Pensem nas Bênçãos

Presidente Thomas S. Monson


Nosso Pai Celestial está ciente de nossas necessidades e Ele vai nos auxiliar se O invocarmos pedindo ajuda.

Meus amados irmãos e irmãs, esta conferência marca os 49 anos desde que fui apoiado, em 4 de outubro de 1963, como membro do Quórum dos Doze Apóstolos. Quarenta e nove anos é um longo tempo. Em muitos aspectos, porém, parece ter sido bem curto o tempo que se passou desde que subi ao púlpito do Tabernáculo e fiz meu primeiro discurso de conferência geral.

Muita coisa mudou desde 4 de outubro de 1963. Vivemos numa época inigualável da história do mundo. Somos abençoados com muitas coisas. No entanto, às vezes é difícil ver os problemas e a permissividade a nosso redor e não nos sentirmos desencorajados. Descobri que, em vez de nos concentrarmos no que é negativo, se olharmos para trás e ponderarmos as bênçãos que temos na vida, inclusive as aparentemente pequenas e muitas vezes despercebidas, poderemos encontrar uma felicidade maior.

Ao analisar os últimos 49 anos, fiz algumas descobertas. Uma delas é a de que inúmeras experiências pessoais que tive não foram necessariamente as que alguém consideraria extraordinárias. Na verdade, na época em que ocorreram, com frequência pareceram de pouca importância ou até comuns. Mas em retrospectiva, elas enriqueceram e abençoaram vidas — e não menos a minha própria. Eu recomendaria o mesmo exercício a vocês — ou seja, que façam um inventário de sua vida e procurem especificamente as bênçãos, grandes e pequenas, que receberam.

Vi ser constantemente reforçado em minha própria análise dos anos o meu conhecimento de que nossas orações são ouvidas e respondidas. Conhecemos bem a verdade que se encontra em 2 Néfi, no Livro de Mórmon: “Os homens existem para que tenham alegria”.1 Testifico que muito dessa alegria vem quando reconhecemos que podemos nos comunicar com nosso Pai Celestial por meio de oração, e que essas orações serão ouvidas e respondidas — talvez não como e quando esperamos, mas elas serão respondidas por um Pai Celestial que nos conhece e nos ama perfeitamente, e que deseja nossa felicidade. Acaso não nos prometeu: “Sê humilde; e o Senhor teu Deus te conduzirá pela mão e dará resposta a tuas orações”?2

Nos próximos minutos que tenho, gostaria de compartilhar com vocês uma pequena amostra das experiências pessoais que tive, nas quais orações foram ouvidas e respondidas, e as quais lembro terem proporcionado bênçãos em minha vida e na vida de outras pessoas. Meu diário, que mantenho ao longo de todos estes anos, ajudou-me a recordar alguns detalhes específicos que, de outra forma, provavelmente eu não poderia relatar.

No início de 1965, fui designado a assistir a conferências de estaca e a realizar outras reuniões na área do sul do Pacífico. Aquela foi minha primeira visita naquela parte do mundo e ficou sendo uma ocasião inesquecível. Muitas coisas de natureza espiritual ocorreram durante aquela designação, ao reunir-me com líderes, membros e missionários.

No fim de semana de 20 e 21 de fevereiro, sábado e domingo, estávamos em Brisbane, Austrália, para realizar as sessões normais de conferência da Estaca Brisbane. Nas reuniões do sábado, fui apresentado ao presidente do distrito de uma área adjacente. Ao apertar sua mão, tive a forte impressão de que precisava conversar com ele e aconselhá-lo, por isso perguntei se ele poderia me acompanhar na sessão da manhã de domingo, no dia seguinte, para que isso pudesse ser feito.

Depois da sessão do domingo, tivemos a oportunidade de nos reunir. Conversamos sobre suas muitas responsabilidades como presidente de distrito. Ao fazê-lo, senti-me inspirado a dar-lhe algumas sugestões específicas a respeito da obra missionária e de como ele e seus membros poderiam ajudar os missionários de tempo integral em seu trabalho em sua área. Mais tarde, fiquei sabendo que aquele homem estivera orando para receber orientação a esse respeito. Para ele, nossa conversa foi um testemunho especial de que suas orações tinham sido ouvidas e respondidas. Aparentemente nada houve de extraordinário naquela entrevista, mas estou convencido de que ela foi guiada pelo Espírito e fez uma diferença na vida e no trabalho daquele presidente de distrito, na vida de seus membros e no sucesso dos missionários ali.

Meus irmãos e irmãs, os propósitos do Senhor com frequência são cumpridos quando damos ouvidos à orientação do Espírito. Creio que quanto mais colocarmos em prática a inspiração e as impressões que recebemos, mais o Senhor nos confiará coisas para fazer em Seu nome.

Aprendi, como mencionei em mensagens anteriores, a jamais adiar a resposta a uma inspiração. Em certa ocasião, há muitos anos, eu estava nadando no velho Ginásio Deseret, em Salt Lake City, quando senti a inspiração de ir ao Hospital Universitário visitar um bom amigo meu que havia perdido a capacidade de usar as pernas devido a um câncer e à cirurgia subsequente. Saí imediatamente da piscina, vesti-me e logo me pus a caminho para ver aquele bom homem.

Quando cheguei a seu quarto, vi que não havia ninguém ali. Ao perguntar, fiquei sabendo que provavelmente o encontraria na piscina do hospital, que era usada para fisioterapia. E realmente o encontrei ali. Ele tinha ido até lá em sua cadeira de rodas e era a única pessoa no local. Estava do outro lado da piscina, perto da parte funda. Eu o chamei, e ele manobrou sua cadeira de rodas para vir me cumprimentar. Tivemos uma conversa agradável, e eu o acompanhei de volta até seu quarto de hospital e lhe dei uma bênção.

Mais tarde, fiquei sabendo pelo meu amigo que ele estava extremamente desanimado naquele dia e pensara em tirar a própria vida. Tinha orado pedindo alívio, mas começara a sentir que suas orações não eram respondidas. Foi até a piscina com a intenção de acabar com seu sofrimento — jogando-se com sua cadeira de rodas na parte funda da piscina. Eu cheguei em um momento crítico, em resposta ao que sei ter sido uma inspiração do alto.

Meu amigo ainda viveu muitos anos — anos repletos de felicidade e de gratidão. Como fico feliz por ter sido um instrumento nas mãos do Senhor naquele dia crítico à beira da piscina!

Em outra ocasião, quando minha mulher e eu voltávamos para casa de carro, depois de ter visitado uns amigos, tive a impressão de que deveríamos passar pela cidade — um desvio de muitos quilômetros — para visitar uma viúva idosa que já morara em nossa ala. O nome dela era Zella Thomas. Na época, ela morava em um asilo para idosos. No início daquela tarde, nós a encontramos muito debilitada, porém deitada serenamente em seu leito.

Havia muito que Zella estava cega, mas ela reconheceu imediatamente nossa voz. Perguntou se eu poderia dar-lhe uma bênção, acrescentando que estava preparada para morrer, caso o Senhor a quisesse de volta ao lar. Havia um doce e sereno espírito naquele quarto, e todos sentimos que o tempo que lhe restava na mortalidade seria breve. Zella pegou em minha mão e disse que havia orado fervorosamente para que eu fosse vê-la e para que lhe desse uma bênção. Eu lhe disse que tinha ido vê-la por causa de uma inspiração direta de nosso Pai Celestial. Beijei-a na testa, sabendo que talvez não a veria de novo na mortalidade. E foi o que aconteceu, porque ela faleceu no dia seguinte. O fato de eu ter podido prover algum consolo e alguma paz para nossa querida Zella foi uma bênção para ela e para mim.

A oportunidade de ser uma bênção na vida de outra pessoa, em geral, chega de modo inesperado. Numa noite extremamente fria de sábado, no inverno de 1983–1984, minha mulher e eu percorremos vários quilômetros de carro até o vale das montanhas de Midway, Utah, onde temos uma casa. A temperatura naquela noite chegara a menos 31 graus centígrados, e queríamos ter certeza de que tudo estava bem em nossa casa ali. Verificamos e descobrimos que tudo estava bem, por isso partimos de volta para Salt Lake City. Mal tínhamos percorrido alguns quilômetros até a rodovia, quando nosso carro parou de funcionar. Estávamos completamente encalhados. Raramente ou nunca passamos tanto frio quanto naquela noite.

Relutantemente, começamos a caminhar até a cidade mais próxima, com os carros passando a toda velocidade por nós. Por fim, um carro parou, e um rapaz se ofereceu para nos ajudar. Acabamos descobrindo que o diesel de nosso tanque havia congelado com o frio, impossibilitando-nos de dirigir o carro. Aquele bondoso rapaz nos levou de volta a nossa casa em Midway. Tentei reembolsá-lo pelo serviço prestado, mas ele delicadamente se recusou a receber o dinheiro. Disse que era escoteiro e queria fazer uma boa ação. Eu disse para ele quem eu era, e ele expressou sua gratidão pelo privilégio de ter podido ajudar. Presumindo que estivesse na idade de ser missionário, perguntei se tinha planos de servir uma missão. Ele disse que não tinha certeza do que queria fazer.

Na segunda-feira seguinte, escrevi uma carta àquele rapaz e agradeci a ele por sua bondade. Na carta, eu o incentivei a servir uma missão de tempo integral. Anexei um exemplar de um de meus livros e sublinhei os capítulos sobre o serviço missionário.

Mais ou menos uma semana depois, a mãe do rapaz me telefonou e me informou que seu filho era um rapaz extraordinário, mas que devido a certas influências em sua vida, o desejo que sempre tivera de servir uma missão havia diminuído. Ela disse que ela e o pai dele haviam jejuado e orado para que seu coração mudasse. Colocaram o nome dele na lista de orações do Templo de Provo. Esperavam que, de alguma forma, de algum modo, seu coração fosse tocado para o bem, e que ele voltasse a ter o desejo de cumprir uma missão e servir ao Senhor fielmente. A mãe queria que eu soubesse que ela considerava os acontecimentos daquela noite fria como uma resposta a suas orações em favor dele. Eu disse: “Concordo com você”.

Após vários meses e outras comunicações com aquele rapaz, minha mulher e eu ficamos muito contentes em participar de sua despedida missionária antes de ele partir para a Missão Canadá Vancouver.

Será que foi por acaso que nossos caminhos se cruzaram naquela fria noite de dezembro? Não creio nisso nem por um momento sequer. Em vez disso, creio que nosso encontro foi a resposta à oração sincera de uma mãe e de um pai em favor do filho que eles amavam.

Repito, meus irmãos e irmãs, que nosso Pai Celestial está ciente de nossas necessidades e Ele vai nos auxiliar se O invocarmos pedindo ajuda. Não creio que nenhuma preocupação que tenhamos seja demasiadamente pequena ou insignificante. O Senhor conhece os detalhes de nossa vida.

Gostaria de concluir relatando um fato recente que afetou centenas de pessoas. Foi na celebração cultural do Templo de Kansas City, há apenas cinco meses. Como muitas coisas que ocorrem em nossa vida, na época pareceu apenas outro acontecimento em que tudo deu certo. No entanto, ao ficar sabendo das circunstâncias associadas à celebração cultural da véspera da dedicação do templo, percebi que a apresentação daquela noite não havia sido comum. Pelo contrário, tinha sido extraordinária.

Como em todos os eventos culturais realizados em conjunto com a dedicação de um templo, os jovens do Distrito do Templo de Kansas City Missouri tinham ensaiado para a apresentação em grupos separados, em suas próprias áreas. O plano era que se reunissem todos, no grande centro municipal alugado, na manhã do sábado da apresentação para que pudessem saber quando e onde deviam entrar, onde deviam se sentar, quanto espaço haveria entre cada um deles e a pessoa ao lado, como sair do piso principal, etc. — muitos detalhes que teriam de aprender rapidamente naquele dia, à medida que os encarregados juntavam as várias cenas para que a apresentação final ficasse refinada e profissional.

Havia apenas um problema importante naquele dia. Toda a produção dependia de segmentos pré-filmados que seriam mostrados no telão conhecido como Jumbotron. Esses segmentos filmados eram essenciais para toda a produção. Não apenas uniam tudo, mas cada segmento televisionado introduzia a apresentação seguinte. Os segmentos de vídeo proporcionariam a estrutura da qual dependia toda a produção. Mas o Jumbotron não estava funcionando.

Os técnicos trabalharam freneticamente para resolver o problema, enquanto os jovens, centenas deles, esperavam, perdendo um tempo precioso de ensaio. A situação começou a parecer insolúvel.

A roteirista e diretora da celebração, Susan Cooper, explicou depois: “Ao passarmos do plano A para o B, até o Z, sabíamos que não estava dando certo. (…) Ao consultarmos a programação, vimos que aquilo estava além do nosso controle, mas sabíamos que tínhamos uma das maiores forças no piso abaixo: três mil jovens. Precisávamos descer e contar [a eles] o que estava acontecendo e usar a fé que eles tinham”.3

Apenas uma hora antes de o público começar a entrar no centro, 3.000 jovens se ajoelharam e oraram juntos. Oraram para que aqueles que trabalhavam no Jumbotron fossem inspirados para saber o que fazer para consertá-lo. Pediram que o Pai Celestial compensasse o que eles próprios não podiam fazer devido ao pouco tempo que tinham.

Ela disse que escreveu o seguinte a esse respeito, mais tarde: “Foi uma oração que os jovens jamais esquecerão, não porque o piso fosse duro, mas porque o Espírito lhes derreteu os ossos”.4

Pouco depois, um dos técnicos foi dizer-lhes que o problema havia sido descoberto e corrigido. Ele atribuiu a solução do problema à sorte, mas todos aqueles jovens sabiam o que havia acontecido.

Quando entramos no centro municipal naquela noite, não tínhamos ideia das dificuldades enfrentadas naquele dia. Somente mais tarde é que ficamos sabendo delas. O que testemunhamos, porém, foi uma apresentação muito bela e refinada: uma das melhores que já vi. Os jovens irradiavam um espírito glorioso e vigoroso que foi sentido por todos os presentes. Pareciam saber exatamente por onde entrar, onde ficar e como interagir com todos os outros participantes a seu redor. Quando fiquei sabendo que seu ensaio havia sido interrompido e que muitos dos números não haviam sido ensaiados pelo grupo inteiro, fiquei admirado. Ninguém imaginaria isso. O Senhor realmente havia compensado o que lhes faltava.

Nunca cesso de admirar como o Senhor pode motivar e dirigir a extensão e a vastidão de Seu reino e ainda ter tempo para proporcionar inspiração referente a uma pessoa — ou a uma celebração cultural ou a um Jumbotron. O fato de que Ele pode e faz isso é um testemunho para mim.

Meus irmãos e irmãs, o Senhor está na vida de todos nós. Ele nos ama. Quer nos abençoar. Quer que busquemos Sua ajuda. À medida que Ele nos guia, nos dirige, ouve e responde nossas orações, encontramos aqui e agora a felicidade que Ele deseja para nós. Que estejamos cientes de Suas bênçãos em nossa vida, é minha oração em nome de Jesus Cristo, nosso Salvador. Amém.

Exibir Referências

  1.  

    1.  2 Néfi 2:25.

  2.  

    2.  Doutrina e Convênios 112:10.

  3.  

    3. Susan Cooper, Maurine Proctor, “Nothing’s Too Hard for the Lord: The Kansas City Cultural Celebration”, Meridian Magazine, 9 de maio de 2012, LDSmag.com.

  4.  

    4. Proctor, Meridian Magazine, 9 de maio de 2012.