O Templo de Manaus É uma Realidade

  • 23 June 2012

“Quem poderia pensar que 30 anos depois, aqui no Rio Negro, haveria este belo edifício de um templo” disse o Presidente Dieter F. Uchtdorf, Segundo Conselheiro na Primeira Presidência

O Presidente Dieter F. Uchtdorf, Segundo Conselheiro na Primeira Presidência, dedicou o Templo de Manaus Brasil em 10 de junho de 2012, que se tornou o 138º templo da Igreja no mundo e o sexto no Brasil. A visitação ao templo teve início no dia 15 de maio, e durante 18 dias possibilitou a visitação de 42.463 pessoas. As três sessões de dedicação foram transmitidas para todo o Brasil via satélite, que foi assistida por 110.607 membros nas sedes de estacas. Nessa ocasião, o presidente Uchdorf declarou: “A fé e o compromisso dos santos dos últimos dias que vivem no Brasil, onde há mais de um milhão de membros, podem ser comparados ao Rio Amazonas, ambos fluindo profundamente e fortes”.

Leia mais sobre este evento significativo da Igreja no Brasil, consultando os tópicos abaixo:

O Início da Igreja
A História
As Primeiras Caravanas
O Anúncio do Templo de Manaus e sua Construção
A Visitação Pública
O Trabalho dos Voluntários e o Testemunho dos Membros
A Celebração Cultural
A Dedicação


O Início da Igreja

Se fosse somente pela lógica, a Igreja pouco floresceria lá, pois a distância dos grandes centros é enorme, e não há ligação terrestre com o restante do país. No entanto, a cada três anos, forma-se uma nova estaca na região.

A Igreja começou em Manaus devido à atuação de vários membros, que foram trabalhar nas empresas do Distrito Industrial ou foram transferidos pelas forças armadas. Os trabalhos da Igreja começaram em 1967. Em 1975, a família Arballo chegou a Manaus e conseguiu localizar outros membros que também estavam morando na cidade. Foi então pedida permissão, por meio do Presidente Hélio da Rocha Camargo, da Missão Brasil Rio de Janeiro, para o pequeno grupo fazer reuniões na casa do irmão Roberto Roque. A primeira locação foi numa casa na Avenida 24 de Maio, no centro da cidade.

Esse começo não foi fácil. A distância e o isolamento eram grandes barreiras para a permanência de pessoas vindas de outras regiões, além do clima amazônico (quente e úmido), que fazia com que muitos desistissem e voltassem para seu local de origem. Não havia missionários, e os membros tinham de encontrar maneiras de proclamar o evangelho e fazer proselitismo nas ruas daquela cidade desconhecida e extremamente quente. Aos poucos, os membros começaram a pregar o evangelho entre os moradores da região, e várias pessoas demonstraram interesse e se batizaram na Igreja.

Em 9 de outubro de 1977, com a visita do então Presidente Hélio da Rocha Camargo, da Missão Brasil Rio de Janeiro, foi organizado o primeiro ramo em Manaus, o Ramo Vitória Régia. Ele entrevistou os irmãos pela manhã e à tarde e, na reunião sacramental, pediu o apoio da congregação e logo fez as designações. Para presidir o ramo, foi chamado o irmão Luiz Antônio de Souza, tendo como primeiro conselheiro o irmão Francisco Gonçalves e, como segundo conselheiro, o irmão Valdemar Arballo Gonzales. O irmão Vilson Moraes de Souza foi chamado como secretário, e como Líder da Obra Missionária, o irmão Allan Kardec Carvalho Rodrigues, que também serviu como Professor do Seminário dos jovens conversos.

O crescimento contínuo levou à organização da primeira estaca, em 1988, tendo como presidente o irmão Eduardo Alfiere Soares Contiere; o irmão Wilson Santiago como primeiro conselheiro, e o irmão Francisco Reghin como segundo conselheiro.


Presidência do Primeiro ramo de Manaus no final de 1978:
Da esquerda para a direita: Waldemar Arballo Gonzales- 2º Conselheiro, Vilson Moraes de Souza (atrás)- Secretário, Luís Antônio de Souza- Presidente do Ramo, Francisco Gonçalves- 1º Conselheiro
Casa alugada pela Igreja, localizada à Rua Leonardo Malcher, 1048. Até então, as reuniões eram realizadas na casa da família Arballo.




Atualmente Manaus tem 8 estacas. Da esquerda para a direita: Presidente Kennedy F. Canuto, da Estaca Manaus Brasil Samaúma; Presidente Luiz Carlos Dorneles Queiroz, da Estaca Manaus Brasil Ponta Negra; Presidente Alcides Pereira Martins, da Estaca Manaus Brasil Rio Amazonas; Presidente Raimundo Rodrigues Lima, da Estaca Manaus Brasil Mindú; Presidente Mario Alberto Almeida Silva, da Estaca Manaus Brasil Cidade Nova; Presidente Jair Leite Barreto, da Estaca Manaus Brasil Rio Negro; Presidente Juarez Pereira da Silva, da Estaca Manaus Brasil, e Presidente Wilson Oliveira de Melo Júnior, da Estaca Manaus Brasil Solimões.


A História

O Amazonas é o maior estado do Brasil em extensão territorial com uma área de 1.577.820 quilômetros quadrados e uma população com mais de 3.350.000 habitantes.

A região amazônica é muito rica em recursos naturais. O Estado do Amazonas destaca-se por suas belezas e riquezas naturais. Como exemplo disso, possui a maior bacia de água doce do planeta.

A capital, Manaus, é rodeada pela imensidão da floresta amazônica. Em 1669, a cidade era chamada de São José do Rio Negro e, anteriormente, era o lar da destemida tribo dos Manaós, grupo indígena odiado pelos colonizadores pelo fato de não se sujeitarem à dominação estrangeira. A capital do estado, Manaus, tem seu nome em homenagem a esses primeiros habitantes.

Fonte: Governo do Estado do Amazonas, site http://www.cultura.am.gov.br/programas_02.php?cod=0255


As Primeiras Caravanas

Os membros em Manaus teriam todos os motivos válidos para não frequentarem com regularidade o templo; no entanto, mostraram que qualquer sacrifício vale a pena para estar na Casa do Senhor, até mesmo enfrentar de barco os rios da Amazônia, passando por áreas perigosas devido aos constantes naufrágios, que praticamente todos os anos ceifavam várias vidas. Ir ao templo sempre foi a meta da maioria dos membros. Os que tinham mais condições iam de avião para o Templo de São Paulo, mas essa era uma opção fora da realidade da maioria dos membros, visto que, na época, os valores eram elevados e a maioria dos membros era formada por gente com poucos recursos financeiros.

Durante várias semanas, os líderes ponderaram sobre como levar ao templo os membros da Igreja em Manaus. Não era uma questão fácil, pois a quantidade de pessoas aumentava a cada dia, e todos ansiavam imensamente pelas bênçãos do templo. Foi então que, em meados de 1991, o então presidente Wilson Santiago, da Estaca Manaus Brasil, após uma reunião que tratava sobre o assunto, perguntou: “Por que não levamos os irmãos de barco até Porto Velho e de lá pegamos um ônibus até São Paulo?” O silêncio tomou conta da sala por alguns instantes. Depois, foi solicitada a opinião dos presentes. Alguns acreditavam ser possível, outros achavam perigoso, mas o assunto foi tomando consistência conforme o tempo passava, e mais informações eram colhidas.

Em meados de 1992, os membros foram desafiados a se prepararem para uma caravana de barco, saindo de Manaus até Porto Velho, e de ônibus de lá até São Paulo. Foi um momento de enorme regozijo para os membros que, mesmo apreensivos, começaram a se preparar para a caravana.

Alguns venderam tudo que tinham. Outros sacrificaram o emprego para que pudessem seguir rumo à Casa do Senhor. A caravana saiu em 25 de novembro de 1992. Embora os membros estivessem animados, não foi uma viagem fácil. Os desafios eram grandes e os perigos também, mas tudo era superado com oração, estudo das escrituras e trabalho árduo de membros e líderes. Em 30 de novembro de 1992 o ônibus chegou a São Paulo. A alegria foi imensa. Muitos choraram, outros comemoraram imensamente, pois o objetivo fora alcançado.

Muitas outras caravanas se seguiram, com dificuldades semelhantes, até que assaltos começaram a ocorrer, levando os líderes a ponderarem sobre outras formas de levar os membros ao templo. As caravanas de barco chegaram ao fim quando surgiu a ideia de fazer caravanas ao Templo de Caracas na Venezuela. Em janeiro de 2004, saiu a primeira caravana rumo a Caracas, que correspondia a uma viagem de 36 horas de ônibus. As dificuldades também eram imensas. O terreno montanhoso era estranho para os motoristas, o que em alguns momentos provocou acidentes, mas isso não desanimou os membros da Igreja.


Partida da caravana dos membros de Manaus para o Templo de São Paulo


Membros da caravana de Manaus no rio Amazonas


Caravana dos membros a caminho de São Paulo


Chegada da caravana dos membros de Manaus no Templo de São Paulo


O Anúncio do Templo de Manaus e sua Construção

Em 27 de maio de 2007, foi anunciado, numa carta da Primeira Presidência, que Manaus finalmente teria um templo. Festa, lágrimas e muitas orações de agradecimento foram oferecidas por essa grande bênção. Foi um momento realmente inesquecível. Era o início da realização do grande sonho de ter um templo mais perto de casa. A cerimônia de Abertura de Terra ocorreu em 28 de junho de 2008, quando os líderes da Igreja enfatizaram que esse era um tempo de preparação, e que a cidade seria grandemente abençoada por ter um templo, e os membros também seriam imensamente abençoados se o frequentassem com regularidade.

A construção do templo foi iniciada. Conforme a estrutura era erguida, aumentava a ansiedade dos membros. Agora sim, era possível ver com os próprios olhos que Manaus em breve teria um templo edificado ao Senhor.

Em 5 de outubro de 2011, com a estrutura do templo praticamente pronta, foi colocada a estátua do anjo Morôni no alto da torre. A mensagem era clara: a construção entrava na fase final e a preparação de todos deveria ser maior: havia a necessidade de “alargar mais os passos”.

Foram momentos de imensa alegria e, a cada etapa concluída, a ansiedade aumentava. A criação e o início dos trabalhos do Comitê para a Dedicação do Templo de Manaus evidenciaram uma realidade. A Igreja em Manaus é formada principalmente por pessoas simples e com pouca experiência eclesiástica. As primeiras reuniões eram lotadas, mas percebia-se claramente que poucos sabiam o que precisavam fazer. Foi necessária muita oração por parte dos líderes mais experientes para saberem exatamente como ajudar tantas pessoas a entenderem o que acontece em uma dedicação, uma vez que havia tão pouco tempo disponível. Houve momentos em que pareceu que realmente não seria possível explicar com detalhes o que aconteceria. Então subitamente o entendimento das pessoas se expandiu, novas ideias surgiram e o trabalho começou a acontecer mais depressa.

Com certeza, o Senhor estendeu Sua mão para ajudar Seus filhos a entenderem Seus caminhos. As reuniões e ensaios aconteceram normalmente — não sem oposição, pois ela sempre acontecerá quando alguém decide fazer o que é certo. Mas a decisão de estar na Casa do Senhor já havia sido tomada anos antes, quando as primeiras caravanas saíram em direção ao Templo de São Paulo.

O Comitê da Dedicação do Templo

Da esquerda para a direta, de pé: João Roberto C. Martins Silva, Encarregado do Comitê Executivo da Dedicação do Templo de Manaus; Sérgio Galvão, Subcomitê de Transporte e Estacionamento; Hernandes Bento de Souza, Subcomitê Histórico; Adonai Rocha Lago, Subcomitê de Recepção; Flávio Robério de Brito, Subcomitê de Tradução; Benedito Portilho Filho, Subcomitê de Membro Missionário; Ernaldo de Vasconcelos, Subcomitê de Áudio-visual; Adson de Matos, Subcomitê de Assuntos Públicos; Adalberto de Sousa, Subcomitê de Segurança; Ednei de Moura, Subcomitê de Instalações. Sentados: Mario Alberto e Sandra Albertini, Subcomitê de Hospedagem e Acomodação; Elenir Barbosa, Subcomitê de Música; Edith e Marcelo Gall, Subcomitê da Celebração Cultural.

Em 29 de janeiro de 2012, após algumas pequenas reuniões, foi anunciada ao povo de Manaus, na capela da Ala Alvorada, a composição do Comitê para a Dedicação do Templo de Manaus. A capela ficou pequena para tanta gente que atendeu ao convite para participar dos diversos subcomitês que seriam organizados. Os ensaios para a celebração e os treinamentos dos subcomitês começaram poucos dias depois. No domingo, dia 15 de abril, foi realizada a reunião com os pioneiros da Igreja em Manaus. Foram momentos maravilhosos, quando antigos amigos se reencontraram e antigas histórias e experiências foram recontadas, resultando na edificação de todos.


A Visitação Pública

A Visitação ao Templo teve início no dia 15 de maio e se estendeu até o dia 2 de junho. Nesse período, 42.463 pessoas visitaram o templo. O período de Visitação ao Templo de Manaus começou com a presença dos vizinhos e construtores do templo. Essa visitação histórica ao novo Templo de Manaus Brasil, de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, foi permeada por momentos de emoção. Os trabalhadores com seus familiares, e os vizinhos, que acompanharam a obra da construção passo a passo, foram recebidos por recepcionistas e guias que os conduziram na visita. Nos dias 16 e 17 de maio, visitaram o templo a mídia e os formadores de opinião pública, entre eles: políticos, empresários, executivos de mídia, líderes públicos e religiosos, repórteres e editores. Do dia 18 de maio a 2 de junho, o templo esteve aberto para toda a comunidade.

Externamente, o Templo de Manaus é revestido com granito Branco Paris. O interior do templo está decorado com motivos próprios de um lugar santo. Seus vitrais iluminam o interior, dando uma aparência de cálida luz natural na maior parte do dia. Os que o visitaram tiveram a oportunidade de caminhar por seu interior e aprender a respeito do significado e da obra que ali se realiza. O Templo de Manaus atende aos membros da Igreja de toda a região norte do Brasil. Este edifício se junta à lista de outros cinco templos, localizados em São Paulo, Recife, Porto Alegre, Campinas e Curitiba.

Representantes de toda a mídia local estiveram presentes e foram recebidos pelos membros da Presidência da Área. Na manhã do dia 16 de maio, Élder Cláudio R. M. Costa, Presidente da Area Brasil, visitou os estúdios da Rádio CBN e concedeu entrevista ao vivo para o jornalista Marcos Santos. Na noite anterior, Marcos havia visitado o templo com sua família e amigos, pois é vizinho do templo. O Élder Costa teve a oportunidade de convidar a comunidade para visitar o templo e também de explicar sobre a obra realizada no templo. O apresentador do programa falou no ar, para seus ouvintes: “Eu estive no templo e realmente vale a pena visitá-lo. É um lugar de muita paz e beleza”.

O Élder Mazzagardi, segundo conselheiro na Presidência da Área, concedeu entrevista para a TV Globo, e o Élder Carlos A. Godoy, primeiro conselheiro na Presidência da Área, foi entrevistado pelo SBT. Também estiveram presentes representantes de jornais e portais da internet, como A Crítica e G1. Além da mídia, formadores de opinião visitaram o templo, entre eles: Dom Luís Soares Vieira, Arcebispo da Igreja Católica; o ex-prefeito Serafim Correa, que, quando prefeito, autorizou a construção do templo; o Presidente da Assembleia Legislativa, Deputado Ricardo Nicolau; líderes da Igreja Batista; empresários de comunicação; vereadores, deputados, e outros.


Élder Costa acompanhou o Arcebispo Dom Luís Soares Vieira durante a visita ao Templo.


Élder Costa dá entrevista na Rádio CBN.


O Trabalho dos Voluntários e o Testemunho dos Membros

O Élder Costa, ao falar a centenas de voluntários numa reunião de treinamento, dias antes do início da visitação, expressou: “Este é um momento histórico. Tenho falado do sacrifício de vocês em mais de 32 países que visitei como membro da Presidência dos Setenta. Seu exemplo de frequência ao templo é notório. Agora, a Casa do Senhor está aqui nesta cidade”.

Ao longo dos dias de visitação, muitos ônibus chegaram lotados de membros e amigos da Igreja, desejosos de conhecer o Templo de Manaus Brasil. Devido a um trabalho junto às escolas públicas de algumas regiões da cidade, diversos estudantes visitaram o local com seus professores e diretores. Aos sábados, a frequência chegou a mais de cinco mil pessoas visitando o templo.

O irmão João Roberto Martins Silva, Encarregado do Comitê Executivo Local da Dedicação do Templo, comentou que foi uma experiência marcante: “Não poderia ter passado essa vida sem participar da visitação deste templo. Foi maravilhoso trabalhar com esse povo de fé e amor, algo único”. Vale lembrar que o irmão Martins Silva participou do comitê executivo quando foi aberto o Templo de São Paulo, em 1978 e, como Setenta de Área, foi o encarregado do Comitê Executivo Local da Rededicação do Templo de São Paulo, em 2004.

Para a visitação ao Templo de Manaus, os membros da Igreja de Maués, de Itacoatiara e de Teffé, por exemplo, viajaram de barco por dois ou três dias – um sacrifício pessoal e familiar para conhecer a Casa do Senhor. Era fácil ver pessoas emocionadas e com lágrimas nos olhos ao terminarem a visita.

O irmão Adonai Lago serviu missão em Manaus, numa época em que havia apenas um Distrito na cidade. Hoje, morando em Manaus, sua família e ele serviram voluntariamente durante todos os dias da visitação. Ao pensar em cada dia de serviço voluntário, compartilhou: “Tudo isso para mim é motivo de grande alegria, ao juntar-me aos membros e trabalhar para que esse momento seja como uma alavanca para o progresso do reino do Senhor nesta cidade de pessoas com corações tão solícitos”.

Simone Lago, que serviu como guia durante a visitação, expressou nestas palavras seus sentimentos: “Foram momentos muito especiais, ver o interesse daqueles que nunca entraram na Casa do Senhor, poder compartilhar o mesmo espírito e ver as verdades que lá são ensinadas serem entendidas, esclarecidas e aceitas por muitos. Foi uma experiência única sentir o Espírito Santo testificar essas verdades naquele momento. Vi muitas lágrimas serem derramadas e, muitas vezes, tive de conter as minhas, pois ainda tinha muito para explicar lá dentro como guia. Senti o amor do Pai por mim e por todo povo de Manaus. A semente do evangelho foi plantada no coração de muitos visitantes. Sei que colheremos muitos frutos. Amo esse evangelho e toda oportunidade que me é dada para alcançar o meu propósito na vida. Amo a Casa do Senhor, e por meio do templo me aproximo do meu Salvador”.

Na noite do dia 2 de junho, o Presidente Wilson de Melo, da Estaca Manaus Brasil Solimões, ao falar aos voluntários, após terem sido fechados os portões da visitação pública, disse: “Não temos palavras para agradecer a cada um pela dedicação e trabalho. Foram dias que nunca mais deixarão nossas lembranças e memórias. Muito obrigado, muito obrigado”.



Grupo de amigos da Igreja aguardam para visitar o interior do templo.


A Celebração Cultural

No dia 9 de junho de 2012, 1.200 Santos dos Últimos Dias de Manaus dançaram ao som do canto dos pássaros e da música da chuva, celebrando não apenas sua herança cultural, mas também um novo templo construído no coração da Amazônia. No início da Celebração Cultural, o Presidente Dieter F. Uchtdorf, que presidiu o evento, disse aos membros da Igreja, fazendo referência ao rio que margeia aquela área, “O rio Amazonas, de muitas maneiras, representa a sua fé”. Lembrando o que tinha visto no dia anterior, ao visitar o encontro das águas do rio Solimões e do rio Negro, o Presidente Uchtdorf disse que os peixes, os animais e as plantas da região são “impressionantes e belos” e continuou dizendo que, “assim como as florestas tropicais são essenciais para o mundo, o seu exemplo de dedicação ao evangelho de Jesus Cristo será uma bênção para o mundo”. Ele falou para os promissores membros da Igreja em Manaus que as gerações futuras olharão para trás e dirão: “Obrigado, por sua dedicação e fidelidade, e por tornarem possível a construção de um templo”.

A celebração terminou com uma homenagem aos missionários que ajudaram a Igreja a crescer no norte do Brasil e aos membros pioneiros em Manaus, que viajaram longas distâncias de barco e ônibus para frequentar o templo. Nos momentos finais da produção, mais de 1.000 membros do coro abriram uma bandeira com uma enorme imagem do templo. Dançarinos, representando as influências da floresta e da cultura de outras nações, se reuniram ao final, significando que não há diferenças entre os povos.


O Presidente Dieter F. Uchtdorf e o Élder Quentin L. Cook recebem o carinho dos membros e amigos da Igreja durante a Celebração.


Os participantes deram tudo de si para que a apresentação fosse um evento memorável.


Um espetáculo de luz, cor e empolgação, onde os jovens expressaram toda a sua vibração.


A alegoria do barco rendeu homenagem às dificuldades enfrentadas pelos pioneiros que participaram das primeiras caravanas ao Templo de São Paulo.


As crianças proporcionaram, em sua simplicidade, um espírito de grande emoção


A Dedicação

O Templo de Manaus Brasil é o 138º templo da Igreja no mundo todo e o sexto no Brasil, onde há mais de um milhão de membros. A dedicação do Templo de Manaus foi realizada no dia 10 de junho de 2012.

Durante a Cerimônia da Pedra Angular, na primeira sessão dedicatória, na manhã de domingo, o Presidente Uchtdorf elogiou o legado deixado pelos pioneiros de Manaus: “Quem poderia pensar que 30 anos depois, aqui no Rio Negro, haveria este belo edifício de um templo”, disse ele. Então, acrescentou: “Agora vamos em frente para completar o trabalho”. Após a aplicação de argamassa para assentamento da pedra angular, ele chamou outras pessoas presentes para fazer o mesmo. A irmã Harriet Uchtdorf, esposa do Presidente Uchtdorf, foi seguida pelo Élder Quentin L. Cook, do Quórum dos Doze e sua esposa, Mary, pelo Élder William R. Walker, dos Setenta, pelos membros da Presidência da Área Brasil e pelos membros da presidência do templo. O Presidente Uchtdorf então chamou algumas crianças – “o futuro da Igreja”, conforme as denominou – para também participar.

Durante as sessões de dedicação, os líderes da Igreja relembraram o legado dos primeiros membros, exortando os novos a permanecerem firmes e fazerem desse um dos templos mais frequentados do mundo.

O Presidente Uchtdorf contou experiências antigas dos primeiros membros e de como os primeiros missionários vieram para a região, embora a possibilidade de envio de missionários fosse pequena e estivesse fora de qualquer previsão de curto prazo. Em seguida, o templo foi oficialmente dedicado.


A pedra angular do Templo de Manaus, durante a dedicação.


O Presidente Dieter F. Uchtdorf aplica argamassa na pedra fundamental do Templo de Manaus Brasil.


O Presidente Dieter F. Uchtdorf com sua esposa, irmã Harriet e o Élder Quentin L. Cook, do Quórum dos Doze com sua esposa, irmã Mary, acompanhados de crianças ao lado da pedra fundamental.


Coral executando um hino, durante a aplicação de argamassa na pedra angular do Templo de Manaus


O Presidente do Templo de Manaus Brasil

Ulisses Pereira Filho, 67 anos, da Ala Glória, Estaca Porto Alegre Brasil, foi chamado como presidente do novo Templo de Manaus Brasil. A esposa do Presidente Pereira, Maria Olivia Ferreira Pereira, servirá como a diretora do templo. Ele serve atualmente como conselheiro na presidência do Templo de Porto Alegre Brasil. Já serviu como presidente de estaca, conselheiro na presidência da estaca, sumo conselheiro, e bispo. Bancário aposentado, nasceu em Porto Alegre, Brasil, filho de Ulisses e Maria Alzira Correa Pereira.

A irmã Maria Olivia Ferreira Pereira serve atualmente como assistente da diretora do Templo de Porto Alegre Brasil. Anteriormente, serviu como presidente da Sociedade de Socorro na estaca e na ala, presidente da Primária na estaca e na ala, e conselheira das Moças na ala. Nasceu em S. Luiz Gonzaga, Rio Grande do Sul, Brasil, filha de Álvaro Ferreira Madruga e Florisbela Fagundes Ferreira.