Élder Oaks Reconhecido por Ser Defensor da Liberdade Religiosa

  Gerry Avant, editor do Church News

  • 23 Maio 2013

Élder Dallin H. Oaks, do Quórum dos Doze Apóstolos, fala no jantar do Becket Fund for Religious Liberty Canterbury Medal [Medalha Canterbury do Fundo Becket pela Liberdade Religiosa], na cidade de Nova York, em 16 de maio de 2013. O Élder Oaks foi agraciado com a Medalha de Canterbury, por sua vida de serviço na promoção da causa da liberdade religiosa © 2013 Intellectual Reserve, Inc. Todos os direitos reservados.

“Para muitos norte-americanos, o livre exercício da religião é a liberdade civil básica, visto que a fé em Deus e Seus ensinamentos e a prática ativa da religião são as realidades orientadoras fundamentais da vida.” — Élder Dallin H. Oaks, do Quórum dos Doze Apóstolos

CIDADE DE NOVA YORK

Recebedor da Medalha Canterbury, a mais alta honraria do Fundo Becket pela Liberdade Religiosa, o Élder Dallin H. Oaks do Quórum dos Doze, falou na noite de quinta-feira, 16 de maio, sobre a importância de se fortalecer o livre exercício da religião.

O Fundo Becket pela Liberdade Religiosa é uma organização de interesse público sem fins lucrativos, que protege a livre expressão de todas as tradições religiosas. Ela reconheceu o Élder Oaks como “um importante advogado, jurista, autor, professor, líder religioso e defensor público da liberdade religiosa”.

Denominado devido à catedral, onde Thomas A. Becket, Arcebispo de Canterbury, foi assassinado em 1170 pelos cavaleiros do Rei Henrique II da Inglaterra, devido à sua defesa da liberdade religiosa, a medalha é conferida anualmente a personalidades que tiveram um papel marcante pelas ideias religiosas nos debates públicos.

Durante a cerimônia de premiação, realizada no Hotel Pierre, na Quinta Avenida, na Cidade de Nova York, o Élder Oaks disse que os ensinamentos e organizações religiosas são vitais para a sociedade livre e merecem sua proteção legal especial.

Ele abordou a necessidade de sermos sensíveis à definição da palavra religião e salientou a necessidade de resistirmos a duas tendências opostas. “Não devemos definir religião muito estritamente — excluindo aqueles que não acreditam como nós”, declarou.

A tendência oposta, de definir a religião com uma atitude extremada “é mais sedutora e mais perigosa”, disse ele. “Já vemos a tendência de descrever a liberdade religiosa como ‘liberdade de consciência’ — seja qual for sua origem. Essa definição pode negar a proteção da garantia do livre exercício às igrejas e organizações, por meio da qual os crentes podem exercer sua fé”.

O Élder Dallin H. Oaks (centro) fala com o Cardeal Francis George, Arcebispo de Chicago, (à direita) e com o Professor da Universidade de Princeton, Robert P. George (à esquerda), no Jantar da Medalha Canterbury do Fundo Becket pela Liberdade Religiosa, na Cidade de Nova York, em 16 de maio. © 2013 por Intellectual Reserve, Inc. Todos os direitos reservados.

“Ampliar a definição da religião a sistemas de crenças que não se baseiem em um ser divino apresenta o risco de diluir as proteções do livre exercício, disse ele, e observou que “quando religião não tem mais o direito do livre exercício do que a heresia ou qualquer outra filosofia secular, toda a recém expandida categoria de 'religião' tem a probabilidade de diminuir em importância”.

O Élder Dallin H. Oaks, do Quórum dos Doze Apóstolos, fala com os convidados em uma recepção do Jantar da Medalha Canterbury do Fundo Becket pela Liberdade Religiosa, na Cidade de Nova York, em 16 de maio de 2013. © 2013 por Intellectual Reserve, Inc. Todos os direitos reservados.

O Élder Oaks citou o relato do Novo Testamento, registrado em Marcos 12:14–17, no qual Jesus usou uma moeda para ensinar o princípio de que as pessoas têm obrigações para com o governo civil, bem como para com a autoridade divina.

“De modo semelhante, as duas faces da moeda lembram-nos de nossos deveres para com a verdade e para com a tolerância. Em nossos esforços para fortalecer a liberdade religiosa, nunca devemos esquecer que a verdade de nossa causa não nos livra do dever de tolerância para com aqueles que diferem de nós.”