Pular para a Navegação Principal
Outubro 2010 | Firmes e Inamovíveis

Firmes e Inamovíveis

Outubro 2010 Conferência Geral

Se formos fiéis e perseverarmos até o fim, receberemos todas as bênçãos do Pai Celestial, sim, a vida eterna e a exaltação.

Sinto-me grata pela oportunidade de fazer parte desta reunião de mulheres fiéis do mundo inteiro. Conheci milhares de vocês em muitos países diferentes. Sua fidelidade e devoção me fortaleceram. Seu exemplo de bondade e de dedicação ao evangelho é inspirador. Seus discretos atos de serviço abnegado e suas palavras de testemunho e convicção me tornaram humilde.

Faço a cada uma de vocês hoje as mesmas perguntas que fiz a muitas de vocês em nossas conversas.

  1. O que a ajuda a ser firme e inamovível ao enfrentar os desafios que põem sua fé à prova?

  2. O que a sustém em meio às provações e adversidades?

  3. O que a ajuda a perseverar e a tornar-se uma verdadeira discípula de Cristo?

Algumas das respostas que vocês me deram incluem o seguinte:

  1. Seu conhecimento de que o Pai Celestial as ama e Se importa com vocês;

  2. Sua esperança de que, graças ao sacrifício expiatório de Jesus Cristo, todas as bênçãos prometidas aos fiéis serão cumpridas.

  3. Seu conhecimento do plano de redenção.

Meu discurso de hoje desenvolverá essas declarações provenientes de seu coração.

Em Romanos 8:16 lemos: “O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus”. A primeira vez que me lembro de ter sentido com toda a certeza que o Pai Celestial me conhecia, me amava e Se importava comigo foi quando entrei nas águas do batismo, aos quinze anos de idade. Antes disso, eu sabia que Deus existia e que Jesus Cristo era o Salvador do mundo. Acreditava Neles e Os amava, mas nunca senti Seu amor e Sua preocupação para comigo, individualmente, até aquele dia, quando me regozijei na oportunidade de fazer os convênios batismais.

Dei-me conta do imenso milagre que tinha sido o fato de eu ter sido encontrada e ensinada pelos missionários, especialmente por haver somente uns poucos missionários em meio a dois milhões de pessoas! Soube então que o Pai Celestial me conhecia e me amava de modo tão especial a ponto de guiar os missionários até a minha casa.

Sei, hoje, que Deus é um Deus de amor. Isso é verdade porque somos Seus filhos e Ele deseja que todos nós tenhamos alegria e felicidade eternas. Sua obra e Sua glória é que tenhamos imortalidade e vida eterna.1 É por isso que Ele providenciou um plano eterno de felicidade para nós. Nosso propósito na vida é alcançar nossa própria vida eterna e exaltação, e ajudar outros a fazerem o mesmo. Ele criou esta Terra para que recebêssemos um corpo físico e fôssemos provados em nossa fé. Ele deu-nos o precioso dom do arbítrio, por meio do qual podemos escolher o caminho que leva à felicidade eterna. O plano de redenção do Pai Celestial é para nós. É para todos os Seus filhos.

“E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou.

E Deus os abençoou, e Deus lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos, e enchei a terra”. 2

“E ele deu-lhes mandamentos de que adorassem ao Senhor seu Deus (…).E Adão foi obediente aos mandamentos do Senhor.”3

Adão e Eva tiveram filhos, e o plano continuou a ser levado a efeito.

Sinto-me grata por saber que todas nós temos um papel vital e essencial como filhas de Deus. Ele concedeu atributos divinos a Suas filhas com o propósito de levar Seu trabalho adiante. Deus confiou às mulheres o trabalho sagrado de gerar e criar filhos. Nenhum outro trabalho é mais importante. É um chamado sagrado. O mais nobre ofício para uma mulher é o trabalho sagrado de edificar uma família eterna, de preferência ao lado do marido.

Sei que algumas de nossas irmãs não receberam as bênçãos do casamento ou de filhos. Quero assegurar-lhes de que, no devido tempo, vocês receberão todas as bênçãos prometidas aos fiéis. Vocês precisam “prosseguir com firmeza em Cristo, tendo um perfeito esplendor de esperança” e perseverar até o fim, para ter vida eterna. 4 Do ponto de vista eterno, a falta das bênçãos “não [durará] mais que um momento”. 5

Além disso, vocês não precisam estar casadas para cumprir os mandamentos e para beneficiar familiares, amigos e conhecidos. Seus dons, talentos, aptidões, habilidades e força espiritual são extremamente necessários para a edificação do reino. O Senhor confia em sua disposição de cumprir esses deveres essenciais.

O Senhor disse:

“Eu não me esquecerei de ti.

Eis que nas palmas das minhas mãos eu te gravei; os teus muros estão continuamente diante de mim”.6

O Senhor ama vocês! Ele conhece suas esperanças e suas decepções. Não Se esquece de vocês, porque suas dores e seus sofrimentos estão continuamente diante Dele.

A maior expressão do amor de Deus por nós foi Sua disposição de enviar Seu Filho amado, Jesus Cristo, para expiar nossos pecados e ser nosso Salvador e Redentor.

Lemos em João 3:16: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”.

O Salvador diz: “Como o Pai me amou, também eu vos amei a vós”.7

A disposição de Jesus Cristo de ser o cordeiro do sacrifício foi uma expressão de Seu amor pelo Pai e de Seu infinito amor por todos nós, individualmente.

Isaías descreveu o sofrimento do Salvador:

“Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si. (…)

Ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniquidades;(…) e pelas suas pisaduras fomos sarados”.8

O próprio Senhor declarou: “Pois eis que eu, Deus, sofri essas coisas por todos, para que não precisem sofrer caso se arrependam”.9

Ele rompeu as cadeias da morte, permitindo que toda a humanidade seja ressuscitada. Deu-nos a dádiva da imortalidade.

Jesus Cristo tomou sobre Si nossos pecados, sofreu e morreu para satisfazer as exigências da justiça, de modo que não precisemos sofrer, se nos arrependermos.

Demonstramos aceitar Jesus Cristo como nosso Salvador quando depositamos fé Nele, arrependemo-nos de nossos pecados e recebemos as ordenanças de salvação exigidas para entrar na presença de Deus. Essas ordenanças de salvação são símbolos dos convênios que fazemos. Os convênios de obediência a Suas leis e a Seus mandamentos nos unem a Deus e nos fortalecem a fé. Nossa fé e firmeza em Cristo nos dão a coragem e a confiança de que necessitamos para enfrentar os desafios da vida, que fazem parte de nossa vida mortal.

Logo depois que meu marido foi chamado para presidir a Missão Paraguai Assunção, em 1992, assistimos a uma conferência de ramo em uma comunidade isolada do Chaco Paraguaio.10 Viajamos quatro horas por uma estrada pavimentada e mais sete horas por uma estrada mais rústica, sem pavimentação. Os perigos e desconfortos da longa viagem foram logo esquecidos assim que fomos recebidos pelos alegres e hospitaleiros membros de Mistolar.

Julio Yegros era o jovem presidente do ramo. Ele e a mulher, Margarita, eram uma das poucas famílias que haviam sido seladas no templo. Pedi-lhes que contassem como havia sido sua viagem ao templo.

Naquela época, o templo mais próximo ficava em Buenos Aires, na Argentina. A viagem até lá exigia 27 horas — só de ida — para chegar ao templo, e eles foram com seus dois filhos pequenos. Isso aconteceu no meio de um inverno muito frio, mas com muito sacrifício conseguiram chegar ao templo e foram selados como família eterna. No caminho de volta, os dois bebês ficaram muito doentes e morreram. Eles os enterraram pelo caminho e voltaram para casa de mãos vazias. Estavam tristes e solitários, mas surpreendentemente se sentiam consolados e em paz. Contaram o seguinte sobre o ocorrido: “Nossos filhos foram selados a nós na casa do Senhor. Sabemos que os teremos de volta conosco para toda a eternidade. Esse conhecimento nos trouxe paz e consolo. Temos de permanecer dignos e fiéis aos convênios que fizemos no templo, e assim vamos reunir-nos a eles”.

Como aumentar nossa fé e esperança de modo a torná-las semelhantes às daqueles fiéis membros do Paraguai?

Como fortalecer nossa crença nas declarações que ouvimos repetidas vezes de tantos de vocês, de que acreditam no amor que Deus tem por vocês, confiam que receberão Suas bênçãos e compreendem o plano de redenção por intermédio do Salvador Jesus Cristo e o papel importante que desempenham em Seu plano?

Vou sugerir quatro coisas que me ajudaram: A oração, o estudo das escrituras, a obediência e o serviço.

Oração

A oração é o ato de comunicar-nos com o Pai Celestial. Quando oramos, reconhecemos nossa fé Nele e em Seu poder de abençoar-nos.

Lemos em Alma 37:37:“Aconselha-te com o Senhor em tudo o que fizeres e ele dirigir-te-á para o bem; sim, quando te deitares à noite, repousa no Senhor, para que ele possa velar por ti em teu sono; e quando te levantares pela manhã, tem o teu coração cheio de agradecimento a Deus; e se fizeres essas coisas, serás elevado no último dia”.

Estudar as Escrituras

O conhecimento e a compreensão do plano do Pai Celestial ajudam-nos a saber quem somos e em quem devemos nos tornar.

O Senhor nos ordenou: “Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam”.11

Há uma grande necessidade de que todas as mulheres estudem as escrituras. À medida que conhecermos melhor as verdades contidas nas escrituras, poderemos aplicá-las em nossa vida e ter maior capacidade de cumprir os propósitos de Deus. A oração pessoal diária e o estudo diário das escrituras também propiciam a influência e o poder do Espírito Santo em nossa vida.

Obediência

O Senhor diz: “Se me amais, guardai os meus mandamentos”.12 Nossa fiel obediência vai ajudar-nos a desenvolver os atributos de Deus e mudar nosso coração.

Somos aconselhados, em Doutrina e Convênios:

“Apega-te aos convênios que fizeste. (…)

Guarda meus mandamentos continuamente e receberás uma coroa de retidão”.13

Nosso compromisso de viver o evangelho promove nossa fé e esperança em Jesus Cristo.

Serviço

Temos muitas oportunidades de servir ao Senhor. Foi pedido a toda irmã que busque e ajude os pobres e necessitados ao seu redor. Os “pobres e os necessitados” incluem aqueles com necessidades espirituais e emocionais. Cada uma de nós também recebeu o encargo de “salvar nossos mortos”, o que pode ser feito pelo trabalho de história da família e do templo. Recebemos o mandamento de compartilhar o evangelho com as pessoas, e há muitas maneiras de participar do trabalho missionário. Todas essas coisas são meios pelos quais podemos servir ao Senhor. Nosso Pai Celestial espera que as fortes fortaleçam as fracas, e nossa própria fé será fortalecida ao fortalecermos Seus filhos e cuidarmos Deles.

Sei que o Pai Celestial ama cada um de Seus filhos de modo perfeito, individual e constante. Sei que, como mulheres, nós desempenhamos um papel essencial no plano de felicidade. O máximo de nosso empenho é tudo o que Ele exige de nós, e todas somos necessárias na edificação do reino. A Expiação é real. Jesus Cristo é nosso Salvador e Redentor. Testifico-lhes que, se formos fiéis e perseverarmos até o fim, receberemos todas as bênçãos do Pai Celestial, sim, a vida eterna e a exaltação. Em nome de Jesus Cristo. Amém.

Exibir ReferênciasOcultar Referências
    1. Ver Moisés 1:39.

    2. Gênesis 1:27–28.

    3. Moisés 5:5

    4. 2 Néfi 31:20.

    5. Doutrina e Convênios 121:7.

    6. Isaías 49:15–16.

    7. João 15:9.

    8. Isaías 53:4–5.

    9. Doutrina e Convênios 19:16.

    10. A área semi-árida e parcamente habitada do oeste paraguaio.

    11. João 5:39.

    12. João 14:15.

    13. Doutrina e Convênios 25:13, 15.