As barras de menu do LDS.org mudaram. Saiba mais.
Pular para a Navegação Principal
Abril 1995 | O Casamento ⌦e o Grande Plano ⌦de Felicidade

O Casamento ⌦e o Grande Plano ⌦de Felicidade

Aqui estão oito sugestões práticas para que, espero, sejam de valor para fortalecer nosso casamento, agora e no futuro.

Barbara e eu fomos abençoados com seis filhos. Há alguns anos, quando levamos todos eles para ver os avós, meu pai disse: “Joe, acho que você e Barbara começaram algo que não vai ter fim.”

Nesta Páscoa, declaramos ao mundo todo que Jesus é o Cristo e que por meio de Seu santo sacerdócio e do poder selador, o casamento e a família não precisam ter fim–não precisam terminar jamais.

Gostaria de falar-lhes a respeito do casamento. Aqui estão oito sugestões práticas que, espero, sejam de valor para fortalecer nosso ⌦casamento, agora e no futuro.

  1. Lembrem-se da importância fundamental do casamento. Ouçam as seguintes palavras do Élder Bruce R. McConkie, com relação à importância do casamento no “grande plano de felicidade” do Pai Celestial (Alma 42:8):

  2. Orem pelo sucesso de seu casamento. Há alguns anos, quando era comum as Autoridades Gerais visitarem as missões e entrevistarem todos os missionários, o Élder Spencer W. Kimball, na ocasião membro do Quórum dos Doze, estava entrevistando um élder prestes a terminar a missão.

  3. Ouçam. Prestem atenção no que seu cônjuge diz; reservem um tempo para conversar. Conversem e avaliem seu desempenho como companheiros no casamento.

  4. Evitem ser “demasiadamente implicantes”. “Não critiquem os erros um do outro. Reconheçam que nenhum de nós é perfeito. Todos temos que percorrer um longo caminho até nos tornarmos mais semelhantes a Cristo, do modo que nossos líderes têm nos recomendado.

  5. Mantenham acesa a chama do namoro. Reservem tempo para ⌦estarem juntos—só os dois. Tão importante quanto estar com os filhos, em família, é ter um tempo juntos a sós. Se fizerem isso, seus filhos saberão que consideram o casamento algo muito importante, que requer cuidados. Para isso é necessário tomar uma decisão, planejar e reservar tempo.

  6. Digam prontamente: “Desculpe-me.” Por mais difícil que seja formular as palavras, sejam rápidos em dizer “Por favor, desculpe-me”, ainda que não tenha toda a culpa. Aqueles que estão dispostos a admitir prontamente os próprios erros e as ofensas conseguem desenvolver o verdadeiro amor.

  7. Aprendam a viver de acordo com suas posses. Alguns dos maiores problemas do casamento ocorrem na área financeira. “A American Bar Association (Ordem dos Advogados) ( … ) revelou que 89 por cento de todos os divórcios são decorrentes de discórdias e acusações relacionadas a dinheiro” (Ensign, julho de 1975, p.72). Adiem ou abram mão de algumas aquisições a fim de não saírem do orçamento. Paguem o dízimo em primeiro lugar e evitem as dívidas dentro do possível. Lembrem-se de que gastar cinqüenta dólares por mês a menos do que ganham é igual à felicidade, e gastar cinqüenta dólares a mais é igual à miséria. Talvez tenha chegado a hora de pegar a tesoura, os cartões de crédito e realizar aquilo que o Élder Holland chamou de “cirurgia plástica”. (Ensign, junho de 1986, p.30)

  8. Sejam verdadeiros companheiros nas responsabilidades do lar e da família. Não sejam como o marido que fica sentado esperando ser servido, achando que sua obrigação ⌦é prover o sustento da família enquanto a esposa é a única ⌦responsável pela casa e pelos filhos. Cuidar do lar e da família é responsabilidade de mais de uma pessoa.

Em resumo:

  • Lembrem-se da importância fundamental do casamento.

  • Orem pelo sucesso do seu casamento.

  • Ouçam.

  • Evitem ser “demasiadamente implicantes.”

  • Mantenham acesa a chama do namoro.

  • Digam prontamente: “Sinto muito.”

  • Aprendam a viver de acordo com suas posses.

  • Sejam verdadeiros companheiros nas responsabilidades do lar e da família.

Testifico-lhes que Jesus é o Cristo. O sepulcro estava vazio naquele terceiro dia e “assim como todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em Cristo”. (I Coríntios 15:22). Deste modo, com gratidão pelo poder selador existente no evangelho restaurado de Jesus Cristo, dizemos confiantemente as palavras do poema: “Eu te amarei ainda mais depois da morte” (Elizabeth Barrett Browning, How Do I Love Thee?, “Como Te Amo?”). Em nome de Jesus Cristo. Amém. 9