Ajuda Local em Desastres Naturais na Austrália

  • 4 de Fevereiro 2011

No último mês, a Austrália foi duramente atingida por desastres naturais, começando com as enchentes em dezembro que continuaram até janeiro, e culminando com o Ciclone Yasi que chegou ao nordeste de Queensland em 2 de fevereiro de 2011.

Ciclone Yasi

Enquanto os moradores do sudeste de Queensland continuavam a limpeza após as enchentes devastadoras, os moradores do norte de Queensland recebiam a notícia de que o ciclone tropical Yasi na categoria 5 vinha em direção à costa. Na quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011, o ciclone tocou a terra em Cairns, trazendo chuvas fortes e ventos de até 275 km/h.

A primeira-ministra do estado de Queensland, Anna Bligh, alertou os moradores com antecedência de que “o impacto [foi] provavelmente mais ameaça a vida do que qualquer outro experimentado pelas gerações recentes”. Queensland havia preparado serviços de emergência e pessoal com antecedência para o desastre que se aproximava.

Como um dos maiores ciclones a se formar no Pacífico Sul registrados na história moveu-se para o interior através das comunidades costais e algumas cidades principais, foi em declínio para uma depressão tropical. As áreas ao longo da costa foram duramente atingidas; na cidade de Tully, não sobrou nenhuma árvore no curso do ciclone. Lá e em muitos outros lugares, milhares de moradoras ficaram sem energia.

Enquanto os prejuízos econômicos são calculados, os Australianos contam as bênçãos por o ciclone não ter sido pior—com apenas uma fatalidade confirmada na manhã de sexta-feira.

Não há relatos de pessoas feridas entre os membros, todos os missionários estão seguros e os relatórios preliminares não indicam danos significativos aos edifícios ou às propriedades da Igreja. Os planos para organizar o trabalho de limpeza estão em andamento.

Enchentes

Apenas três semanas antes, em 10 de janeiro de 2011, as enchentes que vinham afligindo a Austrália desde a última semana de dezembro pioraram quando uma chuva muito forte caiu em Lockyer Valley, a oeste de Brisbane. As casas desapareceram na enchente, e os carros foram arrastados pela água.

Os relatórios das notícias locais registraram o número de mortos pela enchente em mais de duas dúzias, além dos desaparecidos. Mais de 26 mil lares ficaram total ou parcialmente alagados pela água das enchentes, desabrigando quase 250 mil pessoas. Brisbane, a sudeste de Queensland, foi a mais atingida.

Assim que as águas começaram a baixar em algumas áreas no final de janeiro, começaram os trabalhos de limpeza do lodo, dos entulhos e assitência necessária.

Resposta

No sul de Queensland, menos de uma semana após a chuva muito forte enviar água contaminada às cidades, os membros da Igreja no local estavam ajudando com a limpeza, levantando fundos, montando kits de limpeza e distribuindo suprimentos necessários. Os líderes da Igreja locais começaram a coordenar o trabalho de auxílio com os oficiais do governo, mas não esperavam começar a maior parte do trabalho de recuperação até que as águas baixassem.

Em fevereiro, 350 voluntários do Mãos Que Ajudam, da Igreja, reuniram-se no Jindalee Recreation Reserve em Brisbane para reformar e restaurar o clube que serve à comunidade em geral.

Matthew Bourke, conselheiro da ala Jamboree, enfatizou a importância de fazer a comunidade voltar ao normal o mais breve possível após o desastre.

“Depois que as enchentes atingiram o teto do clube, fiquei preocupado pensando quanto tempo levaria até que o clube pudesse abrir suas portas”, disse Jason Eldering, presidente do Jindalee District Australian Football Club, em uma entrevista ao colaborador do Church News, Christopher Cooper. “Eu estimava que com todos os danos causados ao clube e jardim, não esperaríamos que estivesse em total funcionamento por pelo menos doze meses. Mas após o gigantesco trabalho efetuado pelos voluntários, incluindo todos os habilidosos artesãos, foi possível reabri-lo em apenas duas semanas”.

Essa manifestação de serviço e humanidade pode ser vista em todas as áreas duramente atingidas pelas enchentes recentes e pelo ciclone na Austrália.

No norte de Queensland, onde os moradores não foram afetados pelas enchentes, mas tiveram de enfrentar o Ciclone Yasi, os líderes da Igreja estão avaliando os danos.

Steven Stebbings, gerente de bem-estar de área na Nova Zelândia, disse que assim que os efeitos do ciclone diminuírem, os líderes da Igreja irão avaliar as necessidades das áreas afetadas e decidir sobre um curso de ação.

“O foco correto agora é fazer com que os membros ajudem com o trabalho de limpeza”, disse ele.

Planos de longo prazo para recuperar-se de ambos

Uma carta datada de 17 de janeiro de 2011 da Presidência de Área do Pacífico convida os membros a ajudar no trabalho de recuperação das enchentes em Queensland.

“A Igreja está fazendo todo o possível para ajudar aqueles em necessidade entre seus membros”, diz a carta. “Os líderes do sacerdócio também estão contatando os órgãos do governo local para determinar maneiras pelas quais o Mãos Que Ajudam Mórmon e outros projetos de serviço podem ser implementados para ajudar aqueles que não são de nossa fé a reconstruir suas comunidades”.

O presidente Fritjof Fluge Langeland da Missão Austrália Brisbane disse que os missionários também serão envolvidos nos trabalhos de limpeza, assim que os danos forem avaliados.

O tamanho da devastação em toda a Austrália chega a casa dos bilhões de dólares. O processo de recuperação será longo, e a presidência de área pediu compreensão e paciência nos próximos meses enquanto os membros são colocados nos programas de reconstrução.