Apegar-se aos Convênios

Barbara Thompson

Segunda Conselheira na Presidência Geral da Sociedade de Socorro


Barbara Thompson
Se tivermos fé em Cristo e nos apegarmos a nossos convênios, receberemos a alegria mencionada nas santas escrituras e prometidas por nossos profetas modernos.

“Portanto rejubila-te e alegra-te e apega-te aos convênios que fizeste.”1 Não consigo ler esta escritura sem sentir alegria. Meu coração regozija quando penso nas promessas e nas muitas bênçãos que fizeram parte da minha vida ao procurar apegar-me aos convênios que fiz com o Pai Celestial.

Como ambos meus pais faleceram, tive este ano que limpar a casa deles para prepará-la para ser vendida. Nos últimos meses, quando meus irmãos e eu limpamos e vasculhamos a casa de meus pais, encontramos histórias da família e muitos documentos e papéis importantes. Fiquei fascinada ao ler a história pessoal e a bênção patriarcal de meus pais e avós. Lembrei-me dos convênios que eles fizeram e guardaram.

Minha avó, Ellen Hanks Rymer, era uma jovem mãe em 1912, quando recebeu sua bênção patriarcal. Ao ler a bênção dela, estas linhas saltaram da página e ficaram gravadas em minha mente: “Foste escolhida desde antes da fundação da Terra e foste um espírito escolhido para nascer nestes dias. (…) Teu testemunho será magnificado, e tu serás capaz de testificar. (…) O destruidor procurou destruir-te, mas se te apegares a teu Deus, ele [o destruidor] não terá poder para ferir-te. Por meio de tua fidelidade terás grande poder, e o destruidor fugirá de diante de ti por causa de tua retidão. (…) Quando a hora do temor e das tribulações chegar para ti, se te retirares para teu lugar secreto em oração, teu coração será consolado, e os obstáculos serão removidos”.2

Foi prometido a minha avó que se ela guardasse os convênios e se achegasse a Deus, Satanás não teria poder sobre ela. Ela encontraria consolo e ajuda em suas provações. Essas promessas foram cumpridas em sua vida.

Quero abordar hoje (1) a importância de apegar-nos a nossos convênios e (2) a alegria e a proteção que advêm do cumprimento de nossos convênios.

Alguns exemplos que usarei foram tirados de Filhas em Meu Reino: A História e o Trabalho da Sociedade de Socorro. O livro está repleto de exemplos de mulheres que encontraram grande alegria no cumprimento de convênios.

A Importância de Apegar-nos aos Convênios

O Dicionário Bíblico em inglês explica que um convênio é um contrato feito entre Deus e o homem. “Deus, em sua bondade, determina as condições, que são aceitas pelo homem. (…) O evangelho determina que os princípios e as ordenanças sejam recebidos por convênio, colocando o recebedor sob a firme obrigação e responsabilidade de honrar o compromisso.”3Na expressão “apegar-se aos convênios”, a palavra apegar significa “aderir firme e intimamente” a algo.4

Nas escrituras, conhecemos homens e mulheres que fizeram convênios com Deus. Deus deixou instruções sobre o que fazer para honrar esses convênios. Depois, à medida que os convênios foram guardados, vieram as bênçãos prometidas.

Por exemplo: por meio da ordenança do batismo, fazemos um convênio com o Pai Celestial. Preparamo-nos para o batismo exercendo fé no Senhor Jesus Cristo, arrependendo-nos de nossos pecados e tendo a disposição de tomar sobre nós o nome de Cristo. Assumimos o compromisso de guardar os mandamentos de Deus e de lembrar-nos sempre do Salvador. Fazemos o convênio de carregar os fardos uns dos outros, para que fiquem leves. Indicamos estar dispostos a chorar com os que choram e consolar os que precisam de consolo.5

Nos templos sagrados, outras ordenanças sagradas são recebidas, e outros convênios são feitos. Nos primeiros dias da Restauração, o Profeta Joseph Smith estava ansioso para que os santos recebessem as bênçãos prometidas do templo. O Senhor disse: “Que essa casa seja construída ao meu nome, a fim de que nela eu revele minhas ordenanças a meu povo”.6

“Um dos propósitos do Senhor ao organizar a Sociedade de Socorro era o de preparar Suas filhas para as bênçãos maiores do sacerdócio encontradas nas ordenanças e nos convênios do templo. As (…) irmãs de Nauvoo ansiavam pelo término da construção do templo com muito entusiasmo, porque sabiam, [tal] como o Profeta Joseph Smith prometera a Mercy Fielding Thompson, que a investidura as levaria ‘para fora da escuridão para a luz maravilhosa’.”7

“Mais de 5.000 santos lotaram o Templo de Nauvoo para conseguirem receber a investidura e a ordenança de selamento antes de embarcar em sua jornada” rumo ao Vale do Lago Salgado. 8 O Presidente Brigham Young e muitos líderes da Igreja e oficiantes do templo despenderam seu tempo, dia e noite, servindo no templo para que esse importante trabalho pudesse ser realizado pelos santos.

Nossos convênios nos sustêm, quer nos bons momentos quer nos momentos difíceis. O Presidente Boyd K. Packer nos lembra de que “somos um povo de convênios. Fazemos convênios de doar nossos recursos de tempo, dinheiro e talento — tudo o que somos e tudo o que possuímos — para benefício do reino de Deus na Terra. Em termos simples, fazemos o convênio de fazer o bem. Somos um povo do convênio, e o templo é o centro de nossos convênios. É a fonte do convênio.”9

As escrituras nos lembram: “E este será nosso convênio: Caminharemos de acordo com todas as ordenanças do Senhor”.10

Grandes são as bênçãos que recebemos ao apegar-nos a nossos convênios.

Alegria e Proteção Advêm do Cumprimento de Nossos Convênios

No Livro de Mórmon, lemos o sermão do rei Benjamim. Ele ensinou ao povo a respeito de Jesus Cristo, que Ele viria à Terra e sofreria todo tipo de aflições. Ensinou ao povo que Cristo expiaria os pecados de toda a humanidade e que Seu nome era o único pelo qual o homem poderia alcançar a salvação.11

Depois de ouvir aqueles belos ensinamentos, o povo se humilhou e desejou de todo o coração libertar-se dos pecados e ser purificado. Arrependeram-se e professaram sua fé em Jesus Cristo. Fizeram convênios com Deus de que guardariam Seus mandamentos.12

“O Espírito do Senhor desceu sobre eles e encheram-se de alegria, havendo recebido a remissão de seus pecados e tendo paz de consciência, por causa da profunda fé que tinham em Jesus Cristo.”13

Outro exemplo da alegria que advém da fidelidade no cumprimento dos mandamentos de Deus e na pregação de Seu evangelho às pessoas foi demonstrado por Amon. Amon e seus irmãos foram instrumentos para que milhares de pessoas se achegassem a Cristo. Eis algumas das palavras que Amon usou para descrever seus sentimentos, quando tantas pessoas foram batizadas e fizeram convênios com Deus:

“Temos grandes razões para nos regozijarmos.”14

“Minha alegria é completa, sim, meu coração transborda de alegria e regozijar-me-ei em meu Deus.”15

“Não posso expressar nem a mínima parte do que sinto.”16

“Nunca existiu alguém que tivesse tão grandes razões para regozijar-se, como nós.”17

A realização e o cumprimento de convênios sagrados permitem que tenhamos o Santo Espírito conosco. Esse é o Espírito que “encher-te-á a alma de alegria”.18

A Segunda Guerra Mundial causou grande sofrimento para muitas pessoas do mundo inteiro. Os santos da Alemanha enfrentaram muitas provações. Uma fiel presidente da Sociedade de Socorro em Stuttgart, Alemanha, foi a irmã Maria Speidel. Ao falar de suas tribulações, ela disse: “Nossa confiança no Senhor e nosso testemunho de Sua Igreja têm sido nosso pilar de força. (…) Com alegria cantamos os hinos de Sião e depositamos nossa confiança no Senhor. Ele faz todas as coisas ficarem bem”.19

Quando os membros guardaram seus convênios, sentiram alegria, mesmo diante de imensos desafios.

Sarah Rich era uma mulher justa que morava em Nauvoo e que foi chamada para servir no templo, antes de os santos serem expulsos da cidade. Eis suas palavras sobre as bênçãos dos convênios do templo: “Muitas foram as bênçãos que recebemos na casa do Senhor, o que nos trouxe alegria e consolo em meio a todas as tristezas, e nos possibilitou ter fé em Deus, sabendo que Ele nos guiaria e nos ampararia na jornada desconhecida que tínhamos à frente”.20

Antes disso, os santos haviam construído o Templo de Kirtland, e muitos participaram da dedicação. Depois da dedicação, o templo foi aceito pelo Senhor. O Senhor lhes disse que “grandemente se [regozijassem] em consequência das bênçãos que [seriam] derramadas (…) sobre a cabeça de [Seu] povo”.21

À medida que mais e mais templos foram construídos em toda a Terra, tenho visto as bênçãos que advêm à vida dos membros. Em 2008, testemunhei a alegria no rosto de um casal da Ucrânia, ao me contarem sua viagem a Freiberg, Alemanha, para receber suas ordenanças do templo. A viagem para o templo demorava 27 horas de ônibus para ir e mais 27 horas para voltar, e aqueles membros dedicados não podiam ir ao templo com frequência. Ficaram entusiasmados ao saber que o Templo de Kiev Ucrânia seria construído em breve e que poderiam estar nele com mais frequência. Esse templo está hoje aberto, e milhares desfrutam de suas bênçãos.

Ao ler a história pessoal de minha avó, fiquei sabendo de sua grande alegria em seus convênios. Ela adorava ir ao templo e realizar ordenanças por milhares de pessoas que já haviam falecido. Essa era a missão da vida dela. Serviu como oficiante do templo por mais de vinte anos, no Templo de Manti Utah. Escreveu que recebeu muitas curas milagrosas para poder criar os filhos e servir às pessoas fazendo seu trabalho no templo. Como netos seus, sabíamos que a vovó Rymer era uma mulher justa que guardou seus convênios e que desejava que fizéssemos o mesmo. Quando as pessoas vasculharem nossos pertences depois de morrermos, será que encontrarão evidências de que guardamos nossos convênios?

Nosso amado profeta, o Presidente Thomas S. Monson, disse-nos em nossa última conferência geral: “Se todos formos à casa sagrada de Deus, se nos lembrarmos dos convênios que nela fizemos, seremos mais capazes de suportar todas as provações e de sobrepujar cada tentação. Nesse santuário sagrado encontraremos paz e seremos renovados e fortalecidos”.22

Repetindo: “Portanto rejubila-te e alegra-te e apega-te aos convênios que fizeste”.23O cumprimento de convênios é a verdadeira alegria e felicidade. Isso é consolo e paz. Isso é proteção contra os males do mundo. O cumprimento de nossos convênios vai ajudar-nos nos momentos de provação.

Testifico que se tivermos fé em Cristo e nos apegarmos a nossos convênios, receberemos a alegria mencionada nas santas escrituras e prometidas por nossos profetas modernos.

Queridas irmãs, amo vocês e espero que vivenciem essa grande alegria em sua própria vida. Em nome de Jesus Cristo. Amém.

Exibir Referências

  1.  

    1.  Doutrina e Convênios 25:13.

  2.  

    2. Bênção patriarcal dada por Walter E. Hanks, 25 de outubro de 1912, em Lyman, Condado de Wayne, Utah.

  3.  

    3. Dicionário Bíblico [em inglês], “Covenant” [Convênio].

  4.  

    4.  Merriam-Webster’s Collegiate Dictionary, 11ª ed., 2003, “cleave” [apegar-se].

  5.  

    5. Ver Mosias 18:8–9; ver também Thomas S. Monson, “O que Fiz Hoje por Alguém?” A Liahona, novembro de 2009, p. 84.

  6.  

    6.  Doutrina e Convênios 124:40.

  7.  

    7.  Filhas em Meu Reino: A História e o Trabalho da Sociedade de Socorro, 2011, p. 144.

  8.  

    8.  Filhas em Meu Reino, p. 31.

  9.  

    9. Boyd K. Packer, The Holy Temple, 1980, p. 170.

  10.  

    10.  Doutrina e Convênios 136:4..

  11.  

    11. Ver Mosias 3:5–18.

  12.  

    12. Ver Mosias 4:2; 5:5.

  13.  

    13.  Mosias 4:3.

  14.  

    14.  Alma 26:1.

  15.  

    15.  Alma 26:11.

  16.  

    16.  Alma 26:16.

  17.  

    17.  Alma 26:35.

  18.  

    18.  Doutrina e Convênios 11:13.

  19.  

    19. Maria Speidel, em Filhas em Meu Reino, pp. 84–85.

  20.  

    20. Sarah Rich, em Filhas em Meu Reino, p. 32.

  21.  

    21.  Doutrina e Convênios 110:9–10.

  22.  

    22. Thomas S. Monson, “O Templo Sagrado — Um Farol para o Mundo”, A Liahona, maio de 2011, p. 90.

  23.  

    23.  Doutrina e Convênios 25:13.