Pular para a Navegação Principal
Abril 2004 | Paternidade, um Chamado Eterno

Paternidade, um Chamado Eterno

Abril 2004 Conferência Geral

Que possamos dar ouvidos à voz dos profetas que, desde o princípio dos tempos, nos advertiram a respeito da importância do pai no lar.

Ao observarmos atentamente o mundo moderno, torna-se cada vez mais evidente que Satanás está trabalhando para escravizar a alma dos homens. Seu alvo principal é a unidade fundamental da sociedade: a família.

Nas últimas décadas, Satanás lançou uma vigorosa campanha para depreciar e menosprezar a mais básica e importante de todas as organizações. Seu sucesso está se tornando cada vez mais evidente — diariamente são vistos, relatados e ouvidos tristes fatos referentes ao colapso de muitas unidades familiares. Com a decadência da família, vemos os terríveis efeitos em nossa sociedade — aumento da criminalidade, distúrbios de comportamento, pobreza, abuso de drogas e uma lista que não para de crescer.

Parece-me que a mira do ataque de Satanás está centralizado nos maridos e pais. Os meios de comunicação atuais, por exemplo, têm sido inexoráveis em seus ataques — ridicularizando e depreciando o marido e o pai no desempenho do papel dado por Deus.

Exemplos das Escrituras

Talvez seja útil comparar a imagem dos maridos e pais veiculada pelos meios de comunicação com a das escrituras. Temos nelas muitos grandes exemplos a serem seguidos.

O Pai e o Salvador. No Novo Testamento, temos um vislumbre do relacionamento do Salvador com o Pai. Um dos vislumbres mais vívidos ocorreu no jardim do Getsêmani, pouco antes de ser traído.

“[Jesus] (…) pondo-se de joelhos, orava,

Dizendo: Pai, se queres, passa de mim este cálice; todavia não se faça a minha vontade, mas a tua.

E apareceu-lhe um anjo do céu, que o fortalecia.”1

Moisés e Jetro. Temos em Êxodo o exemplo de Jetro, sogro de Moisés, que observou como ele governava os filhos de Israel.

“Vendo, pois, o sogro de Moisés tudo o que ele fazia ao povo, disse: Que é isto, que tu fazes ao povo? Por que te assentas só, e todo o povo está em pé diante de ti, desde a manhã até à tarde?

Então disse Moisés a seu sogro: É porque este povo vem a mim, para consultar a Deus;

O sogro de Moisés, porém, lhe disse: Não é bom o que fazes.

Totalmente desfalecerás, assim tu como este povo que está contigo; porque este negócio é mui difícil para ti; tu só não o podes fazer.”2

Jetro, então, ensinou Moisés a delegar essa responsabilidade chamando homens capazes e tementes a Deus, deixando que eles servissem de juízes em Israel.

“Para que julguem este povo em todo o tempo; e seja que todo o negócio grave tragam a ti, mas todo o negócio pequeno eles o julguem; assim a ti mesmo te aliviarás da carga, e eles a levarão contigo.” 3

Alma. No Livro de Mórmon, temos o relato de Alma, filho de Alma, que estava entre os rebeldes que cometiam todo tipo de iniqüidade. Alma, o pai, orou com muita fé para que seu filho tivesse o conhecimento da verdade — uma oração que foi respondida de modo muito especial.

“E então aconteceu que enquanto andava procurando destruir a Igreja de Deus, (…) o anjo do Senhor apareceu-lhes; e desceu como se fosse numa nuvem; e falou como se fosse com voz de trovão (…).

E tão grande foi o seu assombro que caíram por terra e não entenderam as palavras que ele lhes disse.

Não obstante, ele clamou outra vez, dizendo: Alma, levanta-te e aproxima-te, pois por que persegues a igreja de Deus? Porquanto o Senhor disse: Esta é a minha igreja e eu a estabelecerei; e nada a destruirá, a não ser a transgressão do meu povo.

E disse mais o anjo: Eis que o Senhor ouviu as orações de seu povo e também as orações de seu servo Alma, que é teu pai; porque ele tem orado com muita fé a teu respeito, para que tu sejas levado a conhecer a verdade; portanto vim com o propósito de convencer-te do poder e autoridade de Deus, para que as orações de seus servos possam ser respondidas de acordo com sua fé.” 4

Quando Alma, o Filho, se recuperou dessa experiência, era outro homem.

A Depreciação do Papel do Pai

Satanás, em seu cuidadoso plano para destruir a família, procura depreciar o papel do pai. O aumento da violência, os crimes juvenis, a grande pobreza e insegurança econômica, o mau desempenho de um número cada vez maior de crianças em nossas escolas são uma clara evidência da falta da influência positiva do pai no lar.5 A família necessita do pai para ancorá-la.

Sem dúvida aprendemos pela experiência, ao longo dos séculos, que a família básica proporciona o alicerce mais estável e seguro para a sociedade, sendo fundamental na preparação dos jovens para suas futuras responsabilidades. Já devíamos ter aprendido que os estilos alternativos de família não funcionaram e nunca irão funcionar. Isso foi claramente declarado pela Primeira Presidência e o Quórum dos Doze Apóstolos em “A Família—Proclamação ao Mundo”.

“Nós, a Primeira Presidência e o Conselho dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, solenemente proclamamos que o casamento entre homem e mulher foi ordenado por Deus e que a família é essencial ao plano do Criador para o destino eterno de Seus filhos.

Todos os seres humanos—homem e mulher—foram criados à imagem de Deus. Cada indivíduo é um filho (ou filha) gerado em espírito por pais celestiais que o amam e, como tal, possui natureza e destino divinos. O sexo (masculino ou feminino) é uma característica essencial da identidade e do propósito pré-mortal, mortal e eterno de cada um. (…)

O primeiro mandamento dado a Adão e Eva por Deus referia-se ao potencial de tornarem-se pais, na condição de marido e mulher. Declaramos que o mandamento dado por Deus a Seus filhos, de multiplicarem-se e encherem a Terra, continua em vigor. Declaramos também que Deus ordenou que os poderes sagrados de procriação sejam empregados somente entre homem e mulher, legalmente casados (…).

Segundo o modelo divino, o pai deve presidir a família com amor e retidão, tendo a responsabilidade de atender às necessidades de seus familiares e de protegê-los. A responsabilidade primordial da mãe é cuidar dos filhos. Nessas atribuições sagradas, o pai e a mãe têm a obrigação de ajudar-se mutuamente como parceiros iguais. (…)

Advertimos que as pessoas que violam os convênios de castidade, que maltratam o cônjuge ou os filhos, ou que deixam de cumprir suas responsabilidades familiares, deverão um dia responder perante Deus pelo cumprimento dessas obrigações. Advertimos também que a desintegração da família fará recair sobre pessoas, comunidades e nações as calamidades preditas pelos profetas antigos e modernos.”6

Os Papéis do Pai

Tendo em vista essa premente advertência sobre o futuro dos filhos de nosso Pai Celestial, os pais e mães precisam fazer uma auto-avaliação para certificarem-se de que estão seguindo a orientação do Senhor na edificação de uma família eterna. Enfocando os pais, o que o Senhor espera que façamos?

Depois que a família tiver sido formada, os papéis do pai incluem os seguintes:

1. O pai é o cabeça da família.

“Paternidade é liderança, o mais importante tipo de liderança. Sempre foi assim; e sempre será assim. Pai, com o auxílio, conselho e incentivo de sua companheira eterna, você preside no lar. Não é uma questão de saber se você é o mais digno ou o mais qualificado, mas, sim, uma designação divina.” 7

Sua liderança no lar precisa incluir a liderança na adoração em família.

“Você preside na mesa de refeições, na oração familiar. Você preside a noite familiar e, conforme for guiado pelo Espírito do Senhor, deve cuidar para que seus filhos aprendam princípios corretos. Seu papel é prover orientação em todos os assuntos relacionados à vida familiar.

Você concede bênçãos paternas. Participa ativamente no estabelecimento das regras e disciplina da família. Como líder em seu lar, você deve planejar e sacrificar-se para alcançar a bênção de uma família unida e feliz. Para isso será necessário que centralize sua vida na família.”8

Conforme aconselhou o Presidente Joseph F. Smith: “Irmãos, há bem pouca devoção religiosa, amor e temor a Deus no lar; há demasiado materialismo, egoísmo, indiferença e falta de reverência na família, ou essas coisas jamais existiriam em tamanha abundância no mundo lá fora. Portanto, é o lar que precisa ser reformado. Procurem agora e no futuro fazer uma mudança em seu lar”.9

Lembrem-se, irmãos, de que em seu papel como líder da família, sua esposa é sua companheira. Conforme ensinou o Presidente Hinckley: “Nesta Igreja, os homens não andam nem à frente nem atrás de sua mulher, mas ao lado. Eles são iguais nesta vida”.10 Desde o princípio, Deus ensinou à humanidade que o casamento deveria unir marido e mulher. 11 Portanto, não há um presidente e um vice-presidente na família. O casal trabalha eternamente unido para o bem da família. Eles são unidos em palavras e ações, ao liderarem, guiarem e dirigirem a unidade familiar. São iguais. Planejam e organizam os assuntos da família em conjunto e em harmonia, ao seguirem adiante juntos.

2. O pai é um professor.

O conselho do Presidente Joseph F. Smith se aplica aos nossos dias: “Não deixem seus filhos nas mãos de especialistas (…), mas ensinem seus filhos vocês mesmos, por preceito e exemplo. (…) Sejam vocês mesmos especialistas na verdade”.12

“Quando você reconhece a importância de ensinar seus filhos, você se torna humilde, porque imediatamente se dá conta de que isso é realizado por preceito e por exemplo. Você não pode ser uma coisa e ensinar eficazmente outra. Você precisa viver, estudar e orar para ter a companhia constante do Espírito Santo. Precisa purificar e organizar sua vida, de modo que seu exemplo e liderança reflitam a luz do evangelho de Jesus Cristo.

Precisa planejar seu dia conforme a orientação do Espírito do Senhor, buscando sinceramente o seu próprio bem-estar e o de sua família antes que outras preocupações façam com que perca a visão dessas responsabilidades principais. Como fomos ensinados pelos profetas vivos: ‘Nenhum sucesso na vida compensa o fracasso no lar’ (David O. McKay, Conference Report,abril de 1964, p. 5; citação extraída de J. E. McCulloch, Home: The Savior of Civilization [1924], p. 42).”13

3. O pai é o provedor do sustento material.

O Presidente Ezra Taft Benson expressou claramente esse princípio: “O Senhor encarregou os homens com a responsabilidade de prover o sustento da família, de modo que a mulher possa cumprir seu papel de mãe no lar. (…) Às vezes a mãe trabalha fora por incentivo ou até insistência do marido (…) [por causa] das coisas materiais que o dinheiro extra pode comprar”. Não é apenas a família que sofre nessas circunstâncias, irmãos, mas isso atrapalha seu próprio crescimento e progresso espiritual.”14

Pais, por decreto divino, vocês presidem sua unidade familiar. Essa é uma responsabilidade muito séria e a mais importante que assumirão, pois é uma responsabilidade eterna. Vocês devem dar à família a sua devida prioridade. Ela é a parte de sua vida que continuará além da morte. Testifico que a seguinte declaração é verdadeira:

“A posição que o homem ocupa na família, especialmente aqueles que possuem o Sacerdócio de Melquisedeque, é de primordial importância e deve ser claramente reconhecida e mantida na ordem e com a autoridade que Deus conferiu ao homem colocando-o como cabeça de sua família.

Não existe autoridade maior nos assuntos referentes à organização da família, especialmente quando essa organização é presidida por um portador do sacerdócio maior. (…) A ordem Patriarcal é de origem divina e continuará por toda esta vida e pela eternidade. Existe, portanto, um motivo especial pelo qual homens, mulheres e crianças devem compreender essa ordem e essa autoridade nas famílias do povo de Deus procurando fazer dela o que Deus deseja que ela seja: Uma qualificação e preparação para a mais elevada exaltação de Seus filhos. No lar, a autoridade presidente está sempre investida no pai, e em todos os assuntos do lar e da família não há nenhuma autoridade que esteja acima dela.”15

Utilizei várias citações que não foram identificadas. Fiz isso com um propósito em mente. Elas estarão claramente identificadas nas notas do discurso nas revistas Ensign e A Liahona de maio. Peço-lhes que as estudem e examinem as mensagens da conferência. Elas são revistas maravilhosas e, sem dúvida, devem estar presentes em cada lar. Assim, o espírito desta conferência permanecerá vivo o ano inteiro nas páginas dessas revistas.

Que possamos dar ouvidos à voz dos profetas que, desde o princípio dos tempos, nos advertiram a respeito da importância do pai no lar. Que decidamos cumprir mais plenamente os nossos deveres e responsabilidades que o Senhor nos deu como pais em Sião, é minha humilde oração, em nome de Jesus Cristo. Amém.

Exibir ReferênciasOcultar Referências
    1. Lucas 22:41–43.

    2. Êxodo 18:14–15, 17–18.

    3. Êxodo 18:22.

    4. Mosias 27:10–14.

    5. Ver David Blankenhorn, Fatherless America: Confronting Our Most Urgent Social Problem,(1995), introdução, pp. 25–48; David Popenoe, Life without Father, (1996), pp. 52–78.

    6. A Liahona, outubro de 1998, p. 24; grifo do autor.

    7. Quórum dos Doze Apóstolos, Father, Consider Your Ways: A Message from the Church of Jesus Christ of Latter-day Saints” (pamphlet, 1973); reimpresso no Ensign, junho de 2002, p. 16 .

    8. Ensign, junho de 2002, p. 16 .

    9. Worship in the Home”, Improvement Era, dezembro de 1903, p. 138.

    10. Conference Report, outubro de 1996, p. 68; ou Ensign, novembro de 1996, p. 49.

    11. Ver Gênesis 2:24.

    12. Improvement Era, dezembro de 1903, p. 138.

    13. Ensign, junho de 2002, p. 14

    14. Conference Report, outubro de 1987, pp. 60–61; ou Ensign, novembro de 1987, p. 49.

    15. Joseph F. Smith, The Rights of Fatherhood”, Juvenile Instructor, 1º de março de 1902.