Convite para Indexadores em Todo o Mundo


Desde a introdução da indexação no FamilySearch em 2006, já foram digitalizados mais de 800 milhões de registros. Mas o trabalho não está concluído, e a necessidade de indexadores no mundo inteiro está aumentando.

Quando Hilary Lemon, de Utah, EUA, voltou da missão, ainda faltavam alguns meses para suas aulas recomeçarem. Ao procurar maneiras produtivas de usar o tempo, passou a ajudar com a indexação on-line no FamilySearch. Começou a indexação em inglês, mas logo percebeu que havia oportunidades de indexação em outras línguas, inclusive o português, o idioma que aprendera na missão.

“Como fiz missão em Portugal, interessei-me pelos projetos de indexação existentes para o Brasil e Portugal. Meu interesse aumentou quando vi um projeto de Setúbal, Portugal, uma das áreas onde servi”, conta Hilary.

Hilary é uma voluntária que está ajudando a atender às necessidades cada vez maiores do FamilySearch de indexar registros em outros idiomas além do inglês. Como os outros 127 mil voluntários ativos, Hilary está extraindo os nomes e eventos de falecidos, a fim de que os membros consigam encontrar as informações que buscam e realizar as ordenanças do templo por seus antepassados.

O que É a Indexação?

A indexação no FamilySearch é o processo de leitura das versões digitalizadas de registros físicos — tais como registros vitais, de recenseamentos, inventários e registros eclesiásticos — e de lançamento dos dados neles contidos num banco de dados pesquisável on-line. Por meio desse trabalho, os voluntários de indexação permitem que os membros e outros pesquisadores de história da família localizem facilmente os dados de seus antepassados na Internet.

A indexação conferiu simplicidade e facilidade ao trabalho de história da família. “Antigamente, quem estava à procura de parentes precisava consultar microfilmes. Quando achava um familiar que buscava, podia encontrar outros nomes da mesma família. Mas para isso era preciso retroceder o microfilme várias vezes”, explica József Szabadkai, indexador da Hungria.

Hoje o FamilySearch continua a reunir registros históricos mantidos por governos e particulares do mundo inteiro. Mas em vez de simplesmente filmar os registros e pôr os filmes à disposição de pesquisadores, os funcionários do FamilySearch os digitalizam para serem usados no programa de indexação. Os voluntários baixam essas imagens para seu computador e digitam os dados como os veem. Dessa forma, os dados são digitalizados e podem ser encontrados pela função de busca no FamilySearch.org enquanto os pesquisadores trabalham no conforto do próprio lar.

Até que Ponto Já Chegou a Indexação?

Desde a introdução da indexação no FamilySearch 2006, os indexadores voluntários fizeram um progresso significativo — já transcreveram, até o momento, cerca de 800 milhões de registros. Mas o trabalho está longe de estar concluído. Os Depósitos da Montanha de Granito em Salt Lake City, onde são armazenados e protegidos os registros filmados, contêm cerca de 15 bilhões de registros — e mais registros são adicionados constantemente. Esses registros contêm informações sobre bilhões de pessoas de mais de 100 países em mais de 170 idiomas.

Robert Magnuski, missionário de serviço da Igreja e indexador ativo da Polônia, está vivenciando em primeira mão a demanda por mais voluntários de idiomas que não o inglês. “Devido à partição do país de 1772 a 1918, os registros da Polônia foram mantidos em quatro idiomas: russo, alemão, latim e polonês”, explica ele. Como os indexadores da Polônia em sua maioria falam polonês, começaram indexando os registros escritos nesse idioma. Então ainda há trabalho a ser feito nos registros em russo, alemão e latim. Com o auxílio de voluntários de diferentes países que têm experiência com várias línguas, os pesquisadores de história da família do mundo inteiro podem encontrar seus antepassados — independentemente do idioma em que foram registrados os dados vitais.

Para facilitar o acesso a esses registros, o programa de indexação foi posto à disposição em onze idiomas: alemão, espanhol, francês, holandês, inglês, italiano, japonês, polonês, português, russo e sueco. As pessoas que falam qualquer um desses idiomas — como idioma materno ou aprendido no serviço missionário, por estudo ou de outra forma — são incentivadas a inscreverem-se e começarem a indexar registros.

Como É que Começo?

É rápido e fácil começar a trabalhar como indexador voluntário. Siga as instruções contidas em indexing.familysearch.org para baixar o programa para seu computador. Em seguida, crie uma conta e selecione um grupo ou “lote” de registros a indexar. Os registros foram agrupados em pequenos lotes de 20 a 50 nomes para permitir que os voluntários passem o tempo que desejarem indexando, de acordo com suas possibilidades. Cada lote leva cerca de 30 minutos para ser concluído, mas é possível parar no meio e recomeçar depois, pois o programa salva o trabalho já realizado. Caso o lote não seja terminado dentro de uma semana, será automaticamente posto à disposição de outras pessoas.

Lotes de países do mundo inteiro estão sendo fornecidos para indexação à medida que os registros desses países são adquiridos pelo FamilySearch. O irmão Szabadkai é da Hungria, mas começou a indexar registros em inglês e africâner até que foram disponibilizados registros de seu próprio país. “O anúncio do primeiro lote húngaro em 2011 foi um momento de enorme felicidade”, recorda o irmão Szabadkai. “Muitos membros húngaros, tanto jovens quanto idosos, inscreveram-se e tornaram-se indexadores entusiastas desde aquele momento.” O entusiasmo do irmão Szabadkai decorre da esperança de que muitos de seus próprios antepassados venham a ser encontrados à medida que esses registros forem transcritos. “Ao criarmos esse fantástico banco de dados, conseguiremos encontrar mais nomes de nossa família, poupando tempo e ajudando nossos antepassados a receberem suas ordenanças de salvação mais rapidamente.”

E Se Eu Não Tiver Acesso às Mais Novas Tecnologias?

Em várias partes do mundo, o acesso aos computadores e à Internet representa um desafio para algumas pessoas que estão ansiosas para indexar. Foi a situação enfrentada pelos líderes da Estaca Cidade do México Zarahemla quando resolveram envolver os jovens no programa. Como nem todos os jovens tinham computador em casa, os líderes da estaca decidiram reservar os laboratórios de informática de uma escola próxima para serem usados fora do horário de aulas.

Então os jovens trabalharam para indexar os registros do recenseamento mexicano de 1930. “Ao examinarem os documentos”, conta o Bispo Darío Zapata Vivas, “os jovens ficaram imaginando as pessoas que foram de casa em casa para coletar todas essas informações, sem saber que um dia seus esforços contribuiriam para a obra do Senhor de levar ‘a efeito a imortalidade e vida eterna do homem’” (Moisés 1:39).

Devido aos esforços criativos dos líderes da estaca para proporcionar acesso à tecnologia necessária, os jovens e outros membros da estaca conseguiram indexar mais de 300.000 registros num único mês.

Conforme demonstrado pelos jovens da Estaca Zarahemla, mesmo sem possuir computador é possível participar. O programa de indexação funciona em qualquer computador com acesso à Internet, de modo que pode ser usado na casa de outros membros, em centros de história da família, em capelas e até mesmo em escolas ou bibliotecas, onde for permitido.

As Bênçãos da Indexação

Os documentos portugueses que a irmã Hilary Lemon indexou eram certidões de batismo de mais de dois séculos. As páginas estavam desbotadas e a caligrafia rebuscada era de difícil leitura, mas ela perseverou no projeto ao pensar nos nomes escritos nas páginas como pessoas à espera das ordenanças do templo.

“Ao indexar, em mais de uma ocasião senti a agradável e forte impressão de que um dia um membro da Igreja português abriria aquele registro batismal que eu indexara e identificaria um antepassado seu”, relata Hilary. “Agora que foi anunciado um templo para Lisboa, Portugal, sei que chegará o dia em que os membros de lá encontrarão seus antepassados por causa do trabalho de indexação no FamilySearch que está sendo realizado.”

Com o auxílio de voluntários como a irmã Lemon, mais registros serão preservados, e será aberto o caminho para que pessoas falecidas desfrutem as bênçãos do evangelho em sua plenitude.

Para mais informações, visite o site indexing.familysearch.org ou entre em contato com o especialista de história da família da ala ou do ramo.

Encontrar Tempo para a História da Família

Muitas pessoas não conseguem encontrar tempo para se dedicar à história da família. Jonni Sue Schilaty, de Utah, EUA, encontrou uma maneira de encaixar a indexação em sua agenda. “Adoro indexar!” exclama a irmã Schilaty. “Quando meu marido e eu viajamos de carro, baixo lotes de registros para meu laptop e fico trabalhando off-line durante o trajeto. Quando chegamos ao destino, entro na Internet, insiro os lotes concluídos e em seguida baixo mais lotes para a viagem de volta. Aproveito cada minuto de que disponho para indexar e acho que essas viagens de carro deram muito certo para mim.”

Qualquer Pessoa Pode Indexar

A indexação adapta-se a pessoas em todas as fases da vida — inclusive estudantes, mães que não trabalham fora, empresários ou aposentados. David e Bernice Blyde serviram sete missões de tempo integral e atualmente estão em casa, na Nova Zelândia, onde continuam a servir. “Há sempre algo que podemos fazer na Igreja para nos mantermos ocupados e ativos”, garante a irmã Blyde. “A indexação cumpriu essa função para nós.” Desde 2009, a irmã Blyde já indexou mais de 180.000 nomes. “É emocionante estar envolvida neste programa maravilhoso”, afirma ela. “Este trabalho é vital para encontrar nossos antepassados e dar-lhes a oportunidade de progredir.”

O FamilySearch É de Fácil Utilização

Com o restante dos jovens da Estaca Chorley Inglaterra, Makenzie, de quinze anos, foi convidada pela presidência da estaca para indexar 200 nomes. “Os 200 acabaram se tornando 2.000!” recorda Makenzie. “É muito rápido e fácil indexar. Há instruções para nos ajudar a compreender nomes de pessoas e lugares. Compartilhei meu conhecimento de indexação com meus familiares e amigos, mostrando-lhes como criar sua própria conta e demonstrando como é simples e agradável.”