Pular para a Navegação Principal
Outubro 2015 | Guarda os Mandamentos

Guarda os Mandamentos

Outubro 2015 Conferência Geral

Aquele que nos criou e que nos ama perfeitamente sabe com exatidão como precisamos viver para obter a maior felicidade possível.

Meus amados irmãos, como é bom estar novamente com vocês. Fomos inspirados nesta noite pelas palavras que ouvimos. Oro para que eu também seja guiado no que vou dizer.

Minha mensagem para vocês hoje é bem direta. Trata-se do seguinte: Guardem os mandamentos.

Os mandamentos de Deus não foram dados para nos frustrarem ou para se tornarem obstáculos à nossa felicidade. É justamente o contrário. Aquele que nos criou e que nos ama perfeitamente sabe com exatidão como precisamos viver para obter a maior felicidade possível. Ele nos deixou diretrizes que, se forem seguidas, vão nos levar em segurança ao longo da jornada mortal, que às vezes é traiçoeira. Lembrem-se da letra deste hino conhecido: “Guarda os mandamentos! Seguro estarás e em paz, sim, em paz”.1

Nosso Pai Celestial nos ama tanto a ponto de nos dizer: Não matarás, não furtarás, não adulterarás, amarás o teu próximo como a ti mesmo, e assim por diante.2 Conhecemos os mandamentos. Ele compreende que, quando guardamos os mandamentos, nossa vida é mais feliz, mais cheia de realizações e menos complicada. Nossas dificuldades e nossos problemas são mais fáceis de suportar, e receberemos Suas bênçãos prometidas. Mas, embora nos tenha dado leis e mandamentos, Ele também permite que decidamos se vamos aceitá-los ou rejeitá-los. Nossa decisão a esse respeito determina nosso destino.

Tenho certeza de que cada um de nós tem como meta suprema a vida eterna na presença de nosso Pai Celestial e de Seu Filho, Jesus Cristo. É imperativo, portanto, que por toda a vida façamos escolhas que nos conduzam a essa meta excelente. Sabemos, contudo, que o adversário está determinado a fazer-nos fracassar. Ele e suas hostes são inexoráveis em seu empenho de frustrar nossos desejos justos. Eles representam uma grave e constante ameaça à nossa salvação eterna, a menos que também sejamos inabaláveis em nossa determinação e em nosso empenho de alcançar essa meta. O Apóstolo Pedro nos advertiu: “Sede sóbrios; vigiai; porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar”.3

Embora não haja momento em nossa vida em que estejamos isentos de tentação, vocês, rapazes, estão numa idade em que podem ser particularmente vulneráveis. A adolescência geralmente é uma época de insegurança, de sentimentos de não estar à altura das expectativas, de tentativas de encontrar seu lugar em meio a seus colegas e de procurar enquadrar-se no grupo. Vocês podem ser tentados a rebaixar seus padrões e a seguir a multidão para serem aceitos por aqueles que vocês desejam ter como amigos. Por favor, sejam fortes e estejam alerta contra qualquer coisa que lhes roube as bênçãos da eternidade. As escolhas que vocês fazem aqui e agora têm importância eterna.

Lemos em 1 Coríntios: “Há (…) tantos gêneros de vozes no mundo”.4 Estamos cercados de vozes persuasivas, enganadoras, difamadoras, sofisticadas e desorientadoras. Eu poderia acrescentar que se tratam de vozes barulhentas. Admoesto vocês a baixar o volume para serem influenciados pela voz mansa e delicada que vai conduzi-los em segurança. Lembrem-se de que alguém com autoridade colocou as mãos sobre sua cabeça depois que vocês foram batizados e os confirmou um membro da Igreja, dizendo: “Recebe o Espírito Santo”.5 Abram o coração, sim, a própria alma, para o som daquela voz especial que testifica a verdade. Conforme prometeu o Profeta Isaías: “E os teus ouvidos ouvirão a palavra (…) , dizendo: Este é o caminho, andai nele”.6 Estejamos sempre em sintonia para podermos ouvir essa voz consoladora e orientadora que nos manterá em segurança.

O desprezo pelos mandamentos abriu o caminho para o que considero serem as pragas de nossa época. Elas incluem a praga da permissividade, a praga da pornografia, a praga das drogas, a praga da imoralidade e a praga do aborto, para citar apenas algumas delas. As escrituras nos dizem que o adversário é “o fundador de todas estas coisas”.7 Sabemos que ele é “o pai de todas as mentiras, para enganar e cegar os homens”.8

Rogo que se abstenham de tudo o que os prive de sua felicidade aqui na mortalidade e da vida eterna no mundo vindouro. Com suas falsidades e mentiras, o adversário vai conduzi-los para baixo numa ladeira escorregadia rumo à sua destruição, se assim o permitirem. Provavelmente vocês acabarão nessa ladeira escorregadia antes que se deem conta de que não há meio de parar. Vocês já ouviram as mensagens do adversário. Ele os convida com muita astúcia: Uma vez só não faz mal. Todo mundo está fazendo isso. Não seja antiquado, os tempos mudaram. Não vai prejudicar ninguém. A vida é sua para viver. O adversário nos conhece e sabe quais são as tentações que nos são difíceis de ignorar. É extremamente vital que exerçamos constante vigilância para nunca ceder a essas mentiras e tentações.

É preciso grande coragem para permanecermos fiéis e leais em meio às crescentes pressões e influências traiçoeiras que nos rodeiam e que distorcem a verdade, difamam o que é bom e decente e procuram substituir essas coisas pelas filosofias do mundo criadas pelos homens. Se os mandamentos tivessem sido escritos por homens, então mudá-los por causa de tendências ou por intermédio de leis ou quaisquer outros meios seria prerrogativa dos homens. Mas os mandamentos nos foram dados por Deus. Usando nosso arbítrio, podemos deixá-los de lado. Não podemos, contudo, alterá-los, da mesma forma como não podemos mudar as consequências resultantes de nossa desobediência a eles ou de sua violação.

Entendamos que nossa maior felicidade nesta vida vem quando seguimos os mandamentos de Deus e obedecemos a Suas leis! Gosto muito das palavras encontradas em Isaías, capítulo 32, versículo 17: “E o efeito da justiça será paz, e o fruto da justiça será repouso e segurança para sempre”. Essa paz, essa certeza, só pode vir por meio da retidão.

Não podemos permitir-nos nem um mínimo sequer de tolerância ao lidar com o pecado. Jamais devemos acreditar que podemos participar “só um pouquinho” na desobediência aos mandamentos de Deus, porque o pecado pode agarrar-nos com mão de ferro, da qual será excruciantemente doloroso livrar-nos. Os vícios que podem vir das drogas, das bebidas alcoólicas, da pornografia e da imoralidade são reais e quase impossíveis de vencer sem muito esforço e ajuda.

Se algum de vocês tropeçou na jornada, prometo que há um caminho de volta. O processo se chama arrependimento. Embora o caminho seja difícil, sua salvação eterna depende disso. O que poderia ser mais digno de seu empenho? Rogo que decidam agora mesmo dar os passos necessários para arrepender-se plenamente. Quanto antes fizerem isso, mais cedo poderão vivenciar a paz, a serenidade e a certeza mencionadas por Isaías.

Há pouco tempo, ouvi o testemunho de uma mulher que, com o marido, havia-se desviado do caminho seguro, quebrando os mandamentos e, nesse processo, quase destruiu sua família. Quando os dois finalmente conseguiram ver em meio à densa névoa do vício e reconhecer como sua vida havia se tornado infeliz, e também o quanto estavam magoando seus entes queridos, começaram a mudar. O processo de arrependimento foi lento e, muitas vezes, doloroso, mas, com a ajuda de líderes do sacerdócio e também de familiares e amigos leais, eles conseguiram retornar ao caminho seguro.

Vou ler para vocês uma parte do testemunho daquela irmã sobre o poder do arrependimento: “Como é que alguém deixa de ser a ovelha perdida, presa ao [pecado], e passa a sentir essa paz e felicidade que temos agora? Como isso acontece? A resposta (…) é graças a um evangelho perfeito, um Filho perfeito e Seu sacrifício por mim. (…) Onde havia trevas, agora há luz. Onde havia desespero e dor, há alegria e esperança. Fomos infinitamente abençoados pela mudança que somente pode ocorrer por meio do arrependimento que nos é possibilitado pela Expiação de Jesus Cristo.”

Nosso Salvador morreu a fim de proporcionar a todos nós essa dádiva abençoada. Embora o caminho do arrependimento não seja fácil, as promessas são reais. O Senhor disse o seguinte sobre aqueles que se arrependem:

“Ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve”.9

“E nunca mais me lembrarei [deles].”10

Ao longo de toda a nossa vida, precisamos nutrir um forte testemunho estudando as escrituras e orando e ponderando as verdades do evangelho de Jesus Cristo. Se estiver firmemente plantado, nosso testemunho do evangelho, do Salvador e de nosso Pai Celestial vai influenciar tudo o que fizermos.

Testifico que todos somos filhos amados de nosso Pai Celestial, enviados à Terra nestes dias e nesta época por um propósito, tendo recebido o sacerdócio de Deus para que possamos servir às pessoas e realizar a obra de Deus aqui na Terra. Fomos ordenados a viver de modo a permanecermos dignos de ter esse sacerdócio.

Meus irmãos, guardemos os mandamentos! Se assim o fizermos, as recompensas reservadas a nós são maravilhosas e gloriosas. Que essa seja nossa bênção, oro em nome de Jesus Cristo, nosso Salvador e nosso Redentor. Amém.

Exibir ReferênciasOcultar Referências