Esperar no Senhor: Seja Feita a Tua Vontade

Robert D. Hales

Do Quórum dos Doze Apóstolos


O propósito de nossa vida na Terra é crescer, desenvolver e fortalecer-nos por meio de nossas próprias experiências.

Nesta manhã do Dia do Senhor, damos graças pela realidade viva do Salvador e prestamos testemunho dela. Seu evangelho foi restaurado por meio do Profeta Joseph Smith. O Livro de Mórmon é verdadeiro. Somos guiados por um profeta vivo hoje, o Presidente Thomas S. Monson. Acima de tudo, prestamos solene testemunho da Expiação de Jesus Cristo e das eternas bênçãos dela advindas.

Nos últimos meses, tive a oportunidade de estudar e aprender mais sobre o sacrifício expiatório do Salvador e sobre como Ele Se preparou para fazer essa oferta eterna para cada um de nós.

Sua preparação começou na vida pré-mortal, quando Se apresentou a Seu Pai, dizendo: “Faça-se a tua vontade e seja tua a glória para sempre”.1 A partir daquele momento e até hoje, Ele exerce Seu arbítrio para aceitar e levar a efeito o plano de nosso Pai Celestial. As escrituras ensinam que durante Sua juventude, Ele “[tratou] dos negócios de [Seu] Pai” 2 e “esperava no Senhor pela vinda do tempo de seu ministério”.3 Aos 30 anos, sofreu duras tentações, mas decidiu resistir, dizendo: “Vai-te para trás de mim, Satanás”.4 No Getsêmani, confiou em Seu Pai, declarando: “Todavia não se faça a minha vontade, mas a tua” 5, e depois exerceu Seu arbítrio para sofrer por nossos pecados. Ao longo da humilhação de um julgamento público e da agonia da crucificação, Ele esperou em Seu Pai, disposto a ser “ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniquidades”.6 Mesmo quando clamou: “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?”7 Ele esperou em Seu Pai exercendo Seu arbítrio para Perdoar Seus inimigos8, providenciar o cuidado necessário a Sua mãe9, e suportar até o fim, até que Sua vida e missão mortais estivessem concluídas.10

Tenho ponderado muitas vezes por que o Filho de Deus e Seus santos profetas e todos os santos fiéis têm dificuldades e tribulações, mesmo quando procuram fazer a vontade do Pai Celestial? Por que é tão difícil, especialmente para eles?

Penso em Joseph Smith, que suportou uma doença quando menino e enfrentou perseguição ao longo de sua vida. Tal como o Salvador, ele clamou: “Ó Deus, onde estás?”11 No entanto, mesmo quando estava aparentemente sozinho, exerceu seu arbítrio para esperar no Senhor e fazer a vontade de Seu Pai Celestial.

Penso em nossos antepassados pioneiros, ao serem expulsos de Nauvoo e ao cruzarem as planícies, exercendo seu arbítrio para seguir um profeta, mesmo passando por doenças, privações e alguns até pela morte. Por que tão terrível tribulação? Para quê? Com que finalidade?

Ao fazermos essas perguntas, percebemos que o propósito de nossa vida na Terra é crescer, desenvolver e fortalecer-nos por meio de nossas próprias experiências. Como fazemos isso? As escrituras nos dão uma resposta em uma frase simples: “[esperamos] no Senhor”. 12 Todos temos testes e provações. Esses desafios mortais permitem que nós e nosso Pai Celestial vejamos se vamos exercer nosso arbítrio para seguir Seu Filho. Ele já sabe, e nós temos a oportunidade de aprender que, não importa quão difíceis sejam as nossas circunstâncias, “todas essas coisas [nos] servirão de experiência e serão para o [nosso] bem”.13

Será que isso significa que sempre compreenderemos nossos desafios? Acaso não teremos, todos nós, em algum momento, motivos para perguntar: “Ó Deus, onde estás?”14 Sim! Quando o cônjuge morre, o companheiro questiona. Quando surgem dificuldades financeiras em uma família, o pai se pergunta. Quando os filhos se desviam do caminho, a mãe e o pai clamam angustiados. Sim, “o choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã”.15 Então, nessa alvorada, com nossa fé e compreensão aumentadas, erguemo-nos e decidimos esperar no Senhor, dizendo: “Seja feita a tua vontade”.16

O que, então, significa esperar no Senhor? Nas escrituras, a palavra esperar significa ter esperança, aguardar e confiar. A esperança e a confiança no Senhor exigem fé, paciência, humildade, mansidão, longanimidade, obediência aos mandamentos e perseverança até o fim.

Esperar no Senhor significa plantar a semente da fé e nutri-la “com grande esforço e com paciência”.17

Significa orar como o fez o Salvador — a Deus, nosso Pai Celestial — dizendo “Venha o teu reino. Seja feita a tua vontade”.18 É uma oração de todo o coração, em nome do nosso Salvador, Jesus Cristo.

Esperar no Senhor significa ponderar no coração e “[receber] o Espírito Santo” para que possamos saber “todas as coisas que [devemos] fazer”.19

À medida que seguimos os sussurros do Espírito, descobrimos que “a tribulação produz a paciência” 20 e aprendemos a “[continuar] pacientemente até que [sejamos] aperfeiçoados”.21

Esperar no Senhor significa “[permanecer] firmes na fé” 22, “tendo um perfeito esplendor de esperança”.23

Significa “[confiar] somente nos méritos de Cristo” 24 e “[dizer], com o auxílio de [Sua] graça: Seja feita a tua vontade, ó Senhor, e não a nossa”.25

Ao esperar no Senhor, somos “inabaláveis na obediência aos mandamentos” 26, sabendo que “um dia [descansaremos] de todas as [nossas] aflições”.27

E “não [rejeitamos] (…) a [nossa] confiança” 28 de que “todas as coisas que [nos] tiverem afligido reverterão para o [nosso] bem”.29

As aflições virão de todas as formas e tamanhos. O que aconteceu com Jó nos lembra do que podemos vir a ter que suportar. Jó perdeu todas as suas posses, inclusive sua terra, sua casa e seus animais, seus familiares, sua reputação, sua saúde física e até seu bem-estar mental. Mesmo assim, esperou no Senhor e prestou um vigoroso testemunho pessoal: Ele disse:

“Porque eu sei que o meu Redentor vive, e que por fim se levantará sobre a terra:

E depois de consumida a minha pele, contudo ainda em minha carne verei a Deus”.30

“Ainda que ele me mate, nele esperarei.”31

Mesmo com o magnífico exemplo de Jó, dos profetas e do Salvador, ainda assim achamos difícil esperar no Senhor, especialmente quando não podemos compreender plenamente Seu plano e propósito para nós. Essa compreensão em geral é dada “linha sobre linha [e] preceito sobre preceito”.32

Na minha vida, aprendi que, às vezes, não recebo resposta a uma oração porque o Senhor sabe que não estou pronto. Quando Ele responde, muitas vezes é só “um pouco aqui e um pouco ali” 33, porque isso é tudo o que posso suportar ou tudo o que estou disposto a fazer.

Muitas vezes, oramos para ter paciência, mas queremos isso agora mesmo! Quando jovem, o Presidente David O. McKay orou por um testemunho da veracidade do evangelho. Muitos anos depois, quando estava em missão na Escócia, o testemunho finalmente chegou. Mais tarde, ele escreveu: “Foi uma confirmação para mim de que a oração sincera é respondida ‘em seu devido tempo e lugar’”.34

Talvez não saibamos quando ou como as respostas do Senhor serão dadas, mas no Seu tempo e a Seu modo. Testifico que as respostas virão. Para algumas respostas, talvez tenhamos de esperar até a vida futura. Isso se aplica a algumas promessas de nossa bênção patriarcal e a certas bênçãos para nossos familiares. Não desistamos do Senhor. Suas bênçãos são eternas e não temporárias.

Quando esperamos no Senhor, temos a inestimável oportunidade de descobrir que há muitos que esperam por nós. Nossos filhos esperam que lhes mostremos paciência, amor e compreensão. Nossos pais esperam que mostremos gratidão e compaixão. Nossos irmãos e irmãs esperam que sejamos tolerantes, misericordiosos e dispostos a perdoar. Nosso cônjuge espera que o amemos como o Salvador amou cada um de nós.

Ao suportarmos sofrimento físico, ficamos cada vez mais cientes do quanto as pessoas esperam de cada um de nós. Por todas as Marias e Martas, por todos os bons samaritanos que ministram aos enfermos, socorrem os fracos e cuidam dos que estão mental e fisicamente enfraquecidos, sinto a gratidão de um Pai Celestial amoroso e de Seu Filho Amado. Em nosso ministério cristão diário, vocês esperam no Senhor e fazem a vontade de seu Pai Celestial. A promessa Dele para vocês é bem clara: “Quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes”.35 Ele conhece seus sacrifícios e seus sofrimentos. Ele ouve suas orações. A paz e descanso [do Pai Celestial] serão seus, se continuarem a esperar Nele com fé.

Cada um de nós é mais amado pelo Senhor do que podemos compreender ou imaginar. Sejamos, portanto, mais bondosos uns com os outros e para com nós mesmos. Lembremo-nos de que, ao esperar no Senhor, cada um de nós está-se tornando um “santo [pela Sua] expiação (…) submisso, manso, humilde, paciente, cheio de amor, disposto a submeter-se a tudo quanto o Senhor achar que [nos] deva infligir, assim como uma criança se submete a seu pai”.36

Essa foi a submissão de nosso Salvador ao Pai, no Jardim do Getsêmani. Ele implorou a Seus discípulos: “Velai comigo”; mas, por três vezes, Ele voltou até onde estavam e os encontrou com os olhos pesados de sono.37 Sem a companhia daqueles discípulos e, por fim, sem a presença de Seu Pai, o Salvador escolheu sofrer nossas “dores e aflições e tentações de toda espécie”.38 Tendo um anjo sido enviado para fortalecê-Lo,39 Ele “não recuou de beber a taça amarga”.40 Ele esperou em Seu Pai, dizendo: “Faça-se a tua vontade” 41 e humildemente, pisou o lagar sozinho.42 Como um de Seus Doze Apóstolos, nestes últimos dias, oro para que sejamos fortalecidos para vigiar com Ele e esperar Nele em todos os nossos dias.

Nesta manhã do Dia do Senhor, expresso gratidão por não estarmos sozinhos nem no meu Getsêmani43 nem no de vocês. Ele, que zela por nós, “não tosquenejará nem dormirá”.44 Seus anjos, aqui na Terra e além do véu, estão “ao [nosso] redor para [nos] suster”.45 Presto meu especial testemunho de que a promessa de nosso Salvador é verdadeira, pois Ele diz: “Os que esperam no Senhor renovarão as forças, subirão com asas como águias; correrão, e não se cansarão; caminharão, e não se fatigarão”.46 Que esperemos Nele, prosseguindo firmemente com fé, para podermos dizer em nossas orações: “Faça-se a tua vontade”,47 e retornar a Ele com honra. No sagrado nome de nosso Salvador e Redentor, sim, Jesus Cristo. Amém.

Exibir Referências

  1.  

    1.  Moisés 4:2.

  2.  

    2.  Lucas 2:49.

  3.  

    3. Tradução de Joseph Smith, Mateus 3:24 ; Seleções da Tradução de Joseph Smith da Bíblia em Inglês.

  4.  

    4.  Lucas 4:8.

  5.  

    5.  Lucas 22:42.

  6.  

    6.  Isaías 53:5; Mosias 14:5.

  7.  

    7.  Mateus 27:46; Marcos 15:34.

  8.  

    8. Ver Lucas 23:34.

  9.  

    9. Ver João19:27.

  10.  

    10. Ver João19:30.

  11.  

    11.  Doutrina e Convênios 121:1.

  12.  

    12.  Salmos 37:9; 123:2; Isaías 8:17; 40:31; 2 Néfi 18:17.

  13.  

    13.  Doutrina e Convênios 122:7.

  14.  

    14.  Doutrina e Convênios 121:1.

  15.  

    15.  Salmos 30:5.

  16.  

    16.  Mateus 6:10; 3 Néfi 13:10; ver também Mateus 26:39.

  17.  

    17.  Alma 32:41.

  18.  

    18.  Mateus 6:10; Lucas 11:2.

  19.  

    19.  2 Néfi 32:5.

  20.  

    20.  Romanos 5:3.

  21.  

    21.  Doutrina e Convênios 67:13.

  22.  

    22.  Alma 45:17.

  23.  

    23.  2 Néfi 31:20.

  24.  

    24.  Morôni 6:4.

  25.  

    25.  Doutrina e Convênios 109:44.

  26.  

    26.  Alma 1:25.

  27.  

    27.  Alma 34:41.

  28.  

    28.  Hebreus 10:35.

  29.  

    29.  Doutrina e Convênios 98:3.

  30.  

    30.  Jó 19:25–26.

  31.  

    31.  Jó 13:15.

  32.  

    32.  2 Néfi 28:30.

  33.  

    33.  2 Néfi 28:30.

  34.  

    34.  Ensinamentos dos Presidentes da Igreja: David O. McKay, 2003, p. xviii.

  35.  

    35.  Mateus 25:40.

  36.  

    36.  Mosias 3:19.

  37.  

    37.  Mateus 26:38; ver também versículos 39–45.

  38.  

    38.  Alma 7:11.

  39.  

    39. Ver Lucas 22:43.

  40.  

    40. “Lembrando a Morte de Jesus,” Hinos, nº 111; ver também 3 Néfi 11:11; Doutrina e Convênios 19:18–19.

  41.  

    41.  Mateus 26:42.

  42.  

    42. Ver Doutrina e Convênios 76:107; 88:106; 133:50.

  43.  

    43. “Onde Encontrar a Paz?” Hinos, nº 73.

  44.  

    44.  Salmos 121:4.

  45.  

    45.  Doutrina e Convênios 84:88.

  46.  

    46.  Isaías 40:31.

  47.  

    47.  Mateus 26:42.