Caderno da Conferência de Outubro


“O que eu, o Senhor, disse está dito; (…) seja pela minha própria voz ou pela voz de meus servos, é o mesmo” (D&C 1:38).
Para recordar a conferência geral de abril de 2012, você pode usar estas páginas (e os Cadernos da Conferência que vão ser publicados em edições futuras) para ajudá-lo a estudar e a colocar em prática os mais recentes ensinamentos dos profetas e apóstolos vivos.

Para ler, ver ou ouvir os discursos da conferência geral, visite o site conference.LDS.org.

Histórias da Conferência

Foi por Acaso Que Nossos Caminhos Se Cruzaram?

Presidente Thomas S. Monson, “Pensem nas Bênçãos”, A Liahona, novembro de 2012, p. 86.

Numa noite extremamente fria de sábado, no inverno de 1983–1984, minha mulher e eu percorremos vários quilômetros de carro até o vale das montanhas de Midway, Utah, onde temos uma casa. A temperatura naquela noite chegara a menos 31 graus centígrados, e queríamos ter certeza de que tudo estava bem em nossa casa ali. Verificamos e descobrimos que tudo estava bem, por isso partimos de volta para Salt Lake City. Mal tínhamos percorrido alguns quilômetros (…) quando nosso carro parou de funcionar. Estávamos completamente encalhados. (…) 

Relutantemente, começamos a caminhar até a cidade mais próxima, com os carros passando a toda velocidade por nós. Por fim, um carro parou, e um rapaz se ofereceu para nos ajudar. (…) Aquele bondoso rapaz nos levou de volta a nossa casa em Midway. Tentei reembolsá-lo (…), mas ele (…) disse que era escoteiro e queria fazer uma boa ação. Eu disse para ele quem eu era, e ele expressou sua gratidão pelo privilégio de ter podido ajudar. Presumindo que estivesse na idade de ser missionário, perguntei se tinha planos de servir uma missão. Ele disse que não tinha certeza do que queria fazer.

Na segunda-feira seguinte, escrevi uma carta àquele rapaz e agradeci a ele por sua bondade. Na carta, eu o incentivei a servir uma missão de tempo integral.(…)

Mais ou menos uma semana depois, a mãe do rapaz me telefonou e me informou que seu filho era um rapaz extraordinário, mas que devido a certas influências em sua vida, o desejo que sempre tivera de servir uma missão havia diminuído. Ela disse que ela e o pai dele haviam jejuado e orado para que seu coração mudasse. (…) [Ela] quis que eu soubesse que ela considerava o que acontecera naquela noite fria como uma resposta a suas orações em favor dele. Eu disse: “Concordo com você”.

Após vários meses e outras comunicações com aquele rapaz, minha mulher e eu ficamos muito contentes em participar de sua despedida missionária antes de ele partir para a Missão Canadá Vancouver.

Será que foi por acaso que nossos caminhos se cruzaram naquela fria noite de dezembro? Não creio nisso nem por um momento sequer. Em vez disso, creio que nosso encontro foi a resposta à oração sincera de uma mãe e de um pai em favor do filho que eles amavam.

Considere a possibilidade de escrever seus pensamentos num diário ou discuti-los com outras pessoas.

Perguntas para Refletir:

  • Como o fato de servir missão poderá fortalecer você e aqueles a quem ensinar?

  • O que você pode fazer a fim de preparar-se para a missão?

Outros recursos sobre esse assunto: Pregar Meu Evangelho: Guia para o Serviço Missionário, 2004; Russell M. Nelson, “Perguntem aos Missionários! Eles Podem Ajudá-los!”, A Liahona, novembro de 2012, p. 18.

Mudança nas Diretrizes para a Idade dos Missionários

Na conferência geral de outubro de 2012, o Presidente Thomas S. Monson anunciou: “Todos os rapazes dignos e capazes que tiverem se formado no Ensino Médio ou equivalente (…) terão a opção de serem recomendados para o serviço missionário a partir dos 18 anos de idade, em vez de aos 19. (…) Toda moça capaz e digna que tenha o desejo de servir pode ser recomendada para o serviço missionário a partir dos 19 anos de idade, em vez de aos 21” (“Bem-Vindos à Conferência”, A Liahona, novembro de 2012, p. 4).

Promessa Profética

“Nosso Pai Celestial está ciente de nossas necessidades e (…) vai nos auxiliar se O invocarmos pedindo ajuda. Não creio que nenhuma preocupação que tenhamos seja demasiadamente pequena ou insignificante. O Senhor conhece os detalhes de nossa vida.”Presidente

Thomas S. Monson, “Pensem nas Bênçãos”, A Liahona, novembro de 2012, p. 86.

Cantinho do Estudo

Traçar Paralelos: A Verdadeira Conversão

Alguns tópicos de grande importância foram mencionados por mais de um orador da conferência geral. Aqui está o que quatro oradores disseram sobre a conversão verdadeira. Tente encontrar outros paralelos enquanto estuda os discursos da conferência.

  • “A verdadeira conversão (…) inclui o compromisso consciente de tornar-se um discípulo de Cristo.”1 — Élder David A. Bednar, do Quórum dos Doze Apóstolos.

  • “No batismo, prometemos tomar sobre nós ‘o nome de [Jesus] Cristo, com a firme resolução de servi-lo até o fim’. [Morôni 6:3; grifo do autor.] Esse convênio exige esforço corajoso, comprometimento e integridade.”2 — Élder Quentin L. Cook, do Quórum dos Doze Apóstolos.

  • “Somos seguidores de nosso Salvador Jesus Cristo. Essa conversão e confiança é o resultado de um esforço diligente e deliberado. É individual. É um processo que dura a vida inteira.”3 — Ann M. Dibb, segunda conselheira na presidência geral das Moças.

  • “Somente quando nosso testemunho transcender o que está em nossa mente e penetrar profundamente em nosso coração é que nossa motivação para amar e servir se tornará como a do Salvador.”4 — Élder M. Russell Ballard, do Quórum dos Doze Apóstolos.

    Notas

  1.   1.

    David A. Bednar, “Convertidos ao Senhor”, A Liahona, novembro de 2012, p. 106.

  2.   2.

    Quentin L. Cook, “Podeis Agora Sentir Isso?”, A Liahona, novembro de 2012, p. 6.

  3.   3.

    Ann M. Dibb, “Sei Disso. Vivo Isso. Adoro isso”, A Liahona, novembro de 2012, p. 10.

  4.   4.

    M. Russell Ballard, “Ocupar-se Zelosamente”, A Liahona, novembro de 2012, p. 29.