As barras de menu do LDS.org mudaram. Saiba mais.
Pular para a Navegação Principal
Outubro 2006 | “O Grande e Maravilhoso Amor”

“O Grande e Maravilhoso Amor”

A fé como a de uma criança no perfeito amor do Pai Celestial e de Jesus Cristo “romperá ao meio” as armadilhas de inadequação, imperfeição e culpa criadas por Satanás.

As crianças, com pura fé, proclamam: “Cremos em Deus, o Pai eterno, e em Seu Filho, Jesus Cristo, e no Espírito Santo”.1 Mas, às vezes, como jovens e adultos, não sentimos a força que tem essa simples declaração.

Satanás é o “inimigo de toda retidão”2; por isso ele semeia a dúvida sobre a natureza da Trindade e de nosso relacionamento com Eles. Jesus Cristo profetizou que nos últimos dias até os eleitos seriam enganados.3 Vejam três exemplos de como Lúcifer está “preparando armadilhas e laços para apanhar os santos de Deus”.4

A armadilha da falsa inadequação. Uma jovem fiel se sente incapaz de atender às expectativas das pessoas. Em casa e na escola, raramente ela é elogiada, sendo freqüentemente criticada. A mídia popular diz que ela não é suficientemente bonita ou inteligente. Todos os dias, essa irmã justa se pergunta se é digna do amor do Pai Celestial, do sacrifício expiatório do Salvador ou da constante orientação do Espírito.

A armadilha da imperfeição exagerada. Um excelente missionário sente-se incapaz de atender às expectativas de Deus. Em sua mente, esse élder digno imagina um Pai Celestial severo obrigado a exercer justiça irrevogável, um Salvador capaz de limpar as transgressões dos outros mas não as do próprio élder, e um Espírito Santo que não deseja acompanhar uma pessoa imperfeita.

A armadilha da culpa desnecessária. Uma mulher de meia-idade é mãe dedicada, amiga amorosa, serva fiel da Igreja e oficiante do templo assídua. Mas em seu coração, essa irmã não consegue perdoar-se por pecados cometidos há vários anos, dos quais ela se arrependeu, resolvendo-os plenamente com os líderes do sacerdócio. Ela não crê que sua vida venha a ser aceitável ao Senhor e perdeu a esperança na vida eterna na presença do Pai Celestial.

Se você tiver quaisquer pensamentos ou sentimentos semelhantes aos desses bons santos, convido-o a tornar-se como uma criancinha e sentir novamente “o grande e maravilhoso amor manifestado pelo Pai e o Filho na vinda do Redentor ao mundo”.5 A fé como a de uma criança no perfeito amor do Pai Celestial e de Jesus Cristo “romperá ao meio”6 as armadilhas de inadequação, imperfeição e culpa criadas por Satanás.

Provérbios ensina: “Porque, como imaginou no seu coração, assim é ele”.7 Quero sugerir — além da oração constante, estudo das escrituras e freqüência à Igreja e ao templo — cinco mudanças em seus pensamentos e coração para que você sinta mais plenamente o terno amor de Deus.

Primeiro, veja-se como um filho precioso de um amoroso Pai Celestial. Nossos filhos cantam, confiantes: “Sou um filho de Deus, por Ele estou aqui”.8 As criancinhas sentem e sabem o que talvez tenhamos esquecido. Somos filhos amados do Pai Celestial, criados à “sua própria imagem”9 e temos imenso valor — tão grande que Jesus Cristo deu a vida por nós.

Deus, o Pai, é misericordioso e tem um amor infinito por nós, apesar de nossas faltas. Somente a voz de Satanás nos faz sentir sem valor. O Espírito Santo fará com que sintamos “tristeza segundo Deus”10 para o arrependimento, enchendo-nos de esperança numa mudança positiva.

Quando você se sentir sem valor, “[lembre-se] de que o valor das almas é grande à vista de Deus”.11 Abstenha-se de pensar ou dizer coisas negativas a seu próprio respeito. Há uma nítida diferença entre humildade e humilhação. Identifique e use seus talentos especiais, em vez de pensar somente nas suas fraquezas.

Segundo, coloque seus fardos sobre Jesus Cristo. Quando se sentir sobrecarregado com as expectativas e desafios, não trave a batalha sozinho. Siga o exemplo das criancinhas e ajoelhe-se em oração.

Jesus Cristo nos ordenou: “Buscai-me em cada pensamento; não duvideis, não temais”.12 A dúvida, o temor e a preocupação indicam que tomamos sobre nós todos os fardos e ansiedades da vida. Quando você se sentir atormentado por sentimentos de inadequação, diga com confiança: “Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece”.13 Depois, se fizermos “alegremente todas as coisas que estiverem a nosso alcance”,14 teremos a certeza de que o Senhor fará o restante e de que tudo dará certo.

O Salvador prometeu: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei”.15 Se você “[lançar] o [seu] cuidado sobre o Senhor”,16 sentirá a paz proporcionada pelo Espírito.17

Terceiro, perdoe-se de pecados e imperfeições. O Pai Celestial não espera que você se torne completamente perfeito nesta vida. Ele sabia que Seus filhos cometeriam erros quando estivessem aprendendo por experiência própria na mortalidade. Mas “Deus amou o mundo de tal maneira”18 que proveu em Seu plano de felicidade um Salvador misericordioso.

Jesus disse: “Eu, o Senhor, perdoarei a quem desejo perdoar, mas de vós é exigido que perdoeis a todos os homens”.19 Comece por você mesmo, e perdoe aos outros também. Se Deus não Se lembrará dos pecados dos quais nos arrependemos,20 então por que deveríamos lembrar-nos deles? Evite perder tempo e energia revivendo o passado.

Para perdoar-se a si mesmo e aos outros, você precisa confiar na Expiação de Jesus Cristo. O profeta Zenoque orou: “Estás irado, ó Senhor, contra este povo, porque não compreende a misericórdia que lhe concedeste por causa de teu Filho”.21 Nosso Pai Celestial fica triste quando limitamos o poder do sacrifício expiatório de Seu Filho. Se você exercer fé em Jesus Cristo, sua culpa pode ser “apagada”.22 Se a culpa permanecer depois do arrependimento sincero, creia em seus líderes do sacerdócio quando eles o declararem digno.23

Quarto, manter a esperança na vida eterna. Se você imagina que seus pecados, falhas de caráter e decisões erradas do passado o impedem de receber todas as bênçãos, pense no que aconteceu com Alma, o pai. Falando de sua juventude como sacerdote imoral do iníquo rei Noé, Alma admitiu: “Eu mesmo caí numa armadilha e fiz muitas coisas abomináveis aos olhos do Senhor, o que me causou penoso arrependimento”.24 Mas o arrependimento de Alma foi tão completo, e a Expiação de Cristo tão infinita, que Alma se tornou profeta e recebeu a promessa de vida eterna.25 Se você fizer o melhor que puder para ser obediente e arrepender-se, também poderá receber um lugar no reino celestial por intermédio da Expiação e graça de Jesus Cristo.26

Quinto, sinta alegria a cada dia. Uma fonte de alegria é o serviço, porque quando você está atarefado ajudando as pessoas, terá menos capacidade de atormentar-se com suas próprias falhas. O Salvador ensinou sabiamente: “Porque qualquer que quiser salvar a sua vida, perdê- la-á, mas, qualquer que perder a sua vida por amor de mim e do evangelho, esse a salvará”.27

Você sentirá maior alegria em sua vida quando eliminar o pessimismo de adulto e substituí-lo pelo otimismo infantil. O otimismo é uma virtude que nos permite ver a mão amorosa de Deus em cada detalhe de nossa vida. Um hino favorito aconselha: “Conta as muitas bênçãos (…) e verás surpreso quanto Deus já fez”.28

Presto testemunho do Pai Celestial que, com grande e maravilhoso amor, estende a mão a cada um de Seus filhos. Presto testemunho de Jesus Cristo, que é “poderoso para salvar-nos”29 de nossas inadequações, imperfeições e pecados. Presto testemunho do Espírito Santo, que acompanhará a alma imperfeita, porém penitente. Para vocês, santos fiéis e dignos, que se debatem com as armadilhas modernas do diabo,30 digo: “Permita Deus que vossas cargas sejam leves pela alegria em seu Filho”.31 No sagrado nome de Jesus Cristo. Amém.

Exibir ReferênciasOcultar Referências
    1. 1ª Regra de Fé.

    2. Alma 34:23; ver também Atos 13:10; Mosias 4:14; Morôni 9:6.

    3. Ver Mateus 24:24; ver também Joseph Smith —- Mateus 1:22, 37.

    4. Alma 10:17.

    5. D&C 138:3.

    6. Helamã 3:29.

    7. Provérbios 23:7.

    8. “Sou um Filho de Deus”, Hinos, n.o 193.

    9. Gênesis 1:27; ver também Alma 22:12; Éter 3:15–16; D&C 20:17–18; Moisés 6:8–10; Abraão 4:26–27.

    10. II Coríntios 7:10.

    11. D&C 18:10.

    12. D&C 6:36; ver também Isaías 41:10; Mateus 10:31; Lucas 8:50; D&C 50:41; 122:9.

    13. Filipenses 4:13; ver também II Coríntios 12:7–10; Hebreus 11:33–34; 1 Néfi 7:12; 17:3; Jacó 4:7; Alma 26:12; Éter 12:27.

    14. D&C 123:17.

    15. Mateus 11:28.

    16. Salmos 55:22.

    17. Ver Gálatas 5:22; ver também D&C 19:23.

    18. João 3:16.

    19. D&C 64:10.

    20. Ver D&C 58:42; ver também Salmos 25:7; Isaías 43:25; Jeremias 31:34; Hebreus 8:12; 10:17; Alma 36:19.

    21. Alma 33:16.

    22. Ver Enos 1:3–8; ver também Alma 24:10; 36:16–19.

    23. Ver Marvin J. Ashton, “On Being Worthy”, Ensign, maio de 1989, pp. 20–22.

    24. Mosias 23:9.

    25. Ver Mosias 26:20.

    26. Ver Tito 3:7; I Pedro 5:10; 2 Néfi 2:6–8; 10:24–25; 25:23; Enos 1:27; Morôni 7:41; D&C 138:14.

    27. Marcos 8:35; ver também Alma 36:24–25.

    28. “Conta as Bênçãos”, Hinos, n.o 57.

    29. Ver 2 Néfi 31:19; ver também Isaías 63:1; Alma 7:14; 34:18; D&C 133:47.

    30. Ver II Timóteo 2:26.

    31. Alma 33:23.