Apoiar um Novo Profeta

David B. Haight


Por seu intermédio—como se deu por intermédio dos profetas antigos—teremos as revelações para enfrentar os desafios de uma sociedade moderna e levar avante a missão da Igreja em todo o mundo.

Irmãos e irmãs, este tem sido um dia histórico e afortunado. Tendo testemunhado a maneira inspirada pela qual o Presidente Gordon B. Hinckley cumpriu seu chamado como conselheiro dos Presidentes Spencer W. Kimball, depois Ezra Taft Benson e, finalmente, Howard W. Hunter—durante os períodos em que sua saúde definhava—alegro-me convosco ao apoiá-lo como o profeta ungido de Deus.

Com toda minha inspiração e amor, testifico que Gordon B. Hinckley foi preordenado para tornar-se Presidente da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos ⌦Dias, para ser o porta-voz de Deus na Terra nesta época e para liderar o povo de Deus como profeta, vidente e revelador.

O Presidente Hinckley foi inspirado ao chamar Thomas S. Monson para continuar sua eficiente administração na Primeira Presidência, agora como Primeiro Conselheiro, e James E . Faust como Segundo Conselheiro. O Presidente Monson demonstra rara habilidade para liderar e inspirar outras pessoas—membros desta Igreja ou de outras organizações—em seu desejo de servir ao Mestre. Como recém-chamado Assistente do Conselho dos Doze Apóstolos, vinte e cinco anos atrás, minhas designações eram estabelecidas pelo então Élder Thomas S. Monson. Ele era um mestre gentil, mas eficaz—instruindo-me em um entendimento mais preciso da missão da Igreja em todo o mundo e dos deveres e bênçãos à disposição de um recém-chamado servo de Deus. Ele era muitíssimo eficaz e gentil para comigo.

O Presidente James E. Faust impressiona-me não apenas por suas habilidades, experiência e conhecimento desta obra divina, mas também como um estimado amigo e consultor—sentando-se junto a mim em nossas reuniões de conselho durante todos esses anos. Ele é dotado de grande sabedoria e de controle e discernimento espiritual extraordinários, que serão uma bênção para a Igreja.

Estas palavras do profeta Alma são bem apropriadas para a ocasião:

“E este é o modo pelo qual foram ordenados—sendo chamados e ⌦preparados desde a fundação do mundo, segundo a presciência de Deus, por causa de sua grande fé e boas obras, ( . . . ) portanto, tendo escolhido o bem e exercendo ⌦uma fé muito grande, são chamados com uma santa vocação ( . . . )”. (Alma 13:3)

O Profeta Joseph Smith ensinou: “Todo homem que recebe o chamado para exercer seu ministério a favor dos habitantes do mundo, foi ordenado precisamente para esse propósito no grande conselho dos céus, antes que este mundo existisse.” O Profeta Joseph prosseguiu: “Suponho que me tenha sido conferido este ofício naquele grande conselho.” (Ensinamentos do Profeta Joseph Smith, p. 357)

O Presidente Gordon B. Hinckley agora veste o manto entregue ao Profeta Joseph Smith. Ele foi preordenado para este elevado e santo chamado nos conselhos pré-mortais.

Aqueles de nós que servimos sob a direção do Presidente Hinckley, Presidente Monson e Presidente Faust maravilhamo-nos com sua sabedoria, entendimento e defesa das coisas sagradas. A mão de Deus dirige esta obra. Ele prepara Seus servos. Ele conhece-lhes o coração. Ele conhece o fim desde o princípio e levanta os servos que levarão adiante Seus desígnios.

Estes são líderes capazes e humildes, chamados por Deus para presidir Seu reino na Terra nestes últimos dias. São servos verdadeiros e fiéis, experientes e purificados por meio de circunstâncias extremas. São mestres e pregadores da retidão, exemplos ao mundo de excelência e obediência aos mandamentos de Deus. Seria bom—para nós e nossa posteridade—dar ouvidos a seus conselhos.

Um antigo apóstolo, o Élder Orson Hyde, disse: “Sempre que um indivíduo é ordenado e indicado para liderar o povo, já passou por tribulações e testes, e provou a Deus e a Seu povo que é digno da [posição] que ocupa ( . . . ) A Igreja será dirigida por [aquele] que ⌦compreender o Espírito e os conselhos do Todo-Poderoso.” (Journal of Discourses, 1:123).

Nenhum homem compreende melhor a Igreja, ou é mais conhecido por seus membros, do que o Presidente Gordon B. Hinckley.

Em 6 de abril de 1830—data da organização da Igreja de Cristo restaurada (há cento e sessenta e cinco anos, completados esta semana)—Joseph Smith e Oliver Cowdery foram apoiados como oficiais presidentes da Igreja. Chamado por Deus, Joseph foi designado por revelação para ser vidente, tradutor, profeta e Apóstolo de Jesus Cristo, pela vontade de Deus, o Pai, e a graça de nosso Senhor Jesus Cristo. (Ver D&C 20:1–2; 21:1.) O Senhor assim instruiu o pequeno grupo de santos fiéis:

“Portanto, no que concerne à Igreja, devereis atender a todas as suas palavras e aos mandamentos que ele vos dará conforme os receber, andando em toda santidade diante de mim;

Pois suas palavras recebereis como de Minha própria boca, em toda paciência e fé.

( . . . ) Eu o inspirei para promover a causa de Sião com grande poder e para o bem, e a sua diligência Eu conheço, e suas orações ouvi” (D&C 21:4–5, 7).

É importante que cada profeta e Presidente da Igreja, bem como os membros, dêem ouvidos a esta revelação transmitida ao Profeta Joseph Smith.

Testifico que o Presidente Gordon B. Hincley foi cuidadosamente preparado para seu chamado divino, desde antes da fundação do mundo, nos conselhos celestiais.

Ele nasceu em uma família de pessoas fiéis e devotadas às preciosas verdades de salvação contidas nas sagradas escrituras e nas revelações recebidas pelo Profeta Joseph Smith. Seus pais deram-lhe exemplos elevados e ensinaram-no a trabalhar, perseverar, o que o motivou a sair-se bem nos estudos e a ter o desejo de servir à humanidade.

Ele aceitou os desafios da obra missionária e recebeu as bênçãos de compartilhar o evangelho com outras pessoas quando chamado para a missão na Inglaterra.

Desenvolveu novos talentos ao auxiliar seu presidente de missão, produzindo material publicitário sobre a Igreja para os meios de comunicação, os membros e todo o mundo. Tal interesse continuou através dos anos e persiste, é claro, até os dias atuais.

Suas responsabilidades no programa missionário da Igreja contribuíram com novos métodos e oportunidades de proclamar os princípios do evangelho, e sua atuação foi de fundamental importância para a notável expansão da obra missionária, principalmente por todo o fértil e vasto Oriente.

Participou da dedicação de mais templos novos e reformados do que qualquer outro oficial presidente da Igreja. Isso não apenas demonstra seu amor pela obra do templo, mas reflete a necessidade de participarmos ativamente do trabalho de redenção de nossos antepassados falecidos.

O casamento do Presidente Hinckley com sua namorada, Marjorie Pay, deu-lhe mais força espiritual e um desejo ainda maior de levar avante a obra de nosso Senhor. Ela tem sido uma companheira inspiradora durante quase cinqüenta e oito anos.

O Presidente Hinckley não é apenas um homem versátil no tocante às coisas da Igreja—mas também às do mundo.

Ele tem sido nosso porta-voz em reuniões com representantes de governos e de grandes organizações mundiais que aqui vêm para prestar homenagens à Igreja.

Em um recente banquete em homenagem ao Presidente Hinckley, o apresentador disse a seu respeito: “Entendo porque os membros da Igreja em todo o mundo sempre demonstram a afeição por ele. Todos [aqui] esperamos que a homenagem, o tributo e o amor mencionados esta noite ( . . . ) [por membros de] diversas igrejas e credos lhe tragam, e aos seus, lembranças afetuosas que o confortem e inspirem por toda a vida” (Dr. Nick S. Vidalakis, jantar anual da Conferência Nacional de Cristãos e Judeus, 21 de fevereiro de 1995).

A breve, porém inspirada, administração do Presidente Howard W. Hunter chegou ao fim. Ele amava o Senhor e Sua obra—e sabemos que o Senhor o amava. O Presidente Hunter nos ensinou como ser mais dóceis, amáveis, atenciosos e dignos em nossos esforços para nos tornarmos mais semelhantes a Cristo.

E agora iniciamos uma nova era na administração da Igreja, com o Presidente Gordon B. Hinckley—amado por todos—nosso décimo quinto presidente desde a restauração da Igreja em 1830.

Conforme a maneira prescrita, nós o aceitamos e apoiamos. Por seu intermédio—como se deu por intermédio dos profetas antigos—teremos as revelações para enfrentar os desafios de uma sociedade moderna e levar avante a missão da Igreja em todo o mundo.

E as revelações nos serão dadas da maneira adequada e no momento oportuno, como ficou demonstrado aqui, neste dia, com o chamado de Henry B. Eyring como membro do Quórum dos Doze, para ser um Apóstolo de nosso Senhor Jesus Cristo.

Esta obra é verdadeira. Ela seguirá adiante para realizar todos os planos divinos de nosso Pai Celestial. Presto-lhes este testemunho neste dia sagrado em nome de nosso Senhor Jesus Cristo. Amém. 9