Os Serviços de Bem-Estar Celebram 75 Anos

  Heather Wrigley, Notícias e Eventos da Igreja

  • 2 – 3 de abril de 2011

“O propósito da Igreja é ajudar as pessoas a ajudarem a si mesmas. O trabalho deve voltar a ser o princípio governante na vida dos membros de nossa Igreja.” — Presidente Heber J. Grant, 1936

A 181a Conferência Geral Anual da Igreja deste final de semana marca o 75o aniversário do programa de bem-estar da Igreja.

O programa de bem-estar não é apenas uma maneira de ajudar aos membros em circunstâncias temporariamente difíceis, mas também enfatiza a autossuficiência como um forma de vida, incluindo educação, saúde, emprego, produção e armazenamento familiar, finanças da família e força espiritual.

No dia de sua criação em 1936, o Presidente David O. McKay afirmou as raízes divinamente inspiradas do plano de bem-estar da Igreja: “[O programa de bem-estar] está estabelecido por revelação divina e não há nada mais no mundo que possa cuidar de seus membros de maneira tão eficaz” (em Henry D. Taylor, The Church Welfare Plan, ms. não publicado, Salt Lake City [1984], 26 – 27).

Setenta e cinco anos já se passaram Ciclos econômicos seguiram seu rumo e começaram novamente. O mundo assistiu a enormes mudanças culturais e na sociedade e a Igreja experimentou um crescimento monumental. 

Mas as palavras proferidas sobre o divinamente inspirado plano de bem-estar da Igreja naquele dia em 1936, são tão verdadeiras hoje como eram naquela ocasião.

Princípios de Bem-Estar

Em 1936, por sete anos na Grande Depressão, os Estados Unidos ainda tinham de emergir das enormes perdas e tendências negativas que começaram com a quebra da bolsa em 1929. Em 1932, o desemprego em Utah atingiu 35,8 por cento. 

Embora a Igreja tivesse princípios de bem-estar no lugar, incluindo um sistema de armazéns e programas para ajudar os membros a encontrarem trabalho, muitos membros estavam recorrendo à ajuda do governo.

“Acredito que há uma disposição crescente entre as pessoas de tentar ganhar algo do governo dos Estados Unidos com pouca esperança de algum dia devolver,” o Presidente Heber J. Grant (1856 – 1945) comentou durante aquele tempo. “Creio que isso seja completamente errado” (em Conference Report, 1933, p. 5).

Líderes da Igreja desejavam ajudar membros com dificuldades sem promover a ociosidade e um senso de direito.

A meta dos líderes da Igreja era ajudar as pessoas a ajudarem a si mesmas a tornarem-se independentes sem sacrificar as necessidades da vida. 

Em 1933, a Primeira Presidência anunciou, “Nossos membros fisicamente aptos não devem, exceto em último caso, ser colocados sob o constrangimento de aceitarem alguma coisa por nada. . . . Oficiais da Igreja administrando socorro devem desenvolver maneiras de meios pelos quais todos os membros da Igreja fisicamente aptos que estejam em necessidades, possam compensar a ajuda que lhes foi dada prestando algum tipo de serviço” (em James R. Clark, comp., Messages of the First Presidency of The Church of Jesus Christ of Latter-day Saints, 6 volumes, 5:332 – 34).

Com os princípios no lugar e a fé dos Santos em ação, unidades individuais da Igreja, assim como a Igreja como um todo, foram ao trabalho organizando aulas de costura e enlatamento, coordenando projetos de trabalho, adquirindo fazendas e enfatizando um viver justo, econômico e independente.

Assista um vídeo sobre as fazendas de bem-estar da Igreja e o propósito para que servem

O Programa de Bem-Estar da Igreja

Com a organização do plano de segurança da Igreja (renomeado o plano de bem-estar da Igreja em 1938), as pessoas receberiam a oportunidade de trabalhar, expandir suas habilidades, pela ajuda que recebessem. Isso ensinaria as pessoas a voltarem-se a si mesmo por uma “mão que ajuda” ao invés de outras fontes por uma “mão que distribui.” 

“Nosso propósito fundamental foi estabelecer,(…) . . um sistema sob o qual a maldição da preguiça fosse eliminada e os males da esmola, abolidos, fazendo com que a independência, a industriosidade, a economia e o respeito próprio voltassem a reinar em meio a nosso povo,” o Presidente Heber J. Grant disse durante a Conferência Geral de Outubro de 1936. O propósito da Igreja é ajudar as pessoas a ajudarem a si mesmas. O trabalho deve voltar a ser o princípio governante na vida dos membros de nossa Igreja” (in Conference Report, Outubro de 1963, p. 3 1936, 3).

Ao longo dos anos, o sistema de bem-estar da Igreja incluiu muitos programas: Social Services, (now LDS Family Services), (Serviços Sociais, agora Serviços Familiares SUD), LDS Charities (Instituições de Caridade SUD), Humanitarian Services (Serviços Humanitários) e Emergency Response (Resposta a Emergências) Esses e outros programas tem abençoado as vidas de centenas de milhares, tanto dentro quanto fora da Igreja.

Assista à história da Praça do Bem-Estar e Outras Instalações de Bem-Estar.

Alcance Internacional

Mesmo depois que a Grande Depressão chegou a fim, o Presidente J. Reuben Clark (1871 – 1961), que servia como Conselheiro na Primeira Presidência, advogou providencialmente em favor da continuidade do programa de bem-estar. Em outubro de 1945, o Presidente Harry S. Truman apelou ao Presidente da George Albert Smith (1870 – 1951) para determinar quando e quantos suprimentos e poderiam ser enviados para as regiões devastadas da Europa. Para a surpresa de Truman, os líderes da Igreja responderam que roupas, alimentos e outros materiais de auxílio já haviam sido recolhidos e estavam prontos para ser enviados.

Ao longo do tempo, a Igreja expandiu suas instalações e programas de bem-estar para cobrir mais áreas necessitas, incluindo mais áreas geográficas. Na década de 1970, a Igreja expandiu seus projetos de bem-estar e produção para México, Inglaterra e as Ilhas do Pacífico. Durante a década seguinte, Argentina, Chile, Paraguai e Uruguai tornaram-se os primeiros países a receber centros de emprego fora dos Estados Unidos.

Com a criação dos Serviços Humanitários da Igreja em 1985, os esforços internacionais de bem-estar da Igreja cresceram tremendamente, à medida que roupas e outros bens eram separados para envio por todo o mundo, em resposta à pobreza e a desastres

Hoje, o crescimento do número de membros internacionais da Igreja, especialmente em países em desenvolvimento, impõe novos desafios que o sistema do Serviço de Bem-Estar está se adaptando para atender.

Um Plano Inspirado para Hoje

Os princípios básicos de bem-estar — autossuficiência e industriosidade — permanecem os mesmos que o Senhor ordenou a Adão: “Do suor do teu rosto comerás o teu pão” (Gênesis 3:19 ).

Seu objetivo de longo prazo, como definido pelo Presidente Clark, continua a ser cumprido: “A construção do caráter dos membros da Igreja, doadores e recebedores, resgatando tudo que há de mais belo dentro deles e fazendo florescer e frutificar a riqueza latente do espírito, que afinal é a missão, o propósito e a razão de ser desta Igreja.” (de uma reunião especial para presidentes de estaca, 2 de outubro de 1936). 

Nos últimos dias, o Senhor declarou, “E o armazém deverá ser mantido pelas consagrações da Igreja; e prover-se-á a subsistência das viúvas e dos órfãos, como também dos pobres” (D&C 83:6). Então, Ele nos lembra, “Mas é necessário que seja feito a meu modo” (D&C 104:16 ).

Princípios de bem-estar estão em vigor na vida de membros por todo o mundo, como um princípio diário em lares individuais. 

“A força da Igreja e do verdadeiro armazém está nos lares e corações de seu povo,” disse o Élder Robert D. Hales, do Quórum dos Doze Apóstolos (“Welfare Principles to Guide Our Lives: An Eternal Plan for the Welfare of Men’s Souls,” Ensign, Maio de 1986, p. 28). 

À medida que indivíduos desenvolvem sua própria autossuficiência através da fé em Jesus Cristo, eles podem ajudar outros a se tornarem autossuficientes.

O Salvador nos deu o exemplo perfeito do que ensinou: “Em verdade vos digo que, quando o fizestes a um destes meus pequeninos, a mim o fizestes” (Matthew 25:40 ).