Preparar-se para “[Ir] à Montanha” — o Templo do Senhor

Contribuição de Irmã Linda K. Burton, presidente geral da Sociedade de Socorro

  • 11 Agosto 2015

Assim como para escalar montanhas é necessário treinamento, a frequência ao templo também exige preparação.

Destaques de Artigos

  • Frequentar o templo exige preparação, que começa no lar.

“Nossa maior preparação para irmos ao templo começa no lar e no exemplo de atitude e prioridade que damos a nossa própria frequência ao templo.” — Irmã Linda K. Burton, presidente geral da Sociedade de Socorro

Uma das coisas de que mais gosto em Utah é poder viver perto de montanhas belas e majestosas. O Senhor muitas vezes usou montes como lugares santos para ensinar a Seus servos coisas sagradas e revelar-lhes Suas obras e Sua vontade para com Seus filhos amados. As escrituras contêm relatos onde Néfi, Moisés, o irmão de Jarede e o próprio Salvador dirigiram-se a uma montanha para falar com o Pai Celestial. Os templos são o monte da casa do Senhor em nossos dias.

Escalar uma montanha requer preparação física e mental. Quem de nós ousaria escalar, por exemplo, o Monte Everest, sem preparar-se meticulosamente, talvez até por um longo período de tempo, a fim de estar na melhor condição física e mental possível para fazer essa escalada? Somos assim tão cuidadosos e perseverantes em nossa preparação para “[subir] ao monte do Senhor” (Salmos 24:3), Seus templos sagrados?

Quando nossos filhos eram pequenos, o templo de Jordan River Utah estava em construção, e muitas vezes passamos pelo templo ao irmos visitar a vovó e o vovô Burton. Toda vez que víamos o templo, não podíamos evitar cantar juntos uma de nossas músicas preferidas da Primária: “Eu Gosto de Ver o Templo”. Um dos versos sempre me chamava atenção: “Devo preparar-me desde já — É meu dever sagrado.”

O Senhor muitas vezes usou montes como lugares santos para ensinar a Seus servos coisas sagradas e revelar-lhes Suas obras e Sua vontade para com Seus filhos amados. Os templos são o monte da casa do Senhor em nossos dias.

Meu marido é o presidente de uma estaca de adultos solteiros. Ele está sempre entrevistando jovens que precisam de uma recomendação para o templo a fim de casarem-se para a eternidade ou receberem as investiduras pela primeira vez. Ele me contou como é emocionante entrevistar aqueles jovens que se prepararam cuidadosamente e estão espiritualmente maduros para receber sua própria investidura. Às vezes, ele fica espantado com outros jovens que desejam entrar no templo, mas deram pouca ou nenhuma importância à preparação exigida para esse avanço espiritual tão significante.

Nossa maior preparação para irmos ao templo começa no lar e no exemplo de atitude e prioridade que damos à nossa própria frequência ao templo.

Algumas pessoas têm pouco ou nenhum apoio espiritual em casa por terem pais não membros ou menos ativos. Outras não estão preparadas porque aqueles que poderiam ajudar não têm certeza do que é adequado ensinar sobre a preparação para o templo. Outras ainda simplesmente não aproveitam as aulas de preparação para o templo oferecidas em âmbito de ala ou estaca.

“Um dos propósitos do Senhor ao organizar a Sociedade de Socorro era o de preparar Suas filhas para as bênçãos maiores do sacerdócio encontradas nas ordenanças e nos convênios do templo” (Filhas em Meu Reino, 2011, p. 144). Nosso propósito continua o mesmo hoje.

Preparar-se para frequentar o templo

Algumas sugestões importantes e úteis incluem:

• Crer no Pai Celestial, em Jesus Cristo e no Espírito Santo.

• Desenvolver um testemunho da Expiação de Jesus Cristo e do evangelho restaurado.

• Apoiar e seguir o profeta vivo.

• Qualificar-se para uma recomendação para o templo sendo moralmente limpa, guardando a Palavra de Sabedoria, pagando um dízimo integral e vivendo em harmonia com os ensinamentos da Igreja.

• Doar tempo, talentos e recursos para ajudar a edificar o reino de Deus.

• Participar do trabalho de história da família.

• Ser ensinável e reverente.

• Vestir-se de modo recatado e asseado (ver Filhas em Meu Reino, p. 21).

Nossa maior preparação para irmos ao templo começa no lar e no exemplo de atitude e prioridade que damos à nossa própria frequência ao templo. Fiquei muito emocionada anos atrás, quando ouvi a história contada pela irmã Anne Pingree sobre duas irmãs da Sociedade de Socorro da Nigéria que percorreram quase trinta quilômetros a pé, ida e volta, “para receber uma recomendação para o templo que elas sabiam que jamais teriam o privilégio de usar” (“Ver as Promessas Distantes”, Conferência Geral de outubro de 2003).

Nossa maior preparação para irmos ao templo começa no lar e no exemplo de atitude e prioridade que damos à nossa própria frequência ao templo.

Por quê? Elas estavam tentando seguir o conselho do profeta, o Presidente Howard W. Hunter, que ensinou: “Agradaria ao Senhor que todo membro adulto fosse digno de ter uma recomendação do templo válida, mesmo que a distância do templo não permita seu uso imediato e frequente” (“Um Povo Motivado pelo Templo”, A Liahona, maio de 1995, p. 6). Imaginem o impacto que o exemplo delas deve ter tido sobre seus filhos! Depois de ouvir essa história, refleti sobre meu próprio exemplo e estabeleci uma meta referente ao templo de fazer melhor e ser melhor.

“As ordenanças de salvação recebidas no templo, que nos permitem um dia voltar à presença de nosso Pai Celestial em um relacionamento familiar eterno, e a investidura das bênçãos e do poder do alto valem todo sacrifício e todo esforço.” — Presidente Thomas S. Monson

Fomos relembrados por nosso amado Presidente Thomas S. Monson: “Aqueles que compreendem as bênçãos eternas que advêm do templo sabem que nenhum sacrifício é grande demais, nenhum preço é alto demais, nenhuma luta é difícil demais para receber essas bênçãos. Nunca há quilômetros demais para viajar, obstáculos demais para sobrepujar ou desconforto demais para suportar. Eles compreendem que as ordenanças de salvação recebidas no templo, que nos permitem um dia voltar à presença de nosso Pai Celestial em um relacionamento familiar eterno, além da investidura de bênçãos e de poder do alto, valem todo sacrifício e todo esforço” (“O Templo Sagrado — Um Farol para o Mundo”, Conferência Geral de abril de 2011).

Acrescento meu testemunho dessas verdades. Peço a cada um de nós que sejamos mais cuidadosos ao preparar a nós mesmos, nossos filhos e aqueles que precisam de nossa ajuda a “[levantar-se e ir] à montanha” (1 Néfi 17:7).

“Peço a cada um de nós que sejamos mais cuidadosos ao preparar a nós mesmos, nossos filhos e aqueles que precisam de nossa ajuda a ‘[levantar-se e ir] à montanha’ (1 Néfi 17:7).” — Irmã Linda K. Burton