Siga a Jesus Cristo para colher as recompensas espirituais, diz o Élder Cook

Contribuição de Sarah Jane Weaver, editora assistente do jornal Church News

  • 7 Maio 2014

Élder

Destaques de Artigos

  • Quando as mulheres seguem fielmente a Jesus Cristo, elas colhem as recompensas da retidão — espiritualidade, famílias justas, felicidade, prosperidade na terra e paz.

PROVO, UTAH

Enquanto as mulheres santos dos últimos dias seguirem fielmente a Jesus Cristo, elas irão “colher as recompensas da retidão” — a recompensa da espiritualidade, a recompensa de uma família em retidão, a recompensa da felicidade, a recompensa da prosperidade na Terra e a recompensa da paz, disse o Élder Quentin L. Cook do Quórum dos Doze Apóstolos.

“O Senhor Deus é realmente um sol e um escudo e dará graça e glória”, disse ele, ao fazer os comentários finais na Conferência de Mulheres da BYU e fazendo referência para o tema da conferência encontrados em Salmos 84:11: “Não retirará bem algum aos que andam na retidão”.

Mais de 11.000 mulheres de todo o mundo participaram da conferência de dois dias, realizada de 1 a 2 de maio, que foi patrocinado pela BYU e pela Sociedade de Socorro.

O Élder Cook foi acompanhado por sua esposa, irmã Mary G. Cook, que também deixou uma mensagem.

“Sinto uma grande responsabilidade ao falar para vocês, mulheres maravilhosas”, disse o Élder Cook. “Vocês têm o meu amor e admiração por quem vocês são e pelo que vocês realizar neste mundo difícil”.

Ele pediu às irmãs que não “subestimem o poder e impacto de sua influência capaz, amorosa e sensível” sobre as outras pessoas.

O Élder Quentin L. Cook fala durante a conferência de mulheres da BYU no Marriott Center na sexta-feira, 2 de maio de 2014, em Provo. Fotografia: Hugh Carey, Deseret News.

“Parece ser a parte de sua natureza especial sentir que não importa o quanto você trabalhe e o que faça, que nunca é suficiente”, disse ele. “Às vezes, apesar do fato de que todo mundo achar que vocês foram espetaculares, vocês podem se sentir inadequadas e ineficientes. Ainda assim o excelente trabalho que realizam, da bondade que demonstram e do amor que exibem serem bênçãos imensuráveis para aqueles que têm o privilégio de conviver com vocês. É o suficiente”.

O Élder Cook explicou que o tema da conferência das mulheres inclui a promessa das Escrituras “não retirará bem algum aos que andam na retidão”. Meu propósito hoje é identificar algumas das recompensas de retidão e destacar maneiras pelas quais podemos ser e somos agora abençoados nestes tempos turbulentos”, explicou ele.

Participantes caminham pelo local da Conferência de Mulheres no campus da BYU na sexta-feira, 2 de maio de 2014, em Provo. Fotografia: Hugh Carey, Deseret News.

Primeiro, no entanto, ele falou de um mundo “literalmente em comoção”.

“Muitos dos desafios estão na esfera espiritual”, disse ele. “Eles são questões sociais que nós como indivíduos não podemos necessariamente resolver, mas que não obstante nos preocupam”.

Apesar dessas questões preocupantes, ele disse que há recompensas reais que as pessoas podem receber — mesmo em uma época em que a retidão em todo o mundo está em declínio.

“Não é que a batalha entre o bem e mal seja uma novidade”, disse ele. “Mas hoje uma porcentagem muito maior de pessoas está disposta a conlcuir erroneamente que não há um padrão de retidão e moral ao qual todas as pessoas devem estar em conformidade”.

Dito isso, a Igreja nunca teve membros mais fiéis, explicou o Élder Cook. “Os membros da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, juntamente com outras pessoas que têm valores morais semelhantes, representam uma ilha de fé em um mar de dúvida e descrença”.

Participantes da Conferência de Mulheres no Marriott Center do campus da BYU na sexta-feira, 2 de maio de 2014, em Provo. Fotografia: Hugh Carey, Deseret News.

O Élder Cook citou ideias para melhor ajudar as pessoas e as famílias a compreenderem e alcançar as recompensas da retidão.

A recompensa da espiritualidade.

“Também somos uma parte deste mundo”, explicou o Élder Cook. “Os aspectos materiais da vida diária são um desafio específico. A sociedade tende a olhar tudo através da perspectiva de recompensas mundanas.”

Citando o Presidente Spencer W. Kimball, o Élder Cook ensinou que os ídolos podem incluir credenciais, diplomas, propriedades, casas, mobília e muitos outros objetos materiais.

“Às vezes, a perspectiva do mundo faz com que nos concentremos em questões não tão importantes como desejar uma grande riqueza, mas, que no entanto, nos afastam de compromissos espirituais profundos”, disse ele.

A linha de base ou o ponto de partida para analisar nossa vida e dedicação ao evangelho de Jesus Cristo é o batismo, disse ele.

A irmã Mary G. Cook fala durante a Conferência de Mulheres da BYU no Marriott Center sexta-feira, 2 de maio de 2014, em Provo.

“Há muito debate no mundo inteiro sobre as questões ecônomicas e materiais diárias”, observou. “Há muito pouco debate quanto a se retornar aos princípios cristãos que enfatizam a preparação para o encontro com Deus e sobre a condição de nosso espírito. Precisamos centralizar nossa vida e aumentar a ênfase nos assuntos espirituais”.

A recompensa de uma família em retidão.

“Devemos notar que, hoje, nenhuma comunidade está imune ao mal, as contendas e as tentações iníquas”, disse o Élder Cook.

Anos atrás, disse ele, o Élder Harold B. Lee, então, um membro sênior do Quórum dos Doze Apóstolos, deu conselhos específicos para os membros da Igreja preocupados com as tentações em suas comunidades.

Ao chamar o conselho de “simples e profundo”, o Élder Cook disse que o Élder Lee pediu aos membros para “em primeiro lugar, criar Sião em nosso coração e lar. Segundo, ser uma luz para as pessoas a nossa volta. Terceiro, nos concentramos nas ordenanças e nos princípios ensinados no templo”.

Participantes caminham pelo local da Conferência de Mulheres no campus da BYU na sexta-feira, 2 de maio de 2014, em Provo. Fotografia: Hugh Carey, Deseret News.

O Élder Cook falou ao edificar Sião em seu coração e lar, as pessoas precisam enfatizar a observância religiosa no lar, realizando diariamente a oração familiar e o estudo das escrituras e realizar a noite familiar semanal. “Neste ambiente podemos ensinar e treinar nossos filhos. Fazemos isso com amor e bondade, evitando críticas indevidas tanto a nossos filhos e a nossos cônjuges”.

No entanto, independentemente de onde as pessoas vivam — e mesmo que elas façam tudo certo — algumas crianças podem tomar decisões insensatas que levam a caminhos proibidos.

“Portanto, é importante ajudar nossos jovens a determinar com antecedência o que vão dizer ou fazer quando lhes for proposta uma conduda imprópria ou imoral”.

O Élder Cook disse que ele e sua esposa conversaram com seus filhos sobre prestar contas ao senhor. “Nós salientamos que seguimos o exemplo de Cristo quando nos vestimos com recato, utilizamos linguagem limpa e adequada, evitamos a pornografia — coisas que, a propósito, agora precisam ser ensinadas até para crianças em idade de primária, para que tenham vida pura”.

O Élder Quentin L. Cook fala durante a Conferência de Mulheres da BYU no Marriott Center na sexta-feira, 2 de maio de 2014, em Provo. Fotografia: Hugh Carey, Deseret News.

O Élder Cook disse que ele acredita que os santos dos últimos dias podem criar filhos justos em quase qualquer parte do mundo se tiverem um firme alicerce em Jesus Cristo e no Seu evangelho.

“Meu conselho é que precisamos concentrar nossa energia em fortalecer nossa família conversando, nos alegrando, pregando e profetizando de Cristo, para que tenhamos a recompensa de uma família em retidão, para sermos uma família eterna.”

A recompensa da felicidade.

“Lúcifer criou uma imitação ou ilusão de felicidade que é incompatível com a retidão e vai nos enganar, se não estivermos atentos”, disse o Élder Cook.

Muitos dos problemas do mundo inteiro estão ocorrendo porque o mundo secular tem buscado uma definição incorreta de felicidade, disse ele.

O Élder Cook citou um estudo sobre o sucesso e felicidade que está sendo realizado nos últimos 70 anos.

“O estudo mostrou que pontos de entrada de faculdade e médias de nota não são previsão de sucesso ou felicidade na vida futura”, disse ele. “Uma área que está bem relacionada a isso é a felicidade na família durante a infância.”

Ele disse que era interessante — mas não é surpreendente — que o estudo estivesse completamente em sintonia com o que as escrituras e a Igreja ensinam sobre a família. “A ênfase que a Igreja dá a noite familiar, a oração familiar, as expressões de amor, a união familiar e as tradições familiares são do mesmo tipo de atividades que o estudo mostrou que produziria adultos felizes e bem-sucedidos”.

Ele disse que o amor é o ingrediente principal para a felicidade.

A recompensa da prosperidade na Terra.

“Eu vos asseguro que a prosperidade na Terra não é definida pelo tamanho da sua conta bancária”, disse o Élder Cook. “Ela tem um significado muito mais completo do que isso”.

As escrituras são claras ao dizer que viver os mandamentos “nos permite prosperar na Terra”, disse ele.

“Prosperar e ser rico não são necessariamente sinônimos. Uma definição de evangelho muito melhor para prosperar na Terra é ter o suficiente para nossas necessidades, tendo a benção abundante do Espírito em nossa vida. Quando sustentamos nossa família e amamos e servimos ao Salvador, desfrutaremos a recompensa de ter o espírito e a prosperar na Terra”.

A recompensa da paz.

Há trinta e cinco anos, o Presidente Spencer W. Kimball ensinou que o grande crescimento da Igreja ocorreria porque muitas mulheres seriam atraídas para a igreja em grande número, disse o Élder Cook. Ele declarou: “Isso acontecerá na medida em que as mulheres da Igreja demonstrarem retidão e expressividade em sua vida, e na medida em que as mulheres da Igreja forem vistas como diferentes e distintas, de modo positivo, das mulheres do mundo”. Isso realmente aconteceu e continuará no futuro”.

A irmã Cook disse que com seu conhecimento do evangelho, os santos dos últimos dias devem ser as pessoas mais felizes do mundo. “Não podemos deixar que as dores e aflições da mortalidade nos afastem da promessa de uma vida eterna melhor, gloriosa e magnífica”, disse ela.

A irmã Cook cresceu na igreja, frequentou a Primária e outras reuniões da Igreja, leu as escrituras, orou e cantou os hinos do evangelho. Ela sabia que a Igreja era verdadeira e nunca duvidou disso.

No entanto, “pouco depois de meu batismo, meus pais resolveram se divorciar. “Parte disso envolveu questionamentos sobre o compromisso com a Igreja e conduta incompatível com o evangelho”, disse ela. “Minha mãe, minha irmã, meu irmão e eu fomos viver com nossa avó — mãe da nossa mãe. Ela era uma viúva, e não consigo imaginar como ela lidou com três crianças ativas por dois anos”.

A irmã Cook frequentou a terceira e a quarta séries enquanto morava com a avó. “Quando eu penso naqueles anos, eu me sentia um pouco insegura sobre a situação de minha família, e me lembro de uma experiência que tive, quando eu voltava para casa da primária no meio da semana”.

Ela disse que de repente sentiu o amor mais poderoso. “Ele só me envolveu. Senti que o Senhor me conhecia e que eu era importante para Ele. Foi a primeira vez que reconheci o poder do Espírito Santo em minha vida.

“Percebi que podemos fazer nossa própria felicidade, não importa que provações, tristezas ou tribulações que enfrentamos nesta vida. Decidimos ter bom ânimo com base em nossa fé no Senhor Jesus Cristo”.

A irmã Cook disse que aprendeu três coisas básicas com essa experiência:

“Primeiro, a bênção de ter o Espírito Santo como companheiro constante e o consolo dado quando estamos especialmente necessitados.

“Segundo, viver os mandamentos traz felicidade e alegria.

“Em terceiro lugar, eu sabia que eu queria ter uma vida familiar feliz.”

Os pais dela resolveram a maioria de suas diferenças depois de dois anos de separação, e sua família foi reunida. “As coisas nem sempre foram maravilhosas, mas anos mais tarde, quando eu me tornei esposa e mãe, meus pais foram selados no templo, e eu pude ser selada a eles”.

A irmã Cook disse que ter um coração feliz e desejar ser feliz podem transformar um dia difícil em um dia tolerável.

“Mais de uma vez eu disse para mim mesma: ‘Isso também passará’. E passou”, disse ela.

Ela encerrou dizendo para as mulheres que elas podem ter bom ânimo.

“Enquanto sofremos as tristezas e alegrias da mortalidade, vamos manter nossos olhos fitos no prêmio”, disse ela. “Tende bom ânimo, porque conhecemos o resultado, conhecemos a verdade; conhecemos o Salvador e sua Expiação infinita realizada em nosso favor. Conhecemos o plano de felicidade do Pai”.