão da Primeira Presidência e do Quórum dos Doze Apóstolos e expressou sua gratidão pessoal pelos consultores do departamento. Ele também expressou gratidão aos membros da equipe dedicada e talentosa do Departamento de História da Igreja.

“Acho que nossa história edifica a fé e é muito otimista; é uma coisa maravilhosa de se estudar, da qual podemos fazer parte e tirar lições.”