O Élder Gong Comenta como os Professores — Assim como Jesus — Podem “Nutrir” Outras Pessoas

Contribuição de Marianne Holman Prescott, redatora do Church News

  • 17 Fevereiro 2017

O Élder Gerrit W. Gong, da Presidência dos Setenta, fala durante o devocional anual do Sistema Educacional da Igreja, “Uma Autoridade Geral Fala a Nós”, realizado em 17 de fevereiro.

Destaques de Artigos

  • Comece com compaixão; conclua com bondade.
  • Comece com o que temos e com o que somos agora.
  • Seja organizado e aja com ordem.
  • Expresse gratidão.
  • Aprenda a receber e a dar, a ensinar e a ser ensinado.
  • Atinja o grupo, assim como cada indivíduo.
  • Busque revelação.

“O ensino pleno de espírito vem como pão e água — como pães e peixes, com mais do que começamos.” — Élder Gerrit W. Gong, da Presidência dos Setenta

Links Relacionados

“Que nós, nossa família e nossos alunos nos aproximemos do Salvador ao elevarmos nosso apreço por Seu ministério”, disse o Élder Gerrit W. Gong, da Presidência dos Setenta, durante o devocional anual do Sistema Educacional da Igreja, “Uma Autoridade Geral Fala a Nós”, realizado em 17 de fevereiro.

ASSISTA AGORA

Realizado no Tabernáculo na Praça do Templo, o evento reuniu professores e funcionários do Seminário e do Instituto, tanto presencialmente em Salt Lake City, quanto por transmissão para o mundo todo. Participando do programa junto com o Élder Gong estava o Élder Kim B. Clark, Setenta Autoridade Geral e Comissário do Sistema Educacional da Igreja. Um coro formado pelos funcionários do Sistema Educacional da Igreja na área Utah Salt Lake Valley, acompanhados de seus cônjuges, ofereceu a música do evento.

“Neste mundo, entre espinhos e cardos, nosso Salvador nos abençoou com o maná, o pão de cada dia, Sua promessa sacramental de que podemos ter vida, esperança e alegria em abundância”, afirmou o Élder Gong.

Baseando-se no Novo Testamento, o Élder Gong exibiu um vídeo que ilustra a experiência do Salvador, “o Pão da Vida”, ao alimentar uma multidão com apenas alguns poucos pães e peixes.

“O que vocês observaram, sentiram ou aprenderam quando Jesus alimentou cada um de nós, e todos nós?”, perguntou o Élder Gong. “Os pães eram como o maná, doce como bolos de mel? E como os dois peixinhos nos alimentaram — nos saciaram?”

O Élder Gong compartilhou nove princípios para ajudar-nos a melhor compreender, a aproximar-nos e a nos tornarmos mais semelhantes ao Salvador.

1. Nosso Salvador é movido pela compaixão.

“Muitos dos milagres do Salvador têm início com Sua compreensão e compaixão”, disse o Élder Gong. “Nosso Salvador entende nosso coração e nossas circunstâncias. Ele está cheio de compaixão por nossas esperanças, nossos sofrimentos, desejos e nossas necessidades.”

Depois de compartilhar exemplos do Salvador, tirados das escrituras, o Élder Gong falou sobre a capacidade que o Senhor tem de receber, de ensinar e de curar as pessoas.

“Em todo Seu ministério nosso Salvador é movido pela compaixão — compaixão pelo leproso, compaixão pelo filho do homem possuído por um espírito imundo, compaixão por uma mãe viúva cujo único filho havia morrido. Nosso Salvador nos ensina a ser como o bom samaritano que teve compaixão de um homem ferido e deixado para morrer. (…) Nosso Salvador começa com a compaixão. E conclui com bondade afável.”

2. Nosso Salvador começa com o que temos.

O Élder Gerrit W. Gong, da Presidência dos Setenta, trouxe pão para seu discurso durante o devocional “Uma Autoridade Geral Fala a Nós”, realizado no Tabernáculo na Praça do Templo em Salt Lake City, na sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017. O Élder Gong afirmou: “Talvez, porque todas as pessoas, onde quer que estejam, entendem e dependem do pão, nosso Salvador declarou: ‘Eu sou o pão da vida’”. Fotografia: Laura Seitz, Deseret News.

“Querendo alimentar a multidão, nosso Salvador começa perguntando a Seus discípulos o que eles têm”, explicou ele. “Ele é o Criador do mundo, Senhor do céu e da Terra. Ainda assim, Ele começa com o que eles têm, no ponto onde estão.”

O Salvador é capaz de pegar aquilo que a pessoa possui e torná-lo suficiente.

“Já pararam para pensar em quem são vocês? Quem são seus alunos? O que vocês têm de ensinar? Já se perguntaram como vão conseguir?”, perguntou ele. “Talvez, assim como os discípulos, nós olhamos para nossos pães e nossos peixinhos e nos perguntamos admirados: ‘Mas que é isto para tantos?’”

Em uma sala de aula, o professor convida os alunos a contribuir, e alguns oferecem mais do que outros.

“Como alunos e professores (somos os dois), começamos com o que temos, com o que somos agora. Então, Ele pode nos magnificar e multiplicar nossos esforços”, afirmou.

3. Nosso Salvador age de modo ordeiro.

Diferindo de uma multidão que se empurra e se espreme sem consideração uns pelos outros, o Senhor é organizado e cuida de cada indivíduo.

“Na Igreja falamos de companhias de pioneiros”, disse o Élder Gong. “Falamos de caravanas para adoração no templo. Para nós, palavras como grupo, companhia ou caravana denotam uma reunião organizada com um propósito mais elevado.”

4. Nosso Salvador expressa gratidão.

“Ele pegou os pães e os peixes, e ‘olhando para o céu, abençoou-os e partiu-os’”, ensinou o Élder Gong. “O criador do céu e da Terra, o próprio Rei dos reis dá graças antes de partir os pães e os peixes e multiplicá-los e distribuí-los entre todos, ‘quanto queriam’ comer.”

5. Nosso Salvador alimenta os discípulos e eles alimentam a multidão.

“Isso é ordem, mas vai além disso”, comentou o Élder Gong. “É fortalecer os pastores para que os pastores fortaleçam as ovelhas. É ensinar os professores para que os professores ensinem os alunos.”

Esse é um padrão divino — um grandioso dom de dar e de receber espiritualmente — usado em todas as escrituras e na Igreja.

“Saber que vamos ensinar nos ajuda a aprender”, disse ele. “Ao ensinarmos outros a aprender, nós aprendemos a ensinar.”

O Élder Gerrit W. Gong, da Presidência dos Setenta, trouxe pão para seu discurso durante o devocional “Uma Autoridade Geral Fala a Nós”, realizado no Tabernáculo na Praça do Templo em Salt Lake City, na sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017. O Élder Gong afirmou: “Talvez, porque todas as pessoas, onde quer que estejam, entendem e dependem do pão, nosso Salvador tenha declarado: ‘Eu sou o pão da vida’”. Fotografia: Laura Seitz, Deseret News.

6. Nosso Salvador alimenta o grupo de 5 mil e cada indivíduo ao mesmo tempo.

De maneira miraculosa, os pães e os peixes foram divididos e multiplicados, para que todos pudessem comer e se fartar.

“Esse é o milagre que nós professores buscamos — ensinar toda a classe e cada aluno na classe. Isso requer cuidar dos 5 mil e de cada um individualmente. Exige que abordemos as preocupações gerais e as necessidades individuais. E, além desse equilíbrio, convida o milagre espiritual que transforma o pouco com o que começamos em suficiente.”

7. Nosso Salvador certifica-Se de que nada se perca.

Iniciar com gratidão pelo que temos ajuda-nos a não desperdiçar nada quando concluirmos.

“A economia celestial não desperdiça”, afirmou o Élder Gong. “Tudo é planejado no início; nada se perde no final.”

Ao tomar parte no processo de revelação — pedir, receber, registrar, ponderar, obedecer e perguntar se há algo mais a aprender —, podemos edificar sobre o que já temos e receber mais.

Élder Gerrit W. Gong, da Presidência dos Setenta, durante o devocional “Uma Autoridade Geral Fala a Nós”, realizado no Tabernáculo na Praça do Templo em Salt Lake City, na sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017. Fotografia: Laura Seitz, Deseret News.

8. Com nosso Salvador, terminamos com mais do que começamos.

Assim como ocorreu com os pães e com os peixes, “um milagre da multiplicação espiritual é que, com nosso Salvador, nós terminamos com mais do que começamos. Terminamos com mais amor, mais aprendizado, mais inspiração e mais bondade do que quando começamos. O ensino pleno de espírito vem como pão e água — como pães e peixes, com mais do que começamos”.

9. Para aqueles com olhos para ver e ouvidos para ouvir, nosso Salvador ensina e testifica da abundância sacramental.

“Seu mundo é um mundo de pães e peixes, de abundância”, afirmou o Élder Gong.

Após compartilhar outros exemplos nas escrituras, de momentos em que o Salvador nutriu alguém — a mulher no poço, a quem Ele se declarou como a “água viva”; aqueles a quem Ele afirmou ser o “pão da vida”, e os discípulos com quem Ele partilhou o sacramento — o Élder Gong ensinou que o Salvador promete que a pessoa que partilhar de Sua oferta, “nunca terá fome nem sede, mas ficará satisfeita”.

“Irmãos e irmãs, obrigado por serem alunos e professores extraordinários em um mundo sedento e faminto de espiritualidade”, disse o Élder Gong. “Obrigado por fazerem cada aula acontecer, cada aluno interagir, como um banquete espiritual de pães e peixes.”

O Élder Gong agradeceu aos muitos professores do Seminário e do Instituto — quase 49 mil, entre voluntários e funcionários, atuando em 133 países — pelas mais de 20 milhões de horas de serviço prestadas anualmente.

“Vocês ensinam e servem alunos com experiências diversas, em todas as regiões, em todas as situações, em salas de aula grandes e pequenas”, disse ele.

O Élder Gerrit W. Gong, da Presidência dos Setenta, trouxe pão para seu discurso durante o devocional “Uma Autoridade Geral Fala a Nós”, realizado no Tabernáculo na Praça do Templo em Salt Lake City, na sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017. O Élder Gong afirmou: “Talvez, porque todas as pessoas, onde quer que estejam, entendem e dependem do pão, nosso Salvador tenha declarado: ‘Eu sou o pão da vida’”. Fotografia: Laura Seitz, Deseret News.

Élder Clark: Domínio Doutrinário

Apenas um ano após o programa ter sido anunciado neste mesmo devocional pelo Élder M. Russell Ballard, do Quórum dos Doze Apóstolos, o Élder Clark afirmou que o “Domínio Doutrinário (…) é um método de aprendizagem profunda para toda a vida”.

Ele falou sobre os três propósitos do Domínio Doutrinário e como o programa auxilia os alunos a ampliar seu conhecimento e entendimento da doutrina, aplicando-os à própria vida.

Em primeiro lugar, ele foi planejado para ajudar os alunos a aprender como adquirir conhecimento espiritual.

Em segundo lugar, ele ajuda os alunos a conhecer e entender a verdadeira doutrina do Salvador — ou seja, conhecer a verdadeira doutrina em sua mente e entendê-la em seu coração.

Em terceiro lugar, o Domínio Doutrinário visa ajudar os alunos a aprender como aplicar a doutrina em sua vida, para que vivam a doutrina e utilizem-na para responder perguntas que amigos e outras pessoas possam ter.

“O Domínio Doutrinário foi apresentado mundialmente no último semestre”, comentou o Élder Clark. “Quero que saibam e sintam no coração que ele foi recebido por revelação do Senhor; é um milagre. Tenho ponderado com frequência sobre como, quando e por que ele nos foi dado. Passei a ver o Domínio Doutrinário dentro do grande contexto da educação na Igreja e da grande obra do Senhor na Terra.”

O Domínio Doutrinário ensina aos alunos a maneira de aprender do Senhor. O aprendizado é profundo quando aumenta nossa capacidade de fazer três coisas: conhecer e entender; agir de modo eficaz, em retidão; e tornar-nos mais semelhantes ao Pai Celestial.

“A aprendizagem profunda precisa ser realizada à maneira do Senhor, por meio do poder do Espírito Santo, do estudo e do ensino mútuos, de modo ativo e diligente, e acompanhado da graça de Jesus Cristo”, afirmou o Élder Clark. “E isso se aplica a qualquer tipo de conhecimento, em qualquer fase da vida.”

O Élder Clark convidou os professores do Seminário e do Instituto a ajudarem seus alunos a entender que estão sendo ensinados a aprender à maneira do Senhor. Ele também incentivou os professores a ajudar os alunos a ver o valor e o poder que há na graduação do Seminário e do Instituto.

“Ensinem a eles que precisam aprender profundamente o conhecimento espiritual e secular durante toda a vida”, afirmou. “Ajudem-nos a ver que a formatura no Seminário não é o fim. Ao ensiná-los como aprender à maneira do Senhor, vocês os ajudarão a (…) estabelecer um alicerce de aprendizagem profunda para toda a vida”.