Sempre Fiéis

Thomas S. Monson

First Counselor in the First Presidency


Thomas S. Monson
Decidamo-nos aqui e agora a seguir o caminho reto que nos leva ao lar do Pai de todos nós.

Há muitos anos, ao cumprir uma designação nas lindas ilhas de Tonga, tive o privilégio de visitar uma escola da Igreja, a Escola Secundária Liahona, onde nossos jovens são ensinados por professores que partilham da mesma fé que eles — dando-lhes treinamento para a mente e preparando-os para a vida. Naquela ocasião, ao entrar em uma sala de aula, notei a atenção arrebatada que as crianças davam ao instrutor tonganês. Seu livro didático e o dos alunos repousavam fechados sobre as carteiras. Ele segurava nas mãos uma isca de pesca de aparência estranha, feita com uma pedra redonda e grandes conchas. Descobri que aquilo se chamava maka-feke, ou armadilha para polvos. Em Tonga, a carne de polvo é uma iguaria.

O professor explicou que os pescadores tonganeses deslizam devagar por um arrecife, remando suavemente a canoa com uma das mãos e balançando o maka-feke do lado oposto, com a outra mão. O polvo sai rapidamente de sua toca rochosa e tenta capturar a isca, confundindo-a com uma preciosa refeição. O polvo agarra-a com tamanha força e é tão determinado o seu instinto de não desistir da valiosa presa, que os pescadores podem jogá-lo direto para dentro da canoa.

Foi uma transição fácil para o professor explicar aos jovens ansiosos e de olhos arregalados que o maligno — o próprio Satanás — confecciona o que se pode chamar de seus próprios maka-fekes, iscas com as quais atrai pessoas incautas e assume o controle de sua vida.

Hoje estamos circundados pelos maka-fekes que o maligno coloca diante de nós e com os quais planeja nos seduzir e atrair. Uma vez agarrados, tais maka-fekes são difíceis demais — e algumas vezes quase impossíveis — de serem largados. Para ficarmos protegidos, precisamos reconhecê-los pelo que são e então ser resolutos em nossa determinação de evitá-los.

Constantemente encontramos diante de nós o maka-feke da imoralidade. Em quase todos os lados para onde nos voltamos existem aqueles que tentam nos convencer de que aquilo que um dia foi considerado imoral, hoje é aceitável. Penso na escritura: “Ai dos que ao mal, chamam bem e, ao bem, mal; que fazem da escuridão luz e, da luz, escuridão”. 1 Isso descreve o maka-feke da imoralidade. É-nos lembrado no Livro de Mórmon que a castidade e a virtude são mais preciosas que todas as coisas.

Quando a tentação surgir, lembrem-se do sábio conselho do Apóstolo Paulo, que declarou: “Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas fiel é Deus, que não vos deixará tentar acima do que podeis, antes com a tentação dará também o escape, para que a possais suportar”. 2

A seguir, o maligno nos tenta com o maka-feke da pornografia. Ele quer que acreditemos que assistir pornografia não faz realmente mal a ninguém. Aqui vemos como se aplica bem o clássico de Alexander Pope, “Ensaio sobre o Homem”.

O vício é um monstro tão aterrador,
Que para ser odiado, basta que o vejamos;
Mas se o vemos muito, acostumamo-nos com seu rosto.
A princípio o suportamos, depois temos pena, e por fim o abraçamos. 3

Algumas editoras e gráficas prostituem suas prensas ao imprimir milhões de artigos pornográficos por dia. Não poupam despesas para produzir algo que certamente será visto e revisto. Uma das fontes de pornografia mais acessíveis hoje em dia é a Internet, podendo-se ligar o computador e ter instantaneamente na ponta dos dedos inúmeros sites com a pornografia como destaque. O Presidente Gordon B. Hinckley disse: “Temo que isso possa estar ocorrendo no lar de alguns de vocês. É algo pernicioso, sórdido e abjeto. É envolvente e vicia. [Levará vocês] à destruição, e isso é certo, não há como negar. A pornografia é um negócio vil e desprezível que enriquece quem a promove, mas empobrece e arrasa as vítimas”. 4

Corrompidos da mesma forma encontram-se o produtor do filme, o que o leva ao ar e o apresentador que fomenta a pornografia. A censura que havia no passado deixou de existir há muito tempo. Procura-se o chamado realismo, o que resulta no fato de hoje nos vermos cercados por essa imundície.

Evitem qualquer coisa que lembre a pornografia. Ela tira a sensibilidade do espírito e corrói a consciência. É-nos dito em Doutrina e Convênios: “E aquilo que não edifica não é de Deus e é trevas.” 5 Assim é a pornografia.

A seguir menciono o maka-feke das drogas, incluindo nelas as bebidas alcoólicas. Uma vez agarrado, esse maka-feke é particularmente difícil de abandonar. As drogas e o álcool anuviam o pensamento, removem inibições, fragmentam a família, destroem sonhos e encurtam a vida. Eles são encontrados em todo lugar, dispostos propositadamente no caminho da juventude vulnerável.

Cada um de nós tem um corpo que nos foi confiado por um Pai Celestial amoroso. Foi-nos ordenado que cuidássemos dele. Podemos abusar de nosso corpo ou feri-lo, sem sermos responsabilizados? Não, não podemos! O Apóstolo Paulo declarou: “Não sabeis vós que sois o templo de Deus, e que o Espírito de Deus habita em vós? (…)

O templo de Deus, que sois vós, é santo”. 6 Devemos manter nosso corpo — nosso templo — saudável e limpo, livre de toda substância prejudicial que destrói nosso bem-estar físico, mental e espiritual.

O último maka-feke que quero mencionar hoje pode destruir a nossa auto-estima, arruinar relacionamentos e deixar-nos em circunstâncias desesperadoras. É o maka-feke da dívida excessiva. É uma tendência humana desejar coisas que nos dão proeminência e prestígio. Vivemos em uma época em que é fácil fazer empréstimos. Podemos comprar quase tudo com que já sonhamos, bastando usar o cartão de crédito, ou fazer um empréstimo. São extremamente populares os empréstimos garantidos pelo valor da casa, nos quais a pessoa pode solicitar uma quantia em dinheiro correspondente ao valor líquido já pago pelo imóvel em questão. O que talvez não percebamos é que um empréstimo assim equivale a um segundo financiamento. Se vivermos continuamente acima de nosso orçamento, o dia de enfrentarmos as conseqüências certamente chegará.

Meus irmãos e irmãs, evitem a filosofia de que o supérfluo de ontem tornou-se a necessidade de hoje. Não existem necessidades, a menos que as criemos. Muitos contraem dívidas de longo prazo só para descobrir que o inesperado pode ocorrer: pessoas adoecem ou ficam incapacitadas para o trabalho, companhias vão à falência ou reduzem o quadro funcional, demissões ocorrem, desastres naturais abatem-se sobre nós. Por muitas razões, os pagamentos das grandes dívidas podem ser interrompidos. Nossa dívida se torna a espada de Dâmocles, pendurada por um fio de cabelo sobre nossa cabeça, ameaçando destruir-nos.

Eu os exorto a viverem dentro de seu orçamento. Uma pessoa não pode gastar mais do que ganha e permanecer digna de crédito. Prometo-lhes que vocês serão mais felizes do que seriam se vivessem constantemente preocupados com o próximo pagamento de uma dívida não essencial. Lemos em Doutrina e Convênios: “Paga a dívida contraída (…). Livra-te da servidão”. 7

Existem, evidentemente, inúmeros maka-fekes que o maligno coloca diante de nós para desviar-nos do caminho da retidão. Contudo, nosso Pai Celestial deu-nos a vida e, com ela, a aptidão para pensar, raciocinar e amar. Temos poder para resistir a qualquer tentação e capacidade para determinar o caminho que queremos seguir e a direção a tomar. Nossa meta é o reino Celestial de Deus. Nosso propósito é o de seguir um curso invariável nessa direção.

A todos os que trilham o caminho da vida, nosso Pai Celestial adverte: Cuidado com os desvios, os perigos ocultos e as armadilhas. Os maka-fekes são-nos apresentados estratégica e ardilosamente, disfarçados com astúcia, tentando-nos para que os agarremos e percamos aquilo que mais desejamos. Não se deixem enganar. Parem e orem. Escutem a voz mansa e suave que transmite às profundezas de nossa alma o doce convite do Mestre: “Vem, e segue-me”. 8 Ao fazer isso, afastamo-nos da destruição e da morte e encontramos felicidade e vida eterna.

Ainda assim, existem aqueles que não escutam e não obedecem; rendem-se aos engodos do maligno e agarram-se a esses maka-fekes até não conseguirem soltá-los mais, até que tudo esteja perdido. Lembro-me de um personagem poderoso, cardeal do clero, o Cardeal Wolsey. A prolífera pena de escrever de William Shakespeare descreveu as alturas majestosas e o pináculo do poder a que o Cardeal Wolsey galgou. Essa mesma pena mostrou como os princípios foram corrompidos pela ambição vã, pelo oportunismo, pela busca de proeminência e prestígio. Então veio a queda trágica e o penoso lamento de alguém que tudo conquistou e tudo perdeu.

A Cromwell, seu servo fiel, o Cardeal Wolsey diz:

Oh Cromwell, Cromwell!
Tivesse eu servido meu Deus com a metade, que fosse, do zelo
Com que servi meu rei, Ele não teria em minha idade avançada
Me entregue desnudo aos meus inimigos. 9

Esse mandamento inspirado que teria guiado o Cardeal Wolsey para a segurança foi destruído pelo desejo de poder e proeminência, pela procura da riqueza e da posição. Da mesma forma que outros antes dele e muitos que ainda virão, o Cardeal Wolsey sucumbiu.

Em uma época anterior a essa, um servo de Deus foi testado por um rei perverso. Auxiliado pela inspiração vinda do céu, Daniel interpretou para o rei Belsazar o que estava escrito na parede do palácio. No que concernia às recompensas prometidas — um manto púrpura e uma cadeia de ouro ao pescoço — Daniel disse: “As tuas dádivas fiquem contigo, e dá os teus prêmios a outro”. 10

Dario, o rei seguinte, também honrou Daniel, elevando-o ao posto mais destacado. Com isso seguiu-se a inveja da multidão, o ciúme dos príncipes e a intriga de homens ambiciosos.

Por meio de trapaça e bajulação, o rei Dario assinou uma proclamação real que declarava que qualquer um que fizesse um pedido a qualquer deus ou homem que não fosse o rei, seria atirado na cova dos leões. Era proibido orar. Em tais assuntos, Daniel seguia os mandamentos não de um rei terreno, mas do Rei do Céu e da Terra, o seu Deus. Surpreendido durante as orações matinais, Daniel foi levado diante do rei. Com relutância, a pena foi pronunciada. Daniel deveria ser atirado na cova dos leões.

Gosto demais do relato bíblico, a seguir:

“Pela manhã, ao romper do dia, levantou-se o rei, e foi com pressa à cova dos leões. E, chegando-se à cova, chamou por Daniel com voz triste; (…) Daniel (…) dar-se-ia o caso que teu Deus, a quem tu continuamente serves, tenha podido livrar-te dos leões? Então Daniel falou ao rei: (…) O meu Deus enviou o seu anjo, e fechou a boca dos leões, para que não me fizessem dano. (…) Então o rei muito se alegrou em si mesmo. (…) Assim foi tirado Daniel da cova, e nenhum dano se achou nele, porque crera no seu Deus.” 11

Em um momento de necessidade crucial, a determinação de permanecer fiel e digno deu a Daniel proteção divina e um santuário de segurança.

O relógio da história, como a areia da ampulheta, marca a passagem do tempo. Um novo elenco ocupa o palco da vida. Os problemas de nossos dias parecem superar nossa capacidade de resolvê-los. Cercados pelos desafios da vida moderna, voltamo-nos para o céu buscando esse senso de orientação infalível, para podermos traçar e seguir uma rota sábia e adequada. Nosso Pai Celestial não deixará nossa petição sincera sem resposta.

Quando penso em pessoas dignas, ocorre-me prontamente o nome de Gustav e Margarete Wacker. Deixem-me descrevê-los: Conheci os Wacker quando fui chamado para presidir a missão Canadense, em 1959. Eles haviam imigrado para Kingston, Ontário, no Canadá, vindos da Alemanha, sua terra natal.

O irmão Wacker ganhava a vida como barbeiro. Suas posses eram limitadas, mas ele e a irmã Wacker sempre pagavam mais de dez por cento de dízimo. Como presidente de ramo, o irmão Wacker iniciou um fundo missionário e, durante meses seguidos, ele era o único contribuinte. Quando havia missionários na cidade, os Wacker alimentavam-nos e cuidavam deles, e os missionários nunca iam embora sem antes receber algum tipo de doação material para seu trabalho e bem-estar.

O lar de Gustav e Margarete Wacker era um paraíso. Eles não foram abençoados com filhos, mas agiam como pai e mãe de muitos membros da Igreja que os visitavam. Homens e mulheres cultos e sofisticados buscavam esses servos de Deus humildes e iletrados e consideravam-se afortunados por passar uma hora na companhia deles. A aparência dos Wacker era comum, o inglês era hesitante e de certo modo difícil de ser entendido, o lar muito simples. Eles não tinham nem automóvel nem televisão, nem faziam nenhuma das coisas a que o mundo normalmente dá atenção. Ainda assim, os fiéis visitavam-nos com freqüência para desfrutar do espírito que lá existia.

Em março de 1982, o irmão e a irmã Wacker foram chamados para servir como oficiantes de tempo integral no Templo de Washington D.C. Em 29 de junho de 1983, enquanto o irmão e a irmã Wacker ainda serviam nessa designação no templo, o irmão Wacker, com a esposa amada a seu lado, deixou tranqüilamente a mortalidade rumo à sua recompensa eterna. Adequadas são estas palavras: “Aos que honram a Deus, Deus honra”. 12

Meus irmãos e irmãs, decidamo-nos aqui e agora a seguir o caminho reto que nos leva ao lar do Pai de todos nós, para que o dom da vida eterna — vida na presença de nosso Pai Celestial — seja nosso. Se houver coisas que precisem ser mudadas ou corrigidas para que isso aconteça, incentivo-os a cuidarem delas agora.

O que diz a letra desse hino tão conhecido, seja a nossa promessa:

Sempre fiéis nossa fé guardaremos,
Sempre valentes, com ardor lutaremos.
A nossa mão e o coração,
A teu serviço, Senhor, estão. 13

Que cada um de nós possa cumpri-la, é minha humilde oração, em nome de Jesus Cristo. Amém.

Exibir Referências

  1.  

    1. 2 Néfi 15:20; ver também Isaías 5:20.

  2.  

    2. I Coríntios 10:13.

  3.  

    3. Epístola 2, linhas 217–220; John Bartlett, Familiar Quotations, 14ª. Ed., 1968, p. 409.

  4.  

    4. “A Paz de Teus Filhos Será Abundante”, Gordon B. Hinckley, A Liahona, janeiro de 2001, pp. 61–68.

  5.  

    5. D&C 50:23.

  6.  

    6. I Coríntios 3:16, 17.

  7.  

    7. D&C 19:35.

  8.  

    8. Lucas 18:22.

  9.  

    9. William Shakespeare, Henry VIII, Ato 3, cena 2, linhas 454–457.

  10.  

    10. Daniel 5:17.

  11.  

    11. Daniel 6:19–23.

  12.  

    12. Ver I Samuel 2:30.

  13.  

    13. “Deve Sião Fugir à Luta?”, Hinos, nº 183, letra e música de Evan Stephens.