Guardar Nossos Convênios

Richard J. Maynes

Of the First Quorum of the Seventy


Richard J. Maynes
A coisa mais importante que podemos fazer nesta vida é guardar as promessas ou convênios que fizemos com o Senhor.

Da antigüidade a nossos dias, os verdadeiros discípulos de Jesus Cristo sempre compreenderam a importância de fazer e guardar convênios com o Senhor.

Por volta de 64 a.C., a nação nefita estava passando por momentos dificílimos. Por causa da iniqüidade, dissenções e intrigas, encontrava-se em circunstâncias extremamente perigosas. (Ver Alma 53:9) O governo estava à beira do colapso. A guerra com os lamanitas arrastava-se havia anos. Muitos dissidentes nefitas estavam passando para as fileiras inimigas. Várias cidades nefitas tinham sido atacadas e sitiadas.

Nessas circunstâncias caóticas e arriscadas, homens justos faziam-se necessários para liderar os exércitos nefitas: homens como Morôni e Helamã. Esses líderes nefitas compreendiam que a capacidade de defesa de sua nação era diretamente proporcional a sua obediência ao Senhor. Empenhavam-se com ardor para motivar a população a lembrar-se do Senhor e guardar Seus mandamentos.

Nesse momento crítico da história, depois da destruição de inúmeras cidades nefitas e do equilíbrio de forças que pendia cada vez para o lado dos lamanitas, ocorreu algo miraculoso. Um grupo de pessoas, anteriormente lamanitas, depois conhecidas como amonitas por terem-se convertido ao evangelho de Jesus Cristo por meio dos ensinamentos de Amon, propuseram-se a pegar em armas para defender sua nova terra, país e modo de vida. (Ver Alma 53:13.)

Os pais dessas famílias amonitas haviam feito no passado um convênio com o Senhor, prometendo jamais voltar a pegar em armas. Helamã, o profeta nefita, instou esses homens a honrarem sua promessa ao Senhor. (Ver Alma 53:15.) Helamã relata o que aconteceu depois de dar esse conselho:

“Mas eis que aconteceu que eles tinham muitos filhos que não haviam feito convênio de não pegar suas armas de guerra para defender-se de seus inimigos; portanto, reuniram-se todos os que podiam pegar em armas e adotaram o nome de nefitas.

E fizeram convênio de lutar pela liberdade dos nefitas, sim, de proteger a terra, ainda que com sacrifício da própria vida; sim, fizeram convênio de jamais renunciar a sua liberdade (…).

Ora, eis que havia dois mil desses jovens que fizeram este convênio e pegaram em armas de guerra para defender seu país.

(…) E eram todos jovens e muito valorosos quanto à coragem e também o vigor e atividade; mas eis que isto não era tudo—eles eram homens fiéis em todas as ocasiões e em todas as coisas que lhes eram confiadas.

Sim, eles eram homens íntegros e sóbrios, pois haviam aprendido a guardar os mandamentos de Deus e a andar retamente perante ele.

E então aconteceu que Helamã marchou à frente desses dois mil jovens soldados, para ajudar o povo.” (Alma 53:16–18, 20–22)

Helamã, e seus 2.000 jovens soldados, lutaram valentemente para proteger sua família e sua liberdade. Sua entrada no campo de batalha mudou os rumos da guerra. Os nefitas voltaram a ganhar terreno.

Numa carta escrita a Morôni, Helamã descreveu a fé e a coragem demonstradas por esses jovens:

“E agora eu te digo, meu amado irmão Morôni, que eu nunca presenciara tão grande coragem, não, nem entre todos os nefitas.

Ora, eles nunca haviam lutado. Não obstante, não temiam a morte; e pensavam mais na liberdade de seus pais do que em sua própria vida; sim, eles tinham sido ensinados por suas mães que, se não duvidassem, Deus os livraria.” (Alma 56:45, 47)

Irmãos e irmãs, eles “não [duvidaram, e] Deus os [livrou]”. Em sua primeira grande batalha, nenhum dos 2.000 jovens foi morto. Em seguida, outros 60 jovens amonitas uniram-se ao pequeno exército. Helamã conta que “eles obedeceram a cada palavra de comando e cumpriram-nas com exatidão; sim, e tudo lhes aconteceu de acordo com sua fé”. (Alma 57:21)

A segunda batalha na qual esse pequeno exército se envolveu foi mais intensa do que a primeira. Depois do combate, Helamã escreveu:

“E aconteceu que duzentos de meus dois mil e sessenta haviam desmaiado em virtude da perda de sangue; não obstante, de acordo com a bondade de Deus, (…) nenhum deles perecera. (…)

Ora, sua sobrevivência encheu de espanto todo o nosso exército; sim, (…) e, com razão, atribuímos isso ao miraculoso poder de Deus, por causa de sua extraordinária fé (…).” (Alma 57:25–26)

Helamã e seus jovens soldados compreendiam a importância de fazer convênios com o Senhor. Receberam também as bênçãos reservadas àqueles que guardam fielmente seus convênios.

Como membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, tomamos sobre nós obrigações sagradas. Fizemos isso nas águas do batismo e no templo do Senhor. Chamamos essas obrigações de convênios. Trata-se de promessas que fazemos ao Senhor. São de natureza extremamente sagrada. A coisa mais importante que podemos fazer nesta vida é guardar as promessas ou convênios que fizemos com o Senhor. Quando cumprimos nossas promessas para com o Senhor, Ele permite-nos progredir espiritualmente.

Durante os dois últimos anos, a irmã Maynes e eu recebemos a designação de servir nas Filipinas. Conhecemos muitas famílias e pessoas nesse país que compreendem e guardam os convênios que assumiram com o Senhor. Permitam-me contar uma experiência que tivemos com uma dessas famílias.

Alguns meses atrás, fui designado para presidir a conferência da Estaca Talisay Filipinas. Durante a sessão geral de domingo, comecei meu discurso agradecendo à congregação por sua reverência. Enquanto eu falava, olhei à esquerda e vi uma família numerosa sentada numa das primeiras fileiras de bancos da capela. Fui inspirado a citá-los e usá-los como exemplo de uma família que compreendia e vivia o princípio da reverência. Os pais estavam sentados ao lado de muitos filhos reverentes.

Ao final da reunião, tivemos a maravilhosa oportunidade de travar conhecimento com a família Abasanta. Quanto mais eu aprendia sobre eles, mais impressionado ficava com o fato de verdadeiramente entenderem o significado de guardar convênios e viver o evangelho de Jesus Cristo.

O irmão Lani e a irmã Irenea Abasanta filiaram-se à Igreja há 22 anos. Juntos, tiveram 17 filhos. Entre eles, há trigêmeos. Todos sabemos que criar uma família não é fácil em lugar algum do mundo, e as Filipinas não constituem exceção. Contudo, a família Abasanta é um exemplo vivo de que é possível fazê-lo—e fazê-lo da maneira correta.

O êxito que tiveram ao criar seus filhos na Igreja manifesta-se de muitas formas. Uma família de 19 pessoas sentada reverentemente durante as reuniões da Igreja é apenas um exemplo.

Outro exemplo é a forma como eles se empenham com tanto afinco e em conjunto para atender a suas necessidades financeiras diárias. O irmão Abasanta trabalha como eletricista. A irmã Abasanta, com a ajuda de suas filhas, confecciona e vende bijuterias em casa. Juntos, conseguem suprir as necessidades vitais da família.

Ainda mais importante que seu exemplo ao sustentar financeiramente a família numerosa é a maneira como ensinam os filhos a viverem o evangelho de Jesus Cristo. Suas noites familiares regulares desempenham um papel crucial no ensino ministrado à família. Ao referir-se a suas noites familiares semanais, o irmão Abasanta explicou: “Primeiro, abordamos qualquer problema que a família porventura esteja enfrentando e como podemos unir-nos ainda mais; em seguida, há um pensamento ou lição espiritual; por fim, fazemos brincadeiras”.

Numa noite familiar recente, o irmão Abasanta usou a revista A Liahona como instrumento para ajudá-lo a incentivar os filhos a não assistirem demais à televisão, mas a usarem esse tempo para fazer algo de mais valor, como tarefas domésticas ou a leitura das escrituras. Ao longo dos anos, durante a noite familiar, os filhos foram ensinados a praticar a reverência. Como aprenderam a ser reverentes em casa, têm mais facilidade para demonstrar reverência na Igreja no domingo.

Outro exemplo da prática do evangelho e da observância dos convênios é a prioridade que eles dão a ensinar aos filhos a importância de pagarem um dízimo honesto e integral. O irmão Abasanta afirmou: “Ensinamos nossos filhos que o alimento que ingerimos é um resultado direto de nossa obediência à lei do dízimo. Quando nossos filhos têm seu próprio trabalho, salientamos que devem pagar seu dízimo. É difícil sustentar tantos filhos, mas quando pago meu dízimo fiel e honestamente, torna-se muito mais fácil. Apenas confiamos no Senhor cem por cento, sabendo que se pagarmos um dízimo honesto, teremos o que comer diariamente”.

Lembrem que mencionei que o irmão e a irmã Abasanta têm 17 filhos. Permitam-me agora falar dos trigêmeos. São todos meninos. Hoje, estão com 19 anos. Chamam-se Amon, Ômni e Ômner. Sim, vocês adivinharam. Todos os três estão servindo ao Senhor como missionários de tempo integral fiéis e trabalhadores. O Amon está servindo na Missão Filipinas Baguio; o Ômni, na Missão Filipinas Davao, e o Ômner, na Missão Filipinas Manila.

Não quero passar-lhes a impressão de que a família Abasanta é perfeita. Nenhum de nós é perfeito. Contudo, ao empenhar-se ao máximo para seguir os mandamentos e guardar seus convênios, a família Abasanta consegue desfrutar as bênçãos do Senhor em sua vida.

Irmãos e irmãs, estamos todos aguardando com ansiedade o dia em que voltaremos à presença de nosso Pai Celestial. A fim de sermos merecedores da exaltação no reino celeste, precisamos fazer jus à confiança do Senhor aqui na Terra. Para conquistá-la, tudo depende de nosso desempenho ao vivermos Seu evangelho e guardarmos nossos convênios. Em outras palavras, ganhamos a confiança do Senhor ao fazermos Sua vontade.

Lembrem-se da advertência do Senhor a Joseph Smith concernente às pessoas que “se aproximam [Dele] com os lábios, mas [cujo] coração está longe [Dele]”. (Joseph Smith—História 1:19)

Lembrem-se da admoestação de Tiago: “E sede cumpridores da palavra, e não somente ouvintes”. (Tiago 1:22)

Sem dúvidas, os atos falam mais alto que as palavras. As obras significam muito mais para o Senhor do que meras declarações verbais. O Senhor declarou em Doutrina e Convênios: “Se me amardes, servir-me-ás e guardarás todos os meus mandamentos”. (D&C 42:29)

Helamã e seus jovens soldados são uma ilustração antiga das bênçãos recebidas por aqueles que cumprem fielmente suas promessas ao Senhor. Os Abasantas são um exemplo moderno de uma família que está dando o máximo de si para guardar seus convênios e viver os princípios do evangelho de Jesus Cristo.

Todos os membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias fizeram promessas ao Senhor. Prometemos tomar sobre nós o nome de Jesus Cristo, recordá-Lo sempre e guardar Seus mandamentos. (Ver D&C 20:77.) Os membros fiéis da Igreja honram essas promessas.

É minha oração hoje que todos nós renovemos nosso compromisso de fazer tudo a nosso alcance para conquistar a confiança do Senhor fazendo Sua vontade, vivendo Seu evangelho e guardando nossos convênios. Em nome de Jesus Cristo. Amém.