Ao Encerrarmos Esta Conferência

Presidente Thomas S. Monson


Peço que ponderem as verdades que ouviram, e que elas os ajudem a tornarem-se ainda melhores do que eram quando a conferência começou.

Sinto o coração pleno ao chegarmos ao final desta gloriosa conferência. Fomos ricamente abençoados ao ouvir o conselho e os testemunhos daqueles que nos falaram. Acho que concordam comigo que sentimos o Espírito do Senhor, e que nosso coração foi tocado e nosso testemunho foi fortalecido.

Novamente desfrutamos a bela música que aprimorou e enriqueceu cada sessão da conferência. Expresso minha gratidão a todos os que compartilharam conosco seus talentos.

Meus sinceros agradecimentos a cada um dos oradores e aos que fizeram as orações em cada uma das sessões.

Há inúmeras pessoas que exercem funções de apoio ou que desempenham cargos menos visíveis a cada conferência. Não nos seria possível realizar estas sessões sem a ajuda delas. Agradeço a todas elas também.

Sei que me acompanharão ao expressar profunda gratidão aos irmãos e às irmãs que foram desobrigados nesta conferência. Teremos saudades deles. Sua contribuição para a obra do Senhor foi imensa e será sentida por muitas gerações ainda por vir.

Também apoiamos, com a mão erguida, os irmãos e as irmãs que foram chamados a um novo cargo nesta conferência. Damos-lhes as boas-vindas e queremos que saibam que ansiamos em servir com eles na causa do Mestre. Foram chamados por inspiração do alto.

Tivemos uma cobertura sem precedentes nesta conferência, que se estendeu por continentes e oceanos para pessoas do mundo inteiro. Embora estejamos bem distantes de muitos de vocês, sentimos seu espírito e sua dedicação, e lhes enviamos nosso amor e gratidão, onde quer que estejam.

Quão abençoados somos, meus irmãos e irmãs, por ter o evangelho restaurado de Jesus Cristo em nossa vida e em nosso coração. Ele nos proporciona respostas para as grandes dúvidas da vida. Dá significado, propósito e esperança a nossa vida.

Vivemos em tempos conturbados. Asseguro-lhes que nosso Pai Celestial está ciente dos desafios que enfrentamos. Ele ama cada um de nós e deseja abençoar-nos e ajudar-nos. Roguemos a Ele em oração, como nos admoestou, dizendo: “Ora sempre e derramarei meu Espírito sobre ti e grande será tua bênção—sim, até maior do que se obtivesses tesouros da Terra e corruptibilidade na mesma medida”.1

Meus amados irmãos e irmãs, que nosso lar seja pleno de amor e bondade e do Espírito do Senhor. Amem sua família. Se houver discórdias ou contendas entre vocês, peço que as resolvam — agora. O Salvador disse:

“Não haverá disputas entre vós. (…)

Pois em verdade, em verdade vos digo que aquele que tem o espírito de discórdia não é meu, mas é do diabo, que é o pai da discórdia e leva a cólera ao coração dos homens, para contenderem uns com os outros.

[Mas] eis que esta não é minha doutrina, (…); esta, porém, é minha doutrina: que estas coisas devem cessar”.2

Como seu humilde servo, reitero as palavras do rei Benjamim em seu discurso a seu povo, quando ele disse:

“Não ordenei que (…) pensásseis que eu, por mim mesmo, seja mais que um homem mortal.

Mas sou como vós mesmos, sujeito a toda sorte de enfermidades do corpo e da mente; contudo fui escolhido (…) [pela] mão do Senhor (…) e fui guardado e preservado por seu incomparável poder para servir-vos com todo o poder, mente e força que o Senhor me concedeu”.3

Meus amados irmãos e irmãs, desejo de todo o coração fazer a vontade de Deus e servir a Ele e a vocês.

Ao deixarmos esta conferência, invoco as bênçãos do céu sobre cada um de vocês. Que vocês que estão longe de casa retornem para lá em segurança. Peço que ponderem as verdades que ouviram, e que elas os ajudem a tornarem-se ainda melhores do que eram quando a conferência começou, há dois dias.

Até que voltemos a nos reunir, daqui a seis meses, rogo que as bênçãos do Senhor estejam sobre vocês e, de fato, sobre todos nós, e faço isso em Seu santo nome, sim, Jesus Cristo, nosso Senhor e Salvador. Amém.