A Caridade Nunca Falha

Silvia H. Allred

Primeira Conselheira na Presidência Geral da Sociedade de Socorro


Silvia H. Allred
Roguem pelo desejo de encher-se do dom da caridade, o puro amor de Cristo.

Meu marido e eu visitamos recentemente a Cidade de Nauvoo, Illinois. Enquanto estávamos ali, sentamo-nos na sala superior da Loja de Tijolos Vermelhos, onde Joseph Smith tinha um escritório e um negócio. Ouvimos atentamente a guia explicar alguns acontecimentos históricos da Restauração que ocorreram naquele lugar.

Meus pensamentos se voltaram para o estabelecimento da Sociedade de Socorro e para alguns ensinamentos que as irmãs da Sociedade de Socorro receberam do Profeta Joseph naquela mesma sala. Esses ensinamentos se tornaram os princípios fundamentais sobre os quais a Sociedade de Socorro foi edificada. Os propósitos de aumentar a fé, fortalecer os lares de Sião e buscar e ajudar os necessitados foram estabelecidos desde o princípio. Eles sempre foram condizentes com os ensinamentos de nossos profetas.

Naquelas primeiras reuniões, o Profeta Joseph citou os escritos de Paulo aos coríntios. Em seu vigoroso discurso sobre caridade, Paulo mencionou a fé, a esperança e a caridade, concluindo com: “Mas o maior destes é [a caridade]”.1

Ele descreveu as qualidades incorporadas à caridade. Ele disse:

“[A caridade] é [sofredora], é [benigna]; [a caridade] não é [invejosa]; [a caridade] não trata com leviandade, não se ensoberbece;

(…) Não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;

Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;

Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.

[A caridade] nunca falha.”2

Falando às irmãs, o Profeta Joseph disse: “Não sejam limitadas em sua visão no tocante às virtudes de seu próximo. (…) Vocês precisam alargar a alma uns para com os outros, se quiserem fazer como Jesus fez. (…) À medida que crescerem em inocência e virtude, à medida que desenvolverem boas qualidades, abram o coração para envolver as pessoas — vocês precisam ter longanimidade e suportar as falhas e os erros da humanidade. Quão preciosa é a alma dos homens!”3

A declaração das escrituras “A [caridade] nunca falha” tornou-se o lema da Sociedade de Socorro porque engloba esses ensinamentos e o encargo que o Profeta Joseph Smith deu às irmãs da Sociedade de Socorro de “socorrer os pobres” e “salvar almas”.4

Esses princípios fundamentais foram adotados pelas irmãs da Sociedade de Socorro no mundo inteiro, porque essas são a natureza e o trabalho da Sociedade de Socorro.

O que é caridade? Como adquirimos caridade?

O Profeta Mórmon definiu caridade como “o puro amor de Cristo”5, ao passo que Paulo ensinou que “[caridade] (…) é o vínculo da perfeição”6, e Néfi nos lembrou que “deu o Senhor Deus um mandamento de que todos os homens tenham caridade; e a caridade é amor”.7

Ao analisar a descrição anterior que Paulo fez da caridade, aprendemos que caridade não é uma única ação ou algo que damos, mas um estado de ser, um estado do coração, bons sentimentos que geram atos de amor.

Mórmon também ensinou que a caridade é concedida aos verdadeiros discípulos do Senhor e que a caridade purifica aqueles que a têm.8Além disso, aprendemos que a caridade é um dom divino que devemos buscar e orar para receber. Precisamos ter caridade no coração para herdar o reino celestial.9

Com a compreensão de que o Senhor pediu que “[nos revistamos] do vínculo da caridade”10, precisamos perguntar-nos que qualidades nos ajudarão a desenvolver caridade.

Devemos, primeiro, ter o desejo de aumentar nossa caridade e de ser mais semelhantes a Cristo.

O passo seguinte é orar. Mórmon nos exorta a “[rogar] ao Pai, com toda a energia de [nosso] coração, [para] que [sejamos] cheios desse amor”. Esse amor divino é a caridade, e à medida que nos enchermos desse amor, “[seremos] como ele”.11

A leitura diária das escrituras pode levar nossa mente ao Salvador e dar-nos o desejo de tornar-nos mais semelhantes a Ele.

Em minha sala, decidi pendurar uma pintura de Minerva Teichert intitulada Resgate da Ovelha Perdida.Ela retrata o Salvador de pé no meio de suas ovelhas, carregando ternamente um cordeiro nos braços. Ela ajuda-me a refletir em Seu pedido: “Apascenta as minhas ovelhas”,12 que para mim, significa ministrar a todos ao redor e dar atenção especial aos necessitados.

O Salvador é o exemplo perfeito de como exercer caridade. Em Seu ministério mortal, Ele mostrou compaixão pelo faminto, pelo pecador, pelo aflito e pelo enfermo. Ministrou aos pobres e aos ricos; às mulheres, às crianças e aos homens; às famílias, aos amigos e aos estranhos. Perdoou Seus acusadores e sofreu e morreu por toda a humanidade.

Ao longo de sua vida, o Profeta Joseph Smith também praticou a caridade ao demonstrar amor fraternal e respeito pelas pessoas. Ele era muito conhecido por sua bondade, seu afeto, sua compaixão e preocupação pelas pessoas a seu redor.

Hoje, somos abençoados por ter um profeta que personifica a caridade. O Presidente Thomas S. Monson é um exemplo para nós e para o mundo. Ele veste o manto da caridade. Ele é bondoso, compassivo e generoso: um verdadeiro ministro do Senhor Jesus Cristo.

O Presidente Monson ensinou: “Caridade é ter paciência com a pessoa que nos decepcionou; é resistir ao impulso de se ofender com facilidade. É aceitar fraquezas e limitações. É aceitar as pessoas como elas realmente são. É enxergar, além da aparência física, os atributos que não se extinguirão com o tempo. É resistir ao impulso de categorizar as pessoas”.13

Quando temos caridade, estamos dispostas a servir e a ajudar as pessoas quando isso é inconveniente e sem pensar em reconhecimento ou retribuição. Não esperamos ser designados a ajudar, porque se torna nossa própria natureza. Ao decidirmos ser bondosas, prestativas, generosas, pacientes, tolerantes, dispostas a perdoar, acolhedoras e abnegadas, descobrimos que transbordamos em caridade.

A Sociedade de Socorro oferece inúmeras maneiras de servir ao próximo. Um dos meios mais importantes de praticar a caridade é pelo trabalho das professoras visitantes. Por meio de visitas eficazes temos a oportunidade de amar, ministrar e servir ao próximo. A demonstração da caridade, ou do amor, purifica e santifica nossa alma, ajudando-nos a tornar-nos semelhantes ao Salvador.

Maravilho-me ao testemunhar os incontáveis atos de caridade realizados por professoras visitantes no mundo inteiro, que de modo abnegado ministram às irmãs necessitadas e a suas famílias. A essas fiéis professoras visitantes, digo: “Por meio desses pequenos atos de caridade, vocês seguem o Salvador e agem como instrumentos em Suas mãos, à medida que ajudam, cuidam, elevam, consolam, ouvem, incentivam, nutrem, ensinam e fortalecem as irmãs sob seus cuidados”. Gostaria de compartilhar uns breves exemplos desse ministério.

Rosa sofre de diabetes e outras enfermidades debilitantes. Ela filiou-se à Igreja há alguns anos. Cria sozinha seu filho adolescente. Com frequência precisa ser hospitalizada, e fica internada alguns dias. Suas bondosas professoras visitantes não apenas a levam para o hospital, mas a visitam e a consolam no hospital, enquanto cuidam de seu filho no lar e na escola. Suas professoras visitantes são suas amigas e sua família.

Depois das primeiras visitas a uma determinada irmã, Kathy descobriu que essa irmã não sabia ler, mas queria aprender. Kathy ofereceu-se para ajudá-la, mesmo sabendo que isso exigiria tempo, paciência e constância.

Emily é uma jovem esposa que estava em busca da verdade. Seu marido, Michael, não estava muito interessado em religião. Quando Emily ficou muito enferma e passou algum tempo no hospital, Cali, uma irmã da Sociedade de Socorro que também era vizinha dela, levou refeições para a família, cuidou do bebê, limpou a casa e providenciou para que Emily recebesse uma bênção do sacerdócio. Esses atos de caridade abrandaram o coração de Michael. Ele decidiu frequentar as reuniões da Igreja e reunir-se com os missionários. Emily e Michael foram batizados recentemente.

A caridade nunca falha. A caridade é bondosa, não busca seu próprio interesse, tudo sofre, tudo suporta.14

O Presidente Henry B. Eyring disse:

“A história da Sociedade de Socorro está repleta de relatos sobre esse serviço extraordinário e abnegado. (…)

Esta sociedade é composta de mulheres cujos sentimentos de caridade nascem de corações modificados durante o processo de qualificação e pela realização e cumprimento dos convênios oferecidos apenas na verdadeira Igreja do Senhor. Os sentimentos de caridade que elas têm procedem Dele, por meio da Expiação. Seus atos de caridade são guiados por Seu exemplo. Devem-se à gratidão por Seu infinito dom de misericórdia — e pelo Santo Espírito, que Ele envia para acompanhar Seus servos em suas missões de misericórdia. Por causa disso, elas fizeram e fazem coisas incomuns para o próximo e sentem alegria, mesmo quando suas [próprias] necessidades são grandes”.15

Prestar serviço e exercer a caridade para outros ajuda-nos a vencer nossas próprias dificuldades, fazendo-as parecer menos desafiadoras.

Volto aos ensinamentos do Profeta Joseph às irmãs, nos primeiros dias da Restauração. Ao pedir que praticassem a caridade e a benevolência, ele disse: “Se vocês viverem de modo a estar à altura desses princípios, quão grande e gloriosa será sua recompensa no reino celestial! Se vocês viverem de modo a estar à altura de seus privilégios, não se poderá impedir que os anjos lhes façam companhia!”16

Como nos primeiros dias, em Nauvoo, em que as irmãs procuravam buscar e ajudar os necessitados, o mesmo acontece hoje. As irmãs no reino são grandes pilares de força espiritual, serviço compassivo e devoção. Dedicadas professoras visitantes fazem visitas e cuidam umas das outras. Seguem o exemplo do Salvador e fazem as coisas que Ele fez.

Todas as mulheres da Sociedade de Socorro podem encher-se de amor sabendo que seus pequenos atos de caridade têm um poder de cura para si mesmas e para outras pessoas. Elas podem saber com certeza que a caridade é o puro amor de Cristo e nunca falha.

Quando vocês lerem a história da Sociedade de Socorro, ela vai inspirá-las a descobrir que esse importante princípio do evangelho permeia o livro inteiro.

Concluo com um convite a todas as mulheres da Igreja que roguem pelo desejo de encher-se do dom da caridade, o puro amor de Cristo. Usem todos os seus recursos para fazer o bem, levando alívio e salvação para as pessoas a seu redor, inclusive em sua própria família. O Senhor vai coroar seu trabalho com sucesso.

Que nosso conhecimento do grande amor que o Pai e o Filho têm por nós, e nossa fé e gratidão pela Expiação nos motivem a desenvolver e a exercer caridade para com todos a nosso redor. Essa é minha oração, em nome de Jesus Cristo. Amém.

Exibir Referências

  1.  

    1.  I Coríntios 13:13.

  2.  

    2.  I Coríntios 13:4–8.

  3.  

    3. Joseph Smith, em Filhas em Meu Reino: A História e o Trabalho da Sociedade de Socorro, 2011, p. 24.

  4.  

    4. Joseph Smith, em Filhas em Meu Reino, p. 17.

  5.  

    5.  Morôni 7:47.

  6.  

    6.  Colossenses 3:14.

  7.  

    7.  2 Néfi 26:30.

  8.  

    8. Ver Morôni 7:48.

  9.  

    9. Ver Éter 12:34; Morôni 10:21.

  10.  

    10.  Doutrina e Convênios 88:125.

  11.  

    11.  Morôni 7:48.

  12.  

    12. Ver João 21:16–17.

  13.  

    13. Thomas S. Monson, “A Caridade Nunca Falha”, A Liahona, novembro de 2010, p. 122.

  14.  

    14. Ver I Coríntios 13:4, 5, 7, 8.

  15.  

    15. Henry B. Eyring, “O Legado Duradouro da Sociedade de Socorro”, A Liahona, novembro de 2009, p. 121.

  16.  

    16.  Ensinamentos dos Presidentes da Igreja: Joseph Smith, 2007, p. 477.