“Hosana!” A Igreja Logo Terá 150 Templos em Funcionamento em Todo o Mundo

Contribuição de Marianne Holman Prescott, redatora do Church News

  • 20 Janeiro 2016

Depois da dedicação do Templo de Provo City Center em 20 de março, a Igreja terá 150 templos em funcionamento, 5 templos em reforma, 12 templos em construção e 11 anunciados.

Destaques de Artigos

  • Quando o templo de Provo City Center for dedicado em 20 de março, a Igreja terá 150 templos em funcionamento em todo o mundo.

Desde a dedicação do Templo de Kirtland em 1836, os santos dos últimos dias se unem para o brado de “Hosana” em comemoração a cada templo que é dedicado como casa do Senhor.

No dia 20 de março, alguns dias antes do aniversário de 180 anos da dedicação do primeiro templo desde a Restauração do evangelho, os membros da Igreja se reunirão novamente para celebrar a dedicação de mais uma casa do Senhor — o Templo de Provo City Center —, que vai se tornar o 150º templo em funcionamento da Igreja.

Localizado a apenas cinco quilômetros do Templo de Provo Utah, o Templo de Provo City Center é — como todos os outros templos — um testemunho dos membros fiéis da Igreja em todo o mundo.

“Somos um povo que constrói templos”, disse o Élder Kent F. Richards, Setenta Autoridade Geral e Diretor Executivo do Departamento de Templos da Igreja, ao Church News poucos dias antes do início da visitação pública do Templo de Provo City Center. “A construção de templos sempre foi uma grande prioridade.”

Chamando o trabalho do templo de “a grande obra dos últimos dias”, o Élder Richards falou sobre a necessidade de se construir templos em todo o mundo, à medida que os membros da Igreja atendem ao sagrado chamado de ir ao templo por si mesmos e por familiares que não receberam as bênçãos do templo em vida.

Templo de Provo City Center. Foto de Marcela Fabiana Olsen.

“Na última seção de Doutrina e Convênios, seção 138, o Presidente Joseph F. Smith recebeu a revelação sobre a salvação dos mortos”, disse ele. “E lá diz especificamente que a grande obra dos últimos dias é a construção de templos e de prover ordenanças para a salvação dos mortos.”

Hoje os templos são únicos, assim como os membros que os frequentam, variando em tamanho e projeto. Embora a aparência dos edifícios seja diferente, o trabalho sagrado realizado dentro deles continua o mesmo. Não importa a localidade, sempre que um novo templo é concluído, os membros da Igreja se reúnem em comemoração e gratidão pela oportunidade de realizar ordenanças sagradas da eternidade.

“É impossível descrever”, disse o Élder Richards sobre a reação dos membros, mediante o recebimento de um templo recém dedicado em sua área. “Eles estão tão gratos. Tão humildes. Estão emocionados. Podemos ver isso até na celebração quando os jovens se reúnem e ficam cheios de entusiasmo, alegria e felicidade por ter um templo.”

Ao longo da história, o Senhor ordenou a Seu povo que construísse templos. Dentro desses edifícios sagrados, as pessoas fazem convênios e participam das ordenanças de salvação da eternidade. Por causa da necessidade dessas ordenanças, o Senhor providenciou e continua a providenciar templos em todo o mundo.

Uma casa dedicada ao Senhor

Nos primeiros 150 anos da Igreja, 21 templos dedicados foram construídos em diversos lugares. Começando com o Templo de Kirtland (que não é mais propriedade da Igreja, não funciona como um templo dedicado e não está incluído na contagem dos 150), a construção de templos tem sido um foco importante dos membros da Igreja, onde quer que os santos vivam.

Depois de construírem, dedicarem e, em seguida, deixarem para trás os templos em Kirtland, Ohio e Nauvoo, Illinois, o primeiro templo dedicado foi o Templo de St. George Utah, em 1877. Sete anos mais tarde o Templo de Logan Utah foi concluído e, quatro anos depois, o Templo de Manti Utah foi concluído. Depois de 40 anos de construção, o Templo de Salt Lake foi finalmente concluído e dedicado em 1893.

Com um número crescente de membros da Igreja fora de Utah, a construção de templos começou a expandir-se para áreas fora do estado. Mais de 25 anos após a conclusão do Templo de Salt Lake, o Templo de Laie Havaí foi dedicado em 1919 (antes do Havaí se tornar estado em 1959) e o Templo de Cardston Alberta tornou-se o primeiro templo internacional da Igreja em 1923. Ao longo dos anos, mais templos foram acrescentados à lista — incluindo o primeiro templo na Europa, o Templo de Berna Suíça, em 1955 — viabilizando templos aos membros em todo os Estados Unidos e em muitos outros países.

Embora os templos sempre tenham feito parte do evangelho — tanto no passado, como após a organização oficial da Igreja em 1830 — foi nas duas últimas décadas que mais templos se tornaram disponíveis para uma Igreja internacional em crescimento.

Em 1998, o Presidente Gordon B. Hinckley anunciou na conferência geral a meta de ter 100 templos em funcionamento em todo o mundo até o final do século. Com menos de dois anos para atingir o empreendimento gigantesco da construção de 49 templos — dois a menos que o número de templos em funcionamento na época — o Presidente Hinckley anunciou que 30 “templos menores” seriam “construídos de imediato” em todo o mundo.

“Uma vez que as ordenanças do templo são uma parte essencial do evangelho restaurado, e eu testifico que são, devemos, então, prover os meios pelos quais elas possam ser realizadas”, disse o Presidente Hinckley. “Todo o nosso imenso trabalho de história da família está voltado para o trabalho do templo. Não existe outro objetivo. As ordenanças do templo são as mais altas bênçãos que a Igreja tem para oferecer.”

No dia 1° de outubro de 2000, o Presidente Hinckley dedicou o Templo de Boston Massachusetts — tornando-o o 100º templo da Igreja. Mais dois templos seriam dedicados antes do final do ano.

O templo de Boston Massachusetts, dedicado em 2000, foi o 100º templo da Igreja. Foto de Francis Doyle.

“[A Primeira Presidência] não teve outra meta com um número específico desde aquela época (…) mas eles, obviamente, têm um grande desejo de continuar a dar a oportunidade para que os membros em todo o mundo frequentem o templo”, disse o Élder Richards. “O Presidente Monson tem como objetivo que uma porcentagem cada vez maior de membros tenha acesso ao templo a uma distância de 320 quilômetros. Somos 85 por cento agora e isso é uma conquista maravilhosa, mas isso não significa que já chegamos lá.”

Três anos depois de ser apoiado como profeta, em abril de 2011, o Presidente Thomas S. Monson falou sobre a importância dos templos em seu discurso da conferência geral. Referindo-se às palavras do Presidente Joseph F. Smith, o Presidente Monson compartilhou uma parte do discurso de seu antecessor, proferido na Conferência Geral de 1902.

“Em seu discurso inicial, [o Presidente Smith falou sobre] a esperança de que um dia teríamos ‘templos construídos nas várias partes do [mundo] em que fossem necessários para conveniência das pessoas’. … A meta almejada pelo Presidente Joseph F. Smith, em 1902, está-se tornando realidade”, disse o Presidente Monson. “Nosso desejo é tornar o templo tão acessível quanto possível para nossos membros”, (“O Templo Sagrado — Um Farol para o Mundo”).

O sacrifício resulta em bênçãos

Embora grande parte da Igreja agora esteja a uma distância de 320 quilômetros do templo, ainda há alguns membros da Igreja que moram em áreas que requerem grande sacrifício para viajar e ir ao templo.

“Vamos continuar a trabalhar com a Primeira Presidência procurando as oportunidades certas para recebermos inspiração (…) e assim sermos capazes de anunciar novos templos no futuro”, disse o Élder Richards. “No devido tempo do Senhor, Ele vai continuar a prover templos. Acredito que Ele assim vai fazê-lo devido à fidelidade dos santos — não apenas em sua fidelidade ao dízimo, mas em seu uso dos templos para que as ordenanças justifiquem a construção do templo.”.

Seja na construção física de um templo ou nas viagens longas e caras, ao longo dos anos, os santos dos últimos dias têm feito pequenos e grandes sacrifícios para frequentar o templo. Embora o sacrifício hoje em dia possa parecer um pouco diferente do dos santos na década de 1830, o sacrifício é um elemento importante para a adoração no templo. Muitas vezes é o sacrifício — seja arrependimento, viagem, dízimo ou tempo — que possibilita aos membros uma experiência ainda maior na casa do Senhor.

“O sacrifício é um sinal de nosso convênio”, disse o Élder Richards. “Acho que é uma prova ao Senhor de nossos verdadeiros desejos do coração, que permitimos que nossa fé tenha expressão e, portanto, que o Senhor pode abençoar-nos ainda mais”.

Uma casa de instrução

Também é importante entender que cada templo tem um propósito e um significado importantes e deve ser uma casa de instrução onde os membros devem estar com frequência, disse o Élder Richards.

“Não é para ser usado apenas uma vez”, disse ele. “É para ajudar a cumprir esse grandioso propósito principal do grande trabalho dos últimos dias, para que todos nós possamos nos sentir responsáveis por nossa própria salvação, pela de nossa família e pela de nossos parentes.”

Embora a paisagem e a vista agradáveis dos templos sejam geralmente acréscimos impressionantes às comunidades em todo o mundo, é importante que os membros da Igreja lembrem que o propósito principal desses belos edifícios é ajudar as pessoas a fazerem convênios eternos com o Pai Celestial e selar as famílias para a eternidade.

“Os templos são construídos para abençoar pessoas e famílias”, disse o Élder Richards. “É diferente construí-lo para uma comunidade, para uma nação e para um grande número de pessoas. (…) No final as bênçãos vêm para as pessoas individualmente e as famílias que aproveitam a oportunidade de ir ao templo, aprender e sentir o propósito do templo em sua vida.”