Deus pede que agradeçamos a Ele por todas as bênçãos que recebemos Dele. É fácil tornar-nos mecânicos em nossas orações de gratidão, repetindo as mesmas palavras muitas vezes, mas sem a intenção de darmos graças como um presente de coração para Deus. Devemos “no Espírito (…) render graças a Deus” (D&C 46:32) para podermos sentir real gratidão por aquilo que Deus nos tem dado.

Como podemos não nos lembrar de sequer uma parte de tudo o que Deus já fez por nós? O Apóstolo João relatou o que o Salvador nos ensinou sobre um dom de lembrança que recebemos por meio do dom do Espírito Santo: “Mas aquele Consolador, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas, e vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito” (João 14:26).

O Espírito Santo traz de volta lembranças do que Deus nos ensinou. E uma das maneiras pelas quais Deus nos ensina é por meio de Suas bênçãos, e assim, se decidirmos exercer fé, o Espírito Santo nos trará a bondade de Deus de volta à lembrança.

Você pode testar isso em sua oração hoje. Você pode obedecer ao mandamento: “Agradecerás ao Senhor teu Deus em todas as coisas” (D&C 59:7).

O Presidente Ezra Taft Benson (1899–1994) indicou que a oração proporciona tempo para que façamos isso. Ele disse: “O Profeta Joseph Smith disse certa vez que um dos maiores pecados de que os santos dos últimos dias são culpados é o pecado da ingratidão. Presumo que a maioria de nós não tenha considerado isso como um grande pecado. Em nossas orações e em nossas súplicas ao Senhor, temos a grande tendência de pedir bênçãos adicionais. Mas, às vezes, sinto que precisamos dedicar mais tempo de nossas orações para expressar gratidão e apreço pelas bênçãos já recebidas. Recebemos muito”.1

Você poderia ter essa experiência pessoal com o dom do Espírito Santo hoje. Pode começar uma oração pessoal com agradecimentos. Pode começar a contar suas bênçãos e fazer uma pausa por um momento. Se exercitar fé, com o dom do Espírito Santo, vai descobrir que as lembranças de outras bênçãos lhe inundarão a mente. Se começar a expressar gratidão por cada uma delas, sua oração pode demorar um pouco mais do que o habitual. As lembranças virão, e também a gratidão.

Você pode experimentar fazer o mesmo ao escrever algo em seu diário. O Espírito Santo ajuda as pessoas desde o início dos tempos. Você deve se lembrar de que o livro de Moisés diz: “E escrevia-se um livro de recordações; e era escrito no idioma de Adão, pois a todos que invocavam a Deus era concedido escrever pelo espírito de inspiração” (Moisés 6:5).

O Presidente Spencer W. Kimball (1895–1985) descreveu esse processo de escrita inspirada: “Aqueles que mantêm um livro de lembranças são mais propensos a conservar o Senhor na memória em seu cotidiano. O diário é uma maneira de contar nossas bênçãos e de deixar um inventário dessas bênçãos para nossa posteridade”.2

Ao começar a escrever, você pode se perguntar: “Como é que Deus abençoou a mim e àqueles que eu amo hoje?” Se você fizer isso com suficiente frequência e com fé, vai lembrar-se de muitas bênçãos. E muitas vezes se recordará de dádivas que você não percebeu durante o dia, mas, então, vai saber que foram um toque da mão de Deus em sua vida.

Oro para que façamos com fé um esforço contínuo de reconhecer, lembrar e agradecer pelo que nosso Pai Celestial e nosso Salvador fizeram e estão fazendo para que retornemos à presença Deles.

Ensinar Usando Esta Mensagem

Em sua mensagem, o Presidente Eyring nos convida a lembrar-nos da bondade do Pai Celestial em nossas orações. Troque ideias com aqueles que você ensina sobre como orar com gratidão pode nos ajudar a reconhecer a mão de Deus em nossa vida. Você pode se ajoelhar para orar com aqueles a quem ensina e sugerir à pessoa que fará a oração que somente expresse gratidão.

Também pode estudar a importância da gratidão com a leitura destes versículos, além do que o Presidente Eyring mencionou: Salmos 100; Mosias 2:19–22; Alma 26:8; 34:38; Doutrina e Convênios 59:21; 78:19; 136:28.

Exibir Referências

Notas

  1. 1.

    Ezra Taft Benson, God, Family, Country: Our Three Great Loyalties, 1974, p. 199.

  2. 2.

    Spencer W. Kimball, “Listen to the Prophets”, Ensign, maio de 1978, p. 77.