Pela Fé Todas as Coisas São Cumpridas

Élder Marcus B. Nash

Dos Setenta


Marcus B. Nash
A fé nos ajudará a subir em segurança pelo caminho do evangelho, a vencer todo desafio da mortalidade e a retornar à majestosa presença de nosso Pai Celestial.

Há pouco tempo, nós da família Nash, subimos ao topo do Huayna Picchu, um alto pico adjacente às antigas ruínas incas de Machu Picchu, nas montanhas do Peru. É uma escalada muito íngreme, com vistas de tirar o fôlego e abismos profundos. Infelizmente, algumas pessoas perderam a vida, ao cair daquela trilha estreita e íngreme. Para evitar essas tragédias, foram instalados fortes cabos presos à rocha sólida, ao longo da encosta do monte Huayna Picchu. Agarrávamo-nos a esses cabos ao subir, e eles permitiram que chegássemos em segurança ao topo, onde a vista era majestosa!

Tal como a trilha de Huayna Picchu, nossa jornada mortal é uma subida íngreme e difícil, que exige a ajuda de nosso Pai Celestial para que consigamos completá-la com sucesso. Por esse motivo, Ele estabeleceu os princípios e as ordenanças do evangelho para levar-nos ao Salvador e a Seu poder de salvação.1 O primeiro desses princípios, fé no Senhor Jesus Cristo,2 assemelha-se aos cabos de Huayna Picchu: se estiver firme e seguramente presa à rocha de nosso Redentor,3 a fé nos ajudará a subir em segurança pelo caminho do evangelho, a vencer todo desafio da mortalidade4 e a retornar à majestosa presença de nosso Pai Celestial. Todas as coisas são cumpridas pela fé.5

A fé é um princípio de ação e de poder.6 “Não é ter um perfeito conhecimento das coisas; portanto, se tendes fé, tendes esperança nas coisas que se não veem e que são verdadeiras.”7 É uma certeza8 do Espírito obtida por meio de nosso aprendizado que nos motiva à ação9 de seguir o exemplo do Salvador e guardar fervorosamente Seus mandamentos, mesmo nos momentos de sacrifício e provação.10 A fé nos proporciona o poder do Senhor que, entre outras coisas, se manifesta pela esperança em coisas boas que virão,11 milagres que confirmam nossa fé12 e proteção divina em assuntos espirituais e seculares.13

A vida de Ann Rowley, uma pioneira do início da Igreja, demonstra como exercitar a fé influencia nossa vida para sempre. A irmã Rowley era uma viúva da Inglaterra que exerceu a fé para atender ao chamado do profeta para reunir-se aos santos em Sião. Ela estava na companhia Willie de carrinhos de mão, que se deparou com nevascas intensas ao longo da trilha, no outono de 1856. Chegaram a um ponto da jornada em que seus sete filhos estavam literalmente morrendo de fome. Ela escreveu: “Angustiava-me ver meus filhos passar fome. (…) A noite chegava e não havia comida para a refeição da noite. Pedi ajuda a Deus, como sempre fiz. Ajoelhei-me, lembrando-me de dois biscoitos que (…) haviam restado da viagem de navio. Não eram grandes e eram tão duros que não podiam ser partidos. Sem dúvida, não era o suficiente para alimentar oito pessoas, mas cinco pães e dois peixes também não eram o suficiente para alimentar 5.000 pessoas, mas por meio de um milagre Jesus fez com que fossem. Portanto, com a ajuda de Deus, nada é impossível. Encontrei os biscoitos, coloquei-os em um caldeirão, cobri-os de água e pedi a bênção de Deus. Depois, pus a tampa na panela e a coloquei sobre as brasas. Quando tirei a tampa, algum tempo depois, encontrei a panela cheia de comida. Ajoelhei-me com minha família e agradeci a Deus por Sua bondade. Naquela noite, minha família teve comida suficiente.”14

Ann Rowley estava vivendo o evangelho à custa de grande sacrifício pessoal. Ela precisou de ajuda e a pediu em oração. Graças a sua fé, encheu-se de esperança e por meio de um milagre obteve alimento para sua família. O Senhor também a abençoou com a capacidade significativa e eterna de “perseverar com fé até o fim”.15 Apesar de um futuro incerto, ela não exigiu saber como iria alimentar seus filhos no dia seguinte; em vez disso, “[esperou] pacientemente no Senhor”16 e prosseguiu com esperança, tal como este belo hino expressa:

Na escuridão, ó brilha, meiga luz! Guiar-me vem!
Na negra noite brilha e me conduz. Guiar-me vem!
Não peço luz a fim de longe ver,
Somente luz em cada passo ter.17

Nós também podemos exercer essa mesma fé no Senhor, acreditando e confiando que nosso bondoso e constante Deus18 vai nos abençoar com Seu milagroso poder, de acordo com nossas circunstâncias e a Seu próprio tempo. Se fizermos isso, também veremos a mão de Deus se manifestar em nossa vida.

O Senhor ordenou que tomemos “o escudo da fé com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados dos iníquos”.19 Satanás usará coisas como a dúvida, o medo ou o pecado para tentar-nos, fazendo com que percamos a fé e abandonemos a proteção que ela oferece. Examinemos brevemente cada um desses desafios à fé para que possamos reconhecer e resistir às tentações do adversário.20

Primeiro, a descrença no Senhor ou em Seu evangelho nos fará resistir ao Espírito de Deus.21 O antídoto do Senhor para a dúvida é simples. Como declarou o rei Benjamim: “Acreditai em Deus; acreditai que ele existe e que criou todas as coisas, tanto no céu como na Terra; acreditai que ele tem toda a sabedoria e todo o poder, tanto no céu como na Terra; acreditai que o homem não compreende todas as coisas que o Senhor pode compreender”.22

Se devido à descrença ou à dúvida, nossa fé fraquejar, lembremo-nos de que até os antigos apóstolos imploraram ao Senhor, dizendo: “Acrescenta-nos a fé”.23 Tendo em mente que a fé e a razão são companheiras necessárias, pensem nesta analogia: a fé e a razão são como as duas asas de um avião. Ambas são essenciais para manter o voo. Se da sua perspectiva parecer que a razão contradiz a fé, pare e lembre-se de que nossa perspectiva é extremamente limitada quando comparada à do Senhor.24 Assim como não se destaca a asa de um avião em voo, não descarte a fé. Em vez disso, alimente uma partícula de fé e permita que a esperança produzida seja uma âncora para sua alma — e para sua razão.25 É por isso que somos ordenados a “[procurar] conhecimento (…) pelo estudo e também pela fé”.26 Lembrem-se de que a fé precede e produz milagres para os quais não se encontra uma explicação imediata em nossa experiência de vida, assim como produzir um caldeirão cheio de comida a partir de dois pequenos biscoitos ou simplesmente perseverar na fé contra todas as possibilidades.27

Segundo, o medo nos distrai da fé no Salvador e a enfraquece. O Apóstolo Pedro olhou para o Senhor na noite tempestuosa e andou sobre as águas — até que desviou o olhar e “sentindo o vento forte, teve medo” — então afundou no mar revolto.28 Ele poderia ter continuado a andar se não tivesse sentido medo! Em vez de nos concentrar no vento forte, nas ondas tempestuosas de nossa vida e temer essas coisas, o Senhor nos convida, dizendo: “Buscai-me em cada pensamento; não duvideis, não temais”.29

Terceiro, o pecado diminui a presença do Espírito em nossa vida, e sem o Espírito Santo, carecemos do vigor espiritual para apegar-nos à fé e exercê-la. É melhor exercer fé para “não [tocar] nem na dádiva má nem no que é impuro”30 e para “[ser] diligentes na obediência a todos os (…) mandamentos, para que (…) vossa fé não vos falhe e vossos inimigos triunfem”.31 Se o pecado maculou sua vida, peço que exerçam “fé para o arrependimento”,32 e o Salvador, por meio da Expiação, vai purificar e curar sua vida.

Irmãos e irmãs, de acordo com nossa fé, o Senhor vai cumprir Suas promessas e trabalhar conosco para vencer todo desafio.33 Ele fez isso por Ann Rowley e por Seu povo em todas as nações e em todas as eras e gerações. Como Ele é um “Deus de milagres” e “não muda”, da mesma forma vai abençoar cada um de nós com esperança, proteção e poder, de acordo com nossa fé Nele.34 Se tivermos uma firme fé no Senhor Jesus Cristo — tal como os cabos na trilha para Huayna Picchu — ela vai ancorar a nós e a nossos entes queridos à “rocha de nosso Redentor”35 e Seu incomparável poder para salvar.

O Presidente Thomas S. Monson declarou: “O futuro é tão brilhante quanto sua fé”.36 Presto testemunho dessa verdade sublime e convido cada um de vocês a prosseguir com firmeza tendo fé no Senhor, “em nada duvidando”.37 Sei que o Salvador vive, que Ele é “o autor e aperfeiçoador de [nossa] fé”38 e o “galardoador dos que o buscam”.39 Presto testemunho disso, em nome de Jesus Cristo. Amém.

Exibir Referências

  1.  

    1. Ver Doutrina e Convênios 84:19–21.

  2.  

    2. Ver Regras de Fé 1:4.

  3.  

    3. Ver Helamã 5:12.

  4.  

    4. Ver Doutrina e Convênios 76:53.

  5.  

    5. Ver Éter 12:3.

  6.  

    6. Ver Lectures on Faith, 1985, p. 3; ver também Jacó 4:6; Éter 12:7–22; Hebreus 11:4–40.

  7.  

    7.  Alma 32:21.

  8.  

    8. Ver Tradução de Joseph Smith, Hebreus 11:1 (em Hebreus 11:1, nota de rodapé b).

  9.  

    9. Ver 2 Néfi 25:23; Alma 34:15–17; Éter 12:6; Tiago 2:17–26.

  10.  

    10. Ver Éter 12:4–6; Lectures on Faith, p. 69.

  11.  

    11. Ver Morôni 7:40–42.

  12.  

    12. Ver Bible Dictionary, “Faith”; ver também Mórmon 9:8–21; Morôni 7:33–37.

  13.  

    13. Ver Doutrina e Convênios 27:17; Alma 57:19–27; 58:10–13.

  14.  

    14. Ann Rowley, Andrew D. Olsen, The Price We Paid: The Extraordinary Story of the Willie and Martin Handcart Pioneers, 2006, p. 113.

  15.  

    15.  Doutrina e Convênios 20:25.

  16.  

    16.  Isaías 40:31.

  17.  

    17. “Brilha, Meiga Luz”, Hinos, nº 60.

  18.  

    18. Ver Jacó 4:10; Mórmon 9:9.

  19.  

    19.  Doutrina e Convênios 27:17; grifo do autor.

  20.  

    20. Ver 1 Néfi 8:33–34; Alma 37:33; Doutrina e Convênios 20:22.

  21.  

    21. Ver Alma 32:28.

  22.  

    22.  Mosias 4:9.

  23.  

    23.  Lucas 17:5.

  24.  

    24. Ver Mosias 4:9–10; Provérbios 3:5–7; Isaías 55:8–9.

  25.  

    25. Ver Éter 12:4.

  26.  

    26.  Doutrina e Convênios 88:118; grifo do autor.

  27.  

    27. Ver Morôni 7:33–38; Éter 12:19.

  28.  

    28. Ver Mateus 14:25–31.

  29.  

    29.  Doutrina e Convênios 6:36.

  30.  

    30.  Morôni 10:30.

  31.  

    31.  Doutrina e Convênios 136:42.

  32.  

    32. Ver Alma 34:15–17; ver também Éter 12:3.

  33.  

    33. Ver Éter 12:29; Alma 7:27.

  34.  

    34. Ver Mórmon 9:18–21; ver também Morôni 7:33–38; Alma 37:16–17.

  35.  

    35.  Helamã 5:12

  36.  

    36. Thomas S. Monson, “Tenham Bom Ânimo”, A Liahona, maio de 2009, p. 89.

  37.  

    37. Ver Tiago 1:6–8.

  38.  

    38.  Morôni 6:4; ver também Hebreus 12:2.

  39.  

    39.  Hebreus 11:6; ver também Éter 12:41.