Casamento: Observar e Aprender

Élder L. Whitney Clayton

Da Presidência dos Setenta


As promessas do Senhor se estendem a todos os que seguem um padrão de vida que edifique um relacionamento conjugal feliz e sagrado.

Certa noite, há vários anos, minha mulher e eu estávamos jantando na casa de um de nossos filhos com sua esposa e filhos. Era uma típica ocasião numa família com filhos pequenos: havia muito barulho e, diversão, mais ainda. Pouco depois do jantar, nossa neta de quatro anos, Anna, e eu estávamos à mesa. Percebendo que recebia minha total atenção, ela endireitou-se no banco e fixou os olhos em mim. Quando se assegurou de que eu olhava para ela, ordenou-me solenemente a “observar e aprender”. Então ela dançou e cantou uma canção para mim.

A instrução de Anna de “observar e aprender” era sabedoria vinda da boca de um bebê. Podemos aprender muito observando e depois ponderando o que vimos e sentimos. Nesse espírito, gostaria de compartilhar com vocês alguns princípios que constatei ao observar e aprender com casamentos maravilhosos e fiéis. Esses princípios edificam um casamento sólido e prazeroso que é compatível com os princípios celestes. Convido-os a observar e aprender comigo.

Primeiro, observei que nos casamentos mais felizes tanto o marido quanto a mulher consideram seu relacionamento uma pérola sem preço, um tesouro de infinito valor. Os dois deixam os respectivos pai e mãe e estabelecem juntos um casamento que vai prosperar pela eternidade. Compreendem que trilham um caminho ordenado por Deus. Sabem que nenhum outro relacionamento de qualquer espécie pode proporcionar tanta alegria, gerar tantas coisas boas ou produzir tamanho refinamento pessoal. Observem e aprendam: nos melhores casamentos, o marido e a mulher consideram seu casamento inestimável.

Em seguida, fé. Os casamentos eternos bem-sucedidos são edificados sobre o alicerce da fé no Senhor Jesus Cristo e na aceitação de Seus ensinamentos.1 Observei que os casais que dão ao seu casamento um valor inestimável praticam os padrões da fé: frequentam a reunião sacramental e outras reuniões toda semana, fazem noite familiar, oram e estudam as escrituras juntos e individualmente, e pagam um dízimo honesto. Sua jornada mútua é a de serem obedientes e bons. Não consideram os mandamentos como se fossem um menu no qual podem escolher apenas as ofertas que mais lhes agradam.

A fé é o alicerce de toda virtude que fortalece o casamento. O fortalecimento da fé revigora o casamento. A fé aumenta ao cumprirmos os mandamentos na mesma proporção que crescem a harmonia e a alegria de seu casamento. Portanto, o cumprimento dos mandamentos é fundamental para estabelecer um casamento eterno sólido. Observem e aprendam: a fé no Senhor Jesus Cristo é o alicerce de um casamento eterno e feliz.

Terceiro, arrependimento. Aprendi que os casamentos felizes recorrem ao dom do arrependimento. Ele é um elemento essencial em todo bom relacionamento conjugal. Os cônjuges que regularmente fazem uma honesta autoavaliação, dando prontamente os passos necessários para se arrepender e melhorar, sentem o bálsamo que cura em seu casamento. O arrependimento ajuda a restaurar e manter a harmonia e a paz.

A humildade é a essência do arrependimento. A humildade é abnegada, não egoísta. Não exige as coisas à sua maneira nem fala com superioridade moral. Em vez disso, a humildade responde com brandura2 e ouve com bondade para compreender, não para se vingar. A humildade reconhece que ninguém pode mudar o outro, mas com fé, esforço e ajuda de Deus nós podemos passar por nossa vigorosa mudança no coração.3 Ao vivenciarmos essa vigorosa mudança no coração, passamos a tratar os outros, principalmente nosso cônjuge, com mansidão.4 Humildade significa que tanto o marido quanto a mulher procuram abençoar, ajudar e inspirar um ao outro, colocando o outro em primeiro lugar em todas as decisões. Observem e aprendam: o arrependimento e a humildade edificam um casamento feliz.

Quarto, respeito. Observei que nos casamentos maravilhosos e felizes, o marido e a mulher tratam um ao outro como parceiros iguais. As práticas de todo lugar ou época em que o marido dominava a mulher ou a tratava, em qualquer aspecto, como se ela fosse uma parceira de segunda classe no casamento não são condizentes com a lei divina e devem ser substituídas por princípios e padrões corretos de comportamento.

Marido e mulher em um casamento excelente tomam decisões com unanimidade, cada um agindo como um participante pleno, com igual direito de se expressar e votar.5 Concentram-se em primeiro lugar no lar e no auxílio mútuo nas responsabilidades compartilhadas.6 O casamento deles se baseia na cooperação, e não na negociação. A hora do jantar e os momentos dedicados à família após essa refeição são o ponto central do seu dia e o objetivo de seus maiores esforços. Eles desligam os aparelhos eletrônicos e deixam de lado o entretenimento pessoal para ajudar nos deveres domésticos. Na medida do possível, leem para os filhos todas as noites e ambos participam do momento de colocar os pequeninos na cama. Recolhem-se ao leito juntos. Na medida em que seus deveres e condições permitem, marido e mulher trabalham lado a lado no mais importante trabalho que existe: o trabalho que realizamos em nosso próprio lar.

Onde há respeito, há também transparência, que é um elemento-chave de um casamento feliz. Não há segredos em relação aos assuntos relevantes nos casamentos que se baseiam no respeito mútuo e na transparência. Marido e mulher tomam todas as decisões sobre as finanças juntos, e ambos têm acesso a todas as informações.

A lealdade é uma forma de respeito. Os profetas ensinam que casais bem-sucedidos são “ferrenhamente leais” um ao outro.7 Eles mantêm seu uso da mídia social plenamente digno em todos os aspectos. Não se permitem ter experiências pessoais secretas na Internet. Compartilham livremente um com o outro as suas senhas das redes sociais. Não olham o perfil virtual de ninguém, em nenhuma circunstância, se isso puder trair a sagrada confiança do cônjuge. Jamais fazem ou dizem qualquer coisa que se aproxime da aparência de coisas impróprias, tanto virtual quanto fisicamente. Observem e aprendam: um excelente casamento é completamente respeitoso, transparente e leal.

Quinto, amor. Os casamentos mais felizes que já vi irradiam obediência a um dos mandamentos mais cheios de alegria — de que “juntos vivereis em amor”.8 Falando aos maridos, o Senhor ordenou: “Amarás tua esposa de todo o teu coração e a ela te apegarás e a nenhuma outra”.9 Um manual da Igreja ensina: “A palavra apegar significa ser completamente devotado e fiel a alguém. O marido e a mulher se apegam a Deus e um ao outro, amando-se e servindo-se mutuamente e guardando os convênios em completa fidelidade um ao outro e a Deus. (…) [Tanto o marido quanto a mulher] deixam para trás a vida de solteiro e fazem de seu casamento [sua] principal prioridade (…). Não permitem que nenhuma outra pessoa ou nenhum outro interesse tenha maior prioridade (…) do que o cumprimento dos convênios que fizeram com Deus e entre si”.10 Observem e aprendam: os casais bem-sucedidos amam um ao outro com total devoção.

Há aqueles cujo casamento não é tão feliz quanto eles gostariam, assim como há aqueles que nunca se casaram, que são divorciados, que criam os filhos sozinhos ou que por vários motivos não têm condições de casar. Essas circunstâncias podem ser cheias de desafios e tristezas, mas não precisam ser eternas. Para aqueles que se encontram nessas situações, mas que “[fazem] alegremente todas as coisas que estiverem a [seu] alcance”11 para perseverar, que o céu os abençoe ricamente. Lutem pelo paraID=eal de formar um casamento eterno, inclusive se esforçando ou se preparando para ser um cônjuge digno. Guardem os mandamentos e confiem no Senhor e em Seu perfeito amor por você. Um dia cada bênção prometida em relação ao casamento lhe será concedida.12

Um dos versículos mais doces do Livro de Mórmon declara simplesmente: “E casavam-se e davam-se em casamento e eram abençoados segundo a multidão das promessas que o Senhor lhes fizera”.13 As promessas do Senhor se estendem a todos os que seguem um padrão de vida que edifique um relacionamento conjugal feliz e sagrado. Essas bênçãos advêm como consequências deleitosas e previsíveis da fiel aplicação prática do evangelho de Jesus Cristo.

Sou grato por minha esposa maravilhosa, Kathy, que é o amor da minha vida.

O casamento é uma dádiva de Deus para nós. A qualidade de nosso casamento é uma dádiva nossa para Ele. Presto testemunho do maravilhoso plano de nosso amoroso Pai Celestial, que nos oferece um casamento eterno e maravilhoso. Em nome de Jesus Cristo. Amém.

Show References

  1.  

    1. Ver “A Família: Proclamação ao Mundo”, A Liahona, novembro de 2010, última contracapa.

  2.  

    2. Ver Provérbios 15:1.

  3.  

    3. Ver Alma 5:11–12, 26–30.

  4.  

    4. Ver Morôni 7:43–48; 8:25–26.

  5.  

    5. Ver Doutrina e Convênios 107:27–31.

  6.  

    6. Ver “A Família: Proclamação ao Mundo”.

  7.  

    7. Ver Thomas S. Monson, “O Poder do Sacerdócio”, A Liahona, maio de 2011, p. 66; Gordon B. Hinckley, A Liahona, maio de 1999, p. 4.

  8.  

    8. Doutrina e Convênios 42:45.

  9.  

    9. Doutrina e Convênios 42:22.

  10.  

    10. Manual 2: Administração da Igreja, 2010, 1.3.1.

  11.  

    11. Doutrina e Convênios 123:17.

  12.  

    12. Ver Manual 2, 1.3.3.

  13.  

    13. 4 Néfi 1:11.