Líderes da Primária Incentivam as Famílias a se Concentrarem em Jesus Cristo

  Marianne Holman, da redação do Church News

  • 8 Maio 2013

A irmã Rosemary M. Wixom, presidente geral da Primária (centro) e suas duas conselheiras, a irmã Jean A. Stevens (à esquerda) e a irmã Cheryl A. Esplin (à direita), falaram em 2 de maio de 2013, na Conferência de Mulheres da BYU, em Provo, Utah.  Fotografia: Jonathan Hardy, BYU Photo.

“Quando nosso foco é Jesus Cristo, removemos os escombros que obscurecem o caminho, e podemos edificar um alicerce para nossa família sobre a rocha de nosso Redentor. Os ventos soprarão e as tempestades vigorosas podem se abater sobre nós, mas não cairemos.” — Rosemary M. Wixom, presidente geral da Primária

“São as pequenas coisas que fazemos, que levam nossos filhos ao Salvador”, disse a irmã Rosemary M. Wixom, presidente geral da Primária, durante a Conferência de Mulheres na Universidade Brigham Young, em 2 de maio de 2013.

“Quando nosso foco é Jesus Cristo, removemos os escombros que obscurecem o caminho, e podemos edificar um alicerce para nossa família sobre a rocha de nosso Redentor. Os ventos soprarão e as tempestades vigorosas podem se abater sobre nós, mas não cairemos”.

A irmã Wixom e suas conselheiras, a irmã Jean A. Stevens e a irmã Cheryl A. Esplin, concentraram-se em três pilares — a oração, as escrituras e o templo — que fortalecem o alicerce do lar.

O Poder da Oração Pessoal e Familiar

“Nosso Pai Celestial não está preocupado com o quanto astutos, brilhantes, ricos ou famosos somos”, disse a irmã Esplin. “Ele nos ama, porque somos Seus filhos. Ele nos deu uma linha direta para Ele — que se chama oração”.

A oração é essencial na construção de uma vida e um lar centralizados em Cristo, ela ensinou.

“Todos sabemos que a realidade de reunir a família para a oração familiar nem sempre é fácil, devido aos diferentes horários e atividades dos membros, mas quando fazemos disso uma prioridade, encontramos uma maneira para que isso aconteça”, disse a irmã Esplin.

Quando as criancinhas, constante e regularmente experimentam a oração em família, aprendem rapidamente que há alguém a quem elas sempre podem recorrer para obter ajuda.

“Podemos orar a qualquer momento, em qualquer lugar”, disse ela. “Foi-nos prometido que, por meio de orações regulares, nossos familiares se aproximariam mais de Deus e uns dos outros. Nosso lar será um lugar de força espiritual, um refúgio das influências malignas do mundo”.

 

A irmã Rosemary M. Wixom, presidente geral da Primária, na Conferência de Mulheres da BYU, cumprimenta uma participante. Fotografia: Jonathan Hardy, BYU Photo.

O Poder do Estudo das Escrituras

Citando o Élder Richard G. Scott, do Quórum dos doze, a irmã Wixom disse: “As escrituras são como um facho de luz que ilumina nossa mente e dá lugar à orientação e inspiração do alto.”

Esses fachos de luz iluminam a mente e ajudar a edificar um alicerce sobre a “rocha de nosso Redentor”, ela ensinou. “Elas testificam de Jesus Cristo e pelo poder do Espírito Santo, as pessoas vêm a conhecê-Lo, enquanto lêem”.

“Quando a leitura das escrituras torna-se um hábito diário, somos levados a examiná-las e amá-las”, disse ela. “Como uma mulher disse, ‘Então vem o momento em que a obediência se transforma em fome e sede’”.

O Presidente Thomas S. Monson disse: “se estudarem as escrituras com diligência, sua capacidade de fugir das tentações e ser orientados pelo Espírito Santo em tudo o que fizerem aumentará.” (“Dê o Melhor de Si”, Conferência Geral de abril de 2009).

Por meio da leitura das Escrituras, as famílias vão receber uma maior influência do Espírito Santo em sua casa.

O Poder do Templo

O trabalho do templo e da história da família são essenciais para realizar a obra de salvação do Senhor, disse a irmã Stevens.

“Posso imaginar que o Senhor, com Seu poder infinito, poderia ter traçado um caminho para trazer salvação para todos os Seus filhos, sem o uso direto de nossa ajuda”, disse ela. “Mas, por algum motivo, não o fez. Será que nossa participação no trabalho do templo e história da família visa não apenas salvar nossos antepassados, mas para salvar a nós e nossos filhos também?”

Quando as pessoas fizerem da adoração no templo e do trabalho de história da família o seu foco, vão experimentar as bênçãos prometidas e sentirão a presença do Senhor em sua vida. Envolver as crianças nesse foco do templo traz as bênçãos para os lares e as famílias.

A irmã Stevens disse que mesmo pequenas atividades — uma gravura do templo no quarto de uma criança, cantar canções sobre o templo, visitar os jardins do templo, ajudar os filhos a prepararem-se para uma recomendação do templo, compartilhar histórias de antepassados e envolver as crianças no trabalho do templo e história da família — vão ajudar as crianças a colocar o templo em seu coração e em seu futuro.