New Experience
Outubro 1994 | Fazer as Escolhas Certas


Fazer as Escolhas Certas


Outubro 1994 Conferência Geral

Peço-vos que permaneçais moralmente limpos. O Senhor tornará isso possível se fizerdes vossa parte com toda vossa força.

Estão aqui esta noite muitos rapazes que portam o sacerdócio de Deus.1 Muitos de vós esperai ser missionários quando mais velhos, outros estão planejando isso para breve, e outros já concluíram a missão e agora procuram uma companheira eterna. Vejo com seriedade o fato de que alguns de vós não atingireis essas metas valiosas por causa de outras escolhas que estais fazendo no presente.


Estou grato por esta ser uma reunião particular do sacerdócio, pois fui inspirado a tratar de assuntos delicados e importantes. Esses assuntos aplicam-se a todos os presentes, mas desejo falar especialmente aos rapazes. Falarei como se vós e eu estivéssemos sozinhos numa entrevista particular e ninguém pudesse ouvir-nos. Meu intento é ajudar-vos a aprender como se fazem escolhas certas, o que vos ajudará a desenvolver forte senso de valor pessoal. Tereis a confiança de fazer o que é certo, vencendo fortes pressões negativas de grupo e outras más influências.


Quando eu era menino, sentia que algumas coisas discutidas pelas pessoas na escola a respeito de partes íntimas do corpo estavam erradas. Ainda assim, não sabia o quanto estavam erradas nem por quê. Talvez penseis a mesma coisa. Considerando que esta noite não me podereis fazer perguntas, usarei algumas das perguntas confidenciais mais freqüentemente feitas pelos jovens que tenho conhecido ao redor do mundo. Responderei a elas baseando-me no que aprendi com as escrituras e com os profetas. Tereis, então, critérios claros para vossas escolhas. Oro para que, enquanto falamos, o Espírito Santo vos permita sentir a verdade do que é dito. Sei que, pensando em como essas entrevistas se aplicam a vós, tereis inspirações sobre o que fazer a respeito do assunto abordado em vossa própria vida.


Pergunta: Poderia dar-nos algumas sugestões de como resistir à pressão de grupo? Por que certas pessoas fazem coisas erradas e depois saem por aí gabando-se do quanto se divertiram? Quando não participo, fazem-me sentir como tolo.


Resposta: Não podeis agradar a Deus sem deixar Satanás furioso; portanto, sofrereis pressão daqueles a quem ele leva a fazer o que é errado. Essas pessoas querem que vos junteis a elas porque se sentem melhor fazendo certas coisas quando outros as acompanham. Elas podem também querer aproveitar-se de vós. É natural desejar ser aceito pelos colegas, fazer parte de um grupo—­alguns até mesmo fazem parte de quadrilhas por causa desse desejo de pertencer a um grupo, mas perdem a liberdade e, às vezes, a vida. Uma das coisas mais difíceis de se reconhecer é quão forte realmente se é e se os outros nos respeitam. Temos grande confiança em vós. Não precisais comprometer vossos padrões para serdes aceitos por bons amigos. Quanto mais obedientes fordes, mais representareis princípios verdadeiros e mais o Senhor poderá ajudar-vos a vencer tentações2. Podeis também ajudar porque eles sentirão vossa força. Deixai-os conhecer vossos padrões vivendo-os continuamente. Respondei a perguntas sobre vossos princípios quandos fordes inquiridos, mas não pregueis demasiadamente. Sei por experiência própria que isso funciona.


Ninguém tenciona cometer erros graves. Isso acontece quando transigis vossos padrões, a fim de serdes mais aceitos. Sede os fortes. Sede os líderes. Escolhei bons amigos e resisti juntos às pressões de grupo.


Pergunta: Como evitamos que maus pensamentos entrem em nossa cabeça? O que fazemos quando surgem?


Resposta: Alguns pensamentos maus surgem por si próprios. Outros surgem por convite nosso, de acordo com o que vemos ou ouvimos.3 Ver fotos indecentes do corpo de uma mulher ou conversar a respeito disso pode estimular fortes emoções. Isso resultará na tentação de ver filmes impróprios. Essas coisas vos cercam de todos os lados, mas não deveis participar delas. Procurai manter vosso pensamento limpo pensando em coisas boas.4 A mente pode ter somente um pensamento por vez. Aproveitai-vos disso para expulsardes os pensamentos maus.5 Acima de tudo, não alimenteis a mente lendo ou vendo coisas que são erradas. Se não controlardes vossos pensamentos, Satanás continuará tentando-vos até que finalmente pratiqueis o ato indevido.6

Pergunta: Por que a lei da castidade é tão importante? Por que o sexo antes do casamento é errado?


Resposta: A família é fundamental para o grande plano de felicidade e básica para os ensinamentos do Salvador. Uma nova família começa quando um homem e uma mulher fazem sagrados votos matrimoniais e unem-se legalmente para se tornarem marido e mulher, pai e mãe. O início perfeito é o selamento no templo. Com o casamento, prometem dar o melhor de si, sendo absolutamente fiéis um ao outro e trazendo filhos ao mundo para serem educados e ensinados. O pai assume o papel de provedor e protetor; a mãe, o papel de coração do lar, com sua influência doce, amorosa e educativa. Juntos, empenham-se para instilar em si e nos filhos princípios como oração, obediência, amor, altruísmo e busca de conhecimento.


Dentro do duradouro convênio do casamento, o Senhor permite ao marido e à mulher a expressão dos sagrados poderes de procriação, em todo seu encanto e beleza, dentro dos limites que Ele estabeleceu.7 Um dos propósitos dessa experiência particular, sagrada e íntima é dar um corpo físico aos espíritos que o Pai Celestial quer que passem pela mortalidade. Outro propósito desses fortes e belos sentimentos é unir marido e mulher em lealdade, fidelidade, consideração mútua e objetivo comum.


De qualquer forma, as intimidades são proibidas pelo Senhor fora do duradouro compromisso do matrimônio, porque elas minam Seus propósitos.8 Dentro do sagrado convênio do casamento, essas relações estão de acordo com Seu plano. Quando praticadas de qualquer outra maneira, estão contra Sua vontade e causam sérios danos emocionais e espirituais. Mesmo que não se perceba que isso esteja acontecendo no momento, mais tarde se perceberá. A imoralidade sexual cria uma barreira à influência do Espírito Santo e toda sua capacidade de edificar, esclarecer e dar poder. Ela causa forte estímulo físico e emocional. No devido tempo, cria um apetite inextinguível que leva o transgressor a cometer pecados cada vez mais graves. Gera egoísmo e pode resultar em agressões como brutalidade, aborto, abuso sexual e crime violento. Tais estímulos podem levar ao homosexualismo, que é maligno e absolutamente errado.9

A transgressão sexual profanaria o sacerdócio que agora possuís, esgotaria vossa força espiritual, enfraqueceria vossa fé em Jesus Cristo e frustraria vossa faculdade de servi-Lo. Resumindo, a obediência voluntária aumenta vossa confiança e capacidade; produz caráter que vos permite enfrentar e vencer desafios difíceis; qualifica-vos para receberdes inspiração e poder do Senhor.10

Pergunta: Sempre nos dizem para não nos envolvermos sexualmente, mas nunca nos dizem os limites. Quais são eles?


Resposta: Qualquer intimidade sexual fora dos laços do casamento–-quero dizer, qualquer contato intencional com as partes sagradas e íntimas do corpo de outra pessoa, com ou sem roupa—é pecado e proibido pelo Senhor. É também transgressão estimular intencionalmente essas emoções usando o próprio corpo.11 Satanás tenta-nos acreditar que existem níveis toleráveis de contato físico entre indivíduos que se permitem e procuram sentir o forte estímulo das emoções que esse contato produz, e que, se o contato físico for mantido dentro de limites, nenhum dano resultará. Como testemunha de Jesus Cristo, testifico que isso é absolutamente falso. Satanás procura tentar particularmente aqueles que têm uma vida pura e limpa, induzindo-os a ver revistas e filmes com fortes imagens do corpo de uma mulher. Ele quer estimular o apetite pelos contatos íntimos, o que rapidamente resulta em intimidades e contaminação. Formam-se hábitos fortes e difíceis de quebrar. Seguem-se cicatrizes mentais e emocionais.


Quando fordes maduros o bastante para planejar seriamente vosso casamento, expressai vosso amor da mesma maneira que o faríeis na presença de vossos pais.12 A fim de vos ajudar a guardar esses mandamentos, fazei um convênio com o Senhor de que os obedecereis. Decidi o que fareis e o que não fareis. Quando vos sentirdes tentados, não mudeis vossos padrões. Não os abandoneis quando a situação parecer justificar uma exceção. Uma das maneiras de Satanás prejudicar-vos é fazendo parecer que algumas vezes as leis de Deus não são aplicáveis. Não há exceções.


Pergunta: Antes do casamento, até que ponto se pode chegar com a namorada?


Resposta: Antes do casamento não deve haver contato sexual com a namorada, noiva ou quem quer que seja e ponto final!13 Sendo um mandamento, esse padrão é para vossa felicidade. É por isso que a Igreja vos aconselha a sair em grupos e não a sós enquanto sois jovens. Mais tarde, ao vos preparardes para o casamento, lembrai-vos de que o amor verdadeiro eleva, protege, respeita e enriquece o próximo, motivando-vos a fazer sacrifício pela jovem amada. Satanás promove o amor falso, que na verdade é luxúria, algo guiado pela fome de satisfazer o apetite pessoal. Protegei a pessoa amada controlando vossas emoções nos limites estabelecidos pelo Senhor. Sabeis como ser puros. Nós confiamos em vós.


Pergunta: Como podemos arrepender-nos após um pecado sexual? Que pecados devemos contar ao bispo?


Resposta: Todas as transgressões sexuais que discutimos exigem sincero arrependimento, com a participação do bispo. Se cometestes um desses pecados, arrependei-vos agora. É errado violar esses mandamentos do Senhor. É pior nada fazer a respeito. O pecado é como o câncer. Nunca curará a si próprio. Tornar-se-á pior, a menos que seja curado por meio do arrependimento. Vossos pais podem ajudar-vos. Podeis, então, sob a orientação do bispo, tornar-vos limpos e puros pelo arrependimento. Ele pode parecer ocupado demais e sem tempo para vós, mas se lhe disserdes que estais com problemas e procurando ajuda, ele vos ouvirá.


Um jovem com um problema sério disse: “Fiz coisas que sabia serem erradas. Aprendi que eram erradas desde pequeno. Sei que o arrependimento é um grande dom; sem ele estaria perdido. Porém, não estou pronto para me arrepender de meus pecados; mas sei que quando estiver, poderei arrepender-me.” Que trágico! A idéia de cometer sérios pecados intencionalmente agora e arrepender-se depois é perigosamente errada. Nunca façais isso.14 Muitos iniciam essa jornada de transgressões intencionais e jamais retornam. Pecados premeditados acarretam grandes penalidades e são mais difíceis de vencer. Se há pecado, arrependei-vos agora—enquanto podeis.


Oro para que, enquanto estivemos conversando, tenhais sentido vontade de serdes melhores.15 Vós sois portadores do sacerdócio de Deus. Essa é uma responsabilidade sagrada16 e um grande privilégio.17 Sereis fortalecidos em vossa determinação de viver retamente se estudardes as escrituras, especialmente o Livro de Mórmon. Ouvi vossos pais, líderes e o profeta a quem apoiamos hoje. Tende fé no Salvador, Ele vos ajudará.18 Lembrai-vos de que Ele disse: “Eu, o Senhor, estou obrigado quando fazeis o que Eu digo; mas quando não o fazeis, não tendes promessa nenhuma.”19

Peço-vos que permaneçais moralmente limpos. O Senhor tornará isso possível se fizerdes vossa parte com toda vossa força.20 Jesus Cristo vive e vos ama. Ele vos ajudará se fizerdes vossa parte. Em nome de Jesus Cristo. Amém.

Exibir ReferênciasOcultar Referências
    1. Ver Discourses of Wilford Woodruf (Discursos de Wilford Woodruf), org. G. Homer Durham (Cidade do Lago Salgado: Bookcraft, 1946), p. 64; ver também Millennial Star, 51 (1889):657.


    2. Ver I Cor. 10:13.


    3. Ver H. Burke Peterson, A Liahona, jan. de 1994, pp. 46–47.

    4. Ver Teachings of Ezra Taft Benson (Ensinamentos de Ezra Taft Benson) (Cidade do Lago Salgado: Bookcraft, 1988), pp. 278, 445–46.

    5. Ver Boyd K. Packer, Ensign, jan. de 1974, p. 27.

    6. Ver Thomas S. Monson, A Liahona, jan. de 1991, p. 50; ver também Robert L. Simpson, Ensign, jan. de 1973, p. 112.

    7. Ver Spencer W. Kimball, A Liahona, ago. de 1974, p. 37.

    8. Ver Boyd K. Packer, A Liahona, jan. de 1973, pp. 16–18.

    9. Ver Spencer W. Kimball, A Liahona, mar. de 1981, pp. 139–140.

    10. Ver D&C 43:9, 15–16.

    11. Ver Spencer W. Kimball, A Liahona, jan. de 1978, p. 6; A Liahona, mar. de 1981, p. 139.

    12. Ver Teachings of Ezra Taft Benson (Ensinamentos de Ezra Taft Benson), pp. 70–72.

    13. Ver The Teachings of Spencer W. Kimball (Os Ensinamentos de Spencer W. Kimball), org. Edward L. Kimball (Cidade do Lago Salgado: Bookcraft, 1982), pp. 65, 176–77.

    14. Teachings of Ezra Taft Benson (Ensinamentos de Ezra Taft Benson), pp. 70–72.

    15. Ver D&C 64:33–34.


    16. Ver D&C 84:35–39. Ver também Spencer W. Kimball, O Milagre do Perdão, pp.120–122.

    17. Ver The Teachings of Spencer W. Kimball (Os Ensinamentos de Spencer W. Kimball), p. 494.

    18. Ver Morôni 10:32.


    19. D&C 82:10.


    20. Ver 3 Néfi 18:20.