“Prossigam com Empenho”, Disse o Élder Perry aos Presidentes de Missão e Respectivas Esposas Antes de Seu Falecimento

Contribuição de Jason Swensen, redator do Church News

  • 15 Julho 2015

Onze dias antes de seu falecimento no dia 30 de maio, o Élder L. Tom Perry, à esquerda, gravou um vídeo sobre a obra missionária com o Apóstolo Élder Russell M. Nelson. O vídeo foi mostrado durante o Seminário para Novos Presidentes de Missão de 2015.

Destaques de Artigos

  • O Élder Perry foi missionário a vida toda.
  • Ele abriu um novo ramo em Ohio e foi convidado recentemente a dedicar uma capela nova.
  • A relação entre um missionário e seu presidente de missão é muito importante.

“Se vocês conseguirem fazer com que a ala tenha esse espírito, que é um espírito vigoroso e vivo, então vão começar a ver a grande satisfação que isso traz aos missionários.” — Élder L. Tom Perry

PROVO, UTAH

O Seminário para Novos Presidentes de Missão, realizado todo ano, foi uma reunião de muitos discursos e ensinamentos inesquecíveis. Os profetas e apóstolos usaram o evento para ensinar verdades do evangelho que são essenciais para o trabalho missionário e para diversos assuntos.

Os participantes do evento deste ano nunca se esquecerão de que foram ensinados pelo Élder L. Tom Perry, do Quórum dos Doze Apóstolos.

O apóstolo amado — um ícone moderno da Igreja e da liderança missionária — faleceu em 30 de maio. Apenas 11 dias antes de sua morte, ele gravou uma entrevista sobre a obra missionária com seu amigo, o Apóstolo Élder Russell M. Nelson.

A entrevista permitiu que o Élder Perry exercesse mais uma vez um papel chave de ensino no Seminário para Novos Presidentes de Missão, além de dar àqueles que o amam a oportunidade de desfrutar de alguns momentos com um homem conhecido por seu altruísmo, generosidade e entusiasmo.

Ao apresentar o Élder Perry, o Élder Nelson disse que ele foi missionário a vida toda. Além de ter servido uma missão de tempo integral quando jovem, o Élder Perry também presidiu o Conselho Executivo Missionário da Igreja por muitos anos.

“Estou encantado com a oportunidade de estar aqui hoje, em mais um Seminário para Novos Presidentes de Missão”, disse ele com seu sorriso amplo característico. “Há algo especial durante essa semana que passamos juntos. Ela é especial. É algo que aguardarmos com ansiedade. Ficamos entusiasmados com esse evento.”

O Élder Perry disse que sabe bem o que os jovens élderes e sísteres da Igreja enfrentam hoje no campo missionário. Ele passou por isso décadas atrás ao aceitar o chamado para servir na Missão dos Estados do Norte.

Após cinco dias de treinamento em Salt Lake City, ele embarcou numa longa viagem de trem para a sede da missão em Chicago.

“Foi uma viagem e tanto”, disse ele. “Chegamos tarde da noite. Levaram-nos de carro até a casa da missão em Chicago. E ali tivemos nosso primeiro contato com a missão. O presidente da missão entrevistou cada um de nós. Ele me deixou por último. E por fim, estava cansado e disse: ‘Vamos colocá-lo em um trem para Columbus, Ohio, ainda hoje’.”

O Élder Perry foi chamado para trabalhar com um companheiro excepcionalmente bem capacitado. Quase que de imediato, os dois começaram a bater em portas. A primeira porta foi “um fracasso absoluto”. Mas o Élder Perry e seu companheiro perseveraram e começaram a ter algum sucesso.

Em seguida, ocorreu uma experiência extraordinária. “E é isso que gostaria que proporcionassem aos missionários: uma experiência extraordinária.” Os missionários foram convidados a ajudar na abertura de um novo ramo em Marion, estado de Ohio. Havia apenas uma família no ramo, os Knudsens. As reuniões de domingo eram feitas na casa deles.

Os dois jovens élderes trabalharam batendo em todas as portas da cidade. Por fim, a lista de pessoas que tinham para ensinar começou a crescer e a congregação acabou ficando muito grande para a sala de estar da família Knudsen. Pouco tempo depois, a reunião sacramental começou a ser realizada em um salão alugado.

“Então, com o passar dos meses, tivemos alguns conversos. Pouco depois, tínhamos o salão repleto de pessoas vindo para a reunião sacramental. Elas gostavam. Gostavam de cantar. O pequeno ramo começou a crescer. Tínhamos cerca de 25 pessoas frequentando todas as semanas. Era um grupo muito afetuoso e nos divertíamos muito juntos.”

O pequeno ramo ficou forte. No devido tempo, o Élder Perry e seu companheiro terminaram sua missão e voltaram para casa.

“Creio que a coisa mais extraordinária de tudo isso aconteceu apenas em janeiro passado. (…) Fui convidado para voltar e a dedicar [uma nova] capela”, disse ele. “Infelizmente, tive um contratempo e não pude viajar. Mas se hoje há uma ala da Igreja em Marion, Ohio, é porque dois élderes foram designados a abrir um ramo da Igreja naquela cidade.”

O Élder Perry disse que talvez sua experiência missionária não seja comum para os missionários de hoje. Mas todos eles têm algumas semelhanças-chave.

“Em primeiro lugar, receber o chamado”, disse ele. “Ter aquela emoção, aquele entusiasmo para entrar no campo e declarar ao povo a mensagem do evangelho. Dar a eles o entusiasmo que vem com essas experiências. Eles precisam desse entusiasmo, dessa determinação de seguir em frente.”

O Élder Perry depois falou sobre a importante relação entre o missionário e seu presidente de missão.

“Quando entrevistar um missionário, não tenha pressa”, disse ele. “Sei que vocês têm muito a fazer. Mas ouçam esse missionário. Entendam seus sentimentos. Sintam seu desejo de seguir em frente e de fazer o trabalho. E elogiem-no por seu trabalho, pelo entusiasmo que sente pela oportunidade que ele tem. Lembre-se de que o que ele está fazendo é levar a luz do evangelho às pessoas para toda a eternidade, o glorioso evangelho que abençoa, que colocará a vida delas em ordem e as direcionará no caminho para a vida eterna.”

Os conselhos de ala, acrescentou ele, podem desempenhar um papel crucial no sucesso de um missionário.

“Se vocês conseguirem fazer com que a ala tenha esse espírito, que é um espírito vigoroso e vivo, então vão começar a ver a grande satisfação que isso traz aos missionários. [Eles terão] a oportunidade de ensinar todas as noites. E quando tiverem o Espírito ao ensinar, vão querer sentir isso sempre.”

Dias difíceis aguardam os missionários de hoje, observou o Élder Perry.

“Estamos perdendo a característica do cristianismo. É a pior coisa que poderia acontecer a uma nação. E temos que encontrar uma maneira de reacender isso. Não só com as pessoas que contatamos, mas com a oportunidade de estender a mão para outras pessoas. Veremos uma deterioração nesta nação, a menos que façamos dessa forma. A consciência do mundo depende da fé religiosa. E temos que reconstruir a confiança do mundo na fé religiosa ao proclamá-la por toda a parte. E quando eles começarem a ver o contraste — o contraste entre o caminho bom e o ruim, aí sim, veremos uma mudança.”

O Élder Perry concluiu sua entrevista com o Élder Nelson prestando testemunho do trabalho missionário.

“Esta é a maior obra que temos na Terra”, disse ele. “É a obra que o Senhor descreveu para que Seu povo ouça a fim de passar da mortalidade para a imortalidade e a vida eterna. Eles serão abençoados. Serão protegidos. Terão unidades familiares fortes.”

Com um largo sorriso, o Élder Perry desafiou os presidentes de missão e respectivas esposas a “[prosseguir com empenho”.

“Que o Senhor os abençoe com a saúde, a força, a vitalidade, a emoção e o entusiasmo que precisam ter para levar adiante esta grande obra na qual estamos engajados.”