O Magnífico Sacerdócio Aarônico

David L. Beck

Presidente Geral dos Rapazes


David L. Beck
Há um sentimento de urgência para que cumpram seu dever para com Deus. Tenho confiança de que o farão.

Sinto-me honrado esta noite em falar aos extraordinários rapazes da Igreja. Tenho sido abençoado por conhecer muitos de vocês no mundo todo. Seu entusiasmo é contagiante.

Vocês enfrentam seus desafios com uma força e uma coragem extraordinárias. Expresso meu amor e a confiança que tenho em vocês.

Vocês inspiram as pessoas ao seu redor mais do que podem imaginar. Ouçam as palavras de um rapaz que não é da Igreja, tentando descrever seu amigo que é portador do Sacerdócio Aarônico: “Percebo algo diferente no Luis. (…) Esse rapaz não se parece em nada (…) com as outras pessoas. É algo que dá para ver nele. (…) Eu nem sei o que é, mas ele é diferente de todos os outros. É só algo que dá para sentir; não é algo (…) que se possa enxergar. Dá apenas para sentir”.

Existe algo muito importante que distingue o Luis e vocês de outros rapazes. Vocês receberam o Sacerdócio Aarônico. É um dom sagrado, e muitos não entendem plenamente o seu valor. Esta noite vou ajudá-los a ver como podem descobrir por si mesmos a magnificência do Sacerdócio Aarônico.

I. Deus Confia em Vocês

Ao conceder-lhes Seu santo sacerdócio, Deus mostra grande confiança em vocês. Ele sabe que pode confiar que usarão o sacerdócio para servir ao próximo, assim como confiou em outros rapazes para participarem de Seu mais importante trabalho.

Por exemplo, o mundo não teria o testemunho vigoroso de Jesus Cristo prestado pelo Livro de Mórmon se não fosse por dois rapazes em quem Deus confiava. Mórmon, o profeta que compilou esse registro sagrado, tinha só dez anos de idade quando foi incumbido de observar e depois registrar a história de seu povo. Com quinze anos, ele foi “visitado pelo Senhor e [provou] e [conheceu] a bondade de Jesus” (Mórmon 1:15).

O Livro de Mórmon foi traduzido e publicado por Joseph Smith, que foi chamado para seu grandioso trabalho com quatorze anos, quando foi visitado pelo Pai Celestial e por Jesus Cristo.

O Presidente Thomas S. Monson disse: “Grandes coisas os aguardam. (…) Como um chamado de trombeta a palavra do Senhor vem a todos nós, portadores do sacerdócio: ‘Portanto agora todo homem aprenda seu dever e a agir no ofício para o qual for designado com toda diligência’” (“Convite à Coragem”, A Liahona, maio de 2004, pp. 54, 57).

II. O Novo Programa Dever para com Deus

Para ajudá-los a responder a esse urgente chamado, a Igreja está apresentando um novo programa Dever para com Deus, conforme anunciado pelo Presidente Henry B. Eyring mais cedo hoje. Estou entusiasmado com esse programa. O material será enviado para seu bispo ou presidente de ramo a partir de junho. Vocês devem começar a usá-lo assim que o receberem.

Como diácono, mestre e sacerdote, vocês participarão de atividades que vão ajudá-los a obter força espiritual e a aprender e cumprir seus deveres do sacerdócio. Cada atividade tem o seguinte padrão:

Primeiro vocês aprendem a respeito de um princípio do evangelho ou um dever do sacerdócio. Descobrem o que o Pai Celestial quer que vocês façam e se esforçam para ganhar um testemunho de por que isso é importante.

Em seguida, vocês fazem planos para agir naquilo que aprenderam. Vocês são incentivados a fazer planos com base em suas próprias necessidades, circunstâncias e oportunidades de servir ao próximo. Essa é uma oportunidade maravilhosa de assumir a responsabilidade por seu próprio crescimento e desenvolver autossuficiência espiritual.

Depois, vocês compartilham com outras pessoas o que aprendem e vivenciam. Ao fazê-lo, fortalecerão seu testemunho e edificarão a fé daqueles que os cercam. Vocês aumentarão sua capacidade de falar sobre o evangelho com outras pessoas.

Sou grato a um rapaz que compartilhou comigo a seguinte experiência: ele e outro portador do Sacerdócio Aarônico foram incumbidos de administrar o sacramento para um homem muito doente que não podia sair de casa. Chegaram à casa e não se deram conta de que o tratamento médico impedia o homem de ingerir qualquer alimento, até mesmo um pedaço de pão do sacramento. Depois de abençoarem o pão, o rapaz ofereceu o sacramento ao homem debilitado. Ele pegou um pedaço do pão abençoado, esperou um momento e segurou-o contra os lábios. Quando viu aquele irmão fiel expressar sua reverência pelo sacramento, o rapaz disse que era como se estivesse vendo o homem beijar os pés do Salvador. Pôde perceber que o homem O amava.

Naquele dia, o significado do sacramento causou no rapaz uma impressão inolvidável. Vocês terão experiências sagradas, assim como aquele rapaz teve.

Seus pais, os líderes e membros do quórum têm um importante papel no programa Dever para com Deus. Suas reuniões dominicais do quórum proporcionarão oportunidades regulares de aprender, agir e compartilhar. O novo programa Dever para com Deus os guiará em sua jornada ao cumprirem seu dever para com Deus e descobrirem a magnificência do Sacerdócio Aarônico.

III. Cumprir Seu Dever para com Deus

Durante o ano passado, fiz uma turnê que mudou para sempre o modo como vejo vocês e o Sacerdócio Aarônico. Estou entusiasmado para que vocês descubram por si mesmos o que eu descobri. Vocês aprenderão por que o Sacerdócio Aarônico é tão importante em sua vida e como ele é vital para a Igreja. Entenderão por que ele é chamado de uma das “grandes categorias” do sacerdócio (ver D&C 107:6). Entenderão melhor o significado das chaves do sacerdócio, do ministério de anjos e do evangelho preparatório (ver D&C 13; 84:26).

Satanás quer que pensem que são muito jovens ou que são bem poucos em número para fazer coisas significativas com o Sacerdócio Aarônico. Nada disso é verdade.

As palavras de Deus ditas a Moisés aplicam-se a vocês hoje: “E eis que tu és meu filho; (…) e tenho uma obra para ti” (Moisés 1:4, 6).

Ele deu a vocês o Seu poder para fazer coisas grandiosas. Ao cumprirem seu dever para com Deus, vocês fortalecerão e abençoarão sua família. Esse é o seu maior dever no sacerdócio. Ouçam o que disse uma mãe ao descrever a influência que o filho tem sobre a família: “Léo é o portador do sacerdócio em nosso lar, o que é uma bênção enorme. Ele é um bom exemplo para seus irmãos e irmãs; (…) certifica-se de que façam sempre suas orações e distribui o sacramento aos domingos. Seu irmãozinho o observa. Ele ajuda (…) na oração familiar. Sei que ele continuará a ser uma bênção quando ficar mais velho. Poderá batizar seu irmão mais jovem. Tudo isso é uma grande ajuda e uma dádiva para nós”.

Ao cumprir seu dever para com Deus, vocês estenderão os braços para seus amigos não membros e ajudarão a prepará-los para se unirem à Igreja. Como um verdadeiro irmão, vocês cuidarão deles e os fortalecerão, e irão à frente para resgatar outros rapazes que se desviaram do caminho.

Ao cumprir seu dever para com Deus, vocês serão uma força para o bem o tempo todo e em todas as circunstâncias. Seu exemplo de retidão e serviço fiel no sacerdócio será uma vigorosa maneira de convidar a todos os que os conhecem a virem a Cristo.

Na época mais atribulada que atravessaram, os nefitas dependiam da liderança e inspiração de um rapaz, Mórmon (ver Mórmon 2:1–2). Hoje, dependemos de vocês para serem uma grande força para a Igreja e para o bem na Terra. É isso o que o Senhor espera.

IV. Tornar-se um Fiel Portador do Sacerdócio

Testifico que sentirão seu coração mudar ao se tornarem fiéis portadores do sacerdócio. Procurarão estar completamente limpos e administrar o sacramento dignamente. Tratarão todas as moças com bondade e respeito, honrarão seus pais e evitarão ofender o Espírito naquilo que pensam, dizem ou fazem. Chegarão a conhecer o Senhor, a Quem servem, e se esforçarão sempre para ser como Ele.

Testifico que seu serviço fiel no Sacerdócio Aarônico mudará a vida daqueles a quem servem. Existem pessoas que precisam de seu serviço no sacerdócio. Sua família precisa de vocês, seu quórum precisa de vocês e a Igreja precisa de vocês. O mundo precisa de vocês.

Há um sentimento de urgência para que cumpram seu dever para com Deus. Tenho confiança de que o farão.

Em uma fria manhã, há algumas semanas, eu estava correndo ao longo do Rio Tejo em Lisboa, Portugal. Deparei-me com um monumento dedicado aos exploradores portugueses de séculos atrás. Parei quando o sol surgiu e fez brilhar sua cálida luz sobre o imponente monumento e sobre mim. Senti-me inspirado ao ver o rosto determinado daqueles exploradores que contemplavam o mar. Aqueles homens tiveram a disposição de fazer coisas que poucos haviam feito. Saíram de um mundo conhecido e confortável e corajosamente se lançaram ao oceano desconhecido e descobriram novas terras. Eles mudaram o mundo.

Quando penso naquele monumento aos corajosos exploradores, vejo vocês. Vejo-os em sua jornada pessoal, que poucos no mundo de hoje decidem percorrer. Vejo-os cumprindo seu dever para com Deus.

Oro para que todos possamos compreender o magnífico Sacerdócio Aarônico e confio, assim como Deus confia, naqueles que o portam. Em nome de Jesus Cristo. Amém.