A Alegria de Redimir os Mortos

Élder Richard G. Scott

Do Quórum dos Doze Apóstolos


“Ele [plantaria] no coração dos filhos as promessas feitas aos pais, e o coração dos filhos [voltar-se-ia] para seus pais.”

O Senhor revelou ao Profeta Joseph Smith a sublime doutrina referente à sagrada ordenança do batismo. Aquela luz veio quando as outras igrejas cristãs ensinavam que a morte determinava de modo irrevogável e eterno o destino da alma. Ensinavam que aqueles que tinham sido batizados eram recompensados com alegria sem fim, ao passo que os outros enfrentariam o tormento eterno, sem esperança de redenção.

A revelação do Senhor de que, por meio da devida autoridade do sacerdócio, o batismo podia ser realizado vicariamente pelos mortos preservava a justiça desta Sua declaração: “Aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus”.1 O batismo vicário pode misericordiosamente prover essa ordenança essencial para todos os falecidos dignos que não a receberam na mortalidade.

Essa gloriosa doutrina é outro testemunho da natureza totalmente abrangente da Expiação de Jesus Cristo. Ele colocou a salvação ao alcance de toda alma arrependida. Sua Expiação conquistou a morte, e Ele permitiu que os falecidos dignos recebessem vicariamente todas as ordenanças de salvação.

Em uma epístola, escrita há mais de 150 anos, Joseph Smith declarou: “Os santos têm o privilégio de realizar o batismo em favor de seus antepassados falecidos (…) que receberam o Evangelho no espírito (…) por meio (…) daqueles que foram comissionados a pregar a eles (…)”.2 Depois, acrescentou: “Os santos que [negligenciarem fazer isso] em prol de seus parentes falecidos, colocam em risco a sua própria salvação”.3

O profeta Elias comissionou as chaves do trabalho vicário a Joseph Smith, no Templo de Kirtland,4 para cumprir a promessa do Senhor de que “ele [plantaria] no coração dos filhos as promessas feitas aos pais, e o coração dos filhos [voltar-se-ia] para seus pais”.5

Por meio de outras revelações dadas a Joseph Smith e aos profetas subsequentes, compreendeu-se e foram tomadas providências para a realização do trabalho do templo e de história da família que o sustém. Todo profeta desde Joseph Smith salientou a necessidade premente de prover todas as ordenanças para nós mesmos e para nossos antepassados falecidos.

O trabalho do templo e de história da família é um único trabalho dividido em duas partes. Elas estão unidas entre si, tal como as ordenanças do batismo e do dom do Espírito Santo. Alguns membros talvez não sejam capazes de fazer as duas coisas, devido à saúde ou à distância para irem ao templo.

O Presidente Howard W. Hunter ensinou:

“Precisamos realizar o trabalho do sacerdócio referente às ordenanças do templo, ele é necessário para nossa própria exaltação; depois devemos fazer o trabalho necessário para aqueles que não tiveram a oportunidade de aceitar o evangelho em vida. O trabalho realizado para os outros ocorre em duas etapas: primeiro, pela pesquisa de história da família, para saber quem são nossos progenitores; e segundo, pelas ordenanças do templo, para dar-lhes as mesmas oportunidades oferecidas aos vivos.

No entanto, há muitos membros da Igreja que têm acesso limitado aos templos. Eles fazem o melhor que podem. Pesquisam a história da família e cuidam para que o trabalho de ordenanças do templo seja realizado por outros. Por outro lado, há alguns membros que se envolvem no trabalho do templo, mas não conseguem fazer a pesquisa de história da família nas linhagens de sua própria família. Embora realizem um serviço divino ao ajudar outros, eles perdem uma bênção por não buscar seus próprios parentes falecidos como foram divinamente instruídos pelos profetas dos últimos dias.

Aprendi que aqueles que se envolvem na pesquisa de história da família e, em seguida, realizam o trabalho de ordenanças do templo para aqueles cujos nomes encontraram conhecem a alegria adicional de receber as duas metades da bênção”.6

O Pai Celestial quer que cada um de nós receba as duas partes da bênção desse trabalho vicário essencial. Ele instruiu outros a nos mostrar como nos qualificar. Cabe a nós reivindicar essas bênçãos.

Todo trabalho que vocês fazem no templo é um tempo bem utilizado, mas o recebimento das ordenanças vicárias por um de seus próprios antepassados tornará o tempo despendido no templo ainda mais sagrado, e bênçãos ainda maiores serão recebidas. A Primeira Presidência declarou: “Nossa obrigação mais preeminente é a de buscar e identificar nossos próprios antepassados”.7

Será que vocês, jovens, querem um modo seguro de eliminar a influência do adversário em sua vida? Dediquem-se à pesquisa de seus antepassados, preparem o nome deles para as ordenanças vicárias que podem ser realizadas no templo, e depois vão ao templo para servir de procuradores, a fim de que eles recebam as ordenanças do batismo e do dom do Espírito Santo. Quando ficarem mais velhos, poderão participar do recebimento de outras ordenanças também. Não conheço nenhuma proteção maior contra a influência do adversário em sua vida.

Na Missão Rússia Rostov-na-Donu, os jovens foram convidados a indexar 2.000 nomes, e depois a qualificar pelo menos um nome de sua própria família para as ordenanças do templo. Os que atingiram essa meta foram convidados para uma longa viagem até o novo Templo de Kiev Ucrânia. Um rapaz contou sua experiência pessoal: “Eu passava muito tempo com jogos no computador. Quando comecei a indexar, não tive mais tempo para os jogos. A princípio, pensei: ‘Oh, não! Como pode ser!’ Mas quando esse projeto terminou, até perdi o interesse pelos jogos. O trabalho genealógico é algo que podemos fazer aqui na Terra e que tem continuidade no céu”.

Muitos santos fiéis fizeram o trabalho de pesquisa de sua linhagem familiar e estão usando o recurso de reserva do FamilySearch para realizar as ordenanças por seus próprios familiares, servindo como procuradores. A intenção da reserva de nomes é permitir um período de tempo razoável para que as pessoas realizem as ordenanças por antepassados e pessoas das linhagens colaterais. Atualmente, há aproximadamente doze milhões de nomes e milhões de ordenanças correspondentes que estão reservadas. Muitos nomes estão reservados há anos. Os antepassados que foram encontrados, sem dúvida, estão ansiosos e emocionados por seus nomes terem sido liberados para as ordenanças. No entanto, talvez não estejam muito felizes por terem de continuar a esperar que suas ordenanças sejam realizadas.

Incentivamos vocês que têm uma grande reserva de nomes que os compartilhem para que seus parentes ou membros da ala e da estaca possam ajudá-los a terminar esse trabalho. Vocês podem fazer isso distribuindo cartões do templo para membros da ala e da estaca que estejam dispostos a ajudar ou usando o sistema computadorizado FamilySearch para enviar os nomes diretamente ao templo. Essa última opção é algo que Cindy Blevins, de Casper, Wyoming, vem fazendo há anos.

A irmã Blevins foi batizada quando adolescente e é o único membro de sua família que se filiou à Igreja. Ela concluiu um imenso volume de trabalho genealógico. No entanto, havia nomes demais para que ela e seus parentes conseguissem completar. Consequentemente, a irmã Blevins enviou os nomes para o templo, os quais, segundo ela, frequentemente são completados numa questão de semanas, geralmente em um dos dois templos mais próximos de sua casa. Ela diz que gosta de pensar que amigos e vizinhos de sua própria ala e estaca estão entre aqueles que ajudaram a completar o trabalho por seus antepassados. Ela sente muita gratidão por eles terem feito isso.

Minha amada esposa, Jeanene, adorava fazer pesquisa de história da família. Quando nossos filhos eram pequenos, ela costumava pagar uma babá para ter algumas horas a cada período de poucas semanas para trabalhar na pesquisa de nossas linhagens familiares. Depois que nosso caçula saiu de casa, ela escreveu em seu diário pessoal: “Acabei de tomar uma decisão e quero proclamá-la em alta voz. O antigo quarto do Mike se tornou minha sala de trabalho de genealogia. Está bem equipado para organizar os registros e trabalhar neles. Minha vida agora vai concentrar-se na pesquisa da história da família e no envio de nomes para o templo. Estou muito entusiasmada e ansiosa para começar”.8

Outra anotação do diário diz: “Um (…) milagre me ocorreu no escritório de História da Família de Mel Olsen, que me mostrou um impresso com todas as minhas linhagens genealógicas conhecidas, extraídas da atualização dos registros computadorizados do programa Ancestral File que foram enviados para a sociedade genealógica. Em sua maioria, saíram dos registros do programa de quatro gerações que foi lançado pela Igreja, há muitos anos. Eu havia me sentido sobrecarregada ao pensar na imensa tarefa que me aguardava de coletar todos os registros de pesquisa de meus antepassados, das organizações familiares, e colocá-los no computador para a primeira distribuição computadorizada do Ancestral File. E lá estavam todos eles, lindamente organizados e impressos a laser, bem ali na mesa, diante de mim. Fiquei tão emocionada que simplesmente parei e fiquei ali aturdida, e então comecei a chorar, tamanha foi a alegria. (…) Para alguém que tinha pesquisado tão obstinada e arduamente, por 30 anos, a informatização de todos aqueles registros é realmente emocionante. E quando penso nas centenas de milhares de pessoas que agora ou em breve estarão informatizando imensos blocos de recenseamento e discos de pesquisa particular, fico muito animada. Esta é realmente a obra do Senhor, e Ele a está dirigindo”.9

Provei o suficiente dos frutos deste sublime trabalho para saber que as chaves que Elias restaurou a Joseph Smith permitem que nosso coração se volte e que cada um de nós se una àqueles nossos antepassados que esperam nossa ajuda. Por meio de nosso trabalho nos templos sagrados aqui na Terra, usando a autoridade delegada pelo Salvador, nossos progenitores recebem as ordenanças de salvação que lhes permitem desfrutar a felicidade eterna.

No passado, motivados por uma profunda convicção da santidade da obra, houve pessoas que valorosamente encararam um desafio equivalente ao de ceifar manualmente toda a colheita de cereais do Nebraska. Agora, muitas colheitadeiras poderosas estão trabalhando. Juntos podemos e iremos realizar o trabalho exigido.

Testifico que o Espírito de Elias está tocando o coração de muitos filhos do Pai no mundo inteiro, fazendo com que o trabalho pelos mortos seja acelerado a uma velocidade sem precedentes.

Mas e quanto a você? Já orou a respeito do trabalho por seus próprios antepassados? Deixe de lado aquelas coisas de sua vida que realmente não importam. Decida fazer algo que tenha consequências eternas. Talvez já tenha sido inspirado a procurar antepassados, mas sentiu que não era genealogista. Percebeu que não precisa ser? Tudo começa com amor e um desejo sincero de ajudar aqueles que estão do outro lado do véu e que não podem ajudar a si mesmos. Verifique a seu redor. Deve haver alguém onde você mora que possa ajudá-lo a ter sucesso.

Esta é uma obra espiritual, um trabalho monumental de cooperação de ambos os lados do véu, no qual a ajuda vem nas duas direções. Em qualquer lugar do mundo em que estiver, com oração, fé, determinação, diligência e algum sacrifício, você pode fazer uma vigorosa contribuição. Comece agora. Prometo que o Senhor vai ajudá-lo a encontrar um meio. E isso vai fazê-lo sentir-se maravilhosamente bem. Em nome de Jesus Cristo. Amém.

Exibir Referências

  1.  

    1.  João 3:5.

  2.  

    2.  History of the Church, vol. 4, p. 231.

  3.  

    3.  Ensinamentos dos Presidentes da Igreja: Joseph Smith, 2007, p. 497.

  4.  

    4. Ver Doutrina e Convênios 110:13–16 .

  5.  

    5.  Doutrina e Convênios 2:2; grifo do autor.

  6.  

    6. Presidente Howard W. Hunter, “Um Povo Motivado pelo Templo”, A Liahona, maio de 1995, p. 3.

  7.  

    7. Carta da Primeira Presidência, 29 de fevereiro de 2012; grifo do autor.

  8.  

    8. Diário pessoal de Jeanene Scott, abril de 1988.

  9.  

    9. Diário pessoal de Jeanene Scott, 23 de setembro de 1989.