Notícias da Igreja

Alteração de Norma Torna a Missão uma Realidade para Alguns Casais Mais Idosos

  • 14 Outubro 2011

Para Roslyn e Lyle Archibald, na foto acima, a alteração do período de serviço exigido para missionários seniores permitiu que eles servissem uma missão humanitária de seis meses na Micronésia muito antes do que eles esperavam.

Durante o seu casamento Brent e Suzanne Romig haviam conversado sobre servirem missão juntos depois que os seus seis filhos estivessem crescidos. Os dois amavam a obra missionária — o irmão Romig serviu na Holanda quando jovem e o pai da irmã Romig foi presidente de missão no Taiti pouco antes dela nascer.

Mas no ano passado, quando eles começaram a pesquisar suas opções para servirem como casal missionário sênior, eles começaram a perceber que, devido à economia em recessão e à queda dos preços das casas, eles estariam limitados em relação ao tempo que poderiam servir e ao lugar.

Então, durante o verão de 2011, a Primeira Presidência e o Quórum dos Doze Apóstolos aprovaram alterações nas normas para missionários seniores para incentivar mais casais a servirem missões de tempo integral. Desde 1º de setembro de 2011, os casais poderão servir por seis, doze, dezoito ou vinte e três meses. Além disso, foi estabelecido o teto de 1.400 dólares americanos por mês para as despesas com moradia. Anteriormente, os custos da missão variavam de acordo com o local, variando de centenas a milhares de dólares por mês.

A alteração na norma vai permitir que mais casais atendam ao chamado que o Presidente Thomas S. Monson fez durante a conferência geral de outubro de 2010: “Para vocês, irmãos e irmãs mais idosos, precisamos de muitos mais casais idosos. (…) Há poucas ocasiões em sua vida em que vocês desfrutarão o doce espírito e a satisfação de servirem juntos em tempo integral na obra do Mestre”, ele disse.

Além disso, durante a sessão do sacerdócio da conferência de outubro de 2011, o Élder Jeffrey R. Holland, do Quórum dos Doze Apóstolos, incentivou os casais a servirem, dizendo: “Precisamos de outros milhares de casais que sirvam nas missões da Igreja. Todo presidente de missão implora por eles. Em todos os lugares em que servem, nossos casais levam uma maturidade para o trabalho que nenhum jovem de dezenove anos, por melhor que seja, pode oferecer”.

Agora os Romigs, junto com outros casais, estão percebendo que devido às recentes alterações, servir missão pode-se tornar uma realidade mais rápido do que eles tinham imaginado.

Servir sob as Novas Normas

Em 10 de outubro de 2011, os primeiros missionários de bem-estar de seis meses — Lyle e Roslyn Archibald, de Ogden, Utah, EUA — entraram no Centro de Treinamento Missionário de Provo para iniciar os preparativos para uma missão médica humanitária em Chuuk, uma das quatro ilhas-estado que faz parte dos Estados Federados da Micronésia.

“Acho que é uma mudança maravilhosa”, disse o irmão Archibald. “As novas opções são mais atraentes para muitos, tanto pelas consequências financeiras quanto pela flexibilidade de tempo.”

Enquanto os Archibald estavam pensando sobre servir uma missão médica na Micronésia — o irmão Archibald é um médico aposentado — eles estavam preocupados com o efeito que dezoito meses ou dois anos em clima tropical teria sobre a Síster Archibald, que é muito sensível ao calor.

“Não havíamos encontrado nada que se encaixasse conosco, mas quando escutamos ‘seis meses’, nos sentimos imediatamente bem sobre isso”, o irmão Archibald disse. “Não tenho certeza se de outra maneira teríamos encontrado uma missão que fosse adequada para nós.”

Os Romig estavam no Centro de Conferências em Salt Lake City, onde servem como missionários de serviço voluntário da Igreja três vezes por semana, quando escutaram, pela primeira vez, sobre a alteração da norma.

“Podemos ir aonde quer que o Senhor queira, e podemos fazer isso mais rápido”, disse a Síster Romig. “Mais e mais pessoas que conheço estão percebendo que no mundo de hoje com a economia apertada, elas têm que pensar mais sobre quando e onde servir. As alterações na norma do serviço missionário minimizam esses fatores”.

O irmão Romig disse que agora também há oportunidades para servir em diferentes locais. “Estávamos vendo a luz diminuir, assim como as perspectivas e oportunidades, ainda assim tínhamos o desejo de ir para qualquer lugar”, ele disse. “As alterações nos permitem inscrever nossos nomes e dizer: ‘Onde quer que Ele queira que vamos, nós podemos fazer isso”.

Atualmente os Romig estão cuidando da casa de seus primos, que estão servindo uma missão de dois anos como casal em Billings, Montana, EUA. Logo depois da volta deles, os Romig poderão partir em sua missão — e eles irão para onde quer que sejam chamados.

As alterações da norma abriram a oportunidade para os casais servirem várias missões no futuro, acrescentou a Síster Archibald, indicando que períodos de tempo menores permitem tempo para voltar para casa com mais frequência para auxiliar a família e cumprir outras obrigações antes de partir em uma nova missão.

“Ter a opção de quanto tempo vamos servir facilita para que façamos várias missões no futuro”, o irmão Archibald declarou.

Muitos casais como os Romig e os Archibald estão planejando servir missão, mas parecem ter visto isso como algo distante devido a questões de tempo e de finanças. As alterações recentes da norma aumentaram as oportunidades para que os casais sirvam.

“Eu realmente sinto mais do que nunca a chance de restituir ao meu Pai Celestial em alguma forma de serviço”, disse a Síster Romig. “Antes, era só um desejo e um sonho. Agora é uma questão de dizer sim quando chega a hora. É uma realidade.”