“Apascenta as Minhas Ovelhas”

Élder Ulisses Soares

Of the First Quorum of the Seventy


Ulisses Soares
As pessoas se mostram mais receptivas à nossa influência quando sentem que as amamos realmente e não somente porque temos um chamado a cumprir.

Certa ocasião, o Salvador indagou a Pedro três vezes: “Simão, filho de Jonas, amas-me? Disse-lhe: Sim, Senhor; tu sabes que te amo. Disse-lhe [Jesus]: Apascenta as minhas ovelhas.” 1

Devido à Sua preocupação com o bem-estar das pessoas, o Senhor deu a Pedro a especial tarefa de apascentar as ovelhas. Ele reafirmou essa mesma preocupação no tempos modernos, por meio de revelação a Joseph Smith:

“Ora, digo a ti, e o que digo a ti digo a todos os Doze: Erguei-vos e cingi vossos lombos; tomai vossa cruz, segui-me e apascentai minhas ovelhas.” 2

Ao estudar as escrituras, observamos que o Salvador ministrava às pessoas em suas necessidades específicas. Um bom exemplo disso foi quando Ele estava nas imediações de Cafarnaum e um dos príncipes da sinagoga, chamado Jairo, prostrou-se a Seus pés e suplicou-Lhe que entrasse em sua casa e lhe abençoasse a filha que estava à morte. Jesus acompanhou Jairo a despeito da multidão que O seguia e impedia que Se movesse rapidamente.

Mas chegou então um mensageiro dizendo a Jairo que a filha havia morrido. Apesar de tomado pela mais profunda tristeza, Jairo manteve sua fé inabalável, e o Salvador, decidido a acompanhá-lo, confortou o coração daquele pai dizendo:

“Não temas, crê somente, e será salva.

E, entrando em casa, a ninguém deixou entrar, senão a Pedro, e a Tiago, e a João e ao pai e a mãe da menina.

E todos choravam , e a pranteavam; e ele disse: não choreis; não está morta, mas dorme.

Mas ele (…), pegando-lhe na mão, clamou, dizendo: Levanta-te, menina.

E o seu espírito voltou, e ela logo se levantou; e Jesus mandou que lhe dessem de comer”. 3

Jesus demonstrava paciência e amor a todos os que vinham ter com Ele buscando alívio às suas enfermidades físicas, emocionais ou espirituais e que se encontravam desencorajados e sem alegria.

Para seguir o exemplo do Salvador, cada um de nós precisa olhar ao redor e identificar as ovelhas que se encontram na mesma situação e dar-lhes ânimo e incentivo para continuarem a jornada rumo à vida eterna.

Essa necessidade nos dias de hoje é tão grande, ou talvez ainda maior, do que no período em que o Salvador viveu nesta Terra. Como pastores, precisamos entender que devemos nutrir cada uma de nossas ovelhas a fim de trazê-las a Cristo, que é o propósito de tudo que fazemos na Igreja.

Qualquer atividade, reunião ou programa deve fundamentar-se nesse mesmo objetivo. Ao nos mantermos alertas às necessidades das pessoas, poderemos fortalecê-las e ajudá-las a vencer seus desafios, para que permaneçam firmes no caminho que as levará de volta à presença de nosso Pai Celestial e para que perseverem até o fim.

O evangelho de Jesus Cristo diz respeito a pessoas e não a programas. Às vezes, na ânsia de cumprir nossas responsabilidades na Igreja, concentramos tempo demasiado nos programas em vez de focalizarmos as pessoas, e acabamos passando por cima de suas necessidades reais. Quando isso acontece, perdemos a perspectiva de nossos chamados, negligenciamos as pessoas e impedimos que elas alcancem seu potencial divino de ganhar a vida eterna.

Quando estava prestes a completar 12 anos de idade, meu bispo convidou-me para uma entrevista e ensinou como eu deveria preparar-me para receber o Sacerdócio Aarônico e ser ordenado diácono. Ao final da entrevista, ele pegou um jogo de formulários da gaveta de sua escrivaninha e me desafiou a preenchê-los. Eram os formulários de um chamado missionário. Fiquei um pouco surpreso, pois tinha apenas onze anos. Mas aquele bispo tinha uma visão do futuro e das bênçãos que eu receberia se me preparasse adequadamente para servir em uma missão quando completasse 19 anos.

Ele demonstrou que realmente se importava comigo. Explicou-me claramente quais eram os passos que eu deveria dar para preparar-me tanto financeira como espiritualmente para servir ao Senhor. Depois daquela ocasião, ele, e inclusive o novo bispo, que foi chamado tempos mais tarde em seu lugar, entrevistaram-me pelo menos duas vezes por ano até que completei 19 anos e motivaram-me a continuar fiel em minha preparação.

Eles guardaram aquele formulário preenchido em seu arquivo e sempre se referiam a ele em nossas entrevistas. Com a ajuda de meus pais e com o incentivo daqueles bispos pacientes e amorosos, servi em uma missão. A missão ajudou-me a ganhar a perspectiva das bençãos que Deus tinha reservado para todos aqueles que perseveram até o fim.

Quer seja uma criança, um jovem ou um adulto, todos precisam sentir-se amados. Somos advertidos há vários anos com respeito à ativação de recém-conversos e de membros menos ativos. As pessoas permanecem na Igreja quando sentem que alguém se preocupa com elas.

Entre as últimas instruções do Salvador a Seus Apóstolos, Ele disse:

“Um novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis.

Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros.” 4

As pessoas se mostram mais receptivas à nossa influência quando sentem que as amamos realmente e não somente porque temos um chamado a cumprir. Ao expressarmos nosso amor sincero às pessoas, elas poderão sentir a influência do Espírito e sentir-se-ão motivadas a seguir o que ensinamos. Às vezes temos dificuldades em amar as pessoas como elas realmente são. O Profeta Mórmon explicou o que precisamos fazer se essas dificuldades existirem:

“Portanto, meus amados irmãos, rogai ao Pai, com toda a energia de vosso coração, que sejais cheios desse amor que ele concedeu a todos os que são verdadeiros seguidores de seu Filho, Jesus Cristo; que vos torneis os filhos de Deus; que quando ele aparecer, sejamos como ele, porque o veremos como ele é; que tenhamos esta esperança; que sejamos purificados, como ele é puro.” 5

Cristo ministrou pessoalmente às pessoas, edificando os oprimidos, dando esperança aos desalentados e indo atrás dos que estavam perdidos. Ele demonstrou às pessoas que as amava, entendia e valorizava. Ele reconhecia a natureza divina e o valor eterno de cada um. Mesmo ao chamar as pessoas ao arrependimento, Ele condenava o pecado sem condenar o pecador.

Em sua primeira epístola aos Coríntios, o Apóstolo Paulo enfatizou a necessidade de expressarmos esse amor sincero a cada uma das ovelhas do rebanho do Senhor:

“E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.

O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.

Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;

Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;

Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.

Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor.” 6

Ao seguirmos o exemplo e os ensinamentos do Salvador, podemos ajudar as pessoas a cumprirem sua missão mortal e a voltarem a viver com o nosso Pai Celestial.

Disso eu presto testemunho em nome de Jesus Cristo. Amém.

Exibir Referências

  1.  

    1. João 21:16.

  2.  

    2. D&C 112:14.

  3.  

    3. Lucas 8:41–42, 49–52, 54–55.

  4.  

    4. João 13:34–35.

  5.  

    5. Morôni 7:48.

  6.  

    6. I Coríntios 13:3–7, 13.