Vinde a Cristo


Henry B. Eyring

As palavras “Vinde a Cristo” formam um convite. É o convite mais importante que podemos fazer a alguém, e é o convite mais importante que alguém poderia aceitar. Desde o início da Restauração do evangelho nesta dispensação, esta tem sido a responsabilidade dada por Jesus Cristo a Seus representantes: a responsabilidade de “admoestar, explicar, exortar e ensinar e convidar todos a virem a Cristo”. 1

Ao aceitar o convênio batismal, todo membro da Igreja torna-se um discípulo que promete servir de testemunha de Jesus Cristo em todos os momentos e em todos os lugares em que se encontre. 2 O propósito de nosso testemunho é convidar todos a virem a Cristo.

Todos nós devemos nos empenhar ao máximo para aprender a fazer esse convite de maneira eficaz. Sabemos, por experiência própria, que alguns não aceitarão esse convite. Foram poucos os que o aceitaram, quando o próprio Salvador os convidou, durante Seu ministério mortal. Porém, grande foi Sua alegria pelos que atenderam a Sua voz. E grande é nossa alegria, quando aqueles a quem convidamos aceitam vir a Cristo.

Saber que Ele É o Caminho

É gratificante pensar naqueles momentos, em nossa vida, quando as pessoas atenderam ao nosso convite. Particularmente, tenho observado que elas seguem um padrão quando o aceitam. Em todos os casos, o Espírito Santo manifestou a elas pelo menos três verdades. As experiências nem sempre ocorrem na ordem em que as colocarei, mas todas ocorrem no coração daqueles que realmente vêm a Cristo.

Primeiro: as pessoas passam a reconhecer que a única maneira de obter a tão esperada felicidade nesta vida e na vida vindoura é por meio de Jesus Cristo. Elas passam a acreditar nestas palavras, tiradas do Livro de Mórmon: “Eis que vos digo que, assim como estas coisas são verdadeiras e como o Senhor Deus vive, não há outro nome dado debaixo do céu mediante o qual o homem possa ser salvo, a não ser o deste Jesus Cristo do qual falei”. 3

Não é fácil ter essa certeza em um mundo onde muitas vozes dizem que não há um Deus, que não há pecado e que a felicidade é encontrada no prazer. Mas nossa voz pode tornar-se mais forte, se desenvolvermos o dom de prestar firme testemunho de que Jesus é o Cristo e o Salvador do mundo. Esse testemunho ficará cada vez mais forte, conforme vocês, por si mesmos, experimentarem o poder da Expiação de Jesus Cristo agindo em sua vida. Se ponderarem continuamente sobre como a Expiação mudou sua vida, e se forem sempre gratos por isso, notarão que seu testemunho a respeito Dele ganhará forças para tocar o coração de outras pessoas. E quando elas conseguirem sentir a força de seu testemunho, ao convidá-las, essas pessoas vão aceitá-Lo como seu Senhor e Salvador. E, ao aceitarem o convite, sentirão o coração aquecido, e vocês também sentirão.

Convênio e Obediência

Segundo: aqueles que conheço e que realmente aceitaram vir a Cristo fizeram convênio de obedecer a Ele e de segui-Lo. Pode ser que, no início, eles aceitem pequenos compromissos, como ler o Livro de Mórmon ou ir à reunião sacramental. Isso se manifestará pela fé que tiverem de que Jesus é o Cristo e o Salvador. Quando eles cumprem esses compromissos por meio da fé, eles sentem algo. Talvez não consigam externar esse sentimento por meio de palavras, mas eles se sentem melhor. A obediência, mesmo nas pequenas coisas, traz essa bênção do Senhor. Com o tempo, seu coração se arrependerá. E, com esse sentimento, virá o desejo de fazer o convênio batismal, de tomar sobre si o nome do Salvador e de ser limpos de seus pecados.

Vários motivos levam as pessoas a tomarem essa decisão tão importante. No começo, um homem a quem estávamos ensinando não conseguia ver a necessidade de ser batizado. Afinal, ele tinha-se esforçado para ser uma boa pessoa durante toda a vida; não tinha cometido nenhum pecado grave e, quando criança, tinha sido batizado em outra igreja. Mas, então, dois pensamentos atravessaram sua mente. O primeiro era de que o Salvador tinha recebido o batismo mesmo sem nunca ter pecado, apenas por obediência. E o segundo era de que ele queria assumir um compromisso com o Salvador por intermédio da verdadeira autoridade do sacerdócio, assim como o Salvador, que foi até João para ser batizado.

Um outro rapaz a quem ensinamos aceitou o batismo ao sentir o coração quebrantado pela dor de seus pecados. Ao sair das águas batismais, ele abraçou-me fortemente, com lágrimas correndo pelo rosto, e sussurrou em meu ouvido: “Estou limpo. Estou limpo”.

A escolha que esses dois homens fizeram de ser batizados partiu da mesma fé. Eles sabiam que, se cumprissem o convênio de obedecer aos mandamentos do Salvador, Ele também cumpriria Sua parte no convênio, de guiá-los à vida eterna. Eles estavam prontos para vir a Ele, ser moldados e ser guiados por Ele para, um dia, tornar-se como Ele.

Esforçar-se para Ser Como Ele

Isso nos leva ao terceiro ponto que observei na vida daqueles que verdadeiramente vieram a Cristo: eles se esforçam para ser como Ele. Passam a fazer aos outros aquilo que Ele faria. Vocês e eu já vimos isso acontecer com pessoas fiéis, assim que se batizam e recebem o Espírito Santo. Certa vez, meu companheiro de missão e eu fomos visitar uma família a quem havíamos ensinado e que se batizara havia poucas semanas. Os pais nos levaram ao andar de baixo da casa para nos mostrar um cômodo que outrora fora o quarto de uma de suas duas filhas. Agora as filhas dividiam um outro quarto, e aquele cômodo recém-desocupado estava repleto de coisas que a família poderia necessitar em caso de emergência.

Nós não tínhamos ensinado nada a eles sobre preparar-se para emergências. Ao perguntar por que haviam feito algo tão difícil, e em tão pouco tempo, a resposta foi que eles haviam lido em uma revista da Igreja que o Senhor gostaria que as famílias estivessem preparadas para cuidar de si mesmas e de seu próximo. Eles disseram: “Não é isso que fazem os santos dos últimos dias?”

Essa simples fé se estendia a tudo o que eles sentiam que o Salvador queria que fizessem. E o desejo de segui-Lo perdurou e os modificou. Eles sempre tinham sido bondosos, ajudando outras pessoas. Mas sua capacidade de demonstrar caridade aumentou. E esse tem sido o padrão que encontro naqueles que continuam vindo a Cristo durante toda a vida.

Às vezes, falamos na retenção de membros como se pudéssemos segurá-los. Podemos e devemos ser amigos daqueles que escolheram vir a Ele. Eles podem-se sentir desanimados quando vêm as provações, que por certo virão. Ainda assim, devemos lembrar que os melhores e mais confiáveis amigos que eles têm são o Salvador e Seu Pai, que também é o Pai deles. O Pai Celestial e o Salvador enviarão o Espírito Santo para consolá-los e para confirmar sua fé, se com humildade forem obedientes. Por exemplo, quando vocês forem fazer a visita de professoras visitantes ou de mestres familiares a membros novos, se pedirem a eles que orem, ou que ensinem, ou que marquem a visita, vocês provavelmente estarão dando mais força a eles do que as expressões de amor. Isso atrairá os poderes dos céus, que os ajudarão a passar por provações e os protegerão contra o orgulho, quando as bênçãos começarem a ser derramadas sobre eles, como certamente serão.

Uma Mudança de Coração

Outra coisa maravilhosa vai acontecer. Ao colocar o coração na obra de convidar pessoas a virem a Cristo, seu coração vai mudar. Vocês estarão fazendo o trabalho Dele para Ele. Notarão que Ele cumpre Sua promessa de ser um com vocês, em seu trabalho. Passarão a conhecê-Lo melhor. Por fim, acabarão sendo como Ele é e “[serão aperfeiçoados] nele”. 4 Ao ajudar as pessoas a virem a Ele, vocês perceberão que, na realidade, quem veio a Ele foram vocês. Se desejam estar próximos a Ele e sentir Sua paz, a melhor maneira é trabalhar em Sua obra.

Foi Ele quem disse:

“Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei.

Tomai sobre vós o meu jugo, e apren-dei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas.

Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve.” 5

Testifico-lhes que Ele cumprirá essa promessa àqueles que convidarmos a virem a Ele. E que Ele cumpre essa promessa aos que O servem fazendo esse convite.

O CONVÊNIO DE OBEDECER A ELE E SEGUI-LO

Eu tinha 60 anos, nenhum dinheiro, e uma vida infeliz. Acreditava que minha vida era para o meu próprio prazer. Estava perdido, com os olhos fechados e, então, Jesus Cristo abriu-os.

Meu batismo, confirmação e os convênios que fiz com Jesus Cristo compõem o milagre que mudou minha vida inteira. Percebi o que poderia ganhar e o que era importante para mim. Agora sou uma pessoa feliz, porque conheço Jesus Cristo.

Nunca pensei que um homem do mundo, como eu, poderia um dia tornar-se membro da Igreja, portador do sacerdócio e presidente de ramo. É, para mim, um grande presente poder servir a Jesus Cristo, nosso Salvador.

ESFORÇAR-SE PARA SER COMO ELE

Amo o Senhor de todo o coração. Ele é meu amigo. Sei que, graças a Ele, posso ser perdoada.

O evangelho e meu testemunho de Jesus Cristo têm-me ajudado a ser uma melhor mãe, esposa, irmã e amiga. Por causa do meu testemunho, procuro viver como Deus espera que eu viva: com integridade, honestidade, mansuetude, amor, paciência e compaixão, tratando as pessoas como filhos e filhas de Deus e ajudando quando necessário. Ao tentar ser como Cristo, espero que as pessoas tenham o desejo de aprender mais sobre Ele.

ENCONTRAR ALEGRIA POR MEIO DE JESUS CRISTO

Jesus disse: “Eu sou o caminho, e a verdade e a vida” (João 14:6). Não há palavras melhores do que as Suas para expressar meu testemunho.

Estudei literatura, filosofia e história para me formar no nível superior. Percebi que todas as grandes idéias, teorias e atividades têm seus limites. O mesmo acontece com um pai terreno, que não pode garantir paz, sabedoria ou eternidade ao próprio filho.

Contudo, nosso Pai Celestial declarou ao mundo que, se seguirmos o caminho de Cristo, imitando Seu exemplo e obedecendo a Suas verdades reveladas, podemos obter a verdadeira felicidade nesta vida. E depois desta vida — quando voltarmos à presença de nosso Pai Celestial — teremos felicidade eterna ao Seu lado.

Exibir Referências

    Notas

  1.   1.

    D&C 20:59.

  2.   2.

    Ver Mosias 18:8–10.

  3.   3.

    2 Néfi 25:20.

  4.   4.

    Morôni 10:32.

  5.   5.

    Mateus 11:28–30.