O Presente

Lance B. Wickman

Of the First Quorum of the Seventy


Contanto que tenhamos vivido o Presente de maneira a fazermos jus à graça purificadora da Expiação, viveremos eternamente com Deus.
 

Três semanas atrás, fiz uma incursão pelo Passado. Naquele momento, redescobri o Presente. E é sobre o Presente que desejo falar hoje.

Uma designação da Igreja me levou das vastas áreas do Pacífico ao Vietnã. Para mim, foi mais do que a mera travessia aérea de um oceano: foi uma viagem no tempo. Há mais de 40 anos eu servira nos campos de batalha daquele país como oficial de infantaria. Lembranças desse local ficaram profundamente gravadas na minha mente, bem como a de seu povo e dos companheiros de guerra com quem lutara. Jacó escreveu certa vez: “Nossa vida (…) passou como se fosse um sonho” (Jacó 7:26). Foi exatamente assim comigo. E agora eu estava voltando das minhas lembranças para aquele lugar, depois de quase meio século. Ao terminar minhas atribuições da Igreja, decidi visitar de novo aqueles campos onde haviam sido travadas terríveis batalhas. Acompanhado pela minha querida esposa, comecei a peregrinação.

Nem sabia o que esperar depois de tantos anos. E o que vi foi de fato surpreendente. Em vez de um povo destruído pela guerra, achei uma população jovial e vibrante. Em vez de uma zona rural devastada pelo fogo de artilharia, deparei-me com campos serenos e verdejantes. Até a selva parecia ter renascido. Creio que, de certa forma, eu esperava defrontar-me com o Passado, mas o que achei foi o Presente — e a promessa de um Futuro brilhante. Lembrei que “(…) O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã” (Salmos 30:5).

Ao andar de novo no campo e numa trilha da floresta, voltei a ouvir mentalmente o matraquear de metralhadoras, o silvo de estilhaços e o barulho de armas menores. Tornei a ver o rosto bronzeado de jovens amigos que, como prova de devoção, fizeram o sacrifício supremo. E pensei num deles, em um dia em particular — um único dia — 3 de abril de 1966. Era Domingo de Ramos — época de Páscoa. Já faz quase 42 anos, e quase nesta mesma época.

Nosso batalhão de infantaria chegara ao Vietnã vários meses antes. Eu era tenente, líder de um pelotão de infantaria. Estávamos envolvidos quase constantemente em operações de combate. Amanhecera e nosso batalhão estava bem no meio do território inimigo. Logo no início da manhã, mandei uma patrulha de reconhecimento de cerca de 10 homens. Um deles era o Sargento Arthur Morris. Nessa missão, muitos homens foram atingidos por tiros, inclusive o Sargento Morris que sofrera um ferimento leve. Por fim, os integrantes da patrulha voltaram mancando até onde estávamos.

Mandamos uma mensagem pelo rádio pedindo um helicóptero. Ao encaminhar os feridos ao helicóptero, disse ao Sargento Morris que também entrasse. Ele ficou hesitante. Mais uma vez, disse-lhe que embarcasse. Novamente se mostrou reticente. Insisti com ele, mas ele tornou a recusar. Por fim, dei uma ordem: “Sargento Morris, entre no helicóptero”. Lançou-me um olhar suplicante, como que implorando: “Por favor, senhor” e pronunciou estas palavras que jamais esquecerei: “Eles não conseguirão matar um sujeito durão como eu”.

A cena inteira ficou gravada na minha mente como um quadro de batalha: a clareira na floresta, o barulho palpitante e ensurdecedor da hélice, o piloto a olhar-me impaciente e meu amigo insistindo para ficar com seus companheiros. Acabei cedendo e fiz sinal para o helicóptero partir, levando consigo a esperança de Futuro. Antes do pôr-do-sol daquele mesmo dia, meu caro amigo, o Sargento Arthur Cyrus Morris, caiu morto, atingido por fogo inimigo. E na minha mente continua a ecoar sem cessar sua exclamação: “Eles não conseguirão matar, não conseguirão matar, não conseguirão matar…”

É claro que, de certa forma, ele estava terrivelmente enganado. A mortalidade é extremamente frágil. Somente um batimento cardíaco ou um suspiro separa este mundo do próximo. Num instante, meu amigo era uma pessoa cheia de vida e energia; no outro, seu espírito imortal partira, deixando o tabernáculo mortal como uma massa de argila inerte. A morte é um umbral que todos atravessarão. Assim como o Sargento Arthur Morris, nenhum de nós sabe quando esse momento chegará. De todos os desafios que enfrentamos, talvez o maior seja a sensação errônea de que a mortalidade dura para sempre e a impressão que disso decorre: a de podermos adiar o momento de pedir e oferecer o perdão, que é, conforme ensina o evangelho de Jesus Cristo, um dos principais propósitos da mortalidade.

Esta profunda verdade é ensinada por Amuleque no Livro de Mórmon:

“Pois eis que esta vida é o tempo para os homens prepararem-se para encontrar Deus; sim, eis que o dia desta vida é o dia para os homens executarem os seus labores. (…) [Portanto], que não deixeis o dia do arrependimento para o fim; (…) porque o mesmo espírito que possuir vosso corpo quando deixardes esta vida, esse mesmo espírito terá poder para possuir vosso corpo naquele mundo eterno” (Alma 34:32–34; grifo do autor).

Que expressão forte Amuleque usa: o “dia desta vida!” O apóstolo Tiago expressa essa idéia da seguinte forma: “Digo-vos que não sabeis o que acontecerá amanhã. Porque, que é a vossa vida? É um vapor que aparece por um pouco, e depois se desvanece” (Tiago 4:14). E a pessoa que somos quando partimos desta vida é a pessoa que seremos quando ingressarmos na próxima. Devemos ser gratos por termos o Presente.

Apesar de terrivelmente equivocado, de certa forma o Sargento Morris também estava certo! Somos de fato imortais, na medida em que a Expiação de Cristo vence a morte, tanto física quanto espiritual. E contanto que tenhamos vivido o Presente de maneira a fazermos jus à graça purificadora da Expiação, viveremos eternamente com Deus. Esta vida não é um período para apenas possuirmos e acumularmos, mas sobretudo para doarmos e nos aperfeiçoarmos. A mortalidade é o campo de batalha no qual se confrontam a justiça e a misericórdia. Mas elas não precisam se contrapor, pois se reconciliam na Expiação de Jesus Cristo para todos os que fizerem uso sábio do Presente.

Compete-nos assim tanto pedir quanto oferecer esse perdão, a fim de nos arrependermos e sermos caridosos com o próximo, o que nos permite passar pela porta que o Salvador mantém aberta e que constitui o limiar desta vida para a exaltação. O Presente é o dia de perdoarmos as “ofensas” alheias, com o conhecimento seguro de que assim o Senhor perdoará as nossas. Lucas declarou de modo significativo: “Sede, pois, misericordiosos” (ver Lucas 6:36; grifo do autor). Talvez a perfeição nos escape nesta vida, mas podemos ser misericordiosos. E no fim, o arrependimento e o perdão estão entre as principais exigências de Deus para nós.

Ao fim da minha viagem pelo tempo, olhei os campos serenos do Presente e vi em sua fertilidade a promessa do Futuro. Pensei no meu amigo, o Sargento Arthur Cyrus Morris. Pensei naquele longínquo e fatídico Domingo de Ramos. E senti profunda gratidão pelo Redentor da manhã de Páscoa que nos concede a vida, Aquele que, ao descer abaixo de todas as coisas nos permite erguer-nos acima de todas as coisas — no Futuro. . . mas isso apenas se fizermos bom uso do Presente. Em nome de Jesus Cristo. Amém.