“Ministrar como o Salvador” substituirá o programa de mestres familiares e o de professoras visitantes

Contribuição de Camille West, LDS.org Church News

  • 1 Abril 2018

O programa de mestres familiares e o de professoras visitantes serão substituídos por um novo esforço conjunto chamado “ministrar como o Salvador”, em que os membros se concentrarão em servir e amar uns aos outros como o Salvador fez.

Destaques de Artigos

  • Ministrar como o Salvador substituirá o programa de mestres familiares e o de professoras visitantes.
  • Ministrar como o Salvador é um modo cristão de cuidar dos outros e ajudar a suprir suas necessidades espirituais e temporais.
  • Ministrar como o Salvador concentra melhor os esforços dos membros em ministrar como o Salvador ministrou.

“Como ministrar como o Salvador acontece? (…) Acontece à medida que nos tornamos parte da vida de alguém e nos preocupamos com ele ou ela.” — Irmã Jean B. Bingham, presidente geral da Sociedade de Socorro

Na sessão da tarde de domingo da Conferência Geral de Abril, o presidente Russell M. Nelson anunciou uma mudança significativa na maneira como os membros vão servir uns aos outros e cuidar uns dos outros.

Ele explicou que os programas independentes de mestres familiares e professoras visitantes serão agora um esforço conjunto chamado “ministrar como o Salvador”. Ministrar como o Salvador é um modo cristão de cuidar dos outros e ajudar a suprir suas necessidades espirituais e temporais.

Ministrar como o Salvador fez

Os líderes explicaram em discursos subsequentes na conferência que ministrar como o Salvador concentra melhor o trabalho dos quóruns do Sacerdócio de Melquisedeque e da Sociedade de Socorro em ministrar como o Salvador ministrou.

“A combinação desses esforços da Sociedade de Socorro com os recém-reestruturados quóruns de élderes (ver matéria relacionada) resultará em uma união que pode gerar resultados surpreendentes”, afirmou a irmã Jean B. Bingham, presidente geral da Sociedade de Socorro. Segundo a irmã Bingham, os esforços conjuntos de ministração cumprem o dever do sacerdócio de “visitar a casa de todos os membros” e “zelar sempre pela igreja, estar com os membros e fortalecê-los” (ver D&C 20:47, 53) e “o propósito da Sociedade de Socorro de ajudar umas às outras a se prepararem para as bênçãos da vida eterna” (ver Manual 2: Administração da Igreja, 2010, seção 9.1.1).

“Trabalhando juntas sob a orientação do bispo, a presidência do quórum de élderes e a presidência da Sociedade de Socorro podem ser inspiradas em espírito de oração ao buscar os melhores meios de proteger cada indivíduo e família e cuidar deles”, disse a irmã Bingham.

A presidência do quórum de élderes designará irmãos ministradores para cada família, e a presidência da Sociedade de Socorro designará irmãs ministradoras para cada irmã adulta. A irmã Bingham sugeriu que os líderes do quórum de élderes e da Sociedade de Socorro devem se aconselhar em espírito de oração. Ela também disse que, “em vez de vermos líderes apenas distribuindo pedaços de papel”, eles vão fazer designações pessoalmente em uma conversa sobre os pontos fortes, as necessidades e os desafios daqueles a quem os irmãos e as irmãs ministrarão.

Como o programa ministrar como o Salvador acontece?

Os irmãos ministradores e as irmãs ministradoras representam o Salvador, explicou a irmã Bingham. E, quando consideram como ministrar, eles devem se perguntar: “De que ela ou ele precisa?

E, com essa pergunta, com o sincero desejo de servir, somos então guiados pelo Espírito para fazermos o que ergueria e fortaleceria aquela pessoa [ou família]”, ela disse.

Os líderes explicaram que ministrar como o Salvador não inclui uma mensagem mensal estabelecida nas revistas da Igreja nem um meio prescrito de manter contato, como visitas mensais em casa — apesar de que as visitas são importantes quando forem viáveis.

O propósito de ministrar como o Salvador, conforme se diz a respeito dos que viveram nos tempos de Alma, é “[zelar] por seu povo e [edificá-los] com coisas pertinentes à retidão” (Mosias 23:18), explicou o élder Jeffrey R. Holland, do Quórum dos Doze Apóstolos.

“Com esses ajustes, queremos que haja mais cuidado e preocupação, não menos”, acautelou o élder Holland.

“Como ministrar como o Salvador acontece?”, perguntou a irmã Bingham. Acontece convidando-se alguém para uma caminhada, para jogar um jogo juntos, quando se oferece serviço, quando pessoas servem juntas, quando se conversa com alguém (pessoalmente, por telefone, online ou por mensagem de texto), quando se envia um cartão de aniversário e quando torcemos juntos com alguém em um jogo de futebol, ela respondeu. “Acontece quando compartilhamos uma escritura ou citamos algo de um discurso de conferência que seria significativo para a pessoa. Acontece quando falamos de uma dúvida a respeito do evangelho e prestamos testemunho para trazer clareza e paz. Acontece à medida que nos tornamos parte da vida de alguém e nos preocupamos com ele ou ela.” (Ver artigo relacionado.)

Envolver os jovens

A irmã Bingham explicou que ministrar como o Salvador inclui as lauréis e as meninas-moças como companheiras de irmãs da Sociedade de Socorro e que os sacerdotes e mestres continuam a servir como companheiros dos portadores do Sacerdócio de Melquisedeque.

Ela disse que “os jovens podem compartilhar seus dons singulares e crescer espiritualmente ao servirem ao lado de adultos no trabalho de salvação”. Envolver os jovens também aumenta o número de membros que cuidam uns dos outros e ajuda os jovens “a se prepararem melhor para cumprir suas funções como líderes na Igreja e na comunidade e como parceiros que contribuem na família”.

Aconselhar-se mutuamente nas entrevistas sobre a ministração

O élder Holland explicou que os irmãos ministradores e as irmãs ministradoras não precisam mais relatar as visitas mensais; em vez disso, deverão se aconselhar com os líderes em uma entrevista trimestral “absolutamente essencial” sobre a ministração a respeito das necessidades e dos pontos fortes daqueles a quem foram designados. O número de entrevistas que os líderes tiveram com as duplas ministradoras durante um trimestre é o único relatório formal que será realizado. “No entanto, o propósito da entrevista”, explica o élder Holland, “é que os líderes do sacerdócio e da Sociedade de Socorro compreendam a condição espiritual e temporal das pessoas”.

Ele também explicou que “não precisamos saber como foi feito o contato, ou onde ou quando foi feito, mas nos importa — e sem dúvida importa ao Senhor — saber que vocês de fato o façam e que abençoem a vida das pessoas de quem cuidam”. “Um nome novo, mais flexibilidade e menos relatórios não farão nenhuma diferença em seu serviço a menos que vejamos isso como um convite para cuidarmos mais uns dos outros de um novo, ousado e mais sagrado modo”, disse o élder Holland.

“Ao aceitarmos a oportunidade de ministrar com todo o coração a nossos irmãos e irmãs”, concluiu a irmã Bingham, “somos abençoados para nos tornarmos mais refinados espiritualmente, estarmos mais em sintonia com a vontade de Deus e mais capazes de compreender Seu plano para ajudarmos uns aos outros a retornarmos a Ele”.

De acordo com uma carta da Primeira Presidência, os ajustes de ministrar como o Salvador podem levar algum tempo, mas devem ser feitos tão logo quanto possível. O site Ministering.LDS.org/por fornece detalhes adicionais, além de respostas a perguntas frequentes. Vídeos contendo instruções, além de outros recursos, serão adicionados ao site nos próximos dias e semanas.