Pular para a Navegação Principal
Abril 1996 | “Sede Puros”


“Sede Puros”


Abril 1996 Conferência Geral

O Senhor ( … ) espera que Seu povo seja limpo dos pecados do mundo.

Tivemos uma reunião maravilhosa. O Espírito do Senhor esteve conosco. Espero que tenhamos todos aprendido muito com o que ouvimos.


Somos um povo abençoado. Onde mais, em todo o mundo, poderiam estar reunidos homens e rapazes, todos ordenados ao santo sacerdócio, como estamos aqui hoje? Somos uma imensa congregação de centenas de milhares — sim, de milhões, unidos em uma grande fraternidade. É algo extraordinariamente notável. Espero que cada um de nós saiba apreciar o valor disso.


Há uma semana, este tabernáculo estava repleto de belas e radiantes moças, na Conferência Anual das Moças da Igreja, na qual me pediram que discursasse. Algumas pessoas presentes, e particularmente as moças, disseram: “Gostaríamos que fizesse o mesmo discurso para os rapazes. Eles precisam saber o que o senhor nos disse”. Bem, não vou dizer a vocês exatamente as mesmas coisas. Se quiserem ler aquele discurso na íntegra, ele estará na revista A Liahona de julho. 


Gostaria de iniciar lendo um sonho que o Presidente Joseph F. Smith teve quando era rapaz. Como é de conhecimento de alguns, o Presidente Joseph F. Smith foi o sexto presidente da Igreja. Ele serviu por 17 anos, de 1901 a 1918.


Ele era filho de Hyrum Smith, que era irmão do Profeta Joseph Smith. Nasceu em Far West, Missouri, no dia 13 de novembro de 1838. Quando os santos foram expulsos de Missouri, ele foi levado para Illinois, ainda criança. Seu pai foi morto na cadeia de Carthage, quando o Profeta Joseph Smith foi assassinado. Tendo na época menos de seis anos, ouviu alguém bater à janela da casa de sua mãe, em Nauvoo. Era um homem a cavalo, que fora contar que o marido dela havia sido morto em Carthage naquela tarde. Que terrível experiência para um menininho!


Aos 11 anos, esse menino órfão conduziu uma parelha de bois com sua mãe, atravessando as planícies até este vale. Aos 15 anos, foi chamado para uma missão no Havaí. Viajou até San Francisco e trabalhou num moinho, juntando dinheiro a fim de ir para as ilhas.


Naquela época, o arquipélago não era um centro turístico. Nativos havianos formavam a maioria da população. Eram quase todos pobres, mas muito generosos com o que possuíam. Ele aprendeu a falar a língua deles e a amá-los. Nunca deixou de amar o povo havaiano, e eles nunca deixaram de amá-lo. Contei tudo isso para que conheçam as circunstâncias do sonho que teve enquanto servia, sendo ainda muito jovem. Estas foram as suas palavras:


“Estava numa missão e certa vez senti-me muito deprimido. Estava quase nu e inteiramente sem amigos, contando apenas com a amizade de um povo pobre e inculto ( … ). Sentia-me tão insignificante na minha pobreza, falta de inteligência e conhecimento, sendo apenas um menino, que dificilmente ousaria olhar um homem ( … ) no rosto.


Nessas condições, sonhei [certa noite] que estava viajando. Tinha a impressão de que devia me apressar — correr com todas as minhas forças, pois temia chegar atrasado demais. Segui apressadamente, o mais rápido que podia, e tinha consciência de ter somente uma pequena trouxa: um lenço com um pequeno embrulho nele. Não sabia exatamente o que era, enquanto corria o mais rápido possível; mas finalmente cheguei a uma esplêndida mansão. ( … ) Sabia que era o meu destino. Ao dirigir-me para lá, tão rapidamente quanto me era possível, vi um cartaz com a inscrição: “Banho”. Desviei-me rapidamente do caminho, fui para o banheiro e lavei-me até ficar limpo. Abri a pequena trouxa que carregava e encontrei roupas brancas e limpas, uma coisa que eu não via há muito tempo, porque o povo com quem eu vivia não se preocupava em limpar muito bem as coisas. As minhas roupas, porém, eram limpas e eu as vesti. Dirigi-me, então, apressadamente para o que parecia ser uma grande abertura ou porta. Bati e a porta se abriu; o homem que me atendeu foi o Profeta Joseph Smith. Olhou-me com certa reprovação e suas primeiras palavras foram: ‘Joseph, você está atrasado’. Mas eu, confiante, disse:


‘Sim, mas estou limpo — estou limpo!’


Ele segurou-me a mão e puxou-me para dentro, fechando a grande porta. Senti sua mão tão tangível quanto a mão de um homem. Eu o conhecia. Quando entrei, vi meu pai, Brigham [Young], Heber [C. Kimball], Willard [Richards] e outros bons homens que tinha conhecido, em uma fila. Olhei e vi um vale que parecia tão grande quanto o vale de Salt Lake, e parecia repleto de uma imensa multidão, mas na cena estavam todas as pessoas que eu havia conhecido. Minha mãe encontrava-se lá, sentada com uma criança ao colo. Podia dizer o nome de todos os que me lembrei, que lá estavam sentados e que pareciam estar entre os escolhidos, entre os exaltados ( … )


[Quando tive esse sonho], estava deitado sozinho em uma esteira, no alto das montanhas do Havaí. Não havia ninguém comigo. Na visão, porém, toquei o Profeta com a mão e vi um sorriso em seu semblante ( … )


Naquela manhã, quando acordei, embora menino, eu era um homem. Não havia nada no mundo que eu temesse [depois daquilo]. Poderia me defrontar com qualquer homem, mulher ou criança e olhá-los no rosto, sentindo em minha alma que eu era um homem em todos os sentidos. A visão, manifestação e testemunho que tive naquela ocasião fizeram de mim o que sou, se é que posso ser considerado bom, limpo ou justo perante o Senhor, ou se existe alguma coisa boa em mim. Isso me tem ajudado em todas as provações ⌦e todas as dificuldades.” [Gospel ⌦Doctrine, 5ª ed. [1939], pp. 542–543]


A essência desse sonho significativo encontra-se na reprimenda de Joseph Smith ao jovem Joseph F. O Profeta disse: “Joseph, você está atrasado”.


Joseph F. respondeu: “Sim, mas eu estou limpo — eu estou limpo!”


Em conseqüência desse sonho, o menino transformou-se em homem. Sua declaração — “estou limpo” — deu-lhe autoconfiança e coragem para enfrentar qualquer pessoa ou situação. Ele recebeu a força que provém de uma consciência limpa, corroborada pela aprovação do ⌦Profeta Joseph.


Existe nesse sonho uma lição para cada um dos homens e rapazes reunidos nesta imensa congregação.


Vocês têm dúvidas e temores? Já se sentiram oprimidos pelo desânimo? Precisam de mais sabedoria e força para enfrentarem a luta da vida?


Recordo-lhes as palavras de Sir Galahad: “Tenho a força de dez homens, porque meu coração é puro” (Alfred, Lord Tennyson, “Sir Galahad”).


Tudo adquire melhor aspecto quando existe pureza. No sonho de Joseph F. Smith, ele pôde encarar o Profeta e dizer: “Estou limpo”. Será que cada um de nós pode dizer o mesmo? Temos um ditado que no passado era proferido com mais freqüência: “A pureza aproxima-nos de Deus”.


Quando eu era menino e morava aqui em Salt Lake City, a maioria das casas era aquecida com fornos de carvão. Havia fumaça negra saindo de quase todas as chaminés. No final do inverno, viam-se fuligem e sujeira em toda a parte, tanto dentro quanto fora das casas. Realizávamos todos os anos um ritual que não nos era muito agradável, envolvendo todos os membros da família. Chamava-se a faxina da primavera. Quando o tempo ficava mais quente, depois do longo inverno, um período de pouco mais de uma semana era destinado à faxina. Geralmente era marcada para quando havia um feriado e incluía dois sábados. Minha mãe encabeçava o projeto. Todas as cortinas eram retiradas e lavadas. Em seguida, eram cuidadosamente passadas a ferro. As janelas eram lavadas por dentro e por fora. Que trabalho penoso tínhamos no sobrado em que morávamos! Todas as paredes eram forradas de papel, e meu pai levava para casa latas de produtos de limpeza de papel de parede para casa. Parecia massa de pão, mas tinha uma bela cor rosa quando a lata era aberta. O cheiro era bom, agradavelmente refrescante. Todos ajudávamos na tarefa. Pegávamos um pouco de massa de limpeza na mão, subíamos em uma escada e começávamos pelo telhado, descendo pela parede. A massa logo ficava preta da sujeira que saía do papel de parede. A tarefa era árdua e bastante cansativa, mas com resultados quase milagrosos. Era impressionante ver como as paredes limpas tinham um aspecto bem melhor.


Todos os tapetes eram tirados e arrastados para o quintal dos fundos, onde eram pendurados, um por um, no varal. Cada um dos meninos tinha o que chamávamos de batedor de tapete, uma ferramenta constituída de uma barra de aço leve com um cabo de madeira. Ao bater os tapetes, levantávamos nuvens de poeira, e não podíamos parar até não haver mais nenhum pó sobrando. Detestávamos esse trabalho. Quando tudo terminava, porém, e tudo era colocado de volta no lugar, tínhamos um resultado maravilhoso. A casa ficava limpa. Nosso espírito ganhava novo ânimo. O mundo inteiro parecia melhor.


É isso que alguns de nós precisamos fazer com nossa vida. Isaías disse:


“Lavai-vos, purificai-vos, tirai a maldade de vossos atos de diante dos meus olhos; cessai de fazer mal.


Aprendei a fazer bem ( … ).


Vinde então, e argüí-me, diz o Senhor: ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a branca lã.” (Isaías 1:16–18)


“Sede puros, vós que portais os vasos do Senhor.” (D&C 133:5) Assim disse Ele para nós em revelação moderna. Sejam puros de corpo. Sejam puros de mente. Sejam puros na linguagem. Sejam puros no modo de vestir e no comportamento.


Falo em particular aos rapazes, mas espero que os homens também prestem atenção. Todos precisamos ser constantemente relembrados. Nosso corpo é sagrado. Fomos criados à imagem de Deus. Nosso corpo é maravilhoso, é a criação suprema da Divindade. Nenhuma câmera chegou aos pés da maravilha que é o olho humano. Nunca se construiu uma bomba capaz de funcionar por tanto tempo e suportar uma carga de trabalho tão pesada quanto o coração humano. O ouvido e o cérebro são um milagre. A capacidade de perceber ondas sonoras e convertê-las em linguagem está quase além de nossa imaginação. Olhem para seus dedos e admirem a maravilha que são. Homens inteligentes tentaram imitá-los, mas nunca o conseguiram inteiramente. Todos esses órgãos, além de outras partes do corpo, demonstram a genialidade divina e onipotente de Deus, que é nosso Pai Eterno. Não posso compreender por que alguém teria o desejo de prejudicar conscientemente o próprio corpo. Isso, porém acontece a nossa volta todos os dias, quando homens e rapazes tomam bebidas alcoólicas e usam drogas ilegais. Que grande desgraça são essas coisas. Por causa de uma breve sensação de prazer, as pessoas introduzem no próprio organismo substâncias que lhes tiram o autocontrole, viciam, são extremamente dispendiosas, escravizam e nada proporcionam de bom.


Lembro-me de um rapaz que foi recentemente condenado por homicídio no trânsito, tendo matado uma vítima inocente ao dirigir embriagado. Era um jovem de grande potencial. Não há como saber no que se poderia tornar. Está hoje na prisão, não apenas sofrendo a miséria do meio em que se encontra, mas também a tortura da própria consciência. O Pai Celestial nos ama e avisou-nos dos perigos associados a essas coisas, aconselhando-nos a mantermo-nos longe delas.


Afastem-se das bebidas alcoólicas, meus irmãos. Nunca participem de festas em que as pessoas tomem grande quantidade de álcool. Não se envolvam com drogas ilegais. Elas podem destruí-los. Podem torná-los escravos. A dependência que causam irá empobrecê-los, pois fará com que procurem obter dinheiro apenas para comprar mais drogas, a fim de satisfazer a essa dependência.


Vocês possuem o sacerdócio de Deus. São pessoas especiais. Receberam um poder sagrado e divino. É totalmente errado que venham a tomar bebidas alcoólicas ou usar drogas proibidas pela lei.


Sejam puros de mente e terão maior controle sobre o próprio corpo. Dizia-se, no passado: “( … ) como imaginou no seu coração, assim é ele ( … )” (Provérbios 23:7). Pensamentos impuros induzem-nos a atos impuros.


Lembro-me de ter procurado o Presidente McKay, há alguns anos, para pleitear a causa de um missionário que cometera um pecado grave. Eu disse ao Presidente McKay: “Ele agiu por impulso”. O Presidente me disse: “Ele já pensava nessas coisas antes de ter transgredido. O pensamento gerou a ação. Não haveria impulso se tivesse controlado previamente seus pensamentos”.


O dedo do Senhor escreveu nas tábuas de pedra: “Não adulterarás”. (Êxodo 20:14) Acredito que a fornicação esteja incluída nesse termo.


É claro que vocês são tentados. Parece que o mundo inteiro ficou obcecado por sexo. De modo bastante enganador e atraente, ele é constantemente apresentado na televisão, nos livros e revistas, em fitas de vídeo e até na música. Virem as costas a tudo isso. Afastem-se. Sei que é fácil falar e difícil fazer. No entanto, cada vez que o conseguirem, ficará mais fácil. Que coisa maravilhosa será estarmos um dia diante do Senhor e podermos dizer: “Estou limpo”.


O Senhor deu-nos em nosso tempo um mandamento que se aplica a todos nós. Ele disse: “Que a virtude adorne os teus pensamentos incessantemente”. Juntamente com esse mandamento, Ele fez uma promessa: “Então tua confiança se tornará forte na presença de Deus”. (D&C 121:45) Creio que Ele quis dizer que se formos puros de mente e coração, dia virá em que poderemos ficar diante do Senhor tão confiantes quanto Joseph F. Smith ficou diante do Profeta Joseph, e dizer: “Estou limpo”. Haverá um sentimento de confiança e também um sorriso de aprovação.


Como portadores do sacerdócio, vocês não podem e não devem se deixar conduzir à vil armadilha do comportamento imoral. É claro que devem fazer amizade com as moças, namorar e divertir-se de várias maneiras. Existe porém uma linha que nunca deve ser cruzada. É a linha que separa a pureza pessoal do pecado. Não preciso explicar em detalhes onde passa essa linha. Vocês sabem. Já lhes foi dito muitas vezes. Vocês têm uma consciência. Fiquem sempre do lado do Senhor.


Sejam puros no falar. Existem tantas pessoas que usam um linguajar vulgar e baixo atualmente. Mencionei esse fato no discurso para as moças. Faço o mesmo para vocês. Esse linguajar mostra às outras pessoas que seu vocabulário é extremamente limitado e que vocês não conseguem se expressar sem descer até a sarjeta para procurar as palavras que vão usar. O linguajar sujo não é digno de um homem que possui o sacerdócio, seja jovem ou idoso.


Um portador do sacerdócio também não deve tomar o nome do Senhor em vão. Disse Jeová aos filhos de Israel: “Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão; porque o Senhor não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão”. (Êxodo 20:7)


Esse mandamento, gravado pelo dedo do Senhor, é tão válido para nós como para aqueles a quem foi dado originalmente. O Senhor disse em revelação moderna: “Lembrai-vos de que aquilo que vem do alto é sagrado e deve ser mencionado com cuidado e por constrangimento do Espírito”. (D&C 63:64)


Uma mente suja expressa-se com linguagem profana e baixa. Uma mente pura expressa-se de maneira positiva e motivadora, dizendo coisas que levam alegria ao coração.


Sejam puros no modo de vestir e no comportamento. Não espero que se vistam como missionários o tempo todo. Saibam, porém, que o modo de vestir asseado e conservador de nossos missionários tornou-se um símbolo de honra, sendo reconhecido em todos os lugares. A época em que estamos vivendo agora é uma época em que trajes e maneiras descuidadas se tornaram moda. Contudo, não estou muito preocupado com o modo com que se vestem, contanto que estejam limpos. Lembrem-se do sonho de Joseph F. Smith. Ao correr para aquela mansão, ele carregava uma pequena trouxa embrulhada em um lenço. Ao abri-la, depois de ter-se lavado, encontrou roupas limpas. Sempre que abençoarem ou distribuírem o sacramento, procurem vestir-se da melhor maneira possível. Cuidem de sua higiene pessoal.


Peço-lhes que tenham bons modos, que sejam educados, sejam respeitosos, sejam honestos, sejam rapazes e homens íntegros.


É impressionante ver o que faz um pouco de educação. É trágico ver o que a falta de cortesia pode provocar. Vemos isso todos os dias, ao enfrentar o trânsito da cidade em que moramos. O instante em que permitimos que alguém passe a nossa frente faz bem tanto para a pessoa que recebe a cortesia quanto para a que faz a gentileza. Algo acontece dentro de nós quando somos gentis e prestativos. Tudo isso faz parte de um processo de refinamento que, se for constante, irá transformar nossa própria natureza.


Por outro lado, ficar com raiva, xingar e fazer gestos obscenos por causa de um pequeno problema de trânsito, degrada tanto o ofensor como o ofendido. Praticar o tipo de autodisciplina que controla o temperamento de uma pessoa nas pequenas coisas que acontecem quase todos os dias é uma demonstração de pureza emocional.


Honestidade, que jóia preciosa! Trata-se também de uma demonstração de pureza de pensamento e ação. Inspetores de seguro podem contar-nos a respeito de reivindicações falsas feitas por muitas pessoas que tentam de maneira desonesta obter compensações a que não têm direito. Colar é uma prática muito comum na escola. “Não furtarás ( … ) Não cobiçarás.” (Êxodo 20:15, 17) Essas ordens também fazem parte dos mandamentos que foram escritos pelo dedo do Senhor nas tábuas de pedra. Fico muito triste quando leio nos jornais sobre algum membro desta Igreja que se envolveu em alguma fraude com o objetivo de tirar dos outros, por meios desonestos, o que cobiçou.


O Senhor disse: “E sejam todas as coisas feitas com limpeza diante de Mim”. (D&C 42:41) Acredito que isso inclui uma proibição quanto a qualquer tipo de desonestidade.


Irmãos, será que exagerei nesse ponto? Espero que não. Se exagerei, foi somente porque me preocupo muito com as responsabilidades que o Senhor nos deu. Ele espera que Seu povo seja limpo dos pecados do mundo.


Se alguém aqui for culpado de quaisquer desses pecados, arrependa-se imediatamente. Confesse ao Senhor, e se o pecado for grave, confesse ao bispo. Ele o ajudará. O arrependimento e o perdão são possíveis. O Senhor declarou: “Eis que perdoados vos são os vossos pecados; sois limpos diante de Mim; portanto, erguei as vossas cabeças e regozijai-vos”. (D&C 110:5)


Na revelação conhecida como ⌦a “Folha de Oliveira”, o Senhor declarou:


“E dou a vós, que sois os primeiros obreiros neste último reino, o mandamento de que vos reunais e vos organizeis, vos preparais e vos santifiqueis; sim, purificai os vossos corações e limpai as vossas mãos e vossos pés diante de Mim, para que vos possa purificar;


Para que Eu possa testificar a vosso Pai, e vosso Deus, e Meu Deus, de que estais limpos do sangue desta geração iníqua; para que eu possa cumprir quando quiser, esta promessa, esta grande e última promessa que vos fiz.” (D&C 88:74–75)


Para concluir, volto ao ponto de onde comecei, com o sonho de um menino pobre que dormia sozinho numa montanha e viu uma mansão para a qual se apressou em ir. Antes de entrar, parou para limpar-se e vestir-se com roupas limpas. Foi censurado por estar atrasado. Ele respondeu: “Sim, mas estou limpo!” O Profeta Joseph sorriu, e Joseph F. Smith, aquele jovem missionário, tornou-se no final Profeta e Presidente da Igreja. Que testemunho! Que Deus nos abençoe para que caminhemos com mãos limpas e corações puros e sejamos dignos de Seu sorriso de aprovação, é o meu humilde pedido, em nome de Jesus Cristo. Amém.