Atender ao Chamado de Mais Missionários: Incentivar uma Atitude Missionária no Lar e na Igreja

  Enviado por Heather Whittle Wrigley, Notícias e Acontecimentos da Igreja

  • 6 July 2012

O Bispo Victor Nogales, da ala Parque Chacabuco, Estaca Buenos Aires Argentina Congresso, ao lado do quadro de avisos mostrando todos os jovens da sua ala, inclusive os 19 que estão atualmente servindo missões.

“Nossos jovens têm o direito de esperar que seus pais e os líderes da Igreja façam o possível para que eles conheçam e compreendam o evangelho de Jesus Cristo.” — Élder M. Russell Ballard, do Quórum dos Doze Apóstolos

O Bispo Victor Nogales, da ala Parque Chacabuco, Estaca Buenos Aires Argentina Congresso, senta-se à frente de um quadro de avisos com as fotografias de 37 rapazes e moças de sua ala. Quando um deles sai para uma missão, ele coloca uma anotação próxima à foto.

“Meus jovens ficam muito contentes quando entram na minha sala e veem as fotografias e as anotações junto ao nome”, disse ele. “Isso os motiva a se prepararem para sua própria missão.”

Esta ala em Buenos Aires é um exemplo do espírito da obra missionária. Desde o início de 2012, 19 jovens — 14 deles conversos — deixaram seu lar e família para servir uma missão de tempo integral em oito países. Mais de 80 por cento dos jovens qualificados comprometeram-se a servir uma missão.

Nos últimos anos os Irmãos fizeram vários pedidos para que mais jovens servissem uma missão. Hoje em dia muitas famílias e líderes da Igreja estão colocando em prática essas mensagens em sua vida e estabelecendo uma forte tradição de serviço missionário em suas áreas.

Uma Prioridade Profética

Na conferência geral de abril de 2005 , logo depois que a Igreja lançou Pregar Meu Evangelho: Um Guia para o Serviço Missionário, o Élder M. Russell Ballard, do Quórum dos Doze Apóstolos, pediu mais missionários.

Ele aconselhou as famílias e líderes a incentivar um espírito missionário e a se prepararem mais para servir honrosamente ajudando os jovens a compreender quem são e ensinando-lhes a doutrina.

Desde esse pronunciamento, foram feitos várias pedidos proféticos sobre o assunto.

Na conferência geral de outubro de 2011, o Élder Jeffrey R. Holland, do Quórum dos Doze Apóstolos, anunciou a necessidade de “outras dezenas de milhares de missionários nos meses e anos à frente”. Um ano antes, o Presidente Thomas S. Monson havia lembrado aos rapazes da mesma necessidade e também falou aos membros mais maduros:

“Precisamos de muito mais casais idosos”, disse ele. Ele agradeceu aos que têm servido e depois voltou sua atenção para aqueles que ainda não estão pronto para servir. “Conforme permitirem as circunstâncias (…) fiquem disponíveis para sair de casa e prestar serviço missionário em tempo integral”, disse ele.

Ajudar os Jovens a Entender Quem São

Em resposta à pergunta, “Como você foi capaz de preparar tantos de seus jovens para estarem dispostos a servir?”, o Bispo Nogales respondeu: “Quando fui chamado como bispo, minha primeira preocupação foram os jovens da minha ala e deixei claro aos outros líderes que precisávamos fazer parte da vida deles”.

Por exemplo, todos os missionários de Chacabuco tiveram chamados na ala antes de saírem em missão. Com frequência, os recém-conversos e membros menos ativos eram convidados para servir como professores, bem como em outras designações, o que os ajudaram a preparar-se para ensinar o evangelho.

O Bispo Nogales também providenciou para que os jovens se preparassem espiritualmente para a missão, acompanhando os missionários de tempo integral locais todas as semanas.

Como os membros e líderes locais da Igreja comprometeram-se a cuidar dos jovens da ala, eles foram recompensados em ver o espírito missionário crescer imensamente.

Garth e Eloise Andrus Draper, Utah, EUA, sabem o que significa ter uma família com espírito missionário. Eles têm 17 netos que serviram como missionários, e eles próprios serviram em seis missões.

Incentivar um espírito de serviço missionário em sua família é algo que começa quando os filhos são jovens, disse o irmão Andrus.

“Você não deixa o assunto ‘servir uma missão’ como uma expectativa silenciosa, mas fala com seus filhos e netos sobre o assunto como se não fosse uma pergunta —quando você for para a missão, não se”, concordou a irmã Andrus.

Também é importante ensinar aos jovens quem eles são, dando um exemplo de serviço missionário em nossa família, disse a irmã Andrus. Eles aceitaram seu primeiro chamado em 1980, na mesma época em que o filho mais novo estava saindo para sua missão. O irmão Andrus serviu como Presidente da Missão Filipinas Manila por três anos.

“Tenho certeza de que os e-mails que enviamos casa, as cartas que mandamos [ajudaram] — é por isso que nossos filhos serviram, porque viram as grandes experiências que tivemos e queriam ter as mesmas experiências”, disse ela.

O irmão Andrus disse que sempre sentiu que servir uma missão teve um impacto muito maior sobre os netos do que se ele tivesse ficado em casa e os levado para tomar sorvete.

Um neto escreveu-lhes depois de receber algum dinheiro que haviam mandado para ajudá-lo a preparar-se para sua missão. “Ele agradeceu-nos, mas disse: ‘muito mais importante é agradecer pelo exemplo que vocês nos deram”, disse a irmã Andrus.

Ensinar a Doutrina

A cerca de 9,600 km de distância de Buenos Aires, numa região rural, o Ramo Horseshoe Bend perto de Boise, Idaho, EUA, também teve um extraordinário crescimento no serviço missionário à medida que as famílias e os líderes reforçaram seu empenho de ensinar o evangelho aos jovens.

No pequeno ramo de 75 membros, nove jovens estão servindo missões.

Em uma carta do missionário Élder Dillon Flake, que está servindo na Missão Filadélfia Pensilvânia, lemos: “Servir uma missão foi a melhor decisão que já tomei e a coisa que mais valeu a pena em minha vida”.

O colega Élder Greiner Nicholas, que está servindo na missão Washington D.C. Norte, relatou sobre os efeitos do serviço missionário que mudaram sua vida até agora. “Minha missão não somente permitiu que eu sentisse o amor do Salvador, mas permitiu que eu sentisse, pelo menos um pouco, como Ele se sente sobre cada um de nós”, escreveu ele.

Martin Walker, Presidente da Estaca Emmett Idaho, observou: “Servir uma missão coloca um jovem em um curso que vai afetar gerações. (…) Como estaca, fazemos tudo o que podemos para preparar os jovens para o serviço missionário”.

Parte da preparação inclui ensinar a doutrina aos jovens. Os jovens do ramo Horseshoe Bend têm acesso a um curso de preparação missionária semanal ministrado por um ex-presidente de missão — um treinamento que mais tarde vai complementar o treinamento missionário fornecido na reunião de preparação missionária mensal dos jovens da estaca e no acampamento anual do Sacerdócio Aarônico.

“Nossos jovens têm o direito de esperar que seus pais e os líderes da Igreja façam o possível para que eles conheçam e compreendam o evangelho de Jesus Cristo, disse o Élder Ballard. “O Espírito Santo confirmará a verdade ao seu coração e acenderá a Luz de Cristo em sua alma. Então, vocês terão mais um missionário plenamente preparado.”

Em Horseshoe Bend, dois jovens esperam ansiosamente ser chamados para o serviço missionário de tempo integral. O chamado deles resultará em aproximadamente 15 por cento dos membros ativos do ramo servindo missões de tempo integral.

LaRene Adams é um dos seis filhos do irmão e da irmã Andrus. Ela e o marido, Jim, serviram na Missão Copenhague Dinamarca de 2007 a 2009. Ela testificou sobre a importância de ensinar o evangelho aos filhos no lar.

“Uma das melhores coisas que você pode fazer para ajudar seus filhos a edificar um testemunho da obra missionária é fazer noites familiares e estudar as escrituras em família”, disse ela. “Se você der a eles essa base sólida de estudo e conhecimento do evangelho, eles vão estar muito mais bem preparados e vão saber muito mais sobre o evangelho.”