“Santificai-vos”

Jeffrey R. Holland

Of the Quorum of the Twelve Apostles


Jeffrey R. Holland
“A admoestação a todas as épocas — e principalmente à nossa — é a feita por Josué: ‘Santificai-vos, porque amanhã fará o Senhor maravilhas no meio de vós.’”

Irmãos, eu amo e reverencio o sacerdócio de Deus e sinto-me muito honrado por poder estar aqui com vocês, portadores desse sacerdócio. Minha mensagem hoje à noite é direcionada para todos nós, seja qual for nossa idade ou o número de anos de serviço, mas eu gostaria de falar especialmente aos diáconos, mestres e sacerdotes do Sacerdócio Aarônico e aos jovens élderes recém-ordenados do Sacerdócio de Melquisedeque — vocês da nova geração, vocês que precisam estar prontos para usar o sacerdócio, freqüentemente em ocasiões e maneiras inesperadas.

Nesse espírito, meu convite a vocês hoje à noite assemelha-se ao que Josué fez a uma geração passada de portadores do sacerdócio, tanto rapazes como homens de mais idade, que tinham que realizar um milagre na época deles. Àqueles que precisavam concluir a tarefa mais prodigiosa da antiga Israel — reconquistar e retomar sua antiga terra da promissão — Josué disse: “Santificai-vos, porque amanhã fará o Senhor maravilhas no meio de vós”. 1

Gostaria de contar-lhes uma história que mostra a forma rápida e inesperada pela qual os amanhãs podem chegar e, em alguns casos, como pode ser exíguo o tempo que vocês terão para uma preparação apressada e atrasada.

Numa tarde de quarta-feira, em 30 de setembro de 1998 (fez dois anos semana passada), uma equipe de futebol americano infanto-juvenil de Inkom, Idaho, estava em campo para seu treino semanal. Eles haviam terminado o aquecimento e estavam começando a simular um jogo. Nuvens escuras começaram a aglomerar-se, como costuma acontecer nesta época do ano, e começou a chuviscar, mas isso não foi motivo de preocupação para um grupo de meninos que adorava jogar futebol americano.

De repente, sem nenhum indício anterior, ouviu-se o som ensurdecedor de um trovão ao mesmo tempo em que se viu um relâmpago que iluminou e literalmente eletrificou todo o local.

Naquele mesmo instante, um jovem amigo meu, A. J. Edwards, diácono na Ala Portneuf, Estaca McCammon Idaho, estava pronto para receber a bola e marcar um ponto no treino. Mas o raio que iluminara o céu e a Terra atingiu em cheio A. J. Edwards, do alto do seu capacete de futebol americano até a sola dos sapatos.

O impacto foi sentido fortemente por todos os jogadores. Alguns foram arremessados ao chão, um jovem ficou temporariamente sem enxergar e praticamente todos saíram tontos e tremendo. Instintivamente, saíram em disparada em direção à passarela de concreto que ficava ao lado do parque. Alguns dos rapazes começaram a chorar. Muitos se ajoelharam e começaram a orar. Enquanto isso, A. J. Edwards continuava deitado inerte no campo.

O irmão David Johnson da Ala Rapid Creek, Estaca McCammon Idaho, correu para a área dos jogadores. Gritou para o treinador Rex Shaffer (que pertencia à mesma ala): “Não estou sentindo o pulso dele. Ele sofreu uma parada cardíaca”. Miraculosamente, ambos haviam recebido treinamento de primeiros socorros e iniciaram uma tentativa desesperada de realizar a ressuscitação cardiopulmonar.

Segurando a cabeça de A. J. enquanto os dois faziam os procedimentos estava o treinador assistente da equipe, Bryce Reynolds, de dezoito anos, membro da Ala Mountain View, Estaca McCammon Idaho. Ao observar o irmão Johnson e o irmão Shaffer aplicando com urgência a ressuscitação cardiopulmonar, ele recebeu uma inspiração. Estou confiante de que verdadeiramente foi uma revelação do céu. Ele lembrou-se claramente de uma bênção do sacerdócio que o bispo conferira a seu avô após um acidente igualmente trágico e com risco de vida ocorrido um ano antes. Agora, ao segurar aquele jovem diácono nos braços, ele percebeu pela primeira vez na vida que precisava usar o Sacerdócio de Melquisedeque, que acabara de receber, de modo semelhante. Como preparação para seu aniversário de dezenove anos e o chamado para a missão que logo chegaria, o jovem Bryce Reynolds fora ordenado élder 39 dias antes.

Quer tenha proferido as palavras de maneira audível ou apenas as sussurrado, o Élder Reynolds disse: “A. J. Edwards, em nome de Jesus Cristo e pelo poder e autoridade do Sacerdócio de Melquisedeque de que sou portador, abençôo-o para que fique bom. Em nome de Jesus Cristo. Amém”. Ao fim daquela bênção curta, porém fervorosa, proferida na linguagem de um rapaz de dezoito anos, A. J. Edwards voltou a respirar.

As inúmeras orações, milagres e outras bênçãos do sacerdócio de toda a experiência — incluindo a viagem apressada para Pocatello numa ambulância e o vôo de helicóptero, quando A. J. já estava desenganado, para o Centro de Queimaduras da Universidade de Utah

— a família Edwards poderá relatar tudo isso em outra oportunidade. Hoje, basta-nos dizer que A. J. Edwards, saudável e forte, está aqui assistindo à conferência como meu convidado especial. Eu também falei por telefone com o élder Bryce Reynolds, que está servindo fielmente na Missão Dallas Texas há um ano e cinco meses. Eu gosto muito desses dois rapazes excepcionais.

Mas saibam, meus jovens amigos tanto do Sacerdócio Aarônico como do de Melquisedeque, que nem todas as orações são respondidas de modo tão imediato e que nem todas as declarações dos portadores do sacerdócio têm o poder de devolver ou prolongar a vida. Às vezes, a vontade do Senhor é outra, mas vocês que são jovens aprenderão, caso ainda não tenham aprendido, que em momentos assustadores e mesmo ameaçadores, sua fé e seu sacerdócio exigirão o melhor de vocês e o melhor que vocês puderem invocar dos céus. Vocês, jovens portadores do Sacerdócio Aarônico, não exercerão o sacerdócio exatamente da mesma forma que um élder ordenado exerce o Sacerdócio de Melquisedeque, mas todos os portadores do sacerdócio devem ser instrumentos nas mãos de Deus e, para que isso seja possível, vocês devem seguir a admoestação de Josué: “Santificai-vos”. Precisam estar prontos e dignos para agir.

É por isso que o Senhor disse tantas vezes nas escrituras: “Purificai-vos, vós que levais os vasos do Senhor”. 2 Deixem-me explicar o que significa “levar os vasos do Senhor”. Na antigüidade, havia pelo menos dois significados, ambos relacionados ao trabalho do sacerdócio.

O primeiro refere-se à retomada e devolução à Jerusalém de vários objetos do templo que haviam sido levados para a Babilônia pelo rei Nabucodonosor. Por ocasião do transporte desses objetos, o Senhor lembrou àqueles irmãos do passado a respeito da santidade de tudo o que se relacionasse ao templo. Portanto, ao levarem de volta para sua terra natal esses vários vasos, bacias, taças e demais objetos, eles próprios precisavam ser tão puros quanto os instrumentos cerimoniais que carregavam. 3

O segundo significado está vinculado ao primeiro. Vasos e utensílios semelhantes eram utilizados para a purificação ritual do lar. O Apóstolo Paulo, escrevendo a seu jovem amigo Timóteo a respeito disso, afirmou: “Ora, numa grande casa … há vasos de ouro e de prata, … de pau e de barro”. Esses eram objetos comuns para lavar e purificar na época do Salvador. Mas Paulo prosseguiu: “Se alguém se purificar da [indignidade], será vaso … santificado e idôneo para uso do Senhor, e preparado para toda a boa obra. [Portanto], foge das paixões da mocidade, … segue a justiça, … com um coração puro, [invoca] o Senhor”. 4

Em ambos os relatos bíblicos, a mensagem é que, como portadores do sacerdócio, não devemos apenas levar vasos e emblemas sagrados do poder de Deus — como preparar, abençoar e distribuir o sacramento, por exemplo — mas devemos também ser um instrumento santificado. Em parte devido ao que devemos fazer e, ainda mais importante, devido ao que devemos ser, os profetas e apóstolos aconselham-nos a “[fugir] das paixões da mocidade” e a invocar o Senhor com o coração puro. Eles exortam-nos a sermos puros.

Vivemos numa época em que é cada vez mais difícil permanecermos puros. Com a tecnologia moderna, até seus irmãozinhos mais novos podem viajar pelo mundo inteiro antes mesmo de terem idade suficiente para andar de velocípede na rua. O que na minha geração eram momentos despreocupados no cinema, diante da televisão ou com uma revista, agora, com a chegada também do videocassete, da Internet e dos computadores pessoais, tornaram-se diversões permeadas de perigos morais concretos. Vocês sabiam que uma das palavras para diversão em latim vulgar originalmente significava “desvio da mente com a intenção de enganar”? Infelizmente, é isso que as formas de diversão em nossos dias transformaram-se nas mãos do mestre de todas as mentiras.

Recentemente, li a seguinte declaração: “Nossos momentos de lazer, mesmo os mais descontraídos, devem constituir um motivo de preocupação. [E isso porque] não há nenhum local neutro em todo o universo: cada centímetro quadrado, cada milésimo de segundo é reivindicado por Deus ou por Satanás”. 5 Creio que isso seja uma grande verdade. E se há um terreno que está sendo disputado de modo decisivo e inegável é o da mente, dos valores morais e da pureza pessoal dos jovens.

Irmãos, parte do alerta que quero fazer é que isso só tende a piorar. Parece que a porta para a permissividade, lascívia, vulgaridade e obscenidade só se abre para um lado. E só tende a escancarar-se cada vez mais, nunca volta a cerrar-se. As pessoas podem optar por fechá-la individualmente, mas está comprovado historicamente que nem a vontade do povo nem as medidas governamentais o farão. Não, no campo dos valores morais, o único controle verdadeiro existente é o autodomínio.

Se vocês estiverem tendo dificuldades para manter o autocontrole em relação ao que vêem, ouvem, dizem ou fazem, peço que orem ao Pai Celestial pedindo ajuda. Orem a Ele como Enos o fez ao travar uma luta perante Deus e debater-se vigorosamente em espírito. 6 Lutem como Jacó com o anjo, que se recusou a deixá-lo partir antes de receber uma bênção. 7 Conversem com seu pai e sua mãe. Conversem com seu bispo. Busquem a melhor ajuda que conseguirem de todas as pessoas boas que os rodeiam. Afastem-se a todo custo de quem quiser tentá-los, minar sua determinação ou perpetuar o problema. Se alguns de vocês não se encontrarem integralmente dignos hoje à noite, poderão vir a tornar-se por meio do arrependimento e da Expiação do Senhor Jesus Cristo. O Salvador chorou, verteu sangue e morreu por vocês. Ele sacrificou tudo por sua felicidade e salvação. Ele certamente não vai negar-lhes auxílio agora!

Então, vocês poderão ajudar outras pessoas a quem forem enviados, agora e no futuro, como portadores do sacerdócio de Deus. Então, poderão ser, quando missionários, o que o Senhor certa vez descreveu como “[médicos] para a Igreja”. 8

Rapazes, nós amamos vocês. Preocupamo-nos com vocês e desejamos ajudar de qualquer forma que pudermos. Quase duzentos anos atrás, William Wordsworth escreveu que “o mundo é demais conosco”. E o que será que ele diria sobre as investidas que existem atualmente contra sua alma e valores? Ao tratar de alguns desses problemas com que vocês se deparam, temos ciência de que um número elevado de rapazes está vivendo fielmente o evangelho e tendo uma conduta irrepreensível diante do Senhor. Tenho certeza de que esses constituem a maioria esmagadora de todos os que estão aqui ouvindo-me hoje à noite. Mas as advertências que fizemos à minoria são um lembrete importante até mesmo para os fiéis.

Nos dias mais difíceis e desanimadores da Segunda Guerra Mundial, Winston Churchill disse ao povo da Inglaterra: “Todo homem … encontra-se alguma vez na vida diante da situação em que tem a oportunidade de fazer algo que só ele pode fazer e para o que está talhado. Que tragédia será se, nesse momento, ele não estiver preparado ou não for qualificado para fazer aquilo que seria seu grande momento na vida”.

Numa guerra espiritual ainda mais séria, irmãos, poderá chegar o dia — sim, tenho certeza de que chegará — em que num acontecimento inesperado ou num período de extrema dificuldade, vocês serão surpreendidos por um raio, figurativamente, e o futuro estará em suas mãos. Estejam prontos para esse dia. Sejam fortes. Estejam sempre puros. Honrem e respeitem o sacerdócio que possuem, hoje à noite e para sempre. Presto testemunho desta obra, do poder que recebemos e da necessidade de ser digno de administrá-la. Irmãos, testifico que a admoestação a todas as épocas — e principalmente à nossa — é a feita por Josué: “Santificai-vos, porque amanhã fará o Senhor maravilhas no meio de vós”. Em nome de Jesus Cristo. Amém.

Exibir Referências

  1.  

    1.  Josué 3:5.

  2.  

    2.  Isaías 52:11; ver também 3 Néfi 20:41; D&C 38:42; e 133:5.

  3.  

    3.  Ver II Reis 25:14–15; Esdras 1:5–11.

  4.  

    4.  II Timóteo 2:20–22; grifo do autor.

  5.  

    5.  C. S. Lewis, Christian Reflections, org. Walter Hooper, (1967), p. 33

  6.  

    6.  Ver Enos 1:2–10.

  7.  

    7.  Gênesis 32:24–26.

  8.  

    8.  D&C 31:10.