Envoltos no Amor ⌦de Cristo


W. Craig Zwick

Of the First Quorum of the Seventy


W. Craig Zwick
Nossa vida é abençoada ao aprendermos lições com amigos em quem confiamos, cujas deficiências e humildade convidam a presença do Espírito.

Meu cora­ção estre­me­ce com pro­fun­da humil­da­de ao ocu­par este púl­pi­to sagra­do pela pri­mei­ra vez. Sei, com toda cer­te­za, que a voz e os pen­sa­men­tos do Presidente Hinckley repre­sen­tam os dese­jos do Salvador para cada um de nós.


Numa linda manhã de verão, nossa famí­lia foi às Olimpíadas Especiais para ver nosso filho, Scott, par­ti­ci­par. Essas Olimpíadas são rea­li­za­das todos os anos para dar, a defi­cien­tes físi­cos ou men­tais, a opor­tu­ni­da­de de par­ti­ci­par de uma com­pe­ti­ção ami­gá­vel. Notamos que enquan­to os par­ti­ci­pan­tes toma­vam suas posi­ções para a lar­ga­da da cor­ri­da de cin­qüen­ta metros rasos, eles eram enco­ra­ja­dos e moti­va­dos por ami­gos espe­ciais, cari­nho­sa­men­te cha­ma­dos de “abra­ça­do­res”. Segundos antes do iní­cio da cor­ri­da os abra­ça­do­res ocu­pa­ram seus luga­res na linha de che­ga­da. Não impor­ta­va quem cru­zas­se a linha de che­ga­da em pri­mei­ro lugar, mas sim que todos ter­mi­nas­sem a cor­ri­da e rece­bes­sem um abra­ço de para­béns. Tanto os cora­jo­sos cor­re­do­res como os amá­veis abra­ça­do­res ensi­na­ram impor­tan­tes prin­cí­pios da ver­da­de.


O Senhor disse cla­ra­men­te: “Sê fiel e dili­gen­te na obser­vân­cia dos man­da­men­tos de Deus, e estrei­tar-te-ei nos bra­ços de meu amor.” (D&C 6:20)


Todos nós dese­ja­mos sen­tir o con­for­to do abra­ço do Salvador.


Durante Seu minis­té­rio, o Salvador, com gran­de com­pai­xão, não olha­va para as imper­fei­ções do corpo e da mente, olha­va para o cora­ção. Nosso dis­ci­pu­la­do inclui a sagra­da res­pon­sa­bi­li­da­de de seguir Seu exem­plo de esten­der a mão aos defi­cien­tes e amá-los. Discípulos valo­ro­sos bus­cam manei­ras sig­ni­fi­ca­ti­vas de ampliar a alma no ser­vi­ço e no amor ao pró­xi­mo.


O con­se­lho do Élder Richard G. Scott é claro: “Tornar-vos-eis ins­tru­men­tos das bên­çãos do Senhor. O Espírito per­mi­tir-vos-á sen­tir a preo­cu­pa­ção e o inte­res­se do Salvador e depois o calor e a força de Seu amor.” (A Liahona, julho de 1994, p. 7.)


Nossa res­pon­sa­bi­li­da­de, faci­li­ta­da pela ora­ção, é reco­nhe­cer até mesmo a menor limi­ta­ção de cada pes­soa que esti­ver sen­tin­do dor ou desâ­ni­mo. Pode ser uma peque­na difi­cul­da­de de apren­di­za­do, dis­le­xia, ou um pro­ble­ma míni­mo de audi­ção. Sem nossa ajuda, tal­vez não pos­sam par­ti­lhar da bon­da­de do Salvador ou des­fru­tar a ple­ni­tu­de da vida.


Toda pes­soa dese­ja sen­tir-se segu­ra em um mundo por vezes muito cruel e com­pe­ti­ti­vo. Todos têm gran­de valor, por­que cada um é um filho espi­ri­tual de Deus.


Mary, uma jovem com defi­ciên­cia men­tal que não era mem­bro da Igreja, pos­suía limi­ta­ções, mas que­ria muito sen­tir-se acei­ta. Sensíveis a suas neces­si­da­des, várias moças con­vi­da­ram-na para par­ti­ci­par de um show-ambu­lan­te da ala. Sua famí­lia foi con­vi­da­da para a apre­sen­ta­ção. O pai de Mary quis saber mais a res­pei­to da igre­ja cujos mem­bros se impor­ta­vam com sua filha o sufi­cien­te para incluí-la no grupo. Toda a famí­lia acei­tou o evan­ge­lho e foi bati­za­da.


Agradeço a aten­ção de cada amigo, pro­fes­sor, bispo e de todos os que se asse­gu­ram que nin­guém sinta-se soli­tá­rio ou des­lo­ca­do. Existe a neces­si­da­de cons­tan­te de um envol­vi­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo. Somos todos bene­fi­cia­dos e apri­mo­ra­dos no pro­ces­so.


A irmã Navarro vive em uma peque­na vila no sul do Chile. Seu corpo está toma­do pela artri­te e sente muita dor ao loco­mo­ver-se com o auxí­lio de uma ben­ga­la. Todos os domin­gos, há deze­no­ve anos, ela pega a mão da filha, defi­cien­te men­tal, e, com a ajuda de uma ben­ga­la, arras­ta-se vaga­ro­sa­men­te por cerca de três qui­lô­me­tros para par­ti­ci­par das reu­niões da igre­ja. Seu cha­ma­do como regen­te da Sociedade de Socorro sig­ni­fi­ca tudo na vida da que­ri­da Irmã Navarro. Sua boa-von­ta­de em esten­der a mão às pes­soas, é como um ímã que atrai outros para aju­da­rem-na com a filha.


O Salvador, em Sua infi­ni­ta bon­da­de, per­mi­te que todos tenham ale­gria. “( . . . ) Todo homem tem tanto pri­vi­lé­gio quan­to qual­quer outro e nenhum é excluí­do.” (2 Néfi 26:28) Todos pos­suem dons úni­cos e cada um pre­ci­sa con­tri­buir, bem como rece­ber.


Jamie Wheeler é um rapaz de dezes­seis anos extraor­di­ná­rio, que nas­ceu com a Síndrome de Down. Jamie tem um cha­ma­do na ala e ajuda o bispo de outras manei­ras sig­ni­fi­ca­ti­vas. Ele par­ti­ci­pa ati­va­men­te do pro­gra­ma de esco­tis­mo. Contribui ver­da­dei­ra­men­te e tam­bém rece­be amor e reco­nhe­ci­men­to genuí­nos.


O Profeta Joseph Smith ensi­nou: “Todos os inte­lec­tos e espí­ri­tos que Deus cons­tan­te­men­te manda ao mundo são sus­ce­tí­veis de engran­de­ci­men­to.” (Ensinamentos do Profeta Joseph Smith, p. 346.)


Nossa vida é aben­çoa­da ao apren­der­mos lições com ami­gos em quem con­fia­mos, cujas defi­ciên­cias e humil­da­de con­vi­dam a pre­sen­ça do Espírito. Eles ensi­nam-nos uma nova dimen­são de fé, cora­gem, paciên­cia, amor e valor indi­vi­dual.


Quatro jovens com sérias defi­ciên­cias tra­ba­lham no Templo de São Paulo. Cada um deles tem um desa­fio dife­ren­te, mas são uma bên­ção na vida de milha­res de pes­soas ao con­tri­buí­rem para o doce espí­ri­to que exis­te nesse belo tem­plo. “Lembrai-vos de que o valor das almas é gran­de na vista de Deus.” (D&C 18:10)


Minha alma emo­cio­na-se com pro­fun­do apre­ço e amor por nosso filho mais velho, Scott, defi­cien­te men­tal desde o nas­ci­men­to. Sua cora­gem e amor per­mi­ti­ram que mui­tos ami­gos e os inte­gran­tes de nossa famí­lia sen­tis­sem, por inter­mé­dio do Espírito, a “preo­cu­pa­ção e o inte­res­se do Salvador e depois o calor e a força de Seu amor.” (Richard G. Scott, A Liahona, julho de 1994, p. 7.) Sou grato por minha com­pa­nhei­ra eter­na, Jan, cuja fé e terno amor por todos os nos­sos filhos fize­ram de nosso lar um lugar har­mo­nio­so. Ela sin­ce­ra­men­te pro­cu­ra encon­trar manei­ras de fazer com que cada filho de Deus sinta-se con­for­ta­do.


Ponderem em seu cora­ção os sen­ti­men­tos do Salvador ao expres­sar Seu amor a cada filho de Deus. ⌦“( . . . ) Estavam em lágri­mas e olha­vam-no fixa­men­te, como se qui­ses­sem pedir-lhe que per­ma­ne­ces­se um pouco mais com eles.


E ele disse-lhes: Eis que minhas entra­nhas estão cheias de com­pai­xão por vós.


Tendes ( . . . ) pes­soas que este­jam afli­tas de algum modo? [Trazei-as] aqui e eu [as] cura­rei, por­que tenho com­pai­xão de vós; minhas entra­nhas estão cheias de mise­ri­cór­dia.


( . . . ) Vejo que vossa fé é sufi­cien­te para que eu vos cure.” ⌦(3 Néfi 17:5–8)


É minha ora­ção que nossa fé seja sufi­cien­te para nos sen­tir­mos todos estrei­ta­dos nos bra­ços do amor de Cristo. Sei que nosso Salvador vive e que conhe­ce pro­fun­da­men­te cada um de nós. Em nome de Jesus Cristo. Amém. 9