Edificar o Reino

Bruce D. Porter

Of the Second Quorum of the Seventy


Bruce D. Porter
Desde o seu início, a Igreja vem sendo edificada por homens comuns que magnificaram seus chamados com humildade e devoção.

Há quase 25 anos, nossa família morava em Massachusetts, onde eu fazia pós-graduação. Meu programa de estudo era bastante rígido, o que me deixava pouco tempo livre. Um domingo na Igreja, a Presidente da Primária veio falar comigo e pediu que eu substituísse um professor da Primária por duas semanas. A Primária era realizada num dia de semana à tarde, e eu sabia que seria difícil encaixar um horário na minha agenda para ensinar as crianças. Mas depois de hesitar um pouco, concordei.

Chegou o dia de dar a aula na Primária. Naquela tarde, eu estava na biblioteca da universidade, absorto na leitura de um livro de política internacional. O assunto que eu estava estudando parecia mais importante do que a aula da Primária; por isso, quando faltavam apenas 30 minutos para o início da aula é que comecei a preparar a lição que eu deveria ensinar. Depois, fui andando da biblioteca até à capela que ficava ao lado do campus da universidade. Minha atitude relutante deve ter concorrido para que eu diminuísse o ritmo da caminhada, pois cheguei alguns minutos atrasado. Ao entrar na sala da Primária, as crianças tinham começado a cantar o hino de abertura. Nunca ouvira aquele hino antes, mas a melodia e a letra tocaram-me profundamente:

“Amai-vos uns aos outros
Como Eu vos amo;
Este é o novo mandamento.
Por isto saberão
Que sois Meus discípulos,
Se vos amardes
Uns aos outros.”

Enquanto eu estava ali, à porta da sala, fascinado pelo hino, o Espírito prestou testemunho de que eu estava presente à aula mais importante a ser realizada em Cambridge, Massachusetts naquele dia.

De volta à universidade, em dezenas de salas de aula e laboratórios, estudiosos dedicados buscavam solução para os problemas do mundo. Por mais valiosos que fossem tais esforços, a universidade não tinha nem poderia ter as respostas fundamentais para um mundo conturbado. A resposta do Senhor estava diante de mim: a tranqüila edificação de Seu reino na Terra pelo ensino do evangelho de Jesus Cristo. O que estava acontecendo na Primária naquele dia era uma pequena parte de um plano de salvação revelado de maneira divina a um mundo decaído.

Em outubro de 1831, o Senhor, referindo-Se à Restauração, declarou: “As chaves do reino de Deus foram confiadas ao homem na Terra e daí rolará o evangelho até os confins da Terra, como a pedra cortada da montanha, sem mãos, rolará até encher toda a Terra”. (D&C 65:2) A Igreja de Jesus Cristo dos Santos do Últimos Dias é esse reino cujo destino é encher toda a Terra. De acordo com a miraculosa sabedoria do Todo-Poderoso, a edificação do reino de Deus nos últimos dias ocorrerá de maneira tão clara e simples como a que testemunhei na Primária naquele dia.

Alegramo-nos ao ouvir falar dos templos que estão sendo construídos em todas as partes do mundo e dos países longínquos que estão abrindo as portas ao evangelho. Edificada sob o alicerce de apóstolos e profetas, a Igreja do Senhor está sendo levada a todo o mundo por missionários que foram chamados para proclamar Sua palavra. Às vezes, talvez tenhamos a tendência de achar que a edificação do reino é algo que ocorre em lugares muito distantes daqui, longe de nossa ala ou ramo. Mas na verdade, a Igreja cresce tanto em número de membros quanto no fortalecimento dos que já fazem parte dela. “Pois Sião deve crescer em beleza e em santidade; suas fronteiras devem ser expandidas; suas estacas devem ser fortalecidas.” (D&C 82:14)

Não precisamos ser chamados para servir longe de nossa casa nem estar em posição proeminente na Igreja ou no mundo para edificar o reino do Senhor. Fazemo-lo em nosso próprio coração, ao procurarmos ter o Espírito de Deus em nossa vida. Fazemo-lo em nossa família, ajudando nossos filhos a desenvolver fé; e também por intermédio das organizações da Igreja, ao magnificarmos nossos chamados e partilharmos o evangelho com nossos amigos e vizinhos.

Enquanto os missionários trabalham nos campos já prontos para a ceifa, há os que trabalham em casa para fortalecer o reino na ala e na comunidade onde residem. Desde o seu início, a Igreja vem sendo edificada por homens comuns que magnificaram seus chamados com humildade e devoção. Não importa para qual trabalho somos chamados, apenas que trabalhemos “com toda diligência”. (D&C 107:99) Nas palavras de revelação moderna: “Não vos canseis de fazer o bem, porque estais lançando o alicerce de uma grande obra. E de pequenas coisas provém aquilo que é grande”. (D&C 64:33)

O Presidente Joseph F. Smith observou certa vez que “as grandes causas não são vencidas em uma única geração”. (Doutrina do Evangelho, p. 106) Mais do que em qualquer outro lugar, é na família, no tranqüilo santuário do lar, que gerações se unem para a edificação do reino de Deus. Criar filhos é um privilégio sagrado. A Primeira Presidência tem exortado os pais a realizar a noite familiar e fazer a oração familiar, estudar o evangelho em casa e passar algum tempo realizando atividades salutares com os filhos. Quando os pais e mães ensinam aos filhos as verdades eternas que um dia lhes foram transmitidas, passam a tocha da verdade para outra geração, e o Reino fortifica-se.

Colocaste em nossa guarda o Teu farol.

Quando eu era jovem, meu pai costumava iniciar conversas sobre o evangelho à mesa do jantar. Só com o passar dos anos — agora que olho para trás — é que me dou conta de como aqueles momentos em família contribuíram para meu testemunho. Alegro-me com a profecia de Isaías de que virá o tempo em que “sobre todo o lugar do monte de Sião” haverá “uma nuvem de dia ( . . . ), e um resplendor de fogo flamejante de noite” (Isa. 4:5), quando o Espírito do Senhor habitará no lar de Seu povo continuamente.

O reino do Senhor abrange não apenas a Igreja e a família, mas também o coração e a mente de Seu povo. Conforme o Salvador ensinou durante Seu ministério mortal: “O reino de Deus está [dentro de] vós”. (Lucas 17:21) Se realmente quisermos contribuir para a grande obra dos últimos dias, nossos olhos deverão estar fitos na glória de Deus, nossa mente iluminada pelo “testemunho de Jesus” (Apoc. 19:10) e nosso coração, puro e consagrado. A oração pessoal, o estudo e a meditação são fundamentais para a edificação do reino em nossa alma. É nos momentos calmos de reflexão e comunhão com o Todo-Poderoso que O conhecemos e amamos como nosso Pai.

Presto testemunho de que o reino de Deus foi restaurado na Terra e de que daqui jamais sairá. Sob a direção do Pai Eterno, Jesus Cristo é o Autor e Aperfeiçoador desta obra, a principal pedra de esquina da Igreja, e o Santo de Israel. Na força e poder do Senhor, que edifiquemos o reino de Deus na Terra para que ela esteja preparada para receber o reino do céu na Sua vinda. Inspiremo-nos com as palavras de um hino de combate, que também é um hino da Restauração:

O clarim que chama os justos à batalha já soou
Cristo à frente de Seu povo, multidões já conquistou,
O inimigo em retirada, seu furor patenteou.
Vencendo vem Jesus!

Em nome de Jesus Cristo. Amém.