Manual 2:
Administração da Igreja

 

10.1 Visão Geral da Organização das Moças

 10.1.1

Propósitos e Objetivos da Organização das Moças

O propósito da organização das Moças é ajudar cada moça a ser digna de fazer e guardar convênios sagrados e de receber as ordenanças do templo. Para cumprir esse propósito, as líderes das Moças orientam cada moça no processo de alcançar os seguintes objetivos:

  1. 1.

    Fortalecer a fé e o testemunho no Pai Celestial e em Jesus Cristo.

  2. 2.

    Compreender sua identidade como filha de Deus.

  3. 3.

    Ser digna pela obediência aos mandamentos e pelo cumprimento dos padrões do evangelho.

  4. 4.

    Receber e reconhecer os sussurros do Espírito Santo e confiar neles.

  5. 5.

    Preparar-se para seu papel divino como filha, esposa, mãe e líder.

  6. 6.

    Compreender e guardar os convênios batismais.

 10.1.2

Tema das Moças

O tema das Moças proporciona um alicerce para ajudar cada moça a cumprir os objetivos relacionados acima.

As moças e suas líderes adultas repetem o tema no início das reuniões dominicais e em outras reuniões das Moças. O tema é o seguinte:

“Somos filhas do Pai Celestial, que nos ama e nós O amamos. Serviremos de ‘testemunhas de Deus em todos os momentos e em todas as coisas e em todos os lugares’ (Mosias 18:9) ao nos esforçarmos por viver os valores das Moças, que são:

Natureza Divina

Valor Individual

Conhecimento

Escolhas e Responsabilidades

Boas Obras

Integridade e

Virtude.

Cremos que, ao aceitar e agir de acordo com esses valores, estaremos preparadas para fortalecer o lar e a família, fazer e guardar convênios sagrados, receber as ordenanças do templo e desfrutar as bênçãos da exaltação”.

 10.1.3

Lema e Emblema das Moças

O lema das Moças é “Defender a Verdade e a Retidão”.

O emblema das Moças é uma tocha circundada pelo tema das Moças. A tocha representa a luz de Cristo que pode brilhar por intermédio de cada moça. As moças são convidadas a erguer-se e brilhar, “para que [sua] luz seja um estandarte para as nações” (D&C 115:5).Emblema das Moças

 10.1.4

Valores das Moças

Os valores das Moças são qualidades cristãs. As aulas dominicais sobre o evangelho, a Mutual e outras atividades ajudam cada moça a colocar esses valores em prática na própria vida.

As seguintes declarações e referências das escrituras aprofundam o entendimento do significado de cada valor. As líderes devem usar essas declarações nas aulas e devem incentivar as moças a aplicar essas verdades à própria vida e a usá-las como recursos para discursos e apresentações.

As cores associadas a cada valor visam ajudar as moças a lembrarem-se dos valores.

Fé (branco): Sou uma filha do Pai Celestial que me ama. Tenho fé em Seu plano eterno, que está centralizado em Jesus Cristo, meu Salvador (ver Alma 32:21).

Natureza Divina (azul): Herdei atributos divinos, os quais me esforçarei para desenvolver (ver II Pedro 1:4–7).

Valor Individual (vermelho): Sou de infinito valor, com minha própria missão divina, a qual me esforçarei para cumprir (ver D&C 18:10).

Conhecimento (verde): Buscarei continuamente oportunidades para aprender e crescer (ver D&C 88:118).

Escolhas e Responsabilidades (laranja): Escolherei o bem em vez do mal e aceitarei a responsabilidade por minhas decisões (ver Josué 24:15).

Boas Obras (amarelo): Ajudarei os outros e edificarei o reino por meio do serviço virtuoso (ver 3 Néfi 12:16).

Integridade (roxo): Terei coragem moral para tornar minhas ações compatíveis com o meu conhecimento do certo e do errado (ver Jó 27:5).

Virtude (dourado):Vou-me preparar para entrar no templo e permanecer pura e digna. Meus pensamentos e ações serão baseados em padrões morais elevados (ver Provérbios 31:10).

 10.1.5

Classes das Moças

As moças da ala são agrupadas em três classes, de acordo com a faixa etária: Abelhinhas (12 e 13 anos), Meninas-Moças (14 e 15 anos) e Lauréis (16 e 17 anos).

Sempre que a moça avança para uma nova faixa etária, suas novas líderes das Moças e presidência da nova classe a recebem calorosamente.

Abelhinhas, 12 e 13 anos

Emblema das AbelhinhasQuando uma moça completa 12 anos, o bispo a entrevista. Ela sai da Primária e passa para as Moças e começa a assistir às reuniões das Moças durante o tempo de compartilhar da Primária (ver 11.4.3). Ela se torna membro da classe das Abelhinhas.

Desde a época dos primeiros pioneiros da Igreja, a colmeia era um símbolo de harmonia, cooperação e trabalho. Quando as moças da Igreja foram organizadas pela primeira vez em um grupo, elas passaram a ser chamadas de Abelhinhas.

Como integrante da classe das Abelhinhas hoje em dia, a moça fortalece sua fé no Pai Celestial e em Jesus Cristo e aprende a trabalhar com outras pessoas em harmonia e cooperação. Agora é o momento em que ela deve defender a verdade e a retidão e “erguer-se e brilhar” (ver D&C 115:5).

Meninas-Moças, 14 e 15 anos

Emblema das Meninas-MoçasA moça se torna membro da classe das Meninas-Moças quando completa 14 anos.

A classe das Meninas-Moças, em inglês, chama-se Mia Maid. O termo Mia refere-se à Mutual Improvement Association (MIA) [ou Associação de Melhoramentos Mútuos] que era o nome do antigo programa dos jovens da Igreja. A palavra Maid significa moça. A Associação de Melhoramentos Mútuos adotou a rosa como emblema de sua organização, e esse emblema continua hoje com as Meninas-Moças como símbolo de amor, fé e pureza.

Como integrante da classe das Meninas-Moças hoje, a moça fortalece seu testemunho do Pai Celestial e de Jesus Cristo, aceita e aplica os valores das Moças e aprende a respeito do amor, da fé e da pureza.

Lauréis, 16 e 17 anos

Emblema das LauréisA moça se torna membro da classe das Lauréis quando completa 16 anos.

Há séculos, as folhas de louro simbolizaram honra e vitória, especialmente quando eram entrelaçadas para formar uma coroa.

Como integrante da classe das Lauréis hoje, a moça se prepara para fazer e guardar convênios sagrados e para receber as ordenanças do templo.

Moças de 18 Anos

A moça normalmente passa para a Sociedade de Socorro em seu aniversário de 18 anos ou no ano seguinte. Aos 19 anos, toda moça deve participar plenamente da Sociedade de Socorro. Devido a fatores individuais, como, por exemplo, testemunho pessoal, maturidade, formatura na escola, desejo de continuar com as amigas e os estudos na faculdade, uma jovem pode passar para a Sociedade de Socorro antes do aniversário de 18 anos ou permanecer mais tempo nas Moças. Cada moça se aconselha com os pais e o bispo para decidir o que será melhor para ajudá-la a continuar participando ativamente na Igreja.

As líderes das Moças e da Sociedade de Socorro trabalham juntas para tornar a transição de cada moça para a Sociedade de Socorro bem-sucedida.

 

10.10 Liderança das Moças da Estaca

 10.10.1

Presidência da Estaca

Os membros da presidência da estaca supervisionam a organização das Moças da estaca. Como parte dessa responsabilidade, eles ensinam aos bispos suas responsabilidades para com as moças.

O presidente da estaca designa um de seus conselheiros para supervisionar a organização das Moças da estaca.

Para mais informações sobre as responsabilidades da presidência da estaca referentes às organizações auxiliares, ver 15.1.

 10.10.2

Sumo Conselheiro Designado para as Moças da Estaca

O presidente da estaca designa um sumo conselheiro para trabalhar com a presidência das Moças da estaca. As responsabilidades desse sumo conselheiro são explicadas no item 15.3.

 10.10.3

Presidência das Moças da Estaca

As responsabilidades da presidência das Moças da estaca estão descritas no item 15.4.1.

 10.10.4

Secretária das Moças da Estaca

As responsabilidades da secretária das Moças da estaca estão descritas no item 15.4.2.

 10.10.5

Comitê do Sacerdócio Aarônico e das Moças da Estaca

O presidente da estaca designa um conselheiro para presidir o comitê do Sacerdócio Aarônico e das Moças da estaca. Os outros membros do comitê são o sumo conselheiro designado para a organização dos Rapazes da estaca, o sumo conselheiro designado para a organização das Moças da estaca, a presidência dos Papazes da estaca com o secretário e a presidência das Moças da estaca com a secretária.

A presidência da estaca pode convidar jovens a participar das reuniões do comitê, quando necessário. Os jovens devem ser incluídos o máximo possível no planejamento e na realização de atividades como conferências de jovens, bailes, devocionais e eventos multiestacas. Os jovens também podem participar de debates sobre os problemas que os jovens da estaca enfrentam.

 10.10.6

Especialista de Atividades das Moças da Estaca

A presidência da estaca pode designar alguns membros da estaca para servir temporariamente como especialistas das Moças, para ajudar a planejar e executar atividades ou programas da estaca. As especialistas podem ficar encarregadas de atividades como acampamento das Moças, eventos de estaca e multiestacas, e atividades esportivas. Elas trabalham sob a direção da presidência das Moças da estaca.

 

10.11 Como Adaptar a Organização das Moças às Necessidades Locais

Em ala ou ramo com poucas moças, todas as moças podem assistir às aulas em conjunto (ver 10.3.5 e 10.6.2). Todas podem participar juntas das atividades.

Se houver poucas líderes adultas em uma ala ou um ramo, a presidência das Moças pode dar as aulas dominicais e administrar o programa de atividades sem consultoras. Em uma unidade muito pequena, a presidente das Moças pode ser a única líder adulta da organização das Moças. Nesse caso, ela dá as aulas dominicais e supervisiona as atividades de todas as moças. Quando possível, devem ser chamadas conselheiras e uma secretária.

Em um ramo muito pequeno que não tenha presidente das Moças, a presidente da Sociedade de Socorro pode ajudar os pais a organizarem aulas para as moças, até que uma presidente das Moças seja chamada.

Como os jovens frequentemente se beneficiam com o convívio social em grupos maiores, os rapazes e as moças de duas ou mais alas ou ramos pequenos podem reunir-se ocasionalmente para atividades combinadas. Se alas e ramos vizinhos tiverem poucas moças, os bispos e presidentes de ramo podem autorizar as moças a reunirem-se para atividades semanais. Ao cogitar essas opções, os bispos e presidentes de ramo devem levar em conta fatores como a distância e os custos de transporte.

Em uma estaca pequena ou um distrito, a presidente das Moças pode ser a única líder das Moças da estaca ou do distrito. Quando possível, devem ser chamadas conselheiras e uma secretária.

Para informações gerais sobre adaptações às necessidades locais, ver o capítulo 17.

 

10.12 Diretrizes e Normas Adicionais

 10.12.1

Jovens com Menos de 14 anos nas Conferências de Jovens e nos Bailes

Os jovens com menos de 14 anos normalmente não participam das conferências de jovens ou dos bailes realizados em ocasiões que não façam parte das atividades regulares da noite da Mutual (ver 13.6.14). O acampamento anual das Moças é uma exceção a essa regra.

 10.12.2

Moças de Outras Religiões

As moças de outras religiões que concordem em seguir os padrões da Igreja devem ser recebidas calorosamente e incentivadas a participar das atividades dos jovens. Elas também podem participar do programa de Progresso Pessoal e ganhar reconhecimento. As despesas referentes a sua participação devem ser tratadas da mesma forma que as das moças que são membros da Igreja.

 10.12.3

Moças com Deficiências

As moças que têm deficiências são normalmente incluídas nas classes regulares. Podem ser feitas exceções com a aprovação dos pais e do bispado.

Para informações sobre compreender, incluir e ensinar moças com deficiências, ver 21.1.26 e disabilities.LDS.org.

 10.12.4

Moças Que Engravidaram Fora dos Laços do Matrimônio ou Que São Mães Solteiras

Se uma moça ficar grávida fora dos laços do matrimônio, a decisão de participar das classes e atividades das Moças fica a critério da moça, dos pais e do bispo, que tomam essa decisão em espírito de oração.

Se uma moça com 17 anos ou mais tiver um filho fora dos laços do matrimônio e decidir ficar com a criança, ela passa a integrar a Sociedade de Socorro, onde é recebida calorosamente e onde poderá receber ajuda e ser ensinada a respeito de suas novas responsabilidades. Ela deixa de fazer parte da organização das Moças.

Se uma moça com menos de 17 anos tiver um filho fora dos laços do matrimônio e decidir ficar com a criança, a decisão de continuar a participar da organização das Moças fica a critério da moça, dos pais e do bispo, que tomam essa decisão em espírito de oração. Se a moça participar dessas classes e atividades, o filho não a acompanhará.

Para informações sobre a prática da Igreja de não incentivar as moças a ficarem com um filho nascido fora dos laços do matrimônio, ver 21.4.12.