Confie no Senhor


Of the Quorum of the Twelve Apostles


Richard G. Scott
Existe absoluta garantia de que, no tempo do Senhor, a solução virá, a paz irá prevalecer e o vazio será preenchido.

É muito difí­cil quan­do as ora­ções sin­ce­ras sobre algo que dese­ja­mos arden­te­men­te não são res­pon­di­das da manei­ra que gos­ta­ría­mos. É ainda mais difí­cil quan­do o Senhor diz “não” a um pedi­do digno que pode­ria tra­zer-nos muita ale­gria e feli­ci­da­de, seja para sobre­pu­jar uma doen­ça ou a soli­dão, recu­pe­rar um filho deso­be­dien­te, lutar con­tra uma defi­ciên­cia físi­ca ou dese­jar que a vida de um ente que­ri­do que está se esva­ne­cen­do seja pro­lon­ga­da. Receber uma res­pos­ta posi­ti­va nes­ses casos pare­ce justo e con­gruen­te com nossa feli­ci­da­de. É difí­cil enten­der por que, ao nos empe­nhar­mos pro­fun­da e sin­ce­ra­men­te no exer­cí­cio da fé e viver­mos em obe­diên­cia, não con­se­gui­mos os resul­ta­dos dese­ja­dos.


Ninguém dese­ja infor­tú­nios. As pro­va­ções, decep­ções, tris­te­za e pesar são pro­ve­nien­tes de duas fon­tes dife­ren­tes. Aqueles que trans­gri­dem as leis de Deus sem­pre enfren­ta­rão esses desa­fios. A outra razão para a adver­si­da­de é o cum­pri­men­to dos desíg­nos de Deus em nossa vida a fim de que nos puri­fi­que­mos com a pro­va­ção. É de impor­tân­cia vital que cada um de nós iden­ti­fi­que a fonte des­sas pro­va­ções e desa­fios, uma vez que a medi­da cor­re­ti­va a ser toma­da varia muito.


Caso este­ja­mos sofren­do os desa­len­ta­do­res efei­tos da trans­gres­são, deve­mos reco­nhe­cer que o único cami­nho que traz alí­vio per­ma­nen­te para a tris­te­za é o arre­pen­di­men­to sin­ce­ro, com o cora­ção que­bran­ta­do e o espí­ri­to con­tri­to. Reconheçamos nossa depen­dên­cia total do Senhor e a neces­si­da­de de har­mo­ni­zar nossa vida com os ensi­na­men­tos Dele. Não exis­te real­men­te nenhu­ma outra manei­ra de con­se­guir cura e paz dura­dou­ras. Adiar o humil­de arre­pen­di­men­to atra­sa­rá ou impe­di­rá a obten­ção de ajuda. Reconheçamos nos­sos erros e pro­cu­re­mos auxí­lio ime­dia­ta­men­te. Nosso bispo é um amigo com as cha­ves de auto­ri­da­de para aju­dar-nos a encon­trar paz de espí­ri­to e con­for­to. O cami­nho ser-nos-á aber­to para que tenha­mos for­ças para arre­pen­der-nos e ser­mos per­doa­dos.


Agora gos­ta­ria de dar algu­mas suges­tões aos que se depa­ram com a segun­da fonte de adver­si­da­de, a pro­va­ção que um sábio Pai Celestial deci­da ser neces­sá­ria, mesmo quan­do se está viven­do em reti­dão e se é obe­dien­te a Seus man­da­men­tos.


Exatamente quan­do tudo pare­ce estar indo bem, desa­fios dife­ren­tes fre­qüen­te­men­te apa­re­cem ao mesmo tempo e em doses múl­ti­plas. Quando os pro­ble­mas são con­se­qüên­cia de deso­be­diên­cia, eles evi­den­ciam que o Senhor sente que esta­mos pre­pa­ra­dos para cres­cer.(Ver Provérbios 3:4–12) Ele pro­por­cio­na expe­riên­cias que nos aju­dam a cres­cer, com­preen­der e ter com­pai­xão, e que nos aper­fei­çoam para nosso bene­fí­cio eter­no. Tirar-nos de onde esta­mos e levar-nos para onde Ele dese­ja que este­ja­mos exige muito esfor­ço cau­san­do, geral­men­te, dor e des­con­for­to.


Ao depa­rar­mos com a adver­si­da­de, somos leva­dos a fazer mui­tas per­gun­tas. Algumas têm pro­pó­si­to ou­tras não. Fazer per­gun­tas como “Por que isto tinha de acon­te­cer comi­go?”, ou “Por que tenho que pas­sar por isso agora?”, “O que foi que fiz para cau­sar isso?”, não nos leva­rá a lugar algum. Não ajuda nada fazer per­gun­tas que refli­tam opo­si­ção à von­ta­de de Deus. Em vez disso, per­gun­te: “O que devo fazer?” “O que devo apren­der com essa expe­riên­cia?” “No que pre­ci­so mudar?” “A quem devo aju­dar?” Como lem­brar das mui­tas bên­çãos em época de pro­va­ção? É muito difí­cil abrir mão de nos­sos dese­jos pes­soais arrai­ga­dos em favor da von­ta­de de Deus. No entan­to, quan­do supli­ca­mos com real con­vic­ção: “Mostra-me a Tua von­ta­de”, e “Seja feita a Tua von­ta­de”, esta­mos em posi­ção favo­rá­vel para rece­ber a maior ajuda pos­sí­vel do nosso Pai amo­ro­so.


Esta vida é uma expe­riên­cia de pro­fun­da con­fian­ça—con­fian­ça em Jesus Cristo, em Seus ensi­na­men­tos, em nossa capa­ci­da­de de, guia­dos pelo Santo Espírito, obe­de­cer os ensi­na­men­tos para ter­mos feli­ci­da­de agora, e ter­mos uma exis­tên­cia eter­na de supre­ma feli­ci­da­de. Confiar sig­ni­fi­ca obe­de­cer de boa von­ta­de, mesmo sem conhe­cer os resul­ta­dos. A fim de pro­du­zir fru­tos, a con­fian­ça no Senhor deve ser mais forte e dura­dou­ra que a con­fian­ça em nos­sos sen­ti­men­tos pes­soais e nossa expe­riên­cia.


Exercer fé sig­ni­fi­ca con­fiar que o Senhor sabe o que está fazen­do conos­co e que Ele o faz para nosso eter­no bem, mesmo que não com­preen­da­mos como Ele con­se­gui­rá fazê-lo. Somos como bebês quan­to ao enten­di­men­to de assun­tos eter­nos e do impac­to que nos cau­sam aqui na mor­ta­li­da­de. No entan­to, às vezes agi­mos como se sou­bés­se­mos tudo. Ao pas­sar­mos por pro­va­ções pelos Seus pro­pó­si­tos, uma vez que con­fia­mos Nele, e exer­ci­ta­mos fé, Ele nos aju­da­rá. Tal ajuda virá, geral­men­te passo a passo, um pouco de cada vez. Em cada fase, a dor e a difi­cul­da­de cau­sa­das pelo cres­ci­men­to con­ti­nua­rão. Se tudo fosse resol­vi­do quan­do soli­ci­ta­do da pri­mei­ra vez, não have­ria cres­ci­men­to. O Pai Celestial e Seu Filho Amado amam-nos com per­fei­ção. Eles jamais exi­gi­riam que pas­sás­se­mos por um momen­to difí­cil além do que abso­lu­ta­men­te neces­sá­rio para nosso bene­fí­cio pes­soal ou daque­les que ama­mos.


Em tudo, o Mestre é o exem­plo per­fei­to. Quem pode­ria ter pedi­do com mais fé, maior obe­di­dên­cia ou mais com­ple­to enten­di­men­to do que Ele quan­do implo­rou ao Pai no Getsêmani: “Meu Pai, se é pos­sí­vel, passe de mim este cáli­ce; toda­via, não seja como eu quero, mas como tu que­res”. (Mateus 26:39) Duas vezes mais Ele supli­cou: “Pai meu, se este cáli­ce não pode pas­sar de mim sem eu o beber, faça-se a tua von­ta­de.” (Mateus 26:42; Ver tam­bém vers. 44.)


Quão grato sou por ter o Salvador nos ensi­na­do que deve­mos con­cluir as ora­ções mais pro­fun­das e sin­ce­ras pelo que há de mais impor­tan­te para nós, dizen­do: “Faça-se a tua von­ta­de.” Seu dese­jo de sub­me­ter-se à von­ta­de do Pai não irá alte­rar aqui­lo que Ele, sabia­men­te, deci­diu fazer. Mas cer­ta­men­te muda­rá os efei­tos des­sas deci­sões sobre nós pró­prios. O exer­cí­cio cor­re­to do livre-arbí­trio per­mi­te que as deci­sões do Pai pro­du­zam bên­çãos ainda maio­res em nossa vida. Descobri que, devi­do ao dese­jo do Pai que cres­ça­mos, Ele, nos dará ins­pi­ra­ção quase imper­cep­tí­vel, e se esti­ver­mos dis­pos­tos a acei­tar sem racla­ma­ções, Ele a aumen­ta­rá até que se torne uma clara indi­ca­ção de Sua von­ta­de. Compreenderemos isso devi­do a nossa fé e dese­jo de fazer o que Ele pede, mesmo que seja con­trá­rio a nossa von­ta­de.


Nosso Pai Celestial con­vi­da-nos a falar de nos­sas neces­si­da­des, espe­ran­ças e dese­jos a Ele. Isso não deve ser feito em espí­ri­to de nego­cia­ção, mas sim como dese­jo de obe­de­cer a Sua von­ta­de acima de tudo. O con­vi­te “pedi e rece­be­reis” (3 Néfi 27:29) não garan­te que rece­be­re­mos o que dese­ja­mos, mas sim de que se, for­mos dig­nos, rece­be­re­mos o que pre­ci­sa­mos, na opi­nião de um Pai que nos ama com per­fei­ção e dese­ja nossa feli­ci­da­de eter­na mais do que nós mes­mos.


Testifico que quan­do o Senhor nos fecha uma porta, Ele demons­tra Seu amor e com­pai­xão con­tí­nuos ao abrir mui­tas outras por­tas em troca, quan­do demons­tra­mos fé Ele colo­ca­rá raios de sol espi­ri­tuais para ilu­mi­nar-nos o cami­nho, geral­men­te logo depois do ápice da pro­va­ção, como evi­dên­cia da com­pai­xão e amor do Pai onis­cien­te. Eles indi­cam o cami­nho que leva a maior feli­ci­da­de, mais com­preen­são e for­ta­le­cem nossa deter­mi­na­ção de acei­tar­mos e ser­mos obe­dien­tes à von­ta­de Dele.


É uma bên­ção mara­vi­lho­sa ter fé no Salvador e ter um tes­te­mu­nho de Seus ensi­na­men­tos. São pou­cos os que neste mundo pos­suem essa luz radian­te como guia. A ple­ni­tu­de do evan­ge­lho res­tau­ra­do dá-nos visão, pro­pó­si­to e enten­di­men­to. Permite-nos enfren­tar o que de outro modo pare­ce­ria ser um desa­fio injus­to e incoe­ren­te. Aprenda essas pro­vei­to­sas ver­da­des pon­de­ran­do sobre o Livro de Mórmon e outras escri­tu­ras. Procure enten­der esses ensi­na­men­tos não somen­te com a inte­li­gên­cia mas tam­bém com o cora­ção. A ver­da­dei­ra feli­ci­da­de dura­dou­ra, acom­pa­nha­da de força, cora­gem e capa­ci­da­de de sobre­pu­jar as maio­res difi­cul­da­des, vem como resul­ta­do de uma vida cen­tra­li­za­da em Jesus Cristo. A obe­diên­cia a Seus ensi­na­men­tos pro­por­cio­na uma base sóli­da sobre a qual edi­fi­car. Isto requer gran­de empe­nho. Não exis­te garan­tia de resul­ta­dos ime­dia­tos, mas exis­te abso­lu­ta garan­tia de que, no tempo do Senhor, a solu­ção virá, a paz irá pre­va­le­cer e o vazio será preen­chi­do.


Recentemente, um gran­de líder, que esta­va sofren­do devi­do aos pro­ble­mas cau­sa­dos pela idade avan­ça­da, disse: “Sou grato por ter o que tenho.” Há sabe­do­ria em abrir as jane­las da feli­ci­da­de, reco­nhe­cen­do as mui­tas bên­çãos que rece­be­mos.


Não nos dei­xe­mos aba­ter pelas adver­si­da­des. Tentemos enten­der o que for pos­sí­vel. Faça o que esti­ver a seu alcan­ce e deixe a ques­tão nas mãos do Senhor por um tempo enquan­to serve outros de manei­ra digna, antes de vol­tar­mos a nos preo­cu­par com o assun­to.


Devemos com­preen­der que, ao lutar­mos com um pro­ble­ma e ficar­mos tris­tes, pode­mos ter paz e júbi­lo ao mesmo tempo. Sim, a dor, a decep­ção, a frus­tra­ção e o sofri­men­to podem ser cenas tem­po­rá­rias no palco da vida. Por trás delas, pode haver um fundo de paz e segu­ran­ça de que o Pai amo­ro­so irá cum­prir Suas pro­mes­sas. Somos dig­nos de tais pro­mes­sas se esti­ver­mos deter­mi­na­dos a acei­tar a von­ta­de Dele, com­preen­der o plano de feli­ci­da­de, rece­ber todas as orde­nan­ças e guar­dar os con­vê­nios que asse­gu­ram o cum­pri­men­to das mes­mas.


O plano do Senhor é o de exal­tar-nos para que viva­mos com Ele e seja­mos rica­men­te aben­çoa­dos. A rapi­dez com que isso acon­te­ce é geral­men­te deter­mi­na­da por nossa capa­ci­da­de de ama­du­re­cer, cres­cer, amar e dedi­car-nos ao pró­xi­mo. Ele está pre­pa­ran­do-nos para ser­mos deu­ses. Não com­preen­de­mos per­fei­ta­men­te o que isto sig­ni­fi­ca mas Ele sabe. Ao con­fiar, bus­car e seguir a von­ta­de Dele, rece­be­re­mos bên­çãos que nossa mente limi­ta­da não com­preen­de aqui na Terra. Nosso Pai Celestial e Seu Santo Filho sabem melhor do que nós mes­mos o que nos traz feli­ci­da­de. Eles nos deram o plano de feli­ci­da­de. Quando o seguir­mos, a feli­ci­da­de será nosso galar­dão. Ao obe­de­cer­mos volun­ta­ria­men­te, rece­ber­mos e hon­rar­mos as orde­nan­ças e con­vê­nios desse plano sagra­do, rece­be­re­mos a máxi­ma satis­fa­ção nesta vida; sim, momen­tos de imen­sa feli­ci­da­de. Preparar-nos-emos para uma eter­ni­da­de de vida glo­rio­sa com nos­sos entes que­ri­dos que tam­bém se qua­li­fi­quem para esse reino.


Sei que os prin­cí­pios dos quais fala­mos são ver­da­dei­ros, pois foram com­pro­va­dos por peno­sas expe­riên­cias pes­soais. Reconhecer a mão do Senhor em nossa vida e acei­tar a von­ta­de Dele sem recla­mar é o iní­cio. Esta deci­são não eli­mi­na de ime­dia­to as bata­lhas que enfren­ta­mos ao cres­cer. Mas tes­ti­fi­co que é a melhor manei­ra de encon­trar força e com­preen­são. Ela nos liber­ta­rá dos becos sem saída de nosso pró­prio racio­cí­nio, e per­mi­ti­rá que nossa vida tenha sig­ni­fi­ca­do e seja pro­du­ti­va, em cir­cuns­tân­cias nas quais fica­ría­mos sem saber como pros­se­guir. (Ver D&C 24:8.)


Testifico-lhes que temos um Pai Celestial que nos ama. Testifico-lhes que o Salvador deu Sua vida para nossa feli­ci­da­de. Eu O conhe­ço. Ele com­preen­de cada uma de nos­sas neces­si­da­des. Sei com toda cer­te­za que se acei­tar­mos Sua von­ta­de sem recla­mar, Eles irão aben­çoar-nos e apoiar-nos. Em nome de Jesus Cristo. Amém. 9