O Que Tinha de Acontecer?


Antes da Primeira Visão e antes da Restauração do Evangelho, o mundo tinha que ser preparado.

ARestauração da Igreja não aconteceu na primeira aparição do Pai Celestial e Seu Filho a Joseph Smith. Assim como o solo precisa ser preparado antes que sejam plantadas as sementes, o mesmo tipo de nutrição precisava ser dada à Terra antes que a Igreja de Jesus Cristo pudesse ser restaurada com sucesso.

Durante as centenas de anos depois da Grande Apostasia (ver “O Que Aconteceu com a Igreja de Cristo?”, A Liahona, fevereiro de 2005, pág. 12) o Senhor preparou a Terra para que nela pudesse plantar Sua Igreja. Escolheu um lugar onde seria permitido à Igreja crescer e uma época em que as pessoas estariam prontas para começar a aceitá-la.

Renascimento e Reforma

Começando no século XIV, com o Renascimento, as pessoas começaram a abandonar antigas maneiras de pensar. As ciências, artes e muitas outras áreas da cultura começaram a prosperar na Europa. Abriu-se o caminho para novas idéias, exploração e invenções.

Todas essas novas idéias e a disponibilidade crescente da Bíblia devido a novas técnicas de impressão inspiraram muitos a avaliar o que sabiam e como se sentiam a respeito de religião. Pessoas como João Wycliffe, na Inglaterra, e João Calvino, na Suíça, começaram a questionar as práticas da igreja cristã. Viram que a igreja de seu tempo e a Igreja dos tempos do Novo Testamento não eram a mesma.

Martinho Lutero foi outra dessas pessoas, chamadas de reformadores, que viu que algumas práticas da igreja cristã estavam incorretas. Ele era um homem religioso e culto e desejava mudar as práticas da igreja que não correspondiam aos ensinamentos da Bíblia. Em 1517, em uma tentativa de promover o debate das práticas da igreja, Lutero escreveu um documento, identificado como as Noventa e cinco Teses, e pregou-o na porta de uma igreja em Wittemberg, Alemanha. Esse ato marcou o início da Reforma Protestante.

Lutero foi excomungado da Igreja Católica devido a suas ações de protesto, mas manteve seu desejo de se enquadrar nos ensinamentos da Bíblia. Ele abriu o caminho para outros reformadores por meio de seus anos de trabalho e sua tradução alemã da Bíblia. Muitos seguiram Lutero e outros como ele que lutaram para reformar a igreja cristã ou estabelecer novas igrejas. Essas pessoas foram chamadas protestantes.

Alguns protestantes e outros grupos procuraram mais liberdade religiosa e econômica. Com o espírito desbravador ainda vivo, muitos partiram da Europa, a fim de formar colônias em outros lugares. Um desses lugares foi a América.

Terra dos Homens Livres

Desde a época em que Cristovão Colombo partiu para as Américas, as pessoas estavam interessadas em ir para lá. Os colonos da América do Norte formaram treze colônias e, com o passar do tempo, criaram uma união que conseguiu sua independência da Inglaterra e de todos os outros países. Esse novo país, os Estados Unidos da América, tinha uma constituição que garantia a liberdade religiosa.

Ao final dos anos 1700 e início dos 1800, quase ao mesmo tempo em que os Estados Unidos estavam sendo estabelecidos como um país livre, iniciou-se um reavivamento religioso na parte noroeste dos Estados Unidos. O Profeta Joseph Smith descreveu esse reavivamento: “Houve, no lugar onde morávamos, um alvoroço incomum por questões religiosas. (…) Em verdade, toda a região parecia afetada por esse alvoroço e grandes multidões uniram-se aos diferentes grupos religiosos, o que criou considerável agitação e divisão entre o povo”. (Joseph Smith — História 1:5)

Devido à confusão religiosa que o cercava e instigado por sua fé nas escrituras, Joseph foi ao bosque perto de sua casa, em 1820. Orou, pedindo respostas para suas perguntas. A resposta a sua oração resultou, por fim, na Restauração da verdadeira Igreja de Jesus Cristo nestes últimos dias.

A Época Certa

A Restauração da verdadeira Igreja de Jesus Cristo só pôde ocorrer depois que o Pai Celestial preparou todas as coisas que tornariam possível a Sua Igreja florescer em uma terra preparada. O Renascimento, a Reforma Protestante, o estabelecimento dos Estados Unidos como um país livre, e a preparação de um menino de 14 anos chamado Joseph Smith era tudo parte do plano do Senhor para trazer de volta à Terra a plenitude de Seu evangelho, para que Seus filhos pudessem ser salvos.

A Bíblia

Antes do Renascimento, cópias da Bíblia eram vagarosamente reproduzidas à mão, caras para se obter e em línguas difíceis de serem lidas pela maioria das pessoas. Assim, apenas os ricos, cultos, e o clero da igreja podiam obter e ler as escrituras.

A invenção da prensa de impressão, acerca de 1450, tornou possível a produção da Bíblia em grande quantidade. Essa produção tornou a Bíblia menos dispendiosa. O baixo preço e as novas traduções fizeram com que as escrituras ficassem à disposição de muitos.

A versão oficial da Bíblia em inglês usada por A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias é a Versão do Rei Tiago. Durante cerca de sete anos, mais de 50 eruditos trabalharam na Versão do Rei Tiago usando as melhores fontes disponíveis. Ela foi publicada em 1611.

Em 1820, Joseph Smith estava lendo a Bíblia quando foi induzido a “pedir a Deus”. (Ver Tiago 1:5.) Depois de centenas de anos de acesso limitado às escrituras, qualquer um, até meninos fazendeiros de 14 anos, podiam ler a Bíblia e aprender com ela.

Martinho Lutero

Nascido em 1483, Martinho Lutero é um dos reformadores religiosos mais importantes da história, embora não tenha sido o primeiro. Martinho não iniciou como um erudito religioso. Seu pai queria que ele fosse advogado, mas Martinho deixou seus estudos de advocacia para ingressar em um mosteiro.

Estudou profundamente a Bíblia e concluiu que as pessoas eram salvas apenas pela fé e não por suas boas obras (uma crença que ainda se conserva em nossos dias na Igreja Luterana). Seu conhecimento das escrituras levou-o também a desafiar os líderes da igreja, que ele considerava corruptos. E ficava especialmente irritado com a venda de indulgências, que, supostamente, permitia às pessoas comprar o perdão.

Os estudos de Martinho Lutero levaram-no a escrever um documento denominado Noventa e cinco Teses, que questionava as práticas da igreja. Seus esforços lançaram o alicerce para futuros reformadores que continuaram a trabalhar pela liberdade religiosa na Europa.

Cristovão Colombo

O profeta Néfi escreveu a respeito de Colombo, a quem viu em visão: “E olhei e vi entre os gentios um homem que estava separado da semente de meus irmãos pelas muitas águas; e vi que o Espírito de Deus desceu e inspirou o homem; e indo esse homem pelas muitas águas, chegou até a semente de meus irmãos que estava na terra da promissão”. (1 Néfi 13:12)

Em seu próprio diário e em cartas para outros, Colombo escreveu sobre como sentiu-se inspirado em sua viagem para as Américas. Disse ele: “Nosso Senhor abriu minha mente, enviou-me por sobre o mar, e deu-me o desejo de fazê-lo. (…) Você pode duvidar que o Espírito Santo me tenha ajudado?” (citado em Mark E. Petersen, The Great Prologue [O Grande Prólogo] [1975], pág. 26).

Depois de navegar durante semanas, a tripulação de Colombo achava-se cansada de esperar para achar terra. Colombo lhes disse que se não encontrassem terra em dois dias, dariam meia-volta e retornariam para casa. Depois, orou ao Senhor. No dia seguinte, avistaram terra — haviam encontrado as Américas. E muitos outros começariam a vir à América, formando governos que criaram uma terra de liberdade.

Os Pais Fundadores

O Senhor inspirou as pessoas das treze colônias originais da América a escreverem uma constituição e formarem um governo. Em D&C 101:80, o Senhor diz “estabeleci a Constituição deste país, pelas mãos de homens prudentes que levantei para este propósito; e redimi a terra pelo derramamento de sangue”.

O Presidente Wilford Woodruff (1807–1898) falou a respeito dos bons homens que ajudaram a estabelecer os Estados Unidos da América: “Esses homens que assentaram o alicerce deste governo americano (…) eram os melhores espíritos que o Deus dos céus pôde encontrar na face da Terra. Eram espíritos escolhidos (…) [e] foram inspirados pelo Senhor” (Conference Report [Relatório da Conferência], abril de 1898, pág. 89).

“Os reformadores foram pioneiros a abrir caminhos no deserto, procurando desesperadamente pelos pontos de referência perdidos os quais, julgavam eles, poderiam levar a humanidade de volta à verdade ensinada por Jesus.

João Wycliffe, Martinho Lutero, Jan Huss, Zwiglio, Knox, Calvino e Tyndale foram pioneiros no período da Reforma. A declaração de Tyndale a seus críticos foi memorável: “Farei com que até os meninos que vivem nas fazendas conheçam as escrituras melhor que vocês”. (Ver Roger Hillas, “The History of the Book” (A História do Livro), Washington Post, 10 de abril de 1996.)

“Assim foram a vida e os ensinamentos dos grandes reformadores. Seus feitos foram heróicos, suas contribuições, notáveis e seus sacrifícios, extraordinários, mas eles não restauraram o Evangelho de Jesus Cristo.”

Presidente Thomas S. Monson, Primeiro Conselheiro na Primeira Presidência: “Eles Mostraram o Caminho”, A Liahona, julho de 1997, pág. 63.