A Irmã Marriott Compartilha Seu Testemunho Sobre o Amor de Deus

Contribuição de Rachel Sterzer, redatora do Church News

  • 9 July 2013

A irmã Neill F. Marriott, segunda conselheira na presidência geral das Moças e o marido, David C. Marriott.  Fotografia: Ravell Call

Destaques do Artigo

  • O exemplo dos pais da irmã Marriott de aceitação e amor cristão, prepararam-na para aceitar o evangelho restaurado.
  • David C. Marriott apresentou a Igreja a ela. Eles se casaram em junho de 1971 no Templo de Salt Lake, um ano depois de ela ser batizada.
  • A influência dos entes queridos ajudou a irmã Marriott a compartilhar seu testemunho com todos.

“O Salvador é minha âncora.” — Irmã Neill F. Marriott, da presidência geral das Moças

Mesmo antes de se filiar à Igreja, Neill Foote Marriott cresceu sabendo que existia um Deus e que Ele a amava, devido em grande parte ao exemplo de seus pais, George e Antonia Foote.

“Meu pai seguia o exemplo de nosso Pai Celestial”, disse a nova segunda conselheira na presidência geral das Moças. “Seu amor e sua tolerância para com os outros eram ilimitados.

Quando tinha 12 anos de idade, ela decidiu ler a Bíblia todos os dias e ajoelhar-se para orar diariamente. Aquele firme compromisso traçou um curso para sua adolescência. “O efeito cumulativo foi que meu amor pelo Pai Celestial cresceu e passei a confiar que o Salvador cuidaria de mim”, disse ela.

Ela tinha 22 anos de idade quando conheceu um “mórmon” pela primeira vez. Ela nasceu e foi criada em Alexandria, Louisiana, depois mudou-se para o norte após formar-se na Universidade Metodista do Sul em Dallas, Texas, onde recebeu o bacharelado em literatura inglesa e trabalhava como secretária na Universidade de Harvard. Lá conheceu David Cannon Marriott, que disse a ela e suas colegas de quarto: “Tenho alguns amigos que quero que vocês conheçam”. Esses amigos apareceram de terno preto e gravata, carregando malas cheias de livros, folhetos e um quadro de feltro.

Os missionários ensinaram a ela e suas colegas de quarto com frequência por sete meses. Durante esse tempo, ela foi abençoada com muitas “experiências agradáveis” incluindo ler o Livro de Mórmon, conhecer o presidente da missão e aprender mais sobre a doutrina da Igreja.

Ao ouvir os missionários ensinarem sobre o plano de salvação, ela disse: “A lição forneceu o que faltava para minha compreensão do evangelho. (…) Eu sabia que o que eles estavam dizendo era verdade. Eu era realmente filha do Pai Celestial. Ele era meu Pai. Reconheci a verdade no ensinamento de que vivi com Ele antes de vir aqui. Isso realmente abriu meu coração para a verdade”.

Então, quando ela e algumas de suas colegas de quarto se preparavam para viajar no verão, David lhes perguntou: “Como vocês se sentem a respeito do Livro de Mórmon?”

Ela havia planejado dizer algo diferente, mas acabou dizendo: “Bom, acho que é verdadeiro”, e David disse: “Então o que é você vai fazer a esse respeito?”

Ela prometeu honesta e sinceramente orar a respeito. E assim o fez. Ela relata que por meio da oração honesta aprendeu claramente que, de fato, essa era a Igreja verdadeira do Salvador na Terra. No dia seguinte, ligou para o presidente da missão e disse-lhe que precisava ser batizada.

Depois de seu batismo, ela e David continuaram amigos e, por fim, começaram a namorar. Eles se casaram em junho de 1971, no Templo de Salt Lake, e depois de viver em quatro estados diferentes dos Estados Unidos, foram morar em Salt Lake City. A irmã Marriott ficava em casa com os 11 filhos enquanto o marido seguia uma carreira nos negócios.

Disse que desenvolveu amor pelo templo e com alguma ajuda já encontrou e preparou quase 1.000 nomes de antepassados para as ordenanças do templo. Ela serviu como oficiante do Templo de Salt Lake, como presidente da Sociedade de Socorro da ala e da estaca, presidente das Moças da ala, líder dos lobinhos, professora de doutrina do evangelho e especialista em armazenamento doméstico. Também serviu com o marido quando ele presidiu a missão Brasil São Paulo Interlagos de 2002 a 2005.

Três meses depois de começarem seu serviço no Brasil, Georgia, a filha dos Marriotts que estava estudando violino na Universidade de Indiana, foi atingida por um caminhão, quando andava de bicicleta perto do campus da universidade e morreu. Embora se sentisse arrasada, a irmã Marriott disse que foi fortalecida por seu conhecimento do evangelho e pelo exemplo de amor cristão de Georgia.

Georgia tinha a meta de compartilhar o evangelho com alguém diferente todos os dias. Muitos amigos da universidade compareceram ao funeral dela em Indiana. A família preparou exemplares do Livro de Mórmon com o testemunho de Georgia colado na capa. Todos os 250 exemplares foram entregues.

“[Georgia] foi uma inspiração real para mim sobre a missão de sempre defender e compartilhar o que acredito”, contou a irmã Marriott.

Ela não tem medo de prestar testemunho, disse o marido. “Todo mundo sabe que a fé que ela tem em Jesus Cristo é a parte mais extraordinária e mais importante de sua vida.”

“O Salvador é minha âncora”, concordou ela.

Em sua nova designação, a irmã Marriott espera compartilhar o mesmo testemunho que recebeu quando jovem. Ela quer que as Moças saibam que “elas são amadas por seu Pai Celestial com o mais profundo e glorioso amor”.