Pular para a Navegação Principal
Abril 2016 | “Põe Tua Confiança Naquele Espírito Que Leva a Fazer o Bem”

“Põe Tua Confiança Naquele Espírito Que Leva a Fazer o Bem”

Abril 2016 Conferência Geral

Nós nos aproximamos do Salvador quando, por meio do amor puro, servimos a outras pessoas em nome Dele.

Sinto-me grato por estar com vocês nesta noite de adoração, de reflexão e de dedicação. Nós oramos juntos. Nosso amoroso Pai Celestial nos ouviu. Lembramo-nos de nosso Salvador, o Senhor Jesus Cristo, ao sermos tocados por hinos de louvor a Ele. Fomos inspirados a fazer mais a fim de ajudar nosso Mestre em Seu trabalho para erguermos e socorrermos os filhos de nosso Pai Celestial.

Nosso desejo de servir ao próximo é magnificado por nossa gratidão por aquilo que o Salvador tem feito por nós. É por isso que nosso coração fica repleto de alegria quando ouvimos as palavras: “Eu devo partilhar, pois muito recebi”.1 O rei Benjamim, em seu maravilhoso sermão registrado no Livro de Mórmon, prometeu que esse sentimento de gratidão viria (ver Mosias 2:17–19).

Quando nossa fé em Jesus Cristo nos leva a qualificar-nos para ter a alegria de Seu perdão, sentimos o desejo de servir aos outros por Ele. O rei Benjamim ensinou que o perdão não é alcançado em um único momento.

Ele disse: “E agora, por causa das coisas que vos disse — isto é, para conservardes a remissão de vossos pecados, dia a dia, a fim de que andeis sem culpa diante de Deus — quisera que repartísseis vossos bens com os pobres, cada um de acordo com o que possui, alimentando os famintos, vestindo os nus, visitando os doentes e aliviando-lhes os sofrimentos, tanto espiritual como materialmente, conforme as carências deles” (Mosias 4:26).

O excelente companheiro de Alma, Amuleque, também ensinou a verdade de que devemos continuar a serviço Dele para retermos Seu perdão: “E agora, meus amados irmãos, eis que vos digo que não penseis que isto é tudo; porque depois de haverdes feito todas estas coisas, se negardes ajuda aos necessitados e aos nus e não visitardes os doentes e aflitos nem repartirdes o vosso sustento, se o tendes, com os que necessitam — digo-vos, se não fizerdes qualquer destas coisas, eis que vossa oração é vã e de nada vos vale e sois como os hipócritas que negam a fé” (Alma 34:28).

Pensei esta noite nas mulheres que fazem parte de minha vida. Há 31 mulheres e moças em nossa família, começando com minha esposa e progredindo até nossas três bisnetas mais novas. Algumas delas estão aqui esta noite. Cinco delas têm menos de 12 anos de idade. Esta deve ser a primeira reunião de que elas participam no Centro de Conferências com suas irmãs na Igreja do Salvador. Cada uma delas levará consigo um conjunto diferente de lembranças e assumirá seus próprios compromissos a partir desta experiência esta noite.

Há três lembranças e três compromissos que oro para que permaneçam com elas por toda a vida e na eternidade. As lembranças relacionam-se a sentimentos. E os compromissos relacionam-se a coisas a serem feitas.

O sentimento de maior importância é o amor. Vocês sentiram o amor das maravilhosas irmãs líderes que falaram hoje. E vocês sentiram, pelo Espírito, que elas amam vocês mesmo sem as conhecerem; e isso porque elas sentem o amor que o Pai Celestial e o Salvador têm por vocês. É por esse motivo que elas desejam tanto servir a vocês e fazer com que vocês recebam as bênçãos que Deus lhes deseja.

Esta noite, vocês sentiram amor por outras pessoas: por amigos, colegas de escola, vizinhos e até mesmo por alguém que acabou de entrar em sua vida, um estranho. Esse sentimento de amor é um dom de Deus. As escrituras o chamam de “caridade” e de “o puro amor de Cristo” (Morôni 7:47). Vocês sentiram esse amor esta noite e podem recebê-lo com frequência se o buscarem.

Um segundo sentimento que tiveram esta noite foi a influência do Espírito Santo. As irmãs prometeram-lhes hoje que o Espírito Santo vai guiá-las de modo a encontrarem o serviço que o Senhor deseja que prestem a outras pessoas por Ele. Vocês sentiram pelo Espírito que a promessa delas veio do Senhor e que é verdadeira.

O Senhor disse: “E agora, em verdade, em verdade eu te digo: Põe tua confiança naquele Espírito que leva a fazer o bem — sim, a agir justamente, a andar em humildade, a julgar com retidão; e esse é o meu Espírito” (D&C 11:12).

Vocês podem ter recebido essa bênção hoje à noite. Por exemplo, o nome ou o rosto de alguma pessoa necessitada pode lhes ter vindo à mente durante esta reunião. Pode ter sido apenas um pensamento de relance, mas, devido ao que ouviram hoje, vocês vão orar a respeito disso, confiando que Deus as guiará para que façam o bem que Ele deseja àquelas pessoas. E quando essas orações se tornarem um padrão em sua vida, vocês e outras pessoas se tornarão melhores.

O terceiro sentimento que tiveram esta noite é que desejam se aproximar do Salvador. Mesmo a menina mais jovem aqui vai sentir a realidade do convite do hino: “‘Vinde a mim’, Jesus falou. E seu exemplo nos deixou”.2

Portanto, com esses sentimentos, aquilo com o que devem se comprometer a fazer em primeiro lugar é ir e servir, sabendo que não estarão sozinhas. Quando vocês consolam alguém e servem a essa pessoa pelo Salvador, Ele prepara o caminho adiante de vocês. No entanto, assim como as ex-missionárias aqui presentes hoje vão lhes dizer, isso não significa que cada pessoa que encontrarem estará preparada para lhes receber, ou que cada pessoa que tentarem ajudar lhes será grata. Mas o Senhor irá adiante de vocês para preparar o caminho.

Com frequência o Presidente Thomas S. Monson tem afirmado conhecer a realidade da promessa do Senhor: “E quem vos receber, lá estarei também, pois irei adiante de vós. Estarei à vossa direita e à vossa esquerda e meu Espírito estará em vosso coração e meus anjos ao vosso redor para vos suster” (D&C 84:88).

Uma das maneiras pelas quais Ele vai adiante de vocês é preparando o coração de alguém a quem Ele pediu que servissem. Ele também vai preparar seu coração.

Vocês também descobrirão que o Senhor coloca ajudantes a seu lado: à sua direita, à sua esquerda e a seu redor. Vocês não estão sozinhas ao servirem a outras pessoas em nome Dele.

Ele fez isso por mim hoje. Ele proveu uma “nuvem de testemunhas” (Hebreus 12:1), tanto em palavras quanto em música, para combinar e multiplicar o poder daquilo que Ele desejava que eu dissesse. Eu só precisava certificar-me de que minha parte se encaixaria em Sua composição. É minha esperança e oração que vocês sintam gratidão e alegria quando o Senhor colocá-las com outras pessoas para que sirvam em nome Dele.

Ao terem essa experiência com frequência — e vocês a terão —, vão sorrir ao reconhecerem sempre que cantarem, assim como eu, que “doce é o trabalho”.3

Vocês também vão sorrir ao lembrarem-se deste versículo: “E, respondendo o Rei, lhes dirá: Em verdade vos digo que, quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes” (Mateus 25:40).

A segunda coisa que devem fazer é lembrar-se do Senhor ao servirem em nome Dele. O Senhor não apenas vai adiante de nós e envia anjos para servirem conosco, Ele também sente o consolo que oferecemos a outras pessoas como se o oferecêssemos a Ele.

Cada filha de Deus que ouvir as mensagens desta reunião e crer nelas, perguntará: “O que o Senhor deseja que eu faça para ajudá-Lo a socorrer os necessitados?” A situação de cada irmã é única. E isso é verdade para meu pequeno grupo de filhas, noras, netas e bisnetas. A elas, e a todas as filhas do Pai Celestial, repito o sábio conselho da irmã Linda K. Burton.

Ela pediu que vocês orassem com fé para saber o que o Senhor deseja que façam em suas circunstâncias. Depois ela falou da promessa do doce consolo dado pelo próprio Senhor à mulher criticada por ter-Lhe ungido a cabeça com óleo caro, que poderia ter sido vendido para ajudar os pobres.

“Deixai-a, por que a molestais? Ela fez-me uma boa ação.

Porque sempre tendes os pobres convosco, e podeis fazer-lhes o bem quando quiserdes; porém a mim nem sempre me tendes.

Esta fez o que podia; ela antecipou-se a ungir o meu corpo para a sepultura.

Em verdade vos digo que, em todas as partes do mundo onde este evangelho for pregado, também o que ela fez será contado para sua memória” (Marcos 14:6–9).

Essa pequena passagem de escritura é um conselho doce e sábio para as irmãs fiéis do reino de Deus em tempos tumultuados. Vocês vão orar para saber a quem o Pai deseja que sirvam por amor a Ele e a nosso Salvador. E vocês não vão esperar receber um monumento público, assim como o exemplo da mulher no relato de Marcos, cujo ato sagrado para honrar o Salvador do mundo é lembrado, mas não seu nome.

Minha esperança é que as irmãs de minha família façam o melhor que puderem por amor a Deus a fim de servir às pessoas em necessidade. A terceira coisa que desejo que façam é que sejam modestas a respeito de suas boas obras. Contudo, eu oro que aceitem o conselho do Senhor, quando Ele disse, e tenho certeza de que todos nós precisamos ouvi-lo:

“Guardai-vos de fazer a vossa esmola diante dos homens, para serdes vistos por eles; de outra forma, não tereis galardão junto de vosso Pai, que está nos céus”.

Em seguida, Ele disse:

“Mas, quando tu deres esmola, não saiba a tua mão esquerda o que faz a tua direita;

Para que a tua esmola seja dada em oculto; e teu Pai, que vê em oculto, te recompensará publicamente” (Mateus 6:1–4).

Minha oração para as irmãs no reino, onde quer que estejam ou qualquer que seja sua circunstância, é que sua fé no Salvador e sua gratidão pela Expiação Dele as levem a fazer tudo o que puderem para aqueles a quem Deus pedir que sirvam. Se assim elas o fizerem, prometo que prosperarão no caminho que as leva a se tornarem mulheres santas, as quais o Salvador e nosso Pai Celestial receberão calorosamente e recompensarão abertamente.

Testifico que esta é a Igreja do Jesus Cristo ressuscitado. Ele Ressuscitou. Ele pagou o preço por todos os nossos pecados. Sei que, por causa Dele, nós ressuscitaremos e poderemos ter vida eterna. O Presidente Thomas S. Monson é Seu profeta vivo. O Pai Celestial ouve e responde nossas orações. Testifico que nós nos aproximamos do Salvador quando, por meio do amor puro, servimos a outras pessoas em nome Dele. Presto-lhes esse firme testemunho em nome de Jesus Cristo. Amém.

Exibir ReferênciasOcultar Referências

    Notas

    1. “Eu Devo Partilhar”, Hinos, nº 135.

    2. “Vinde a Mim”, Hinos, nº 68.

    3. “Doce É o Trabalho”, Hinos, nº 54.